Mens sana in corpore sano II | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
Mais Recentes
>>> Marcados pelo passado de Lourdes Carolina Gagete pela Mundo maior (2010)
>>> Espíritos entre Nós de James Van Praagh pela Sextante (2009)
>>> Novamente em casa de Francisco Cândido Xavier Caio Ramacciotti Espíritos Diversos pela Geem (1984)
>>> OS Valores e o Tempo de Alceu Costa Filho pela Petit (2004)
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Tempo de Escolhas de Francisco Cajazeiras pela Novo Ser (2011)
>>> 7 Estados do Coração de Rodolfo Beuttenmüller pela Gospel (2008)
>>> Alguém bateu na minha Porta de Osvaldo Jorge Degrazia pela Novo Ser (2012)
>>> Prelúdio de Paz de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> O Caráter Ecumênico do Espiritismo de Paulo Rzezinski pela Edição do Autor (1995)
>>> A verdadeira Alma Gêmea de Fausto Oliveira pela Seame (1998)
>>> Como tomar posse da Bênção de R.R. Soares pela Graça Arte (1987)
>>> A luz de um novo Dia de João Cuin pela Dpl (2001)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1998)
>>> Historia de Cristo para as Crianças de Rafael A. Ranieri pela Lake (2003)
>>> Náufragos da vida ( Pelo Espírito Lenuz Aqoqo) de Luciana Cardoso pela Dpl (2000)
>>> Racionalismo Cristão Responde de Fernando Faria pela Diagrama (1998)
>>> O Poder do Jovem ( Você pode se acha que pode!) de Lauro Trvisan pela Mente (2010)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Obra Póstumas de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> A Dança da paz de Giuliana Martirani pela Paulinas (2006)
>>> Suas verdades ( O Tempo não Apaga) de Américo Simões pela Barbara (2009)
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/9/2004
Mens sana in corpore sano II
Julio Daio Borges

+ de 4100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Existem basicamente dois momentos na vida de um homem. O primeiro quando, entre a adolescência e a juventude, de repente, alguém o chama por "moço". E o segundo quando, em algum lugar na idade adulta, muitos o chamam por "senhor". O primeiro momento é mágico, inebriante. Aconteceu comigo quando eu tinha 13 anos (acho) e esperava no portão do prédio onde morava. De repente apareceu alguém na rua e, dirigindo-se a mim, perguntou alguma coisa: "Moço, ...?". Eu achei que não era comigo mas era. Tinha deixado de ser menino, era moço a partir de agora.

Já o segundo momento é lamentável, mexe com a nossa eterna resistência em crescer e envelhecer. Quando me chamaram de "senhor" pela primeira vez, devo ter considerado apenas como uma manifestação de respeito. E era mesmo. Mas quando a coisa começou a se tornar comum e as pessoas me distinguiam por "senhor" - e não mais por "moço" - eu me senti arrasado. Não queria ser senhor e não suportava o peso da palavra. Tinha acabado de fazer 30 anos! Se tinha 20 e alguma coisa até há pouco, por que não podia ser mais moço?

Bem, não sei se foi, na verdade, uma preocupação que me paralisou por mais do que alguns minutos. Afinal eu tinha aceitado bem os meus primeiros cabelos brancos e, quando completei as tais três décadas, desisti de cortá-los (com tesoura na frente do espelho). Estava disposto a assumir a idade em todas as suas implicações. Mas certamente essas constatações externas, de que eu não era mais moço, pesaram quando, além de procurar me alimentar melhor (seguindo um certo regime), decidi encarar mais seriamente uma rotina de exercícios físicos e até - pasmem! - me matricular numa academia.

Não foi, obviamente, uma resolução tomada da noite para o dia. Tudo começou quando, impossibilitado de seguir na minha rotina de corridas e caminhadas pela manhã (por causa do "inverno" e das chuvas), minha namorada me convidou para uma semana de test drive na sua academia. Estavam fazendo uma promoção e, durante as "férias" de julho, cada aluno poderia trazer um amigo de graça por uma semana, para freqüentar as aulas e conhecer as dependências. Minha namorada estava animada e eu, que nunca fui muito fã de academias mas que vinha num ciclo de renovação (como sabe quem leu meu "Mens sana in corpore sano"), decidi experimentar como se fosse um desafio desta nova fase.

A minha lembrança de academias era ainda do início da década de 90, quando, aos 16 anos, me meti a freqüentar uma Runner aberta a algumas quadras da minha casa, em Moema. Acho que foi uma decisão minha, do meu irmão e de um amigo, pois fazíamos natação juntos, mas minha adaptação foi um desastre. Naquela época, academia era quase sinônimo de ginástica aeróbica e quase toda a grade de horários era preenchida por aulas que exigiam uma tremenda coordenação motora (eu nunca tive nenhuma), ou então por incontáveis séries de saltos e/ou "subidas de escada" (step, para os íntimos). Meu amigo queria fazer musculação e, com a sua facilidade em se enturmar, acabou ficando. Meu irmão tomou, ao contrário de mim, tanto gosto pelas coreografias que foi competir, nessa categoria, nas olimpíadas do colégio. Já eu pulei fora da Runner...

Então, quando minha namorada fez o convite para conhecer a academia dela há dois meses, eu esperava por longas e sofridas aulas de ginástica localizada, repetitivas séries de movimentos difíceis e rápidos, e aquele ambiente de homens anabolizados e mulheres de plástico. Claro, estou exagerando: minha namorada, conhecendo meu temperamento, não iria me meter deliberadamente numa fria (embora tenha confessado, depois, que temia que eu não gostasse...). Enfim, fui.

Eu, que sempre me considerei meio desastrado (ou desajeitado, ao menos), fiz então um esforço para não envergonhar minha namorada e seus colegas de academia. Fiz o possível para não entalar nas catracas; tentei não esquecer em qual armário havia guardado minha mochila; procurei não atrasá-la (tanto na chegada quanto na saída); e me concentrei nos exercícios para não parecer retardado ou ainda totalmente incapaz de realizar aquilo.

O primeiro teste, além de entrar, preencher uma ficha, colocar uma pulseira (para me "identificar", caso alguém percebesse que eu não entendia nada de academia), e se encontrar no vestiário (e em frente à sala de aula), foi uma sessão de pilates. Minha namorada elogiava essa nova modalidade desde o ano passado (quando freqüentava uma outra academia) e sugeria que eu poderia gostar, pois sabia que eu havia me metido a fazer ioga numa certa época da vida (por um semestre, não mais que isso). A professora de pilates, antes de começar, me chamou de "corajoso" e eu pensei: "É agora que eu vou me arrepender de ter aceitado esse 'desafio'...".

Mas não me arrependi. Óbvio que perdi o equilíbrio em quase todas as posições (tente depois, em casa, virar o corpo para um lado e a[s] perna[s] e o[s] braço[s] para o outro). Vinha de uma rotina de tensão e quase sedentarismo e, hoje recapitulando, penso que devo ter "travado" (feito força em excesso) a maior parte do tempo. Se bem me conheço, devo ter saído com o pescoço duro, o ombro praticamente imobilizado, mais um esforço brutal para não deixar transparecer entre os demais participantes. Fora que o pilates exige força de verdade em algumas horas (uma amiga da minha namorada diz que substitui a musculação) e, igualmente, uma capacidade de alongamento que eu devo ter perdido lá na outra encarnação... Mas eu estava feliz: apesar dos percalços, e do mal jeito, eu havia passado no teste.

O segundo teste foi, também, violento (mas esse eu que escolhi): uma aula de spinning. Dizem que, além do esforço físico, é o mais elevado índice de decibéis do planeta. Deve ser; não reparei. Estava concentrado em pedalar o tempo todo (o ideal é não parar nunca) e em seguir as ordens do instrutor - principalmente a de "subir", simulando uma situação de mais esforço, em que se aumenta a "carga", pedalando de pé e não sentado no selim. Antes de começar, aliás, percebi que alguma coisa podia ir mal quando minha namorada não conseguiu encaixar seu banco especial (de "gel", mais macio) na bicicleta que escolhi. Não havia tempo, chegáramos atrasados e tivemos que seguir. O professor conduz você por um passeio virtual enquanto banca o disc jockey, alternando uma seleção musical que pode animar os participantes. Quem freqüenta sabe que alguns deles se empolgam e disparam "u-hus", quando a música vem a calhar, e graças à sua "batida" traz mais uma dose de energia. Eu não captei, infelizmente, todas essas nuances porque estava tentando me equilibrar (de novo) - e, como já disse, me manter pedalando, pedalando... Mas me diverti.

Não houve terceiro teste, embora eu tenha pedalado em outras bicicletas (fora; sem "subida" e sem DJ), embora eu tenha me lançado na esteira ergométrica (para caminhar; sem tropeçar e sem cair - só depois...), embora eu não tenha feito musculação (antes da avaliação física, nem poderia), embora eu não tenha experimentado a piscina (era um dos meus projetos, caso nada desse certo) e embora eu tenha ensaiado algum alongamento simples (fora, mais uma vez, das aulas - apenas para não me contundir).

Ocorre, porém, que, tirando esses fatos engraçados (típicos de todo iniciante, depois percebi), e tirando o meu passado de "traumas" em academia, acabei me encontrando num ambiente que, antes (sem conhecer direito), considerava tão hostil.

Primeiro porque percebi o quanto é importante se dedicar a alguma coisa que não seja trabalho, e que não tenha nenhuma relação com trabalho, durante uma pequena parte do dia. Na academia, eu descobri uma ou duas horas (dependendo do dia-a-dia) em que me desligo de uma ocupação 100% cerebral, para me concentrar em alguns números num display que indica: a que velocidade caminho; a quantas andam as batidas do meu coração; o quanto queimo de calorias; e a quantos minutos estou do fim. Apenas isso. Tirando, talvez, os monitores de televisão, a que assisto teimosamente sem som, para passar alguns momentos só com imagens - e sem palavras.

Segundo porque esses "instantes de burrice" (muitas aspas aqui) são necessários. Não existe problema insolúvel, seja profissional, seja financeiro, seja amoroso, seja existencial, que não diminua em importância (na esfera de preocupações diárias) depois de uma sessão carregada de exercícios. O cérebro se oxigena novamente, a serotonina começa a agir, e é como se o "esboço", o "rascunho" daquele dia fosse passado a limpo. Saímos mais leves (alienados?) da academia. (Só então descobri porque são tão bem-humoradas as pessoas que trabalham e freqüentam esses centros de fitness...)

Terceiro porque a academia não é mais nenhum bicho-de-sete-cabeças. Pelo menos, a minha não é. As pessoas que lá freqüentam estão longe daquela ultrapassada competição por músculos, não se sentem disputando uma nova prova a cada minuto e tem um pouco mais de assunto do que simplesmente o "treino" do dia. Pelo que vejo hoje, são, antes de tudo, gente preocupada em se manter minimamente saudável, num mundo onde os movimentos estão cada vez mais reduzidos, com um número decrescente de espaços públicos, em metrópoles cheias, violentas e congestionadas.

E último porque, de certo modo, rejuvenesci, depois de algumas semanas de academia. Você pode não acreditar mas as pessoas voltaram a me chamar de "moço" (embora algumas, uma minoria agora, ainda me chame de "senhor"). Parece propaganda de "antes & depois", mas eu me sentia lento, pesado, arrastado (mesmo depois do regime) e hoje me sinto caminhando para um estado de mais agilidade, disposição e equilíbrio. Ainda que trabalhe menos em matéria de tempo, sei que rendo mais em matéria de produção. Defendo que algumas questões só surgem suficientemente claras depois de sessões longe da mesa do escritório, e de "referências" que remetem ao ofício. Para mim, a solução tem sido a academia. E ultimamente faço questão daquelas horas "perdidas" todos os dias...


Julio Daio Borges
São Paulo, 3/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eleanor Catton e seus luminares de Eugenia Zerbini
02. E se Amélia fosse feminista? de Ana Elisa Ribeiro
03. Essa tal de Dança Contemporânea de Airton Tomazzoni
04. Treze Teses sobre Cinema de Humberto Pereira da Silva
05. É hora de estudar fora de Carla Ceres


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
04. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004
05. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/9/2004
09h19min
A prática de esportes aliada a uma alimentação saudável é uma questão de formação e educação e ninguem normal deveria se "pasmar" com isso...
[Leia outros Comentários de Pedro Correa Filho]
6/9/2004
06h36min
Esse medo tambem me assola e infelizmente "meu namorado" ainda nao me encorajou o suficiente pra que eu va' desvendar esse ambiente e possa desfrutar desse prazer. Para mim, uma sedentaria de carteirinha, uma academia continua a ser um lugar aterrorizante. De qualquer maneira, pensarei nesse texto quando ousar participar dessa "aventura".
[Leia outros Comentários de Themis]
15/9/2004
11h05min
Infelizmente, não consigo gostar do confinamento de uma academia. Prefiro a atividade ao ar livre AA rotina pode ser interrompida devido ao mau tempo, mas não me impede de praticar uma corrida ou uma boa pedalada. O importante mesmo é se dedicar a alguma atividade, o que este texto deixa bem claro.
[Leia outros Comentários de José Lourenço]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMPREENSÃO GRÁFICA DA DERIVADA DE UMA FUNÇÃO REAL
GISELA MARIA DA FONSECA PINTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



L'AMOUR DURABLE
BOURBON BUSSET
GALLIMARD
(1973)
R$ 12,00



DESPERTANDO PARA ENERGIAS SUPERIORES
RICHARD MOSS
SICILIANO
(1992)
R$ 16,44



PRATIQUE MÉDICO-CHIRURGICALE - TOME VIII
A. LEMIERRE / H. MONDOR / A. RAVINA / J. PATEL
MASSON
(1953)
R$ 50,00



DEPOIMENTO MARCELLO CAETANO
MARCELLO CAETANO
RECORD
(1974)
R$ 4,00



TIMOR - O NOSSO DEVER FALAR
VÁRIOS AUTORES
APEL
(1999)
R$ 22,11



OS PENSADORES
JOHN LOCKE
ABRIL CULTURAL
(1973)
R$ 35,91
+ frete grátis



O FACEBOOK NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE DOCENTES DO ENSINO BÁSICO
LILIAN DA SILVA MOREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 258,00



LIBERDADE AINDA QUE PROFANA
RUDDY
RAZÃO CULTURAL
(1998)
R$ 9,90



DISCURSO SOBRE O MÉTODO
RENÉ DESCARTES
HEMUS
(1978)
R$ 6,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês