Wilson Simonal: o rei do Pa-tro-pi | Mônica Herculano | Digestivo Cultural

busca | avançada
28797 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Almundo traz até 40% de desconto em seu primeiro Outlet 2019
>>> Ex-Titã Paulo Miklos apresenta seu terceiro álbum no Sesc Belenzinho
>>> Companhia de Teatro Heliópolis coloca em cena as duas faces da justiça em nova montagem
>>> Cunha realiza 2ª edição do Verão na Montanha - Cunha Fest, festival de jazz e blues
>>> Artista ucraniana expõe pela 1a vez no Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
Últimos Posts
>>> Assim eu quero a vida
>>> Um sujeito chamado Benício
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Direções da véspera (Introdução)
>>> O tempo nos ensina - frase
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Senhor do Corpo e da alma - poema
>>> Fotogenia
>>> É Natal
>>> Canções de amor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jabá é sempre jabá
>>> Guimarães Rosa: um baiano de sangue
>>> Contra reforma ortográfica
>>> Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I)
>>> O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Sobre a vida no campo
>>> O óbvio final de Belíssima
>>> Unidade na multiplicidade
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Aeronáutico de Luis Ivani de Amorim Araújo pela Forense (1998)
>>> Patologia bucal de William G. Shafer / Maynard K. Hine / Barnet M. Levy pela Mundi (1961)
>>> Dicionário Internacional de Economia e Finanças de Bernard e Colli pela Forense-Universitária (1998)
>>> Tratado de Direito Privado - Tomo 10 de Pontes de Miranda pela BookSeller (2000)
>>> Tratado de Direito Privado - Tomo 22 de Pontes pela BookSeller (2003)
>>> Didático de Enfermagem Teoria e Prática - Volume I de José Jardes da Gama - Sandra Maria da Penha pela Eureka (2017)
>>> Geografia 7º Ano - Espaço e Vivência - Livro do Aluno de Levon Boligian e Outros pela Atual (2016)
>>> The Adventures of Tom Sawayer de Mark Twain pela Sterling (2010)
>>> Ataque do Comando P. Q de Moacyr Scliar pela Ática (2006)
>>> Uma Aventura no Mundo de Tarsila de Mércia M Leitão - Neide Duarte pela Do Brasil (1999)
>>> Educando Filhos Responsáveis de Elizabeth M Ellis pela Ática (1997)
>>> Celebridade de Chris Rojek pela Racco (2008)
>>> O Pagador de Promessas de Dias Gomes pela Ediouro (2006)
>>> Tudo é Poesia - Livro II - 2ª Edição de Ray Lima pela Queima - Bucha (2005)
>>> Os Escravos de Castro Alves pela Cedic
>>> Geografia - Volume Único - Vereda Digital - Livro do Aluno de Bacic Silva Lozano pela Moderna (2012)
>>> Nuevo Listo Parte a - Livro do Aluno de Roberta Amendola pela Santillana (2012)
>>> Jornadas - Português - 6º Ano - Livro do Aluno de Dileta Delmanto - Laiz B de Carvalho pela Saraiva (2016)
>>> Jornadas - Português - 9º Ano - Livro do Aluno de Dileta Delmanto - Laiz B de Carvalho pela Saraiva (2016)
>>> E Agora, Mãe? - 3ª Edição de Isabel Vieira pela Moderna (2018)
>>> É de Morte! de Flávia Savary pela Ftd (2014)
>>> Os Três Mosqueteiros Em Cordel de Klévisson Viana pela Leya (2011)
>>> História 360º - Livro do Aluno de Alfredo Boulos Júnior pela Ftd (2017)
>>> Hyperlink - 2 Edition de Albina Escobar pela Pearson (2014)
>>> Access - Volume 1 - Livro do Aluno de Luiz Otávio Barros pela Richomond (2016)
>>> Davi e a Árvore da Riqueza de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2017)
>>> O Patinho Feio de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2005)
>>> Os Animais do Mundinho de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2007)
>>> Um Mundinho de Paz de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2012)
>>> João e o Pé de Feijão de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2006)
>>> A Riqueza Está Em Toda Parte de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2015)
>>> Dinheiro Nasce Em Árvore? de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2018)
>>> Uma Escada Chamada Vida: Coleção Crescer e Enriquecer de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2018)
>>> A Magia do Lixo - 3ª Edição de Jonar Brasileiro - Kátia Rocha pela Humanidades Educação (2016)
>>> De Olho na Amazônia - 2ª Edição de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2011)
>>> A Receita da Prosperidade de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2017)
>>> Projeto Teláris - História 9º Ano - Livro do Aluno de Gislane Azevedo - Reinaldo Seriacopi pela Ática (2015)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer: um Guia para Toda a Vida de Mara e Outros pela Sextante (2006)
>>> Conexões: George Washington a Compadre Washington de Super Interessante pela Abril (2016)
>>> Super 30 Anos: as Revoluções das Três Últimas Décadas de Abril pela Abril (2017)
>>> Acontecem Há Mais de Cem Anos de Elto Koltz pela Prazer de Ler (2011)
>>> A Bússola e a Balança: por um Mundo Mais Justo de Maria Lúcia de Arruda Aranha pela Moderna (2001)
>>> Sistemas Digitais: Fundamentos e Aplicações - 9ª Edição de Floyd pela Bookman (2007)
>>> Contos de Exemplo de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2014)
>>> Globalização: o Que é Isso, Afinal? 2ª Edição de Cristina Strazzacappa - Valdir Montanari pela Moderna (2006)
>>> Educando Filhos Responsáveis de Elizabeth M Ellis pela Ática (1997)
>>> Noilde Ramalho: uma História de Amor à Educação de Daladier Pessoa Cunha Lima pela Liga de Ensino do Rn (2004)
>>> O Homem Que Se Achava Napo Leão: por uma História Política da Loucura de Laure Murat pela Três Estrelas (2009)
>>> Brincadeiras do Tempo da Vovozinha de Maria das Graças Brandão Soares pela Gracinha (2012)
>>> Almanaque Anos 70: Lembranças e Curiosidades de uma Década Muito Doida de Ana Maria Bahiana pela Ediouro (2006)
COLUNAS >>> Especial 1964-2004

Segunda-feira, 26/4/2004
Wilson Simonal: o rei do Pa-tro-pi
Mônica Herculano

+ de 8900 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Nascido numa quarta-feira de Cinzas, ainda em tempo de pegar o finzinho do Carnaval de 38, como o próprio narrou numa entrevista em 1967, Wilson Simonal de Castro parece mesmo ter chegado ao mundo ouvindo o som dos tamborins e vendo os passos da mulata. E com o gingado carioca que o recebeu, viveu e levou uma vida mais alegre a milhares de pessoas, que lotavam estádios repetindo seus refrões.

Simonal venceu as barreiras da pobreza e transformou-se num dos artistas mais populares e bem pagos do Brasil. No final da década de 60, em plena ditadura militar, época de fortes manifestações políticas e culturais e com o país tomado por um maniqueísmo desenfreado, ele era como um rei, acima de qualquer luta entre o bem e o mal.

Ruy Castro contou em seu livro Chega de Saudade que, quando surgiu no Beco das Garrafas, Simonal "provocou uma sensação que é hoje indescritível e talvez inacreditável". Ele definiu o cantor como "o máximo para seu tempo": "grande voz, um senso de divisão igual ao dos melhores cantores americanos e uma capacidade de fazer gato e sapato do ritmo, sem se afastar da melodia ou sem apelar para os scats fáceis".

Para o amigo César Camargo Mariano, Simonal tinha um talento singular. "Trabalhar com ele foi uma grande escola para todos nós. Fazia uma música pop, de boa penetração em todas as camadas sociais, leve, alegre e de uma qualidade absurda. O disco tinha o mesmo cuidado que era passado para o palco. Simonal sempre soube muito bem o que queria fazer e tinha um tino artístico e profissional muito forte."

Tanto talento pedia um espaço nobre para ser apresentado. E qual seria melhor naqueles tempos do que as noites da TV Record? O primeiro negro a apresentar sozinho um programa de televisão no país pôde levar para o seu "Show em Si...Monal" os músicos e o diretor com quem mais se identificava: César Camargo Mariano, Sabá e Toninho, que formavam o Som 3, e Carlos Imperial.

A convivência diária de Simonal, Imperial e Mariano fez surgir um estilo popular, mas novo e diferente de tudo o que estava acontecendo. Enquanto bossa nova, tropicália e artistas como Roberto Carlos dividiam a cena musical da época, o que estava "deixando cair" mesmo era a "pilantragem". E era apenas uma etapa da sensacional loucura causada pelo artista e descrita pelo jornalista Mylton Severiano na revista Realidade, em 1969.

Contratado para fechar a parte inicial do show de Sérgio Mendes no Maracanãzinho, para uma platéia de 30 mil pessoas, Simonal acabou sendo a atração principal. Severiano contou: "Nunca se havia visto coisa igual. Por trás do palco, enquanto lá nas arquibancadas a multidão rugia e assobiava, exigindo mais Simonal, e enquanto ele mesmo era socorrido, após desmaiar de emoção, havia um sobressalto de homens agitados. 'Isso só acontece uma vez na vida', murmuravam."

Mas aconteceram muitas outras. Simonal continuava comandando milhares de pessoas todas as noites no Canecão e em qualquer casa que se apresentasse, e ainda em 1969 assinou com a Shell o que o Jornal da Tarde noticiou como "o mais fabuloso contrato de publicidade já assinado no Brasil".

Em 1970, o cantor foi escolhido para acompanhar a seleção brasileira de futebol à Copa do Mundo. A atuação dos maiores artistas das duas grandes especialidades brasileiras - música e futebol - foi vitoriosa: Simonal em campanha de sucesso e Brasil tricampeão. Na volta do México, porém, descobriu um grande desfalque em sua empresa de produções artísticas e despediu o contador, contratado cerca de um ano antes.

A partir daí, viu seu castelo desmoronar. Uma série de acusações feitas pelo ex-empregado e por alguns policiais levou o cantor a ser apontado como informante do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS). "Aquele 'cara' que todo mundo queria ser", como descreveu o Jornal do Brasil em 1970, transformou-se em um grande rejeitado pela sociedade. Abolido da mídia, das vitrolas e dos palcos.

Até hoje duas coisas não foram esclarecidas: o envolvimento ou não de Wilson Simonal com a polícia política da época e o tratamento que a imprensa deu a ele nos anos seguintes. Se até 1971 só se via elogios a ele nos jornais, a partir daí as notícias passaram a ser cada mais raras e negativas.

Era como se o "dedo-duro" que o jornal O Pasquim publicou estivesse gravado na memória de cada um dos repórteres que iriam falar dele ou com ele. Tomaram como verdade absoluta seu suposto envolvimento com o Serviço Nacional de Informação e nem após a anistia concedida a presos políticos e torturadores, voltaram a tratá-lo como o showman que, não havia dúvidas, ele era.

O terror repreendido imposto pelo regime militar pode, como muitos alegam, ter levado os jornalistas do período a tomar Simonal como "bode expiatório". Mas a imprensa errou em condenar sem provas. Também é bom lembrar que pode ter havido uma grande armação contra o cantor. Afinal, ninguém sabe dizer de onde vinham as pessoas que o acusaram e podiam estar perfeitamente, por intrigas pessoais, tentando derrubá-lo. Ninguém procurou investigar isso.

A verdade é que a vaidade e o gosto que Simonal tinha em falar do sucesso incomodavam. Para algumas pessoas podia causar mais transtorno do que admiração ver um negro vindo do morro chegar num restaurante fino, pagar a mais cara champagne para dezenas de pessoas, sentar com toda a pose e dizer, com o sorriso mais maroto, que iria fazer o lado direito da platéia cantar uma nota e o esquerdo cantar outra, e realmente fazê-lo.

A história, realmente, envolve aspectos próprios da época, envolve política, mas o resgate da carreira de Wilson Simonal deve ser tratado com seriedade e urgência. Afinal, um rei nunca perde a majestade, e o brilhantismo de Simonal sempre permanecerá em nosso "Pa-tro-pi".


Mônica Herculano
São Paulo, 26/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro
03. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
04. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
05. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Mônica Herculano
Mais Especial 1964-2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2004
16h32min
Parabéns pela iniciativa de resgatar a memória desse ídolo que pagou caro e injustamente.
[Leia outros Comentários de Mirthes]
4/5/2004
18h12min
parabens pela realização de ter ressuscitado esse mito injustiçado... palmas e + palmas para esse homem rico, riquissimo, de nossa da musica brasileira... eterno negro Simonal..
[Leia outros Comentários de sergio luiz f.]
27/2/2005
13h29min
Excelente a oportunidade de resgatar a memória de Simonal. Pode ter incomodado muita gente, e por certo incomodou, e foi, no final dos anos 60, um fenômeno, basta ver a apresentação no Maracanãzinho, onde regeu um publico de mais de 20.000 pessoas. Quando será que publicarão um livro sobre Simonal, se ninguém se candidata, de repente, eu vou tentar.
[Leia outros Comentários de Marco Antonio]
6/9/2006
21h13min
Um negro, de origem humilde, fazendo sucesso. Era muito para a elite branca que sempre dominou este país. Wilson Simonal foi o bode expiatório que procuravam não só regime militar mas a sociedade como um todo, para expor as mazelas deste país. Anistiemos o Wilson Simonal.
[Leia outros Comentários de jose williams alves ]
13/9/2008
16h44min
Pois é, e o Brasil ainda se diz livre de racismo... Por que essa injustiça aconteceu justo com um negro? Tanto músico por aí... Wilson Simonal foi O cara. Nasci bem depois do sucesso dele, mas venho descobrindo o seu talento a cada dia, e me revolta muito saber da injustiça que ele sofreu... Ele sim foi, e sempre será, o nosso rei! Talento puro no suingue e na alegria! Parabéns pela matéria!
[Leia outros Comentários de Lud]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITERATURA/POLÍTICA/CULTURA (1994 - 2004)
IZABEL MARGATO, RENATO CORDEIRO GOMES
UFMG
(2008)
R$ 50,00



LE GOLF 365 PARCOURS DANS LE MONDE
ROBERT SIDORSKY
HERMÉ
(2005)
R$ 199,00



LA JUSTICE ET LA VIOLENCE (TEXTES ET DOCUMENTS PHILOSOPHIQUES)
PRÉSENTÉS PAR - ROBERT DERATHÉ
CLASSIQUES HACHETTE
(1958)
R$ 15,00



A MORTE DO DIVINO SÓCRATES
JEAN PAUL MONGIN
MARTINS FONTES
(2012)
R$ 27,96



FILHAS DA DEUSA: AS MULHERES SANTAS NA ÍNDIA DE HOJE - LINDA JOHNSEN (RELIGIÃO/HINDUÍSMO)
LINDA JOHNSEN
NOVA ERA
(2009)
R$ 8,00



MORTE ABJETA
BERNARDO GUIMARÃES & MARIA JUDITH RIBEIRO
M. J. RIBEIRO
(2002)
R$ 19,00



POÇO DOS DESEJOS
ROSEANA MURRAY
MODERNA
(2014)
R$ 35,70



HOMENS SÃO DE MARTE - MULHERES SÃO DE VÊNUS (RELAÇÕES HUMANAS)
JOHN GRAY, PH. D.
ROCCO
(1995)
R$ 5,00



REVISTA BRASILEIRA DE ALERGIA E IMUNOPATOLOGIA VOL 19 Nº 2 MAR/ABRIL
NÃO INFORMADO
S.B.A.I
(1996)
R$ 4,00



CEM ANOS DE SOLIDÃO - GABRIEL GARCIA MÁRQUEZ
GABRIEL GARCIA MÁRQUEZ
RECORD
(2017)
R$ 29,99





busca | avançada
28797 visitas/dia
1,0 milhão/mês