Produtores | Mario Marques | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
>>> A vida sem computador
Mais Recentes
>>> Coleção Os Pensadores de Vários pela Abril Cultural (1973)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Um Diplomata da Regeneração - O 1º Conde de Villa Franca do Campo de Fernando Abecassis pela Tribuna da Historia (2007)
>>> Inspeção do Trabalho de Nelson Mannrich pela LTr (1991)
>>> Jurupari - Estudos de Mitologia Brasileira de Silvia Maria S. de Carvalho pela Ática (1979)
>>> Sport in the 21st Century de John Mehaffey & Reuters pela Thames & Hudson (2007)
>>> Matemática para economistas de Alpha Chiang pela Unesp (1982)
>>> Memórias do cárcere 3º volume Colônia Correlaccional de Graciliano Ramos pela José Olympio (1954)
>>> As hortaliças na medicina doméstica de A. Balbach pela Edel
>>> Caderno de teses vol.2 28ºCongresso Nacional procuradores Estado de Helena Maria Silva Coelho pela Metropole industria gráfica ltda (2002)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbasi pela Gente/ SP. (2004)
>>> Ordem Juridico-econômica e trabalho de Ricardo Antonio Lucas Camargo pela Sergio antonio fabris (1998)
>>> Capo Verde. Una storia lunga dieci isole de Marzio Marzot & Maria de Lourdes de Jesus et alii pela D'Anselmi (1989)
>>> Investimentos Inteligentes: Para Conquistar e Multiplicar o seu Primeiro Milhão de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson do Brasil (2008)
>>> Esquecidos e Renascidos - Historiografia Acadêmica Luso-americana de Iris Kantor pela Hucitec (2004)
>>> Nova York anos 40 de Andreas Feininger pela Museu Lazar Segall (2011)
>>> O Intelectual e o Poder de Eduardo Portella pela Tempo Brasileiro/ RJ. (1983)
>>> Indivíduo e Cosmos na Filosofia do Renascimento de Ernest Cassirer pela Martins Fontes (2001)
>>> Fundamentos Culturales de Civilizacion Industrial de John U. Nef pela Editorial Paidós/ Buenos Aires (1964)
>>> Noções Preliminares de Direito Previdenciário de Wagner Balera pela Quartier Latin (2004)
>>> Salvador Negro Amor de Sérgio Guerra pela Maianga (2007)
>>> Ensaios de Biologia Social - Encadernado de Josué de Castro pela Brasiliense/ SP (1957)
>>> A imprensa na História do Brasil & Fotojornalismo no século XX de Oswaldo Munteal & Larissa Grandi pela Desiderata/PUC (2005)
>>> Roteiro de Macunaíma (Encadernação de Luxo) de M. Cavalcanti Proença/ Autografado pela Ahembi/ SP. (1955)
>>> Alferes Teófilo Olegário de Brito Guerra -Um Memorialista Esquecido de Raimundo Soares de Brito pela Coleção Mossoroense (1980)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 2 + A Volta do Camelo de Barro de Lee Falk pela Globo (1989)
>>> Lugar de Fala de Djamila Ribeiro pela Polen (2019)
>>> Administração Financeira Internacional de David K. Eiteman, ArthurStonehill, e Michael Moffett pela Bookman (2002)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 1 + o Retorno do Cobra de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> História da Literatura Portuguesa/ Encadernado de Antonio José Saraiva e Oscar Lopes pela Porto Ed.
>>> Cortez -A Saga de Um sonhador de Teresa Sales -Goimar Dantas pela Cortez (2010)
>>> HQ Os grandes inimigos do Mandrake Nº 4 + Os Oito Tentáculos da Morte de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> HQ Rastros de ódio - Revista Cinemin Nostalgia 3 de Diversos Autores pela Ebal (1989)
>>> Regulamento do ICMS do Rio de Janeiro de Ana Cristina Martins Pereira pela Lex (2006)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova froteira (2007)
>>> HQ Revistsa Elipse nº 1 + Crepúsculo dos Super-heróis de David Campiti & Kevin Juaire & Bart Sears pela Ebal (1992)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> As mil e uma noites- os corações desumanos de René Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> HQ Quem foi? Os prisioneiros de Sulma de Diversos Autores pela Ebal (1982)
>>> Autoritarismo e Participação Política da Mulher de Fanny Tabak pela Graal/ RJ. (1983)
>>> Cartas entre amigos - sobre os medos contemporâneos de Fábio de melo e Gabriel chalita pela Ediouro (2009)
>>> A Civilização Romana de Pierre Grimal pela Edições 70 (2001)
>>> Centenário de José Bezerra Gomes de Joabel R. de Souza pela Fcjbg (2011)
>>> Alienação na Univesidade - a Crise dos Anos 80 de Paulo L. Hoffmann pela Edit. da UFSC (1985)
>>> O castelo da intriga de Paulo Stewart pela Scipicione (1996)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1993)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1996)
>>> As asas do joel de Walcir Carrasco pela Quinteto Editorial (2019)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1998)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/3/2004
Produtores
Mario Marques

+ de 3700 Acessos

Admiro produtores. A maioria. Tem gente, muita gente, que acha que produtor não faz nada, que o som já está pronto, que ficar atrás de uma mesa não faz parte de uma obra artística etc. Não procede mesmo. Um bom produtor pode salvar um disco ruim, regular, médio. Tem moral para pedir ao grupo ou artista que volte atrás e comece tudo de novo. Quem diz que produtor é um mero coadjuvante nunca esteve integralmente num estúdio e não sabe exatamente qual é sua real participação. Claro que não são todos, né? Mas, para ser produtor, tem que gostar da coisa. Não se passa mais de 200 horas trancafiado numa sala ouvindo o mesmo acorde dezenas de vezes, editando vozes, instrumentos, fazendo colagens, procurando loops, consertando erros, melhorando a monitoração, procurando filtros, efeitos, impunemente. E leva HD na caixinha para lá e para cá, faz backup, volta etc etc etc. E, no fim, ainda ter que escutar o resultado em casa, no carro, em outro estúdio dezenas de vezes.

É perda de qualidade de vida total.

É um dom.

E não estou falando nem da mixagem. Que é o ápice do estresse. (Mas um estágio do qual não se pode desligar. Ali está escrito o resultado de um disco.)

Produtores como Tom Capone, Chico Neves, Dudu Marote, Liminha, para citar quatro de uma lista de dez que mais admiro, são profundos conhecedores das entranhas e segredos de um estúdio. Chico Neves e Tom são os caras das guitarras. Com eles você acha o som que pensa, aquele que envolve seus sonhos instrumentais. Dudu é o homem dos beats, mas não só isso. Dizem que é o que melhor grava voz no Brasil. Sobre guitarras, não tenho certeza. Mas não há no país seis cordas captadas como nos discos do Charlie Brown Jr. Elas são levantadas no lugar certo, são quase perfeitas. Seria coisa do Bonadio? Liminha? Seu nome é groove.

* * *

Um dia qualquer do ano passado estive no estúdio do Dudu. Passava das 20h e ele continuava com a mesma animação, pulando, rindo, falando sobre mil projetos, parecia ter acabado de chegar à sala. Em seu estúdio, Dudu processa boa parte dos melhores jingles produzidos por aí. Não só isso. Devagar, devagarinho, ele vem terminando seu próprio disco, de house. Diz que parou de mexer em discos pop. Nem parece o maestro que regeu grandes CDs de Skank e Pato Fu e, pouca gente sabe, emprestou sua bagagem - juntamente com o DJ Patife - a "Só tinha de ser com você", versão Fernanda Porto.

* * *

Surpreendo-me a cada dia com o trabalho de Rafael Ramos, filho do diretor artístico da Deckdisc, João Augusto. Ele começou como olheiro do pai nos anos 90, indicando ao cast da EMI (onde J.A. era diretor artístico) nomes como Mamonas Assassinas. Aos poucos, Rafael deixaria seu grupo de lado, o Baba Cósmica, onde era o dono das baquetas e posteriormente o vocalista, e começaria a evoluir fora dos palcos e dentro do estúdio. Na ala de rock, do mais cru e simples, ao mais barulhento, ele é um dos melhores. "Admirável chip novo", de Pitty, que leva a sua assinatura e foi escolhido pelos leitores do Laboratório Pop o melhor de 2003, é um discaço. E as guitarras deste não perdem em nada para as apresentadas pelo Charlie Brown Jr. Foi Rafael também quem produziu o primeiro dos Hermanos, na minha opinião um dos discos de rock brasileiros mais vigorosos de todos os tempos. Sua aptidão foi encontrada. Mais: ele se transformou num descobridor de talentos do pop. De credibilidade, porque boa parte do que toca vira ouro.

* * *

Fernando Magalhães, guitarrista do Barão, comeu o prato já quentinho. O disco de estréia dos Detonautas (que muitos não ouviram, mas ainda assim não gostaram) é um tratado de felicidade cósmica. Tudo funciona, tudo no lugar, as músicas são boas e as comparações com o próprio Charlie Brown cessam numa audição mais apurada. Quando entraram em estúdio, os meninos estavam prontíssimos, arranjos 80% lapidados. Magalhães teve o trabalho de organizar as idéias e concentrar-se nos takes, especialmente nos de guitarra. E o disco ficou excelente.

* * *

Nem sempre o resultado comercial acompanha a qualidade. E há vários casos recentes. Recordo-me do disco de estréia do Cabeça de Nego, uma banda de reggae-soul de Piam, Belford Roxo, na Baixada Fluminense, que saiu, acho, em 1998. Foi produzido por Nilo Romero e tinha, além da qualidade impecável de gravação, boas versões, arranjos que faziam um crossover de r&b e reggae, letras regulares, românticas a maioria, instrumental grooveado de primeira. É um discaço. Mas não aconteceu.

Nada aconteceu.

Há fracassos para os quais não há explicação, embora sempre se procure alguma. Mercado, crise, falta de investimento, administração ruim etc.

Produções coletivas por vezes causam controvérsia, como o disco (único) do Farofa Carioca, que saiu em 1999 e inaugurou a tal MPC (foi um termo cunhado pelo colega Antonio Carlos Miguel, Música Popular Carioca, que acabou sendo vítima de preconceito fora da nossa bela orla). "Moro no Brasil", que combinava rap, soul, samba, funk, embelezado por canções belíssimas ("São Gonça" é um dos sambas-gafieiras mais bonitos da última safra carioca), é também um produto pop acabadíssimo.

Mas o disco vendeu pouco, a Universal não quis mais a turma (eram 12 músicos) e agora a banda tenta se reerguer (sem Seu Jorge e Gabriel Moura) com o vocalista Mario Brother.

* * *

Bem, o produtor não é só aquele que conhece o funcionamento do Pro-Tools. É também o cara que joga as camisas para os músicos certos, que conhece o repertório nota por nota e entende do gênero que manuseia. O produtor pode não saber diferenciar um sol de um mi, mas, se ele tiver peito para dizer que o take não está bom, vale muito mais. Ou mesmo desistir de uma canção que no estúdio considera o resultado abaixo do esperado. Ou ainda ter a cara-de-pau de jogar fora um take de um músico e chamar outro para fazer de novo.

Tudo é relativo.

Mas é óbvio que é muito melhor o artista (ou banda) se produzir. Como faz o Djavan. Ou o Gil. Ou muitos deles, aqueles que têm a concepção na cabeça. E que preferem se estressar com tantas responsabilidades a ter que se indispor com o comandante da nau.

* * *

"Cometi" três produções na minha vida. Uma do CD/DVD "Linda juventude - Ao vivo", disco de Flávio Venturini, que comemorou seus 50 anos; o disco de estréia do Acid X (com André Valle), banda carioca que promove o encontro do acid jazz com o drum'n'bass (mas que também tem rock); e o de estréia de Renata Gebara (nesse fiquei mais na cavucação de repertório), com Alexandre Castilho e Victor Z.

É exaustivo. E, para mim, todos foram traumatizantes. No disco de Venturini eram 12 convidados; no do Acid X, gravamos cordas com Marcus Viana em BH, muitas horas de carro numa estrada péssima; o de Renata foi o primeiro na minha frente, muita ignorância e erros de avaliação de minha parte (Castilho e Victor me salvaram). Porém acho que os três discos soam bem.

Mas é um trabalho insano.

* * *

Nelson Motta é um jornalista que desde a bossa nova vive dentro de estúdio. Sua disposição e entendimento de mercado, marketing e música fizeram dele uma referência na área. Mas a tecnologia mudou muito e as gravações, antes naturais, orgânicas, hoje são fabricadas ao gosto do freguês. À distância sinto que Nelsinho perdeu em algum lugar da última década o romantismo de estar num estúdio. Não é para menos. Ele já esteve encafifado em trabalhos de Elis a Lulu Santos, exemplos do que de melhor a música brasileira fez no passado. No caso de Lulu, ainda fazendo.

* * *

Usar o AutoTune hoje, para afinar vozes especialmente, faz com que a essência das gravações seja jogada no lixo. Um lixo orgulhoso, pelo menos para os que dominam a técnica, a tecnologia e têm ouvido profundo. Elis Regina gravava poucos takes e, quando ouvimos suas gravações antigas, percebemos o quão preguiçosos ficaram os produtores. Podiam ensaiar mais, observar mais, se preparar mais.

* * *

O pior no papel de um produtor é não conseguir saber quando é o ponto final de um disco. Hum, falta uma cama aqui; hum, uma outra guitarra dedilhada aqui ficaria bem; hum, vamos dobrar as vozes? Bom, seria mais funcional que os produtores despejassem tempo na pré-produção. Se o fizessem, os discos não soariam tão retalhados.

Mas a tacada é: Chega! Acabou!

* * *

Tem um tipo de produtor que eu não gosto. Aquele que, em vez de burilar a musicalidade de seu produto e pensar em qualidade acima de tudo, foca suas mãos no refrão certeiro, no arranjo embalado para o sucesso. Vejo bandas como LS Jack assim. Os meninos são supertalentosos, grandes músicos, mas parecem ter entendido que música pop se faz no estúdio.

Não, não. Música pop é natural. O refrão vem dançando para o autor, a melodia corre atrás do cantor. E você nunca pode dizer: "Quero que meu disco soe como Lenny Kravitz".

O próprio Bonadio, que, ao mesmo tempo em que joga tinta no Leela, joga confete no Rouge e no Bro'z, quebra a cabeça para obter sua fórmula de sucesso. Aposta em dez nomes para ser bem-sucedido com três. Tomara que o Leela esteja entre esses três.

* * *

Na diluição de minhas cervejas Sol com meu amigo Paulinho Loureiro (cantor que Djavan considera um dos maiores do Brasil) essa noite, conversamos sobre a produção de seu próximo disco. Ele foi abandonado pela Sony, onde lançou um disco de covers, mas tem um trabalho autoral pop de cair o queixo. O cara é baterista, toca violão, canta como se Stevie Wonder fizesse um dueto com Jay Kay em Ipanema e ainda compõe.

Ele deixou eu brincar de produtor mais uma vez.

Só não me chama para mixar.

Não existe nada mais chato do que acompanhar uma mixagem.

Melhor escrever.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no recém-inaugurado site Laboratório Pop. (Reproduzido aqui com a devida autorização do autor.)


Mario Marques
Rio de Janeiro, 1/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
03. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
04. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
05. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos


Mais Mario Marques
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM IR E VIR COTIDIANO
SIVA BIANCHI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



TRAÍDA SÉRIE HOUSE OF NIGHT - LIVRO 02 8898
P C CAST E KRISTIN CAST
NOVO SÉCULO
(2009)
R$ 10,00



OSTEOPOROSE
M. A. DAMBACHER E E. SCHATCHT
ALFAD
R$ 9,00



MANEJO REPRODUTIVO DE OVINOS DE CORTE (NAS REGIÕES CENTRO-OESTE, NORTE E SUDESTE DO BRASIL)
AURORA MARIA GUIMARÃES GOUVEIA CLÁUDIO JOSÉ BORELA ESPESCHIT E SILVIA LETICIA TARTARI
LK
R$ 63,00



TRAVESSIA REPORTAGEM SOBRE O SERTÃO DE GUIMARÃES ROSA
JULIANA SIMONETTI
LINC
(2010)
R$ 35,00
+ frete grátis



O LIVRO DOS MILAGRES
KEVIN BELMONTE
THOMAS NELSON BRASIL
(2015)
R$ 36,00



POIROT INVESTIGA
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(2001)
R$ 10,00



LOVE KISS
GILBERT OAKLEY
DIAMOND STAR
(1970)
R$ 19,82



O GUIA OFICIAL DO CLUB PENGUIN VOL 1
DISNEY
MELHORAMENTOS
(2011)
R$ 4,00



DIREITO PENAL CONCRETO
ANTÔNIO JOSÉ MIGUEL FEU ROSA
CONSULEX
(1992)
R$ 26,82





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês