Bernardo Carvalho e a arte da fuga | Martim Vasques da Cunha | Digestivo Cultural

busca | avançada
60885 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
>>> Bruno Zolotar ensina como fortalecer a marca e ampliar vendas no mundo editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
Colunistas
Últimos Posts
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O elogio da narrativa
>>> Acordo Internetês Ortográfico
>>> Take me higher
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Qual o destino da música instrumental brasileira?
>>> Antes da filosofia
>>> Por um jornalismo mais crítico
>>> Oígame, compay
>>> Frank Miller vem aí, o bicho vai pegar
Mais Recentes
>>> A Professia Romanov de Steve Berry pela Record (2006)
>>> A Vida nos Mundos Invisíveis de Anthony Borgia pela Leitura & Arte (2010)
>>> O Faraó Alado de Joan Grant pela Pensamento (1988)
>>> Planet Rock Magazine 22 October 2020 de Nirvana pela H Bauer (2020)
>>> Eles eram muitos cavalos de Luiz Ruffato pela Record (2012)
>>> Uncut Mgazine 275 April 2020 de Robert Plant pela Bandlab (2020)
>>> Lições Que a Vida Oferece de Eliana Machado Coelho pela Panorama (2000)
>>> Prog Magazine 111 August 2020 de Porcopine Tree pela Future (2020)
>>> Memórias de Um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Objetivo (2005)
>>> Total Film 301 August 2020 de Face The Music pela Future Publishing (2020)
>>> Virtude Indecente de Nora Roberts pela Bertrand Brasil (2009)
>>> O suspiro da maria mole de Carlos alberto panella mota pela Navegar
>>> Long Live Vinyl 37 April 2020 de The Britpop pela Anthem Publishing (2020)
>>> A direção de Deus para o homem de Watchman nee pela Classicos (2017)
>>> Contos novos de Mario de andrade pela Itatiaia
>>> Os cinco minutos de deus de Alfonso milagro pela Am
>>> As piadas de playboy de Abril pela Abril
>>> Proteção na insegurança de Bob mumford pela Impacto publicações (2017)
>>> Encontro interno de Trigueirinho pela Pensamento
>>> A natureza animica da criança de Caroline von heydebrand pela Aprs
>>> O grande abalo de Harold Walker pela Impacto publicações (2016)
>>> Complexo de portnoy de Philip roth pela Eec
>>> Vogue Magazine US September 2020 de Hope pela Condé Nast (2020)
>>> Imagens do alem de Heigorina cunha pela Ide
>>> A melhor coisa do mundo de Henry Drummond pela Impacto publicações (2017)
>>> Uncut Magazine 281 October 2020 de The Rolling Stones pela Bandlab (2020)
>>> Os Intelectuais E A Organização Da Cultura de Antonio Gramsci pela Civilização brasileira (1968)
>>> Mojo Magazine 323 October 2020 de The Beatles: Rubber Soul pela Mojo (2020)
>>> O Banquete de Muriel Spark pela Rocco (1994)
>>> A Revolta de Atlas (Box com 3 volumes) de Ayn Rand pela Arqueiro (2017)
>>> A igreja que Deus deseja de Jorge himitian pela Impacto publicações (2020)
>>> Ministério ao senhor de Christopher walker pela Impacto publicações (2011)
>>> Guia visual--nova york de Folha de sao paulo pela Folha de sao paulo
>>> Igreja e Israel no Novo Testamento de Keith Mathison e Dan Juster pela Impacto publicações (2017)
>>> Os pensadores xx--principios de uma ciencia nova--acerca da natureza comum das naçoes de Gambattista vico pela Abril
>>> Preparando-nos para o preparador de Harold Walker pela Impacto publicações (2015)
>>> Paternidade de Deus de PE. Douglas pinheiro e Pedro arruda pela Impacto publicações (2019)
>>> Recreaçao--trabalho serio e divertido. de Luis gustavo c. rodrigues /joao luiz martins pela Cone
>>> Cleopatra de Christian-georges schwentzel pela Lpm
>>> O braço forte do senhor de Harold Walker pela Impacto publicações (2014)
>>> Gone, Baby, Gone de Dennis Lehane pela Companhia das Letras (2005)
>>> O bicho,meu deus,era um homem de Varios pela Edusf
>>> Nossa esperança V. 2 de John Piper pela Impacto publicações (1986)
>>> Trajetoria literaria de bragança paulista de Ases pela Ases
>>> Os Viajantes da Lua de Flávia Assaife pela Multifoco (2011)
>>> Nossa esperança de John Piper pela Impacto publicações (1986)
>>> Nossa esperança de John Piper pela Impacto publicações (1986)
>>> Para onde Deus está levando a Igreja? de Reggie kelly pela Impacto publicações (2010)
>>> Novo testamento--esperança--nvi. de Vida nova pela Vida nova
>>> Para onde Deus está levando a Igreja? de Reggie kelly pela Impacto publicações (2010)
COLUNAS

Segunda-feira, 22/3/2004
Bernardo Carvalho e a arte da fuga
Martim Vasques da Cunha

+ de 10600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A pior coisa que existe para um escritor é o sucesso. O motivo é muito simples: a literatura é uma arte que envolve risco e isso implica em aceitar, sem nenhum resmungo, o fracasso inerente na empreitada. Infelizmente, o sucesso atacou a obra promissora de Bernardo Carvalho. Seu nome e seus livros são incensados pelos mandarins da imprensa cultural como A Nova Esperança da Literatura Brasileira; rascunhos de ensaios a seu respeito são publicados em cadernos culturais no intuito de dar ao leitor uma espécie de sentido postiço que, exceto por um lampejo ou outro de talento imaturo, não chegará a lugar nenhum; e, last but not least, existem leitores que, ao lerem qualquer linha de seus romances, não percebem que neles existe uma casca de niilismo que somente os levará para a pior de todas as mortes - a morte do Espírito.

É provável que nem Bernardo Carvalho saiba do perigo - para ele e para a mente de um leitor despreparado e, sobretudo, ingênuo. Seus dois últimos lançamentos, os romances Nove Noites (2002) e Mongólia (2003), são produtos de carpintaria literária esforçada, uma imitação pálida de Thomas Bernhard com alguns toques de Joseph Conrad e guias do Lonely Planet para dar a impressão de "diversidade cultural" ou de que existe um "pluralismo de visões". Mas não passam de produtos de aprendizagem que, se fosse um escritor mais rigoroso, deixaria guardados na gaveta. Em Nove Noites, Carvalho cria um paralelo entre sua própria vida e a trajetória misteriosa do antropólogo Buell Quain, que se suicidou no Xingu em 1937; em Mongólia, há uma trama contada em três vozes narrativas que deveriam se cruzar em uma suposta epifania, mas terminam num anti-climáx digno de novela mexicana. Em ambos, ele age como o escritor que acredita estar escrevendo algo importante, que acredita que o que está no papel é algo relevante, mesmo que, em público, negue tudo isso e pratique um ceticismo de armário sobre a perenidade da literatura. Trata-se, enfim, de uma obra esquizofrênica, elaborada por uma pessoa que ainda não sabe de suas potencialidades como artista.

A afirmação acima pode ter sua dose de ironia, mas esconde uma tragédia implacável. Se a obra de um talento promissor como Bernardo Carvalho cai nessa sinuca dramática, é sinal de que a literatura de um país está em fase terminal. Afinal de contas, a cultura de uma nação não evolui somente através de gênios; estes são sempre as exceções, as lacunas inexplicáveis da evolução espiritual. Quem constrói realmente a cultura, projetando-a para a integração de uma civilização, são os homens de médio porte, os intelectuais que, conscientes do seu papel moral na formação dos indivíduos, lentamente moldam a educação e a língua de um povo, não de acordo com os padrões de uma determinada época e sim segundo as leis da perenidade. O fato de uma nação como o Brasil possuir apenas gênios do porte de Machado de Assis, Guimarães Rosa e Bruno Tolentino não é, definitivamente, uma boa notícia. Não são os formadores de uma cultura sólida e fértil; eles existem justamente para revolverem uma cultura que está decrépita e transformarem-na em algo novo e frutífero. Entretanto, o fardo de fazer essa mesma cultura perdurar através da consciência humana e dos anos está nas mãos dos bons escritores e dos bons intelectuais.

Como Bernardo Carvalho não é definitivamente um gênio, mas é um talento promissor, podemos que está incluído na classificação de "bom escritor". Contudo, com Nove Noites e Mongólia - este último premiado injustamente com o prêmio Portugal Telecom 2003, quando, no mesmo evento, concorria com Meditação Sob Os Lajedos, de Alberto da Cunha Melo - Carvalho dá amostras de que seu talento é algo do passado. Seus romances iniciais (em especial, Os Bêbados e os Sonâmbulos e Teatro) tinham algum frescor, apesar do estilo mecânico, sustentados por frases curtas e de tom impessoal. Muitos críticos reclamavam que ele imitava Thomas Bernhard, influência que o próprio escritor afirmava em seus artigos literários para a Folha de São Paulo e também em diversas entrevistas. Ora, não havia nada de errado nisso: de fato, Bernhard era um grande escritor e sua coragem moral, por mais auto-destrutiva que parecesse, poderia ser um exemplo para nossos inteliquituais brazucas. Mas tudo dava a impressão que o problema não era com o mestre e sim com o pupilo.

Havia indícios dessa crônica de uma morte anunciada. Em primeiro lugar, Carvalho habitua a sua narração em duas vozes narrativas que são aparentemente distintas, mas no final revelam-se como versões de uma mesma história. A estrutura binária tenta ser um artifício contrastante; contudo, em Nove Noites, o artifício domina o impacto emocional do texto e o que sobra é uma mera colcha de retalhos, ligada apenas por um tênue fio narrativo. Carvalho tenta consertar esse dilema em Mongólia ao incluir uma terceira voz, mas a indecisão entre ser um guia de viagens e uma história de mistério revelam que ele não está querendo agradar a si mesmo e sim a uma casta de leitores que, como diria um dos integrantes dessa mesma patota, estão "encharcados de tolerância cultural". E, em segundo lugar, sua preferência em reduzir qualquer comportamento humano como uma mistura bizarra de impulsos homossexuais reprimidos e de tendências auto-destrutivas dão um travo amargo ao supor até onde vai a limitação intelectual do rapaz.

Ainda assim, este não é o verdadeiro problema. Mesmo que Carvalho fosse o queridinho entre um determinado grupo de literatos, mesmo que ele não soubesse nada de técnica literária, mesmo que tivesse o aguilhão da soberba - isso não é nada se comparado ao seu erro maior: o de acreditar que a vida não tem sentido ou, o que é pior, de acreditar que ela tem, mas nunca seremos capazes de descobri-lo. E aqui chegamos perto do xis da questão na obra de Bernardo Carvalho e, se formos além, em toda literatura brasileira contemporânea: Se a criação artística é também uma busca pelo sentido da vida em um mundo corrompido pelos homens, como uma obra de arte pode pregar justamente o contrário? No livro recém-publicado, Gramáticas da Criação (Editora Globo), o crítico George Steiner discorre sobre como os artistas do nosso tempo perderam o eixo de que toda a criação artística é, em maior ou menor grau, um diálogo com o Sagrado e como essa perda levou a sociedade cair na ilusão sinistra do niilismo. Pois esta é precisamente a tragédia não só de Bernardo Carvalho, como também de Arnaldo Antunes, Patricia Melo, Chico Buarque, Rubem Fonseca e que, infelizmente, contamina a nova geração, representada por Marcelo Mirisola, Clarah Averbuck e Paulo Polzonoff Jr. São pessoas de talento inegável, mas que fazem de tudo para fugirem do combate entre luz e trevas que é a vida. Suas obras são reflexos de consciências deformadas por forças demoníacas que brotam de suas almas e que não conseguem controlar porque falta aquela capacidade de ver acima das desgraças e dos prazeres, de ver que a condição humana é, de fato, um "pega-pra-capar", mas que guarda uma pérola oculta de sabedoria e luz. Contudo, o medo da travessia e da incerteza que ela causa em qualquer coração sincero provoca uma perturbação que poucos conseguem suportar. E é dessa forma que a arte desses sujeitos, em especial a de Bernardo Carvalho, implode numa projeto rasteiro de literatura que não leva a lugar nenhum simplesmente porque seus criadores não sabem para aonde vão.

Pois um escritor somente tem controle de suas forças demoníacas e, no fim, dos meios de sua criação se ficar na penumbra do fracasso e nunca nos holofotes do sucesso. Toda e qualquer criação - especialmente a Criação Divina - vive e respira o fracasso. Veja o próprio Deus: a todo momento o ser humano parece provar que o Genesis foi um lamentável engano e que a Crucificação foi um truque de prestidigitação. Mas há algo que impele Deus a continuar o investimento na nossa espécie, como se fosse a única coisa razoável a se fazer. O que seria isso, ninguém jamais saberá e aí reside o doloroso enigma da esperança. O escritor deve fazer o mesmo: persistir na sua obra, não se importando com o sucesso ou com os atrativos do mundo porque estes são apenas passageiros e não pagam a recompensa que somente a grande arte alimenta. O triste caso de Bernardo Carvalho e de seus companheiros de niilismo é que a arte que criam é uma arte da fuga da vida em toda a sua riqueza, complexidade e, sobretudo, mistério. Eles retiraram a nobreza que existia em nossa literatura e somente um relacionamento intenso com o fracasso de nossos atos e com a perseverança de fazer o bem provocará o retorno da grande arte dos verdadeiros mestres - aqueles que não só acreditavam, como também sabiam que o sentido da vida está aí, pronto para ser descoberto e, sobretudo, redescoberto. Enquanto este panorama cultural digno de hollow men continuar - naquele deserto vazio da indecisão que termina na morte da alma -, espera-se - sim, pois será uma verdadeira espera - que não cheguemos ao ponto de recitar, sílaba por sílaba, o famoso verso de Eliot (apud Cavalcanti): Because I do not hope to turn again. Porque, afinal de contas, tudo o que queremos é voltar para algum lugar e que, algum dia, o tremor e o terror da nossa condição se revele apenas como um estágio precário na vida da eternidade.

Para ir além









Martim Vasques da Cunha
Campinas, 22/3/2004


Mais Martim Vasques da Cunha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/4/2011
16h27min
Caro Martim, com todo respeito à sua crítica e à sua opinião, não creio que o niilismo prejudique a obra literária. Os autores que você citou estão entre os mais criativos e destacados de nossa literatura contemporânea. Nossos clássicos mais antigos também são niilistas e retratam a condição humana sem nenhuma esperança (Machado de Assis, Graciliano Ramos...) Não parece ser uma característica de uma determinada geração. Para efeito de comparação, ateus (e niilistas) como Joyce, Beckett, Hemingway ou Cortázar estão entre os marcos da literatura do século 20. Não sei se os autores atentos ao "sagrado" (como você diz) seriam capazes de produzir obras literárias de tal qualidade. Abraços. Perce Polegatto
[Leia outros Comentários de Perce Polegatto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIMPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA: UMA PODEROSA FERRAMENTA PARA MELHORAR
ANDREAS MORITZ
MADRAS
(2016)
R$ 49,95



CRUEL AMOR - JÚLIA LOPES DE ALMEIDA (LITERATURA BRASILEIRA/ROMANCE)
JÚLIA LOPES DE ALMEIDA
SARAIVA
(1963)
R$ 30,00



UM GALO PARA ESCULÁPIO
CLARA CARTA
CLUBE DO LIVRO
(1976)
R$ 5,00



LA TÉLÉVISION ET SES MISES EN SCÈNE
HÉLÈNE DUCCINI
NATHAN UNIVERSITÉ
(1998)
R$ 45,28



PATOLOGIA E CLINICA DELL APPARATO CIRCOLATORIO VOL I CARDIOPATIE
S. LA FRANCA
DOTTOR FRANCESCO VALLARDI
(1933)
R$ 47,38



RAÇA E CIÊNCIA I
JUAN COMAS KENNETH L. LITTLE HARRY L. SHAPI...
PERSPECTIVA
(1970)
R$ 52,53



AGENTES DO APOCALIPSE
DR DAVID JEREMIAH
CPAD
(2012)
R$ 39,99



OS DONOS DO PODER - FORMAÇÃO DO PATRONATO POLÍTICO BRASILEIRO - 5ª EDIÇÃO - 4ª REIMPRESSÃO/2016
RAYMUNDO FAORO
BIBLIOTECA AZUL/GLOBO
(2012)
R$ 89,95



O SOPRO DOS DEUSES - TRILOGIA O CICLO DOS DEUSES VOL. 2
BERNARD WERBER
BERTRAND BRASIL
(2014)
R$ 22,00



O EXÍLIO DE SHARRA
MARION ZIMMER BRADLEY
IMAGO
(1994)
R$ 8,90





busca | avançada
60885 visitas/dia
2,1 milhões/mês