O estilo de Freddie Hubbard | Relivaldo de Oliveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
>>> The Flickrization of Yahoo!
Mais Recentes
>>> Opinion Publique 1984 de Sofres pela Gallimard (1984)
>>> Valores Humanos e Gestão: Novas Perspectivas de Maria Luisa Mendes Teixeira pela Senac Sp (2008)
>>> Armadilha para Mkamba de Ivan Sant Anna pela Rocco
>>> Tudo Tem um Porque de Marcelo Cezar pela Vida e Consciencia (2016)
>>> Pontos & Contrapontos do Pensar ao Agir Em Avaliação de Jussara Hoffmann pela Mediação (2002)
>>> A Senhora das Sombras de Ely Vieitez Lisboa pela Funpec (2014)
>>> Der Zaubergarten de Sharon Maas pela Taschenbuch (2000)
>>> Vidas do Carandiru de Humberto Rodrigues pela Geração Editorial (2002)
>>> Para Fugir dos Vivos de Eltânia André pela Patuá (2015)
>>> Chama Negra de Alyson Noël pela Intrinseca (2011)
>>> Cupido de Jilliane Hoffman pela Rowohlt Taschenbuch Verlag (2005)
>>> Casamento um Salto de Qualidade de Pe. Augusto C. Pereira pela Recado
>>> Botânica - Morfologia Interna das Plantas de Mario Guimarães Ferri pela Nobel
>>> Feitas para Durar de Jerry I. Porras; James Charles Collins pela Rocco (2000)
>>> Ensino Fundamental II Sistema Etapa 7 o. Ano livro 5, 6, 7, 8 e espanhol de Diversos pela Moderna (2020)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Lá na Praia de Roberto Alzas pela Quartica
>>> Xeque-mate da Rainha de Elizabeth Fremantle; Maria Alice Stock pela Paralela (2016)
>>> Pequenos Milagres Coincidencias Extraordinarias do Dia-a-dia de Yitta Halberstam; Judith Leventhal pela Sextante (1998)
>>> Mantendo Clientes de John J. Sviokla e Benson P. Shapiro pela Makron Books (1994)
>>> O Cálice de Sangue de M. K. Hume; Heloisa Mourao pela Record (2015)
>>> Os Lusíadas de Luis de Camões pela Cultrix
>>> Por um Fio de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2004)
>>> Sombras de Reis Barbudos de José Veiga pela Bertrand Brasil
>>> The Davinci Project de Seeking the Truth pela Italiano
COLUNAS

Sexta-feira, 16/1/2009
O estilo de Freddie Hubbard
Relivaldo de Oliveira

+ de 5100 Acessos

"Aconselho qualquer jovem trompetista a não fazer o que eu fiz, porque este estilo pode ser prejudicial à saúde". Recomendou, provavelmente ironicamente, aos futuros músicos, o trompetista Freddie Hubbard, morto no antepenúltimo dia de 2008. Recomendo exatamente o contrário. Explico. Antes, um breve divagar.

Quando Hubbard estreou, no final da década de 50, o jazz já era um ritmo disseminado nos Estados Unidos; algumas das principais correntes, swing, bebop, cool, já haviam surgido e era a vez de um estilo que fizesse um contraponto ao establishment de Miles Davis, aproveitasse outras influências como o funky e o gospel e reagisse ao surgimento do rock'n'roll. Daí surgiria o hardbop, personificado no grupo Jazz Messengers, criado pelo baterista Art Blakey. Um estilo que traria em suas composições andamentos diferenciados, um pouco mais rápidos e intensos que o bebop, mas, em muitos casos, mais simples que os acordes de Charlie Parker e valorizava a presença de solistas como o baixista Charles Mingus com o seu The black saint and the sinner lady, o indomável pianista Thelonious Monk e principalmente John Coltrane com o cultuado Giant steps. Basta ouvirmos este último, para termos uma noção de como o jazz modal poderia chegar ao status de uma polifonia agradável, assimilável e renovadora.

Hubbard tocou por quatro anos com Blakey e já demonstrava que seu estilo comedido, temático e ao mesmo tempo expansivo e variável, "exuberante" nas palavras de Wynton Marsalis, conquistaria vários seguidores. Suas gravações com o pianista Herbie Hancock, pioneiro na renovação do jazz a partir da soul music, em especial em Empyream Isles (1964), confirmaram ainda mais a idéia de que surgira mais um músico que faria jus ao panteão que lhe havia precedido. A música "Canteloupe Island", que traria todas as novas influências do hardbop, é uma síntese desse momento.

Na década de 70 o trompetista gravaria seus principais álbuns solo. Em um deles está a música que batiza o mesmo, "Red Clay". É com Red Clay que podemos entender o estilo a que se refere Hubbard no início deste texto. No disco, há duas versões e elas servem exatamente para compreendermos como o jazz foi, em variados momentos, o único estilo musical capaz de valorizar a música como artefato de valor imanente, contemplativo e não apenas como reconhecimento e compensação.

A primeira versão da música é a de estúdio. Andamento mais lento, tema conduzido perfeitamente com uma introdução forte de metais e bateria (Lenny White), uma exposição temática e um desenvolvimento com uma seção rítmica que segue em conjunto com o "chorus" e solos dos músicos (nada menos que Herbie Hancock, Ron Carter, baixo e Joe Henderson, sax tenor) até à recapitulação.

A segunda versão é ao vivo. Com 18 minutos, sete a mais do que a primeira, foi uma imposição da gravadora e, ironicamente, se tornou um dos melhores exemplos da capacidade do jazz em se diferenciar da repetição musical e de como o tocar ao vivo proporciona a essa música possibilidades inauditas em outros estilos que, tecnicamente frágeis, não têm muito o que fazer diante da platéia. A música ganha em intensidade e virtuosismo, principalmente pela participação de George Benson na guitarra e pelas variações melódicas do próprio Hubbard. Cada músico executa seu improviso, mas, ao contrário da primeira versão, várias notas se modificam e em alguns casos a melodia é bastante diferente da versão anterior, em especial no sax de Stanley Turrentine e na participação vigorosa da bateria de Billy Cobham que, aos 12':12", parece explodir o bumbo anunciando o clímax final. E, ao final, com seu trompete, Freddie Hubbard nos diz: "this is my style".

Já escutei "Red Clay" dezenas de vezes. É um clichê, eu sei, mas sempre identifico algo novo e sempre sinto algo diferente em relação à música. Não há reconhecimento puro e simples de uma melodia que agrada ou de um relaxamento que compense o cotidiano. Vai além disso. Suscita, mesmo naqueles que não entendem nada de teoria musical, novas formas de ouvir, de percepção. Como é próprio de determinado jazz, "Red Clay" "explode" um tipo de sensação na qual estranhar se tornou ameaçador. Se você gosta de algo mais reconhecível (ah, a metáfora do espelho!), vá escutar algo como Kenny G, o eterno retorno do nada, ou o resto da covarde vulgata musical, essas músicas de 15 anos (frase cunhada por um amigo), idade muito acima da idade mental dos tigres das cidades.

Recomendo aos jovens que sigam o estilo de Hubbard. É original sem ser pedante, é renovador sem ser impenetrável, é assimilável sem ser gratuito. Platão (que temia a arte) dizia que a "poiesis" é a verdadeira recriação do mundo através de formas inexistentes, como o escultor faz com a argila; antes disforme, ele, com seu trabalho, engendra uma nova realidade. A argila (clay) de Freddie Hubbard engendra uma nova forma de relação com os sentidos, com nós mesmos, com a realidade, que precisa ter forma, sentido, harmonia, intervalos, variações, estilo.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de Relivaldo de Oliveira.


Relivaldo de Oliveira
Belém, 16/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Outono antecipado de seus anos de Maurício Dias


Mais Relivaldo de Oliveira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tragédias Vol 12 Col. Folha Grandes Nomes do Pensamento - Confira!
Sêneca
Folha de S Paulo
(2015)



Mundo Jovem - os Premiados do 1º Concurso Literário Infanto-juvenil
Vários Autores
Círculo do Livro



Revista Asas nº107 - Vive la France, os Warbirds da Aéronavale
Claudio Lucchesi Cavalca - editor
C&r
(2010)



Sistema de Ensino Poliedro; Redação Livro Único
Esther Pereira Silveira Rosado
Poliedro
(2011)



Gestos para Salvar El Planeta
Joaquín Araújo
Lunwerg
(2016)



Revista Marco 3
Instituto de Ciências São Marcos
Instituto de Ciências São Marc



Pesquisa e planejamento econômico vol3
Varios
Ipea
(1973)



Sociedade Civil e Democratização
Leonardo Avritzer Coordenador
Del Rey



Ferrugem
Marcelo Moutinho
Record1
(2017)



Assim se escreve gramática Assim escreveram literatura Brasil - Portugual
Leme Serra Pinho
Epu
(1981)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês