A Paixão de Cristo e Cidade de Deus | Marcos Procópio | Digestivo Cultural

busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/4/2004
A Paixão de Cristo e Cidade de Deus
Marcos Procópio

+ de 4100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Depois do polêmico lançamento do filme americano A Paixão de Cristo, dirigido pelo já bem consagrado ator de filmes de ação (e violência) Mel Gibson, muitos comentários sobre o teor e conteúdo desta obra vêem surgindo entre aqueles que o assistiram.

Via de regra o filme parece não ter obtido uma boa repercussão. Parte significativa dos comentários repousa sobre o argumento de que o filme é superficial, relata de forma incompleta e parcial apenas a trajetória final de Cristo na terra e, principalmente, "apela" deliberadamente para inúmeras cenas de violência explícita, que incluem humilhação, tortura e mutilação do corpo do seu protagonista.

Entretanto, depois do "banho de sangue" que acompanha a sessão de cinema, este filme nos convida à uma reflexão mais profunda. Interpretá-lo como um jogo de "clichês bíblicos" ou simplesmente como mais um filme "apelativo", preocupado com o ganho de bilheteria a partir da exploração da violência, está longe de ser um ponto de vista inválido. Porém, por onde tem passado, o filme vem trazendo muito mal estar e, quem poderia imaginar, até a morte de alguns dos seus expectadores. E é justamente por ter esta capacidade de chocar, e até matar, seus expectadores que o filme merece uma atenção maior na sua leitura.

Todos sabemos que filmes de violência explícita existem aos montes no cinema mundial e principalmente no cinema americano. Entretanto, entre obras de ficção científica, filmes policiais e filmes de "gangsters", a violência encontra-se banalizada a tal ponto que dificilmente choca profundamente o espectador. O mal estar trazido por esses inúmeros filmes nem se compara àquela trazido pela A Paixão de Cristo. Por quê? Eis aqui a grande questão. Talvez a própria banalização da violência nas telas seja a resposta. Entretanto, por sua parte, a violência praticada contra Cristo na A Paixão de Cristo choca e até mata; ou seja, está muito longe de ser vista simplesmente como banal.

Expondo uma versão não tão desconhecida (ao menos para os cristãos) sobre as horas finais da vida de Cristo na terra, o filme pode ser também interpretado como um "tapa na cara" daqueles que, embebidos em hipocrisia, riem e se divertem com cenas de violência em outros filmes, onde os protagonistas são "pagãos", mas se estremecem diante da violência praticada contra o "filho do Senhor". E nossos mortais? Podem ser violentados livremente nos cinemas, na TV e na vida real? Será que o sofrimento de Cristo não se estende ao sofrimento de outros protagonistas menos "sacralizados" de outros filmes, como aqueles da Cidade de Deus, tão ou mais humilhados quanto ele? Porque ver Cristo ser violentado é mais inaceitável e dói mais do que ver crianças pobres e negras sendo violentadas e assassinadas? Será que é porque elas não são filhas de Deus? Ou será que é porque elas merecem mesmo esse tratamento já que são todas criminosos em potencial e se tornarão grandes assassinos sanguinários no futuro breve?

De forma deliberada ou não, talvez seja esta a maior mensagem oferecida pelo filme A Paixão de Cristo: desmistificar a hipocrisia do expectador que, ao mesmo tempo que permite que cenas de violência explícita sejam motivos de riso e puro entretenimento, reage de modo acrítico à violência praticada contra o símbolo sagrado do cristianismo.

Não é necessariamente preciso ser um grande cristão para saber que a vida de Cristo simbolizou a vida dos homens (mortais) e que o seu sofrimento, retratado com maior ou menor fidelidade no filme de Gibson, é uma lição rumo ao amor, respeito e a tolerância entre as pessoas.

Enquanto Gibson humilha, violenta e mutila Cristo em seu filme, de forma definitivamente chocante e até mesmo letal para alguns expectadores, qual seria o valor da vida de todos os outros "filhos de Deus" que sofrem e morrem violentamente em outros filmes, na televisão e principalmente na vida real? Talvez, crucificar Cristo de forma tão violenta e selvagem seja realmente necessário para mostrar aos expectadores o quão longe do ideal bíblico de um mundo melhor nós nos encontramos, devido a banalização da violência cometida contra nossos próprios "irmãos".


Marcos Procópio
Salvador, 5/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O amor é um jogo que ganha quem se perde de Carina Destempero
02. Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos? de Adriana Baggio
03. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte II de Gian Danton
04. Entre a crise e o espectro do humor a favor de Diogo Salles
05. A vida dos outros de Guilherme Pontes Coelho


Mais Marcos Procópio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/4/2004
16h55min
Marcos, em primeiro lugar, gostaria de cumprimentar você pelo artigo. Porém, discordo da colocação que você faz a respeito do fato de que o filme acaba chocando apenas por estarmos tratando da morte do filho de Deus, já que não teríamos o mesmo impacto se não estivéssemos tratando de Jesus, mas de um de seus filhos desafortunados. Creio que o inverso desta proposição seria mais adequado. Acho que o mais chocante (e, no meu ponto de vista, o maior mérito do filme) é que ele é uma demonstração viva das possibilidades de utilização da violência, da tortura... De forma que, se o homem foi capaz de fazer o que fez com Cristo (não foi Gibson quem fez isso, mas aqueles homens de quase 2000 atrás), com o filho de Deus, imagine onde podem chegar os requintes de crueldade contra um dos chamados desafortunados. A própria Cidade de Deus carioca pode ser uma resposta para esta afirmação.
[Leia outros Comentários de Rafael Pereira ]
16/4/2004
08h08min
O fato é que Jesus Cristo foi mais um filho de Deus torturado. Tudo bem que os outros filhos não fazem tanto sucesso como Jesus, são anônimos e não chegaram lá - nos píncaros da glória eterna sem nunca ter escrito nada e não existir um só documento que prove sua existência (só isso indica que ele é diferente nos demais filhos) e merece todo o sucesso do mundo! Isto não é de admirar, acontece cotidianamente, o que ganha notícia na mídia é a morte de artista assassinado, pois notícia de assassinato de desconhecido, além de ser corriqueiro por essas bandas, não vende na mídia. Não dá lucro nem há 2004 anos nem hoje.
[Leia outros Comentários de lili]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SONHOS - AS ARTES DIVINATÓRIAS
DAVID V. BARRETT
PRESENÇA
(1996)
R$ 21,53



NERO - MONSTRO SANGUINÁRIO OU IMPERADOR VISIONÁRIO
JOËL SCHMIDT
TEXTO & GRAFIA
(2011)
R$ 10,00



SETE DIAS ATÉ PETROGRADO
TOM HYMAN
RECORD
(1988)
R$ 7,00



NINGUÉM É DE NINGUÉM
HAROLD ROBBINS
RECORD
(1997)
R$ 8,64



ENSAIO SOBRE A POBREZA A HERANÇA DE FRANCISCO DE ASSIS
ALBERT JACQUARD
PUBLICAÇÕES EUROPA-AMÉRICA
(1997)
R$ 71,70



OBRAS DE CAMILLO CASTELLO BRANCO: NOVELLAS DO MINHO
CAMILLO CASTELLO BRANCO
ANTONIO MARIA PEREIRA
(1923)
R$ 13,00



ORGULHO E PAIXÃO
NORA ROBERTS; DANIELA RIGON
HARLEQUIN BOOKS BR
(2017)
R$ 20,00



HERÉTICOS DA POLÍTICA
MAX NOMAD
FUNDO DE CULTURA
(1965)
R$ 10,00



AMERICA DO SUL
DARC COSTA
CAPAX
(2011)
R$ 35,00



TERRAS BAIXAS
JOSEPH ONELL
ALFAGUARA
(2009)
R$ 10,00





busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês