Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple | Ricardo Gessner

busca | avançada
41820 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil pré-estreia Atos com Antonio Pitanga nesta segunda (19/11)
>>> TV Brasil apresenta programação temática na Semana da Consciência Negra
>>> Baterias Brasileiras do Sesc Belenzinho apresenta shows com Pupillo e Curumin
>>> Refúgios Musicais do Sesc Belenzinho apresenta banda de haitianos Surprise
>>> Avesso - O Musical aborda conflito de gerações em musical jovem de fortes emoções
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O naufrágio é do escritor
>>> Os X-men e o fim da infância
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Emagrecer sem sofrer? Isso é papo de revista
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Negrinha e os donos do sentido
>>> AC/DC com Bon Scott
>>> Filosofia de boteco
>>> Mar de Gente, de Ivaldo Bertazzo
Mais Recentes
>>> Festa Sob as Bombas / Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> A Cidade Perversa / Liberalismo e Pornografia de Dany-Robert Dufour pela Civilização Brasileira (2013)
>>> Réquiem para o Sonho Americano de Noam Chomsky pela Bertrand Brasil (2017)
>>> Fundamentos doutrinários de umbanda de Rubens Saraceni pela Madras (2013)
>>> O Capitalismo Como Religião de Walter Benjamin pela Boitempo (2013)
>>> Umbanda de todos nós de W.W. da Matta e Silva pela Ícone Ed. (2014)
>>> O Que É uma Revolução de Álvaro García Linera pela Expressão Popular (2018)
>>> A canção no tempo v. 1 de Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello pela Ed. 34 (2006)
>>> A Viúva Cliquot de Tilar J. Mazzeo pela Rocco (2018)
>>> Sobre o Islã de Ali Kamel pela Nova Fronteira (2007)
>>> O poder do silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2010)
>>> O Vínculo do Prazer de William H. Masters, Virginia E. Johnson pela Círculo do Livro (1975)
>>> Criança Inquieta - Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade? de Esméria Rovai, Carlos Brunini pela Livro on Demand (2018)
>>> O Divã a Passeio de Fabio Herrmann pela Brasiliense (1992)
>>> Psicoterapia Psicodramática de Dalmiro Manuel Bustos pela Brasiliense (1979)
>>> Que Barulho é Esse, Ratinho? de Stephanie Stansbie, Polona Lovsin pela Zastras (2010)
>>> Aritmética - Novas Perspectivas - Implicações da Teoria de Piaget de Constance Kamii e Linda Leslie Joseph pela Papirus (1993)
>>> Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico de Celso Furtado pela Nova Cultural (1986)
>>> A Volta ao Mundo Em 80 Dias de Júlio Verne pela Codil (1970)
>>> O Universo e Eu de Mara Muniz pela D&z (1999)
>>> O Menino Maluquinho de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2000)
>>> Clarindo Silva - o Dom Quixote do Pelourinho de Vander Prata pela Alba (2012)
>>> Café Em São Paulo de Élcio Nogueira pela Litteris (1999)
>>> Chapéu de Mágico de Anna Maria Lavezzini pela Editado pela Autora (1993)
>>> Pais Inteligentes Formam Sucessores, Não Herdeiros de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Desmatamento e Modos de Vida na Amazônia de Antonio Carlos Diegues (org.) pela Nupaub (1999)
>>> Tratado de Economia Política de Jean Baptiste Say pela Nova Cultural (1986)
>>> Gomorra de Roberto Saviano pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi (org.) pela Objetiva (2001)
>>> Os Irmãos Karamázov - 2 Vols. de Fiódor Dostoiévski pela 34 (2008)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Círculo do Livro (1981)
>>> Como Se Faz uma Tese de Umberto Eco pela Perspectiva (1989)
>>> Mitos e Lendas da Roma Antiga de John Gilbert pela Melhoramentos (1976)
>>> Nunca Desista de Seus Sonhos de Augusto Cury pela Sextante (2007)
>>> A Erva do Diabo de Carlos Castaneda pela Nova Era (2002)
>>> Código Penal Comentado - Legislação Complementar de Celso Delmanto e Outros pela Renovar (2002)
>>> O Boto do Reno - as Histórias de um Repórter de Fórmula 1 pelo Mundo de Flavio Gomes pela Letradelta (2005)
>>> Conheça-se a Si Mesmo de Karen Horney pela Civilização Brasileira (1964)
>>> Dois Cigarros de Flavio Gomes pela Gulliver (2018)
>>> Perdidos e Achados - Entre a Escuta Poética e a Psicoterapia de Fátima Santa Rosa pela Solisluna (2018)
>>> Fotogramas do Imaginário: Manoel de Barros - Ensaios de Igor Rossoni pela Vento Leste (2007)
>>> Insetos no Folclore de Karol Lenko e Nelson Papavero pela Plêiade (1996)
>>> Double Page Numéro 7 - Cavaliers des Stepppes de Roland Michaud, Sabrina Michaud pela Éditions Snep (1981)
>>> Catálogo Raisonné Tarsila do Amaral - Box Com 3 Volumes de Maria Eugênia Saturni, Regina Teixeira de Barros pela Base 7 Projetos Culturais (2008)
>>> O Brasil de Marc Ferrez de Sergio Burgi e Equipe do Instituto Moreira Salles pela Ims (2005)
>>> Amor Vale a Pena - Reflexões, Contos e Poemas de Fábio Salgueiro pela Bb (2016)
>>> Psicodrama - Descolonizando o Imaginário de Alfredo Naffah Neto pela Brasiliense (1979)
>>> Os Magos de Caprona de Diana Wynne Jones pela Geração Editorial (2001)
>>> Mais Platão Menos Prozac - a Filosofia Aplicada ao Cotidiano de Lou Marinoff pela Record (2006)
>>> Platão - Coleção os Pensadores de Platão pela Abril Cultural (1972)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 9/9/2018
Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
Ricardo Gessner

+ de 600 Acessos

Recentemente conclui minha releitura do livro Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple, cujo estilo de escrita não me canso de ler. O título é claramente provocativo; alguns argumentariam que se trata de uma jogada de marketing para chamar nossa atenção. Que seja, pois nesse gesto de “chamar a atenção” ele também revela, sutilmente, a nossa ignorância diante da aplicabilidade do termo “preconceito”, com larga aceitação (ou rejeição), mas, ao mesmo tempo, feita de maneira irrefletida e, não raro, mecânica.

Normalmente o “preconceito” está associado a uma atitude de repúdio anterior à experiência; de rejeitar algo ou alguém antecipadamente, sem conhecimento ou segundo critérios infundados, como: cor da pele, do cabelo, nacionalidade etc. Nesse sentido, “preconceito” é algo deletério; como poderia alguém escrever um livro em sua defesa?

Não é esta acepção que Dalrymple aplica; segundo o autor, há um matiz conceitual que define o “preconceito” como um conjunto de valores morais preconcebidos, construídos ao longo da história e mantidos através da tradição. Diferentemente da acepção comum, neste caso o “preconceito” é algo benéfico e salutar. Nesse sentido, o livro de Dalrymple é tanto uma defesa quanto uma crítica: defende os valores tradicionais e critica aqueles que, sob as mais variadas (e, não raro, infundadas) justificativas, pretendem destruí-los.

Em primeiro lugar, uma pessoa que se declara viver sem preconceitos e os contesta é uma espécie de cartesiano, pois articula um modus operandi similar: se René Descartes preocupou-se em fundamentar um posicionamento filosófico puro, isto é, sem o menor resquício de dúvidas e, desse modo, garantindo-lhe maior segurança para construir um raciocínio o mais próximo da Verdade, alguém “sem preconceitos” almeja, analogamente, um lugar “puro”, sem o menor resquício de preconceito e, assim, apresentar-se como alguém “superior e livre de ideias pré-concebidas”. Em síntese, ao invés da projeção de dúvidas, projetam-se “preconceitos”: “A popularidade do método cartesiano não decorre do desejo de remover as dúvidas metafísicas e encontrar a certeza, mas o que ocorre é precisamente o oposto: jogar dúvida em todas as coisas e, portanto, aumentar o escopo de licenciosidade pessoal ao destruir, de antemão, quaisquer bases filosóficas para a limitação dos próprios apetites” (p. 21)

No entanto, a conduta “anti-preconceito” se apoia numa crítica aos valores tradicionais como forma de justificar filosoficamente comportamentos pessoais licenciosos, assim como alargar (se não, abolir) os limites em torno “dos próprios apetites”. Entenda-se “comportamentos pessoais licenciosos” como sendo os interesses de ordem pessoal, que normalmente são restringidos por alguma “autoridade moral”, por “valores tradicionais” ou algo do gênero.

“Então, subitamente, todos os recursos da filosofia lhes são disponibilizados, e serão imediatamente usados para desqualificar a autoridade moral dos costumes, da lei e da sabedoria milenar” (p. 22)

A História torna-se o centro de contestação, visto que foi através dela – ao longo do desenvolvimento do tempo – que determinados “preconceitos” se formaram e se perpetuaram. Contudo, reconstituir o passado requer uma postura seletiva em relação ao modo e ao que será narrado. Nesse ínterim, um estudioso pode projetar anseios predeterminados ou ideológicos, estabelecendo-os como critério científico de seleção; desse modo, reconfiguram-se outras possibilidades de narrativa histórica, mas que apenas devolve o seu interesse; diz o que se quer ser ouvido.

Um “liberal sem preconceitos”, quando pretende deslegitimar a “autoridade imposta” ao longo da história, estabelece o seu interesse ideológico como critério. Esse gesto demonstra a consequência imediata do combate ao preconceito, cujo resultado não é a sua abolição, mas, no máximo, a substituição por outro preconceito.

“Derrubar determinado preconceito não significa destruir o preconceito enquanto tal. Na verdade, implica inculcar outro preconceito” (p. 39)

Nesse sentido, a família, a educação, a história, as artes, a religião, tornam-se alvo de críticas, em que os “caçadores de preconceito” pretendem desmontar a “autoridade repressiva” detrás esses valores. Mas qual o resultado? O que é proposto no lugar? As respostas são várias e estão apresentadas ao longo dos 29 capítulos do livro. Exemplifico com apenas um: as consequências no campo da educação.

“Se alguém se vê moralmente obrigado a limpar a sua mente dos detritos do passado para que possa se tornar um agente moral completamente autônomo, isso implica o dever de não jogar na mente dos mais jovens, os detritos produzidos por nós. Não causa surpresa, portanto, constatar que, de forma crescente, investimos as crianças de autoridade para que administrem as suas próprias vidas, e isso é feito com crianças cada vez menores. Quem somos nós para dizer a elas o que fazer?” (p. 31)

Em termos práticos, isso leva a uma perda de autoridade dos pais diante dos filhos. Na verdade, não se trata precisamente de uma “perda”, mas de uma delegação – consciente ou não – às crianças da responsabilidade de decidirem o que querem comer, assistir, falar, fazer; quando querer dormir, acordar, ir à escola, sem qualquer critério (isto é: valores) pré-estabelecidos. Se isso é visivelmente um gesto de imprudência, que tipo de pais poderiam confiar tamanha responsabilidade aos seus filhos, ainda imaturos?

“Pais preguiçosos e sentimentais, sem dúvida” (p. 33)

As consequências disso podem ser vistas desde em um supermercado, quando uma criança ordena, aos berros, para que lhe compre um pacote de bolachas recheadas para o jantar, ao que a mãe lhe obedece e responde, meio sem graça, às pessoas ao redor: “Ele é assim mesmo”; até a desordem que predomina nas escolas, em que professores são agredidos direta ou indiretamente, física e verbalmente, sem qualquer respeito à sua (antiga, tradicional) autoridade. Em síntese: um mundo predominado de gente mimada e sem o senso de responsabilidade e respeito, que são outros valores tradicionais.

Como o bem disse Dalrymple, numa síntese magistral: “(...) o sábio questiona apenas aquelas coisas que merecem questionamento” (p. 63)

Ora, se por um lado foram os intelectuais quem iniciaram os questionamentos (às vezes convenientes, o que não justifica uma regra) a respeito da “autoridade”, isso não foi mediante uma postura sábia, mas inconsequente, vaidosa e egoísta:

“Em outras palavras, para essa classe, trata-se do mero exercício retórico e de exibicionismo intelectual, no sentido de conferir ao sujeito uma aura de ousadia, generosidade, sagacidade, sugerindo a presença de uma mente independente aos olhos de seus pares, em vez de ser uma real questão de conduta prática” (p. 39)

Combater as “ideias pré-estabelecidas” nem sempre é uma questão de conduta prática, mas é uma atitude típica e artificialmente blasé, de alguém que se pretende colocar num lugar incomum, não-convencional, e que apenas repete o convencionalismo de (tentar) não ser convencional.

Há preconceitos que foram deletérios, claro, o que não justifica a sua generalização ou o constante reexame de toda e qualquer ideia pré-estabelecida. Elas existiram, existem e existirão.

“Temos que ter, ao mesmo tempo, confiança e discernimento para pensarmos logicamente a respeito de nossas crenças herdadas, e a humildade para reconhecermos que o mundo não começou conosco, e tampouco terminará conosco, e que a sabedoria acumulada da humanidade é muito maior do que qualquer coisa que podemos alcançar de forma independente” (p. 137)

Por fim, a sabedoria não está apenas na correção do que deve ser questionado, mas no modo como os valores preconcebidos – os preconceitos – são incorporados na vida prática. “Não se apresenta como uma das grandes glórias de nossa civilização que um homem com habilidades moderadas possa – e talvez deva – saber mais que os grandes cientistas e sábios do passado? Ele vê mais longe por estar sobre os ombros de gigantes, e não porque ele impertinentemente questionou tudo o que alcançou” (p. 129)

O livro de Dalrymple é uma oposição à mentalidade imprudente, pois situa a importância de hábitos e valores importantes em vias de extinção.


Postado por Ricardo Gessner
Em 9/9/2018 às 17h43


Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DA FALTA DE ESTILO - 830A
JOSUÉ MACHADO
BEST SELLER
(1994)
R$ 10,00



ZERO - EDIÇÃO COMEMORATIVA 35 ANOS
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(2010)
R$ 63,99



MISSÃO DE DEUS PARA O POLICIAL
CUSTÓDIO ALVES BARRETO NETO
INSPIRE
(2012)
R$ 6,90



LIVRO DE TEXTO DE ENDOCRINOLOGIA - TEXTBOOK OF ENDOCRINOLOGY - WILLIAMS
ROBERT H.WILLIAMS
W.B SAUNDERS COMPANY
(1981)
R$ 189,00



TRAÇOS DE NOVA YORK
TORRES GARCIA
CAIXA CULTURAL
(2010)
R$ 40,00



DIREITO TRIBUTÁRIO BRASILEIRO- 14°EDIÇÃO.
LUCIANO AMARO
SARAIVA
(2008)
R$ 27,90



LAZARILLO DE TORMES (LITERATURA ESPANHOLA) - EM ESPANHOL
AUTOR ANÔNIMO DO SÉCULO XVI
PML EDICIONES
(1994)
R$ 8,00



NORWOOD BUILDER AND OTHER STORIES - MACMILLAN READERS 5
ARTHUR CONAN DOYLE
MACMILLAN
(2016)
R$ 51,90



RITUAL DE MAGIA DIVINA: O PODER INFALÍVEL DA PRECE
PENSAMENTO
PENSAMENTO
(1968)
R$ 39,90



JUSTIÇA DO TRABALHO--DOUTRINA--JURISPRUDENCIA--LEGISLAÇAO.......
VARIOS
NOTADEZ
R$ 14,00





busca | avançada
41820 visitas/dia
922 mil/mês