Bernardo Carvalho e a arte da fuga | Martim Vasques da Cunha | Digestivo Cultural

busca | avançada
67078 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Coisa mais bonita é São Paulo...
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Suzana Andres
>>> Que exemplo arrebatador a Colômbia dá ao mundo
>>> Poeira, pra que te quero?
>>> Mehmari: 150 anos de Nazareth
>>> Ser intelectual dói
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Mapa da sala de aula
>>> Gostar de homem
Mais Recentes
>>> Doutor, So Mais Uma Duvida - 01Ed/16 de GUSMAO, PAULO pela ATHENEU
>>> 4 Aventuras De Spirou... e Fantasio de FRANQUIN pela SESI - SP
>>> Alquimista, O de COELHO, PAULO pela PARALELA
>>> 21 Irrefutaveis Leis Da Lideranca, As - 7784 de MAXWELL, JOHN C. pela THOMAS NELSON
>>> 1499 - o Brasil Antes De Cabral de LOPES, REINALDO JOSE pela HARPERCOLLINS
>>> Me Poupe! 10 Passos para Nunca Mais Faltar Dinheiro no seu Bolso de Nathalia Arcuri pela Sextante (2018)
>>> ANTES DE PARTIR DESTA PRA UMA MELHOR de TROPPER, JONATHAN pela ARQUEIRO - SP
>>> AMAR, RIR E COMER de TICKELL, DR. JOHN pela VALENTINA
>>> ABC do Amor de MEYSER, A. C. / CHERRY, BRITTAINY C. pela GALERA
>>> 365 Dias Que Mudaram o Mundo de HISTORY CHANNEL pela PLANETA
>>> Seja Um Mestre Em Vendas de MOREIRA, LEDI pela LETRAMENTO EDITORA
>>> Altas Montanhas de Portugal, As de MARTEL, YANN pela ALAUDE
>>> 4 Nobres Verd. Do Budismo e Caminho Da Libertacao de TRUNGPA, CHOGYAM pela CULTRIX
>>> (I)legitimidade Das Politicas Publicas, a - 1Ed/15 de ALBUQUERQUE, CANDIDO BITTENCOURT DE pela MALHEIROS EDITORES
>>> Antologia Do Teatro Brasileiro Sec. Xix - Comedia de MAT, ALEXANDRE E SCHWARSZ, PEDRO ( ORGS) pela PENGUIN
>>> Alice Atraves Do Espelho - (Autentica) de CARROLL, LEWIS pela AUTENTICA EDITORA
>>> AVENTURAS DE SHERLOCK HOLMES, AS de DOYLE, ARTHUR CONAN pela ZAHAR
>>> Ama-te de SANTOS, GUSTAVO pela PROPOSITO ETERNO
>>> Vicente Falconi - O Que Importa é Resultado de CORREA, CRISTIANE pela GMT
>>> 27 Desafios Que Todo Chefe Deve Enfrentar, Os de TULGAN, BRUCE pela GMT
>>> 365 ATIVIDADES INFANTIS SEM TV de BENNETT, RUTH E STEVE pela MADRAS EDITORA
>>> AUGGIE E EU - TRÊS HISTÓRIAS EXTRAORDINÁRIAS de PALACIO, R. J. pela INTRINSECA - SP
>>> 7 Semanas Para Emagrecer, Mudar o Pens.e a Vida! de OPPERMANN, LILIANE pela GENTE
>>> AMAR DE NOVO de STEEL, DANIELLE pela BEST BOLSO
>>> Alvorecer Da Vida Espiritual, O de AZEVEDO, MURILLO N. pela TEOSOFICA
>>> Agulha No Palheiro, A de MALLO, ERNESTO M. pela LETRAMENTO EDITORA
>>> ARTE DE CURAR, A de SIEGEL, BERNIE pela CULTRIX
>>> PROFESSOR, O - VOL IV - PROVA FINAL de AMARAL, TATIANA pela PANDORGA EDITORA
>>> 30 Conceitos Essenciais Para Crianvas: Invencoes de GOLDSMITH, MIKE pela PUBLIFOLHA EDITORA
>>> Aluga-se um Noivo de ASSIS, CLARA DE pela CHARME EDITORA
>>> 826 Notas De Amor Para Emma de CALLAGHAN, GARTH pela LEYA
>>> 3500 Palavras Em Japones de BELHASSEN, THIERRY pela DISAL
>>> Alimentação Saudável na Infância de LOBO, CLAUDIA pela MG EDITORES
>>> 11 NOITES COM VOCÊ de SANT ANA , ALINE pela CHARME EDITORA
>>> ASSASSIN´S CREED - VOL.06 - BANDEIRA NEGRA de BOWDEN, OLIVER pela GALERA
>>> 1992 - o Mundo Em Tres Cores de PLIHAL, ANDRE / RAI pela PANDA BOOKS
>>> 20 Mil Leguas Submarinas - Bolso - Jorge Zahar de VERNE, JULES pela ZAHAR
>>> Como Usar a Internet Para Alavancar Suas Vendas de ROCHA, ERICO pela BUZZ EDITORA
>>> Achados e Perdidos ( Moderna ) de JEFFERS, OLIVER pela MODERNA
>>> 2990 Graus - a Arte De Queimar No Inferno de XAVIER, ADILSON pela PANDA BOOKS
>>> Amarilis de FURNARI, EVA pela MODERNA
>>> 101 Segredos Dos Casais Felizes de SASLOW, ANNA pela PANDA BOOKS
>>> ACASO - A MATEMÁTICA DAS COINCIDÊNCIAS de MAZUR, JOSEPH pela CASA DA PALAVRA
>>> Acre de ZAPPI, LUCRECIA pela TODAVIA EDITORA
>>> Alguem Viu a Mona Lisa de GEKOSKI, RICK pela RECORD
>>> Almanaque Pe De Planta de PAMPLONA, ROSANE pela MODERNA
>>> Afasias de FREUD, SIGMUND pela ZAHAR
>>> American's Got Powers de ROSS, JONATHAN / HITCH, BRYAN pela PANINI
>>> ARTE DA VIDA, A de BAUMAN, ZYGMUNT pela ZAHAR
>>> Algoritismo Para Viver de CHRISTIAN, BRIAN; GRFFITS, TOM pela CIA DAS LETRAS
COLUNAS

Segunda-feira, 22/3/2004
Bernardo Carvalho e a arte da fuga
Martim Vasques da Cunha

+ de 10700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A pior coisa que existe para um escritor é o sucesso. O motivo é muito simples: a literatura é uma arte que envolve risco e isso implica em aceitar, sem nenhum resmungo, o fracasso inerente na empreitada. Infelizmente, o sucesso atacou a obra promissora de Bernardo Carvalho. Seu nome e seus livros são incensados pelos mandarins da imprensa cultural como A Nova Esperança da Literatura Brasileira; rascunhos de ensaios a seu respeito são publicados em cadernos culturais no intuito de dar ao leitor uma espécie de sentido postiço que, exceto por um lampejo ou outro de talento imaturo, não chegará a lugar nenhum; e, last but not least, existem leitores que, ao lerem qualquer linha de seus romances, não percebem que neles existe uma casca de niilismo que somente os levará para a pior de todas as mortes - a morte do Espírito.

É provável que nem Bernardo Carvalho saiba do perigo - para ele e para a mente de um leitor despreparado e, sobretudo, ingênuo. Seus dois últimos lançamentos, os romances Nove Noites (2002) e Mongólia (2003), são produtos de carpintaria literária esforçada, uma imitação pálida de Thomas Bernhard com alguns toques de Joseph Conrad e guias do Lonely Planet para dar a impressão de "diversidade cultural" ou de que existe um "pluralismo de visões". Mas não passam de produtos de aprendizagem que, se fosse um escritor mais rigoroso, deixaria guardados na gaveta. Em Nove Noites, Carvalho cria um paralelo entre sua própria vida e a trajetória misteriosa do antropólogo Buell Quain, que se suicidou no Xingu em 1937; em Mongólia, há uma trama contada em três vozes narrativas que deveriam se cruzar em uma suposta epifania, mas terminam num anti-climáx digno de novela mexicana. Em ambos, ele age como o escritor que acredita estar escrevendo algo importante, que acredita que o que está no papel é algo relevante, mesmo que, em público, negue tudo isso e pratique um ceticismo de armário sobre a perenidade da literatura. Trata-se, enfim, de uma obra esquizofrênica, elaborada por uma pessoa que ainda não sabe de suas potencialidades como artista.

A afirmação acima pode ter sua dose de ironia, mas esconde uma tragédia implacável. Se a obra de um talento promissor como Bernardo Carvalho cai nessa sinuca dramática, é sinal de que a literatura de um país está em fase terminal. Afinal de contas, a cultura de uma nação não evolui somente através de gênios; estes são sempre as exceções, as lacunas inexplicáveis da evolução espiritual. Quem constrói realmente a cultura, projetando-a para a integração de uma civilização, são os homens de médio porte, os intelectuais que, conscientes do seu papel moral na formação dos indivíduos, lentamente moldam a educação e a língua de um povo, não de acordo com os padrões de uma determinada época e sim segundo as leis da perenidade. O fato de uma nação como o Brasil possuir apenas gênios do porte de Machado de Assis, Guimarães Rosa e Bruno Tolentino não é, definitivamente, uma boa notícia. Não são os formadores de uma cultura sólida e fértil; eles existem justamente para revolverem uma cultura que está decrépita e transformarem-na em algo novo e frutífero. Entretanto, o fardo de fazer essa mesma cultura perdurar através da consciência humana e dos anos está nas mãos dos bons escritores e dos bons intelectuais.

Como Bernardo Carvalho não é definitivamente um gênio, mas é um talento promissor, podemos que está incluído na classificação de "bom escritor". Contudo, com Nove Noites e Mongólia - este último premiado injustamente com o prêmio Portugal Telecom 2003, quando, no mesmo evento, concorria com Meditação Sob Os Lajedos, de Alberto da Cunha Melo - Carvalho dá amostras de que seu talento é algo do passado. Seus romances iniciais (em especial, Os Bêbados e os Sonâmbulos e Teatro) tinham algum frescor, apesar do estilo mecânico, sustentados por frases curtas e de tom impessoal. Muitos críticos reclamavam que ele imitava Thomas Bernhard, influência que o próprio escritor afirmava em seus artigos literários para a Folha de São Paulo e também em diversas entrevistas. Ora, não havia nada de errado nisso: de fato, Bernhard era um grande escritor e sua coragem moral, por mais auto-destrutiva que parecesse, poderia ser um exemplo para nossos inteliquituais brazucas. Mas tudo dava a impressão que o problema não era com o mestre e sim com o pupilo.

Havia indícios dessa crônica de uma morte anunciada. Em primeiro lugar, Carvalho habitua a sua narração em duas vozes narrativas que são aparentemente distintas, mas no final revelam-se como versões de uma mesma história. A estrutura binária tenta ser um artifício contrastante; contudo, em Nove Noites, o artifício domina o impacto emocional do texto e o que sobra é uma mera colcha de retalhos, ligada apenas por um tênue fio narrativo. Carvalho tenta consertar esse dilema em Mongólia ao incluir uma terceira voz, mas a indecisão entre ser um guia de viagens e uma história de mistério revelam que ele não está querendo agradar a si mesmo e sim a uma casta de leitores que, como diria um dos integrantes dessa mesma patota, estão "encharcados de tolerância cultural". E, em segundo lugar, sua preferência em reduzir qualquer comportamento humano como uma mistura bizarra de impulsos homossexuais reprimidos e de tendências auto-destrutivas dão um travo amargo ao supor até onde vai a limitação intelectual do rapaz.

Ainda assim, este não é o verdadeiro problema. Mesmo que Carvalho fosse o queridinho entre um determinado grupo de literatos, mesmo que ele não soubesse nada de técnica literária, mesmo que tivesse o aguilhão da soberba - isso não é nada se comparado ao seu erro maior: o de acreditar que a vida não tem sentido ou, o que é pior, de acreditar que ela tem, mas nunca seremos capazes de descobri-lo. E aqui chegamos perto do xis da questão na obra de Bernardo Carvalho e, se formos além, em toda literatura brasileira contemporânea: Se a criação artística é também uma busca pelo sentido da vida em um mundo corrompido pelos homens, como uma obra de arte pode pregar justamente o contrário? No livro recém-publicado, Gramáticas da Criação (Editora Globo), o crítico George Steiner discorre sobre como os artistas do nosso tempo perderam o eixo de que toda a criação artística é, em maior ou menor grau, um diálogo com o Sagrado e como essa perda levou a sociedade cair na ilusão sinistra do niilismo. Pois esta é precisamente a tragédia não só de Bernardo Carvalho, como também de Arnaldo Antunes, Patricia Melo, Chico Buarque, Rubem Fonseca e que, infelizmente, contamina a nova geração, representada por Marcelo Mirisola, Clarah Averbuck e Paulo Polzonoff Jr. São pessoas de talento inegável, mas que fazem de tudo para fugirem do combate entre luz e trevas que é a vida. Suas obras são reflexos de consciências deformadas por forças demoníacas que brotam de suas almas e que não conseguem controlar porque falta aquela capacidade de ver acima das desgraças e dos prazeres, de ver que a condição humana é, de fato, um "pega-pra-capar", mas que guarda uma pérola oculta de sabedoria e luz. Contudo, o medo da travessia e da incerteza que ela causa em qualquer coração sincero provoca uma perturbação que poucos conseguem suportar. E é dessa forma que a arte desses sujeitos, em especial a de Bernardo Carvalho, implode numa projeto rasteiro de literatura que não leva a lugar nenhum simplesmente porque seus criadores não sabem para aonde vão.

Pois um escritor somente tem controle de suas forças demoníacas e, no fim, dos meios de sua criação se ficar na penumbra do fracasso e nunca nos holofotes do sucesso. Toda e qualquer criação - especialmente a Criação Divina - vive e respira o fracasso. Veja o próprio Deus: a todo momento o ser humano parece provar que o Genesis foi um lamentável engano e que a Crucificação foi um truque de prestidigitação. Mas há algo que impele Deus a continuar o investimento na nossa espécie, como se fosse a única coisa razoável a se fazer. O que seria isso, ninguém jamais saberá e aí reside o doloroso enigma da esperança. O escritor deve fazer o mesmo: persistir na sua obra, não se importando com o sucesso ou com os atrativos do mundo porque estes são apenas passageiros e não pagam a recompensa que somente a grande arte alimenta. O triste caso de Bernardo Carvalho e de seus companheiros de niilismo é que a arte que criam é uma arte da fuga da vida em toda a sua riqueza, complexidade e, sobretudo, mistério. Eles retiraram a nobreza que existia em nossa literatura e somente um relacionamento intenso com o fracasso de nossos atos e com a perseverança de fazer o bem provocará o retorno da grande arte dos verdadeiros mestres - aqueles que não só acreditavam, como também sabiam que o sentido da vida está aí, pronto para ser descoberto e, sobretudo, redescoberto. Enquanto este panorama cultural digno de hollow men continuar - naquele deserto vazio da indecisão que termina na morte da alma -, espera-se - sim, pois será uma verdadeira espera - que não cheguemos ao ponto de recitar, sílaba por sílaba, o famoso verso de Eliot (apud Cavalcanti): Because I do not hope to turn again. Porque, afinal de contas, tudo o que queremos é voltar para algum lugar e que, algum dia, o tremor e o terror da nossa condição se revele apenas como um estágio precário na vida da eternidade.

Para ir além









Martim Vasques da Cunha
Campinas, 22/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
02. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
03. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
04. O Medium e o retorno do conteúdo de Julio Daio Borges
05. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá de Elisa Andrade Buzzo


Mais Martim Vasques da Cunha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/4/2011
16h27min
Caro Martim, com todo respeito à sua crítica e à sua opinião, não creio que o niilismo prejudique a obra literária. Os autores que você citou estão entre os mais criativos e destacados de nossa literatura contemporânea. Nossos clássicos mais antigos também são niilistas e retratam a condição humana sem nenhuma esperança (Machado de Assis, Graciliano Ramos...) Não parece ser uma característica de uma determinada geração. Para efeito de comparação, ateus (e niilistas) como Joyce, Beckett, Hemingway ou Cortázar estão entre os marcos da literatura do século 20. Não sei se os autores atentos ao "sagrado" (como você diz) seriam capazes de produzir obras literárias de tal qualidade. Abraços. Perce Polegatto
[Leia outros Comentários de Perce Polegatto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CAVALO VERDE: CAUSOS GAÚCHOS E RELATOS INTERIORANOS
LUIZ CORONEL
MECENAS
(2002)
R$ 10,00



UM NOVO MODELO DE SEGURANÇA PARA O BRASIL
OSÉIAS FRANCISCO DA SILVA (AUTOGRAFADO)
SCORTECCI
(2015)
R$ 35,00



O MISTÉRIO DO ESCUDO DE OURO - COLEÇÃO JOVENS DO NUNDO TODO
ODETTE DE BARROS MOTT - 9ª EDIÇÃO
BRASILIENSE
(1978)
R$ 7,00



ENCICLOPÉDIA DA MULHER ATUAL 9 - COMO DECORAR SEM GASTAR
ANNA ELVIRA ZAULI
MINHA
R$ 5,00



ODEIO REUNIÕES
STEPHEN BAKER
MELHORAMENTOS
(1987)
R$ 5,00



BRAVURAS E BRAVATAS DE UM CAIPIRA NOVAS E VELHAS ESTÓRIAS - 7051
WULCINO TEIXEIRA DE CARVALHO
O LUTADOR
(2009)
R$ 15,00



DESCARTES: OBRAS ESCOLHIDAS - 1ª EDIÇÃO
J. GUINSBURG (ORG.)
PERSPECTIVA
(2010)
R$ 100,80



ORTODONTIA CORRETIVA: TÉCNICA MD3
ALAEL DE PAIVA LINO
ARTES MÉDICAS
(2001)
R$ 105,00



MATEMÁTICA PARA ECONOMISTAS VOL 2
TARO YAMANE
ATLAS
(1974)
R$ 6,90



EMOÇÕES À FLOR DA PELE-UMA PRINCESA EM NOVA YORK-O HOMEM DE SUA VIDA
SHARON DE VITA-CATHIE LINZ-MOYRA TARLING
NOVA ERA
R$ 8,00





busca | avançada
67078 visitas/dia
2,0 milhão/mês