Wilson Simonal: o rei do Pa-tro-pi | Mônica Herculano | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Maria a Vida Toda de Paulo Castelo Branco pela Dom Quixote (2004)
>>> Sociedades tribais de Marshall D. Sahlins pela Zahar (1983)
>>> União soviética: Há socialismo nisto? de Vladimir Palmeira pela Marco zero (1982)
>>> Nacionalismo, Retórica "socialista" e Marxismo na América Latina de Juan Dal Maso pela Iskra (2013)
>>> Gringo de Airton Ortiz pela Record (2012)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Klick (1998)
>>> O outro davos de François Houtart e François Polet pela Cortez (2002)
>>> Brasília Ideologia e Realidade Espaço Urbano Em Questão de Aldo Paviani pela Cnpq (1985)
>>> Brasil: Radiografia de um modelo de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1975)
>>> Trabalhadores pobres e cidadania de Nair Heloisa Bicalho de Sousa pela EDUFU (2007)
>>> País brilhantes, professores fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> I Fratelli Karamàzov Vol Primo de Fedor M Dostoevskij pela Club Degli
>>> A semana II - Obras completas de Machado de Assis pela Globo
>>> Um reformismo quase sem reformas de Valério Arcary pela Sundermann (2011)
>>> A esquerda e o movimento operário 1964-1984 volume 3 de Celso Frederico pela Oficina de livros (1991)
>>> Casório?! de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> As esquinas perigosas da história de Valério Arcary pela Xamã (2004)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Marxismo Soviético - uma Análise Crítica de Herbert Marcuse pela Saga (1969)
>>> A Fortaleza de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2005)
>>> O demônio e a srta. Prym de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> A carga de Mary Westmacott pela Nova fronteira (1956)
>>> A energia do dinheiro de Glória Maria Garcia Pereira pela Gente (2001)
>>> O Combate Sexual da Juventude Comentado de Gilson Dantas pela Iskra/centelha Cultural (2011)
>>> As armas da crítica de Emir Sader e Ivana Jinkings pela Boitempo (2012)
COLUNAS >>> Especial 1964-2004

Segunda-feira, 26/4/2004
Wilson Simonal: o rei do Pa-tro-pi
Mônica Herculano

+ de 11100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Nascido numa quarta-feira de Cinzas, ainda em tempo de pegar o finzinho do Carnaval de 38, como o próprio narrou numa entrevista em 1967, Wilson Simonal de Castro parece mesmo ter chegado ao mundo ouvindo o som dos tamborins e vendo os passos da mulata. E com o gingado carioca que o recebeu, viveu e levou uma vida mais alegre a milhares de pessoas, que lotavam estádios repetindo seus refrões.

Simonal venceu as barreiras da pobreza e transformou-se num dos artistas mais populares e bem pagos do Brasil. No final da década de 60, em plena ditadura militar, época de fortes manifestações políticas e culturais e com o país tomado por um maniqueísmo desenfreado, ele era como um rei, acima de qualquer luta entre o bem e o mal.

Ruy Castro contou em seu livro Chega de Saudade que, quando surgiu no Beco das Garrafas, Simonal "provocou uma sensação que é hoje indescritível e talvez inacreditável". Ele definiu o cantor como "o máximo para seu tempo": "grande voz, um senso de divisão igual ao dos melhores cantores americanos e uma capacidade de fazer gato e sapato do ritmo, sem se afastar da melodia ou sem apelar para os scats fáceis".

Para o amigo César Camargo Mariano, Simonal tinha um talento singular. "Trabalhar com ele foi uma grande escola para todos nós. Fazia uma música pop, de boa penetração em todas as camadas sociais, leve, alegre e de uma qualidade absurda. O disco tinha o mesmo cuidado que era passado para o palco. Simonal sempre soube muito bem o que queria fazer e tinha um tino artístico e profissional muito forte."

Tanto talento pedia um espaço nobre para ser apresentado. E qual seria melhor naqueles tempos do que as noites da TV Record? O primeiro negro a apresentar sozinho um programa de televisão no país pôde levar para o seu "Show em Si...Monal" os músicos e o diretor com quem mais se identificava: César Camargo Mariano, Sabá e Toninho, que formavam o Som 3, e Carlos Imperial.

A convivência diária de Simonal, Imperial e Mariano fez surgir um estilo popular, mas novo e diferente de tudo o que estava acontecendo. Enquanto bossa nova, tropicália e artistas como Roberto Carlos dividiam a cena musical da época, o que estava "deixando cair" mesmo era a "pilantragem". E era apenas uma etapa da sensacional loucura causada pelo artista e descrita pelo jornalista Mylton Severiano na revista Realidade, em 1969.

Contratado para fechar a parte inicial do show de Sérgio Mendes no Maracanãzinho, para uma platéia de 30 mil pessoas, Simonal acabou sendo a atração principal. Severiano contou: "Nunca se havia visto coisa igual. Por trás do palco, enquanto lá nas arquibancadas a multidão rugia e assobiava, exigindo mais Simonal, e enquanto ele mesmo era socorrido, após desmaiar de emoção, havia um sobressalto de homens agitados. 'Isso só acontece uma vez na vida', murmuravam."

Mas aconteceram muitas outras. Simonal continuava comandando milhares de pessoas todas as noites no Canecão e em qualquer casa que se apresentasse, e ainda em 1969 assinou com a Shell o que o Jornal da Tarde noticiou como "o mais fabuloso contrato de publicidade já assinado no Brasil".

Em 1970, o cantor foi escolhido para acompanhar a seleção brasileira de futebol à Copa do Mundo. A atuação dos maiores artistas das duas grandes especialidades brasileiras - música e futebol - foi vitoriosa: Simonal em campanha de sucesso e Brasil tricampeão. Na volta do México, porém, descobriu um grande desfalque em sua empresa de produções artísticas e despediu o contador, contratado cerca de um ano antes.

A partir daí, viu seu castelo desmoronar. Uma série de acusações feitas pelo ex-empregado e por alguns policiais levou o cantor a ser apontado como informante do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS). "Aquele 'cara' que todo mundo queria ser", como descreveu o Jornal do Brasil em 1970, transformou-se em um grande rejeitado pela sociedade. Abolido da mídia, das vitrolas e dos palcos.

Até hoje duas coisas não foram esclarecidas: o envolvimento ou não de Wilson Simonal com a polícia política da época e o tratamento que a imprensa deu a ele nos anos seguintes. Se até 1971 só se via elogios a ele nos jornais, a partir daí as notícias passaram a ser cada mais raras e negativas.

Era como se o "dedo-duro" que o jornal O Pasquim publicou estivesse gravado na memória de cada um dos repórteres que iriam falar dele ou com ele. Tomaram como verdade absoluta seu suposto envolvimento com o Serviço Nacional de Informação e nem após a anistia concedida a presos políticos e torturadores, voltaram a tratá-lo como o showman que, não havia dúvidas, ele era.

O terror repreendido imposto pelo regime militar pode, como muitos alegam, ter levado os jornalistas do período a tomar Simonal como "bode expiatório". Mas a imprensa errou em condenar sem provas. Também é bom lembrar que pode ter havido uma grande armação contra o cantor. Afinal, ninguém sabe dizer de onde vinham as pessoas que o acusaram e podiam estar perfeitamente, por intrigas pessoais, tentando derrubá-lo. Ninguém procurou investigar isso.

A verdade é que a vaidade e o gosto que Simonal tinha em falar do sucesso incomodavam. Para algumas pessoas podia causar mais transtorno do que admiração ver um negro vindo do morro chegar num restaurante fino, pagar a mais cara champagne para dezenas de pessoas, sentar com toda a pose e dizer, com o sorriso mais maroto, que iria fazer o lado direito da platéia cantar uma nota e o esquerdo cantar outra, e realmente fazê-lo.

A história, realmente, envolve aspectos próprios da época, envolve política, mas o resgate da carreira de Wilson Simonal deve ser tratado com seriedade e urgência. Afinal, um rei nunca perde a majestade, e o brilhantismo de Simonal sempre permanecerá em nosso "Pa-tro-pi".


Mônica Herculano
São Paulo, 26/4/2004


Mais Mônica Herculano
Mais Especial 1964-2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2004
16h32min
Parabéns pela iniciativa de resgatar a memória desse ídolo que pagou caro e injustamente.
[Leia outros Comentários de Mirthes]
4/5/2004
18h12min
parabens pela realização de ter ressuscitado esse mito injustiçado... palmas e + palmas para esse homem rico, riquissimo, de nossa da musica brasileira... eterno negro Simonal..
[Leia outros Comentários de sergio luiz f.]
27/2/2005
13h29min
Excelente a oportunidade de resgatar a memória de Simonal. Pode ter incomodado muita gente, e por certo incomodou, e foi, no final dos anos 60, um fenômeno, basta ver a apresentação no Maracanãzinho, onde regeu um publico de mais de 20.000 pessoas. Quando será que publicarão um livro sobre Simonal, se ninguém se candidata, de repente, eu vou tentar.
[Leia outros Comentários de Marco Antonio]
6/9/2006
21h13min
Um negro, de origem humilde, fazendo sucesso. Era muito para a elite branca que sempre dominou este país. Wilson Simonal foi o bode expiatório que procuravam não só regime militar mas a sociedade como um todo, para expor as mazelas deste país. Anistiemos o Wilson Simonal.
[Leia outros Comentários de jose williams alves ]
13/9/2008
16h44min
Pois é, e o Brasil ainda se diz livre de racismo... Por que essa injustiça aconteceu justo com um negro? Tanto músico por aí... Wilson Simonal foi O cara. Nasci bem depois do sucesso dele, mas venho descobrindo o seu talento a cada dia, e me revolta muito saber da injustiça que ele sofreu... Ele sim foi, e sempre será, o nosso rei! Talento puro no suingue e na alegria! Parabéns pela matéria!
[Leia outros Comentários de Lud]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Start a craft - Decoupage
Lesley Player
Apple
(1996)



A ladeira da saudade
Ganymédes José
Moderna
(1983)



Os cadernos de don Rigoberto
Mario Vargas Llosa
Companhia das Letras
(1997)



A Qualificação da Escola
F. Javier Murillo
Artmed
(2007)



The Puppy Place - Maggie and Max
Ellen Miles
Scholastic
(2007)



Clássicos da Democracia 12 - a Democracia Em Ação
Francis Hankin
Ibrasa
(1963)



Fora de Série
Morris West
Círculo do Livro



O Que é Capital Internacional - Coleção Primeiros Passos
Rabah Benakouche
Brasiliense
(1982)



7 Orações Que Vão Mudar Sua Vida
Stormie Omartian
Thomas Nelson Brasil
(2007)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês