Alice in Chains, por David De Sola | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto aborda riqueza da tradicional Festa da Carpição
>>> Canto dos Recuados - espetáculo musical mergulha na cultura afrobarroca
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice
>>> Assim ninguém leva meus livros
>>> Dia Marisa: todas as mulheres merecem
>>> O Filho da Noiva
>>> O rei nu do vestibular
>>> Selvageria Nunca Sai de Moda
>>> Você cumpre as promessas de final de ano?
>>> A cabeça de Steve Jobs
>>> O sublime Ballet de Londrina
>>> A vida subterrânea que mora em frente
Mais Recentes
>>> É Por Isso Que O Brasil Não Vai de Age pela Age (2021)
>>> Equinox de Jambo pela Jambo (2021)
>>> Planejamento e Organização do Turismo de Ivan Fernandes pela Campus Elsevier (2021)
>>> Equipes Campeãs - Potencializando o Desempenho de Sua Equipe de Sebrae pela Sebrae (2021)
>>> Star Wars - Império e Rebelião - o Fio da Navalha de Martha Wells pela Universo Geek (2017)
>>> O Cozinheiro do Rei D. João VI de Hélio Loureiro pela Planeta (2014)
>>> A Conspiração Colombo de Steve Berry pela Record (2014)
>>> Sobreviventes do Holandês Voador de Brian Jacques pela Bertrand Brasil (2008)
>>> O Efeito Medici de Frans Johansson pela Best Seller (2008)
>>> Era Uma Vez Uma Ponte... de Vivilendo pela Vivilendo (2021)
>>> Coaching de Relacionamentos a Dois de Ritah Oliveira pela Qualitymark (2017)
>>> Sensibilidade à Flor da Pele de Helena Polak pela Clube De Autores (2018)
>>> Fronteiras da Física - Vol II de Jucimar Peruzzo pela Clube De Autores (2019)
>>> Ervas Aromáticas de La Fonte pela La Fonte (2021)
>>> A Imprensa Entre Antígona e Maquiavel de Renato Janine Ribeiro pela Referencia (2016)
>>> Esboço Para Uma Teoria Das Emoções de Lpm pela Lpm (2021)
>>> Towards a Post-fordist Welfare State de Roger Burrows, Brian D Loader pela Routledge (1994)
>>> Pimenta Neves - uma Reportagem de Luiz Octavio de Lima pela Scortecci (2013)
>>> O Estado do Planeta de Carlos Gabaglia Pena pela Record (1999)
>>> Escassez De Razão de Liberdade pela Liberdade (2021)
>>> Escola De Vendas K.L.A de Ser Mais pela Ser Mais (2021)
>>> A Estratégia Do Oceano Azul de Kim Mauborgne pela Elsevier (2008)
>>> Confissões de um Vira-lata de Origenes Lessa - Orlando Pedroso pela Global (2012)
>>> ESocial. Você E Sua Empresa Estão Preparados? de Leader pela Leader (2021)
>>> Ensaios E Conferências de Vozes pela Vozes (2021)
COLUNAS

Terça-feira, 27/9/2016
Alice in Chains, por David De Sola
Luís Fernando Amâncio

+ de 2600 Acessos

Há 25 anos, um lançamento modesto da Geffen Records se tornaria um fenômeno de popularidade e marcaria um notável capítulo da história do rock: Nevermind, do Nirvana. O álbum, que conseguiu o feito de desbancar Michael Jackson – uma das últimas vitórias do rock sobre a música pop – é o emblema de um movimento da indústria fonográfica de valorização do rock underground, ou alternativo.

O Nevermind também chamou a atenção do mundo para a cena musical de Seattle, que ficaria rotulada como grunge. Bandas como Mudhoney, Screaming Trees, Melvins, Soundgarden e o recém fundado Pearl Jam obtiveram contratos com grandes gravadoras e entraram na programação da MTV, o que na época era muito relevante.

O Alice in Chains foi um desses grupos catapultados pelo sucesso de “Smells Like Teen Spirit”. Há, porém, de se fazer uma ressalva: um ano antes da banda de Kurt Cobain ganhar notoriedade, o AIC já havia lançado Facelift pela Columbia Records e “Man in the Box” já havia se tornado um hit. Entretanto, a banda foi a menos badalada dentro do Big Four de Seattle - Nirvana, Pearl Jam, Soundgarden e Alice in Chains - e o livro Alice in Chains: a história não revelada, de David De Sola, publicado no Brasil pela Ideal Edições, ajuda a explicar os motivos.



Talvez a principal virtude que o leitor deve exigir de um autor de livro não ficcional é sua honestidade. E sobre isso, não há queixas a se fazer sobre David De Sola. O jornalista teve o cuidado de demarcar as fontes utilizadas em muitas de suas afirmações, procedimento que parece ser óbvio, mas nem sempre é adotado por autores de biografias. De Sola também anuncia suas escolhas de fugir dos estereótipos das biografias “autorizadas” – segundo ele, com “conotação de uma jogada de relações públicas oficiais” – e “não autorizadas” – “como se seu conteúdo fosse lixo sujo e fofoqueiro”. Seu o livro foi escrito sem a cooperação dos músicos da banda e de seu staff.

Também é interessante a postura do autor de deixar claro que, embora se trate de uma biografia da banda, Layne Stayle, o vocalista, é seu personagem principal. É uma escolha: contar a trajetória do grupo a partir de um recorte, que é a vida de seu primeiro frontman. E, nesse sentido, deve-se reconhecer que De Sola é bem sucedido ao narrar como Layne (vocalista), Jerry Cantrell (guitarrista e principal compositor), Mike Starr (baixista) e Sean Kinney (baterista) se reuniram no Music Bank, extinto estabelecimento com diversas salas para bandas ensaiarem, e formaram o “Alice N Chains”, que por um breve período foi chamado “Diamond Lie” e, enfim, se tornou o Alice in Chains.

Embora sem acesso direto aos membros da banda, o autor entrevistou amigos, familiares e profissionais que trabalharam com o grupo, além de consultar periódicos e outras publicações. Assim, o livro traz informações sobre os bastidores da banda que, após Facelift, lançaria um EP acústico (SAP, de 1992); o aclamado Dirt (1992), com alguns dos maiores clássicos do Alice – “Rooster”, “Down in a Hole”, “Them Bones”, “Angry Chair”; Jair of Flies, outro EP mais acústico, mas que teve boa repercussão com os singles “I Stay Away” e “No Excuses”; e, por fim, o Alice in Chains (1995), de produção mais complicada devido ao estado avançado de vício em heroína de Layne Stayle e com sonoridade mais densa – seus singles “Again” e “Grind” são um exemplo disso. Os trabalhos lançados a partir de 1993 já contavam com Mike Inez no baixo, substituindo o demitido Mike Starr – demissão que o livro não consegue explicar de forma contundente.



Os últimos dois álbuns da banda, Black Gives Way to Blue (2009) e The Devil Put Dinossaurs Here (2013), com William DuVall nos vocais, são tratados de forma discreta. Embora não ignore o renascimento da banda, De Sola opta por tratar a fase, que já dura 10 anos, como menos significativa. A grande maioria dos fãs concorda com ele, mas, em minha opinião, o novo Alice in Chains mereceria maior atenção, inclusive por ter gerado dois ótimos álbuns – com músicas fortes como “Check My Brain”, “Black Gives Way to Blue”, “Hollow” e “Stone”, por exemplo – e turnês bem sucedidas.



A biografia abre com uma citação de Jerry Cantrell, que diz que as músicas da banda são “uma maneira de expressar coisas sobre as quais não falaríamos – coisas que são muito pesadas e obscuras. São sentimentos que todo mundo experimenta. É por isso que as pessoas se identificam”. De fato, a sonoridade densa, muitas vezes corroborada pelas letras, é a principal característica do Alice in Chains. Esse peso está presente biografia da banda. Embora o vício em drogas, sobretudo em heroína, tenha sido um problema comum nas principais bandas grunge, o AIC foi, de longe, a mais prejudicada: o vício ceifou as vidas de Layne Stayle (em 2002) e de Mike Starr (em 2011), além da ex-noiva de Layne, Demri Parrot, e de John Baker Saunders, baixista do Mad Season. Jerry Cantrell, sóbrio atualmente, também enfrentou viveu uma batalha contra a heroína, embora o livro apenas mencione o fato.

Talvez fosse mais correto que Cantrell tivesse um maior protagonismo na biografia. Afinal, ele é o principal agente criativo do Alice in Chains. Ainda assim, é compreensível a escolha de De Sola por enfatizar a vida de Layne. O talentoso e carismático vocalista tem muitos fãs e seu fim de vida, definhando de forma reclusa, cerca sua figura de uma devoção mórbida.

Alice in Chains: a história não revelada é um ótimo lançamento para os fãs, é claro, mas também para aqueles que queiram conhecer melhor essa banda que poderia ser muito maior se não fosse seus problemas internos. O livro de David De Sola é o resultado de uma pesquisa apurada e sua publicação pela Ideal Edições é um grande acerto para um nicho editorial – biografias ligadas à música – que ainda pode ser melhor explorado no Brasil.



Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 27/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
02. As redes sociais e a política de Wellington Machado
03. Amor à segunda vista de Alessandro Garcia
04. Escritores-e-jornalistas de Paulo Salles


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
03. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
04. Meu pé quebrado - 18/10/2016
05. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Osamu Tezuka 1975 1989 a Consagração do Gênio
Toshio Ban
Conrad do Brasil
(2003)



Manual de Direito Previdenciário Acidentes de Trabalho
Odonel Urbano Gonçalves
Atlas
(2001)



1001 Dúvidas de Portugês
José de Nicola e Ernani Terra
Saraiva
(1997)



Os Seis Livros da República - Livro Segundo - 1ª Edição
Jean Bodin
Ícone
(2011)



Dicionário Escolar-francês-português/português-francês
Roberto Alvim Corrêa
Mec
(1958)



Personalidade
Rotter
Interamericana
(1980)



O Caminho da Felicidade - Torne-se um Anjo na Terra - 1ª Edição
Ryuho Okawa
Irh Press do Brasil
(2017)



Casamento , Término & Reconstrução - 8ª Ed - Revista e Atualizada
Maria Tereza Maldonado
Integrare
(2009)



Qual É a Cor do Amor
Patrícia Senna e Emerson Pontes
Prazer de Ler
(2011)



O Machão
Harold Robbins
Circulo do Livro
(1974)





busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês