A Paixão de Cristo e Cidade de Deus | Marcos Procópio | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Baccos promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chico Buarque e o Leite derramado
>>> A favor do voto obrigatório
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixao E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/4/2004
A Paixão de Cristo e Cidade de Deus
Marcos Procópio
+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Depois do polêmico lançamento do filme americano A Paixão de Cristo, dirigido pelo já bem consagrado ator de filmes de ação (e violência) Mel Gibson, muitos comentários sobre o teor e conteúdo desta obra vêem surgindo entre aqueles que o assistiram.

Via de regra o filme parece não ter obtido uma boa repercussão. Parte significativa dos comentários repousa sobre o argumento de que o filme é superficial, relata de forma incompleta e parcial apenas a trajetória final de Cristo na terra e, principalmente, "apela" deliberadamente para inúmeras cenas de violência explícita, que incluem humilhação, tortura e mutilação do corpo do seu protagonista.

Entretanto, depois do "banho de sangue" que acompanha a sessão de cinema, este filme nos convida à uma reflexão mais profunda. Interpretá-lo como um jogo de "clichês bíblicos" ou simplesmente como mais um filme "apelativo", preocupado com o ganho de bilheteria a partir da exploração da violência, está longe de ser um ponto de vista inválido. Porém, por onde tem passado, o filme vem trazendo muito mal estar e, quem poderia imaginar, até a morte de alguns dos seus expectadores. E é justamente por ter esta capacidade de chocar, e até matar, seus expectadores que o filme merece uma atenção maior na sua leitura.

Todos sabemos que filmes de violência explícita existem aos montes no cinema mundial e principalmente no cinema americano. Entretanto, entre obras de ficção científica, filmes policiais e filmes de "gangsters", a violência encontra-se banalizada a tal ponto que dificilmente choca profundamente o espectador. O mal estar trazido por esses inúmeros filmes nem se compara àquela trazido pela A Paixão de Cristo. Por quê? Eis aqui a grande questão. Talvez a própria banalização da violência nas telas seja a resposta. Entretanto, por sua parte, a violência praticada contra Cristo na A Paixão de Cristo choca e até mata; ou seja, está muito longe de ser vista simplesmente como banal.

Expondo uma versão não tão desconhecida (ao menos para os cristãos) sobre as horas finais da vida de Cristo na terra, o filme pode ser também interpretado como um "tapa na cara" daqueles que, embebidos em hipocrisia, riem e se divertem com cenas de violência em outros filmes, onde os protagonistas são "pagãos", mas se estremecem diante da violência praticada contra o "filho do Senhor". E nossos mortais? Podem ser violentados livremente nos cinemas, na TV e na vida real? Será que o sofrimento de Cristo não se estende ao sofrimento de outros protagonistas menos "sacralizados" de outros filmes, como aqueles da Cidade de Deus, tão ou mais humilhados quanto ele? Porque ver Cristo ser violentado é mais inaceitável e dói mais do que ver crianças pobres e negras sendo violentadas e assassinadas? Será que é porque elas não são filhas de Deus? Ou será que é porque elas merecem mesmo esse tratamento já que são todas criminosos em potencial e se tornarão grandes assassinos sanguinários no futuro breve?

De forma deliberada ou não, talvez seja esta a maior mensagem oferecida pelo filme A Paixão de Cristo: desmistificar a hipocrisia do expectador que, ao mesmo tempo que permite que cenas de violência explícita sejam motivos de riso e puro entretenimento, reage de modo acrítico à violência praticada contra o símbolo sagrado do cristianismo.

Não é necessariamente preciso ser um grande cristão para saber que a vida de Cristo simbolizou a vida dos homens (mortais) e que o seu sofrimento, retratado com maior ou menor fidelidade no filme de Gibson, é uma lição rumo ao amor, respeito e a tolerância entre as pessoas.

Enquanto Gibson humilha, violenta e mutila Cristo em seu filme, de forma definitivamente chocante e até mesmo letal para alguns expectadores, qual seria o valor da vida de todos os outros "filhos de Deus" que sofrem e morrem violentamente em outros filmes, na televisão e principalmente na vida real? Talvez, crucificar Cristo de forma tão violenta e selvagem seja realmente necessário para mostrar aos expectadores o quão longe do ideal bíblico de um mundo melhor nós nos encontramos, devido a banalização da violência cometida contra nossos próprios "irmãos".


Marcos Procópio
Salvador, 5/4/2004

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio


Mais Marcos Procópio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/4/2004
16h55min
Marcos, em primeiro lugar, gostaria de cumprimentar você pelo artigo. Porém, discordo da colocação que você faz a respeito do fato de que o filme acaba chocando apenas por estarmos tratando da morte do filho de Deus, já que não teríamos o mesmo impacto se não estivéssemos tratando de Jesus, mas de um de seus filhos desafortunados. Creio que o inverso desta proposição seria mais adequado. Acho que o mais chocante (e, no meu ponto de vista, o maior mérito do filme) é que ele é uma demonstração viva das possibilidades de utilização da violência, da tortura... De forma que, se o homem foi capaz de fazer o que fez com Cristo (não foi Gibson quem fez isso, mas aqueles homens de quase 2000 atrás), com o filho de Deus, imagine onde podem chegar os requintes de crueldade contra um dos chamados desafortunados. A própria Cidade de Deus carioca pode ser uma resposta para esta afirmação.
[Leia outros Comentários de Rafael Pereira ]
16/4/2004
08h08min
O fato é que Jesus Cristo foi mais um filho de Deus torturado. Tudo bem que os outros filhos não fazem tanto sucesso como Jesus, são anônimos e não chegaram lá - nos píncaros da glória eterna sem nunca ter escrito nada e não existir um só documento que prove sua existência (só isso indica que ele é diferente nos demais filhos) e merece todo o sucesso do mundo! Isto não é de admirar, acontece cotidianamente, o que ganha notícia na mídia é a morte de artista assassinado, pois notícia de assassinato de desconhecido, além de ser corriqueiro por essas bandas, não vende na mídia. Não dá lucro nem há 2004 anos nem hoje.
[Leia outros Comentários de lili]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historia Dos Estados Unidos: Das Origens Ao Seculo Xxi
Marcus Vinicius De Morais, Sean Purdy, Luis Estevam Fernandes, Leandro Karnal
Contexto
(2021)



The Road To Middle Earth
Tom Shippey
Harper Collins
(2012)



A Personalidade Através do Desenho
Dra Fernanda Barcellos
Do Autor
(1975)



Vozes do éden
R. M. Lamming
Bertrand Brasil
(2011)



Primeiros Acordes ao Violão - Método Prárico
Othon G. R. Filho
Irmãos Vitale
(2008)



Tratado de Direito -penal Parte Geral 1
Cezar Roberto Bitencourt
Saraiva
(2011)



Inteligência das emoções
Alírio De Cerqueira Filho
Plenitude
(2013)



La Armonia En El Color - Nuevas Tendencias
Bride M Whelan
Color Harmony
(1994)



Livro Literatura Estrangeira 10 Coisas Que nos Fizemos (E Provavelmente Não Deveriámos)
Sarah Mlynowski
Galera
(2013)



A arte da guerra
Sun Tzu
Ciranda cultural
(2019)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês