O retorno das Cruzadas | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Quarta-feira, 19/1/2005
O retorno das Cruzadas
Daniela Sandler

+ de 4300 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Marcos de tempo como a virada do ano, e as retrospectivas que vêm junto, são convenções. Em colunas passadas, já confessei meu descrédito no fim-de-ano ("Os melhores votos, de uma cética") e escrevi que as retrospectivas históricas são artificiais ("Sobre as retrospectivas históricas"). Mas, com a boa lembrança do champagne de revéillon ainda nos lábios, concedo: há não apenas convenção, mas também necessidade no balanço dos fatos que acompanha os finais e inícios de ano. Obviamente, avaliar acontecimentos, sejam individuais ou coletivos, é útil: entendemos melhor nossa situação presente, corrigimos a rota se for o caso, investimos num acerto insuspeitado. E descobrimos mais a nosso respeito. Que o ano novo nos dê a chance de expressar essas reflexões não é de todo mau.

Assim sendo, o que nos diz 2004? A resposta vem na forma de um "augúrio retroativo": a tragédia dos maremotos na Ásia, que emborcou a excitação de fim-de-ano em água suja e morte. Fitando o ano que passou de trás prá frente, a destruição dos maremotos salta como o princípio de uma lista de desastres humanos e naturais: as explosões numerosas em Israel e no Iraque, o conflito no Sudão, os furacões na costa norte-americana, a bomba no trem de Madrid. O rol negativo se completa com mortes célebres, também pressagas. Com Christopher Reeve, morreu também um pouco do otimismo embriagado pela luta sobre-humana do ator contra a tetraplegia; a esperança no poder da ciência, nas pesquisas de células-tronco que Reeve promovia, murchou com seu coração falho. Já a morte de Iasser Arafat levantou medo e incerteza sobre o futuro do processo de paz no Oriente Médio e a viabilidade de uma liderança estável e unificadora para o estado Palestino.

Foi um ano de guerra, de irrupção da violência de indivíduos, grupos e nações. O desastre natural dos maremotos está sendo imensamente agravado pela crueldade e falta de escrúpulos de homens estuprando refugiadas, seqüestrando órfãos, furtando as casas vazias de mortos e feridos, e assaltando sobreviventes. Que alguém tire vantagem de uma tragédia de tais proporções é talvez o exemplo mais gritante da destrutividade expressa nos atentados suicidas, no genocídio, no terrorismo e na ocupação forçada. Para quem ainda não enxergou - para quem insiste que algumas batalhas se justificam pela vontade de Deus ou por uma ideologia, para quem divide o mundo em bons e maus e legitima os atos destrutivos cometidos em nome do bem (não importa o que seja o "bem" - as palavras da Bíblia ou uma determinada ordem sócio-econômica) - para quem se recusa a ver, os criminosos do maremoto são a última chance de abrir os olhos. Também somos violentos, e há épocas em que os demônios correm à solta.

Guerra santa

Os conflitos de 2004 têm em comum o espírito de guerra-santa. A mistura de religião e política não se limita às guerras e terrorismo. Basta pensar no peso que o cristianismo evangélico, os "valores morais" e os eleitores religiosos tiveram na eleição presidencial norte-americana. É o recrudescimento não apenas da incasta ligação entre Igreja e Estado, mas do obscurantismo fundamentalista.

Seria bom se o interesse em religião fosse o sinal de espiritualidade, de compaixão, de desenvolvimento pessoal e amor desinteressado pelo próximo. Mas essas palavras soam estrangeiras - para não dizer anacrônicas - diante das manifestações de religiosidade atuais. Os cristãos norte-americanos, assim como os colonos israelenses ultra-ortodoxos ou os terroristas islâmicos radicais, expressam uma visão maniqueísta do mundo cindido em bem e mal, heróis e vilões, valores absolutos e certezas férreas. Não basta seguir os preceitos da religião: é preciso que todo o resto do mundo o faça também (ou desapareça), é preciso converter ou matar. A diferença de pensamento, fé ou comportamento é pecado maior que o homicídio. É a lógica expressa pelo presidente Bush ao anunciar a guerra contra o "eixo do mal" após o ataque de 2001: "If you are not with us, then you are against us" ("Se você não está do nosso lado, então está contra nós").

Cobrindo a cabeça

O retorno ao fundamentalismo em 2004 também apareceu na polêmica do lenço usado para cobrir a cabeça por mulheres muçulmanas. Adolescentes muçulmanas na França foram proibidas pelo governo de usar o lenço em escolas públicas. Quem se recusou a obedecer foi proibida de freqüentar aulas. A separação entre Igreja e Estado, herança da Revolução Francesa seguida ao extremo no país, impede a associação entre serviços públicos e orientação religiosa. Nenhum sinal de devoção pode ser usado em escolas públicas, seja o lenço, seja a cruz, seja a estrela-de-davi. As adolescentes foram às ruas, apoiadas por jovens seculares vestindo o lenço em solidariedade, para protestar contra o que consideram discriminação e autoritarismo. A ironia, no caso, é que as adolescentes muçulmanas estão elas mesmas aderindo com fervor cego a preceitos opressores, baseados na submissão das mulheres ao controle masculino em todos os aspectos da vida (o lenço é talvez o mais inócuo).

A ressaca retrógrada não é exclusiva à França. Na Alemanha, o mesmo fenômeno cresce: a nova geração de muçulmanos, na maioria filhos de imigrantes nascidos na Europa (e considerados cidadãos europeus), é mais ortodoxa e radical em sua religiosidade que seus pais. Um documentário francês sobre o tema registrou a perplexidade de uma mãe de dois adolescentes. Vestida de jeans, maquiada, com a blusa decotada e o cabelo arrumado, ela conta que o filho a condena por não se vestir ou se comportar apropriadamente, chamando-a de pecadora. Sua filha só sai de casa coberta pelo lenço e por roupas longas e escuras. A mãe não entende: "Lutamos tanto por mais liberdade e direitos, e agora as jovens querem voltar para trás". A proibição do governo francês talvez seja extrema, mas tem origem na preocupação de evitar que a intolerância e radicalismo religiosos fermentem e se espalhem entre adolescentes e crianças - uma idade extremamente suscetível à doutrinação.

A polêmica do lenço poderia ter ajudado a iluminar as estratégias e motivações do crescimento do fundamentalismo islâmico atual. Infelizmente, apesar de reflexões críticas como o documentário citado acima, na maior parte dos casos a disputa foi apropriada por gente interessada em outras questões políticas, como o conflito entre Israel e Palestina. Usar o lenço na cabeça virou símbolo da luta contra o "muro da vergonha" - a muralha construída por Israel para isolar assentamentos palestinos. O muro, assim como a ocupação e a repressão israelenses, são condenáveis; o direito dos palestinos a território e Estado próprios é inegável. Mas o fervor religioso e dogmático por trás do uso do lenço não é representação adequada para uma luta civil por direitos humanos. Igualar o lenço à campanha contra a opressão é ignorar o significado de ambos, numa perversa reversão de sentidos.

Um estado de espírito

O fundamentalismo aparece até onde se imagina não haver resquício de religião. O caráter religioso de pessoas, movimentos ou grupos não reside necessariamente em templos, liturgias ou ícones. Assim, tão forte quanto o neoconservadorismo carola dos Estados Unidos é o séquito de oposição que tem seu pastor em Michael Moore. Tudo o que há de valioso e lúcido nas críticas de Moore à presidência americana acaba obliterado pelo volume igual ou maior de alegações sem fundamento, factóides, manipulação de dados e exageros. Fahrenheit 9/11 tem momentos brilhantes e reveladores, mas deságua facilmente em caricatura, generalização e apelação sentimentalista. Por exemplo, a sugestão de que membros do governo norte-americano tenham interesses escusos e privados no petróleo do Oriente Médio, e que isso influencia políticas oficiais, é plausível, e Moore não foi o primeiro a levantar a lebre. Mas daí a pintar o primeiro George Bush (o pai) como um serviçal de sauditas suspeitos, e insinuar que essa conexão esteja entre as causas do ataque terrorista, é fazer malabarismos de raciocínio.

Não à toa, Moore desperta popularidade e ódio intensos. Moore não tem simplesmente fãs - tem seguidores, que assistem a seus filmes, lêem seus inúmeros livros, e depois repetem suas invectivas como palavras-de-ordem. Se nos Estados Unidos o culto se manifesta como oposição ao governo, fora do país ele se conecta ao antiamericanismo crescente. Ora, uma coisa é criticar as políticas do atual governo norte-americano - especificamente, o intervencionismo externo e beligerante. Outra coisa é transformar essa crítica embasada e legítima em ódio generalizado e irracional, dirigido à sociedade norte-americana como um todo. Por conta de uma parcela da população, os Estados Unidos têm sido pintados como a encarnação do mal, como um aglomerado de caipiras ignorantes e arrogantes. Esse antiamericanismo é pervasivo, alojado não apenas nos focos de terror que originaram o Onze de Setembro, como também na Europa toda, no Canadá, no Brasil. Essa atitude abriga uma visão simplista, que reduz o mundo a bons e maus e não tolera diferenças; a raiva palpável das manifestações antiamericanas tem muito de catarse e êxtase religiosos. Pois é: junto aos terroristas islâmicos, aos ultra-ortodoxos israelenses e aos cristãos superconservadores, estão também os radicais antiamericanos.

2004, assim, acabou talvez um pouco pior do que começou. A destrutividade associada às nossas Cruzadas modernas não está restrita aos focos distantes da África ou do Oriente - não, ela é ubíqua, e se não prestarmos atenção, se não fizermos o balanço, poderá se tornar dominante. É claro que há esperança. As ondas gigantes que devoraram a Indonésia, a Tailândia e os demais locais afetados pelo maremoto parecem uma cuspida raivosa do planeta (se eu fosse mística, acreditaria que sim). Mas a atenção do mundo e os esforços em ajuda humanitária - até mesmo aqueles investidos de oportunismo político, como a aparição conjunta de Bush pai, Bush filho e Bill Clinton para solicitar contribuições - apontam para o que, em nós, é construtivo e solidário. O ano passado pode ter sido engolido pelos tsunamis, mas o ano que principia vem embalado em compaixão, empatia, esforços coletivos e reconstrução. Que esses sejam os augúrios para 2005.

Salvos pela arte

Um pequeno epílogo a esta coluna meio pessimista vem fazer jus ao que 2004 teve de bom. Para aqueles que às vezes ainda perguntam faceiramente "para que serve a arte" e denigrem os campos "inúteis" das letras, das artes plásticas, da música ou da filosofia, ofereço um pensamento: o que teria sido de 2004 se não fossem os belos filmes, os livros interessantes, as exposições? Graças a eles, tenho algo com que brindar o melhor do ano passado. Em primeiro lugar, a retrospectiva da obra de Henri-Cartier Bresson (que, aliás, morreu em 2004) - a maior exposição de seu trabalho até então, que já foi vista em Paris e Berlim. A exibição é em si um trabalho de fôlego, com organização cuidadosa e edições primorosas das fotografias (entre ampliações originais e novas versões). Mas, para além dos méritos de curadoria e realização, a beleza da exposição vem mesmo das imagens de Bresson - como, aliás, uma boa retrospectiva deve ser, evidenciando a marca do artista mais do que do curador. As fotos de Bresson revelam um mundo maravilhoso e múltiplo, desbravado pelo fotógrafo corajoso, atento ao belo insuspeito nos detalhes insignificantes e sensível ao sofrimento e à alteridade das pessoas captadas por suas lentes. Uma exposição excitante e comovente, emocionante sem sentimentalismo.

Na memória fica também, é claro, O Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças (The Eternal Sunshine of a Spotless Mind). Com o mesmo engenho narrativo de filmes como Memento e 21 gramas, o filme de Michael Gondry tece surpresa e clímax eficazes - tarefa difícil em se tratando de contar o que é, no fundo, uma história desbragada de amor. O tratamento de amnésia ao qual personagens do filme se submetem para esquecer a fonte de seu sofrimento - uma decepção amorosa, um cachorrinho morto - sugere que tão importante quanto os fatos ocorridos é a nossa lembrança deles. O fato não-registrado, ou esquecido, torna-se fato inexistente. É como se nunca houvesse ocorrido. Não deixa de ser assustador pensar assim - que, se não fossem nossos neurônios arquivando laboriosamente cada tijolinho de experiência, não teríamos nada ao fim da sucessão de nossos dias. O filme não é apenas uma exploração instigante do significado da memória, mas uma declaração de fé quase ingênua no amor, ou na idéia de que há, para cada um de nós, um parceiro perfeito, a cara-metade, alguém para o qual estamos destinados a despeito das circunstâncias. Mesmo para quem não acredita, é difícil ficar imune aos charmes do filme e sua heroína de cabelo colorido.


Daniela Sandler
Riverside, 19/1/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
02. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
03. Dono do próprio país de Carla Ceres
04. Faxina na Arca de Noé de Daniel Bushatsky
05. À primeira estrela que eu vejo de Ana Elisa Ribeiro


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2005
01. Festa ou casamento? - 16/3/2005
02. Uma outra moda - 30/3/2005
03. E depois, perder-se também é caminho - 8/6/2005
04. Eu não sei blogar - 25/5/2005
05. Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois - 2/2/2005


Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/1/2005
08h35min
A radicalizacao esta sempre acompanhada da praga politica do oportunismo: muitos politicos ao redor do mundo utilizam o anti-americanismo para angariar votos e cargos mesmo sabendo que os americanos muitas vezes acabam se alinhando aos interesses de seu pais. O crescente radicalismo na europa nao me surpreende. As leis de imigracao e o arraigado (e atualmente atrasado) sistema hierarquico dentro de entidades privadas gera exclusao e diferenca social. Ate hoje, se voce e um filho de turco que nasceu na Alemanha ou na Holanda, voce e um Auslander, ou seja uma pessoa sem nacionalidade. Este tipo de politica discriminatoria dificulta a ascencao social e a integracao de pessoas com origens culturais diferentes, como os varios negros e muculmanos vindos de ex-colonias europeias.
[Leia outros Comentários de Ram]
22/1/2005
08h27min
Parece-me, com todo respeito, gratuita a acusação: "Mas a atenção do mundo e os esforços em ajuda humanitária – até mesmo aqueles investidos de oportunismo político, como a aparição conjunta de Bush pai, Bush filho e Bill Clinton para solicitar contribuições – apontam para o que, em nós, é construtivo e solidário." De fato, se lá não aparecessem seriam cruéis. Se aparecem, segundo a colunista, à margem de qualquer argumento, com todo respeito, são portunistas! Melhor jusfificar, não? Oportunistas, por isto, isso e aquilo. Do jeito que está, a acusação é apenas gratuita, porque à margem do argumento.
[Leia outros Comentários de Soares Feitosa]
23/1/2005
02h53min
Com o devido respeito, isso de você sugerir que os presidentes e ex-presidentes dos EUA são oportunistas, enquanto o resto do mundo é solidário, me parece de um simplismo... Não rezo na cartilha dos Bush, nem sou simpatizante do "rascunho do Kennedy", mas esse raciocínio é de um "esquerdismo"... não digno da ótima resenhista que você, Daniela, é e sempre foi. Abraços!
[Leia outros Comentários de Roberto Morrone]
26/1/2005
10h43min
Concordo com o leitor Roberto Morrone. Mas, enquanto isso no Brasil, Lula "Hugo Chaves" Inacio da Silva e seus sequazes nao prometem bons augurios para 2005. Abraços
[Leia outros Comentários de dimas antonio ]
3/2/2005
17h07min
O primeiro comentário levanta um aspecto importante que, de fato, explica a hostilidade das segundas e terceiras gerações de imigrantes na Europa: a integração difícil e a falta de direito à nacionalidade. Na Alemanha, ao menos, a lei foi modificada recentemente. Antes, "ser alemão" era um direito de sangue (raça): se você vem de linhagem pura alemã, mas nasceu fora do território nacional, teria direito à cidadania. Isso se aplicou especialmente a populações germânicas instaladas no leste Europeu que tiveram de mudar para a Alemanha depois da Segunda Guerra. O direito de sangue significa que, se os seus pais são turcos, imigraram, tiveram você após dez anos na Alemanha, você nasceu na Alemanha, nunca foi pra Turquia nem tem planos de ir, etc. - mesmo assim, você não é considerado alemão. Como disse o leitor Ram, você é estrangeiro (Auslander). Os conflitos vindos dessa situação, obviamente, são enormes. Por isso a Alemanha mudou a lei e agora filhos de Turcos nascidos lá podem optar pela nacionalidade alemã. Resta esperar que, com o tempo, a medida contribua para a integração social e econômica, mitigando a discriminação não-oficial que o leitor aponta em estruturas de trabalho.
[Leia outros Comentários de Daniela Sandler]
3/2/2005
17h13min
Os leitores têm razão: a frase sobre o oportunismo beneficente de Clinton e os Bushes está solta e injustificada. Coisa de fim de coluna longa em que eu não queria mais delonga. Errei. Aqui vai a explicação. Primeiro, eu não quis dizer que a aparição dos três foi apenas ou puramente ou simplesmente oportunista, mas que estava INVESTIDA de oportunismo - quer dizer, havia um aspecto oportunista, assim como um aspecto humanitário e até mesmo pragmático. Segundo, por que oportunismo? Pra começar, porque Bush filho havia acabado de ser reeleito sob a acusação de governar um país dividido, chamado ao desafio de unir os EUA construtivamente em vez de acirrar a guerra entre Republicanos e Democratas. Aparecer na TV ao lado de Bill Clinton, um dos mais populares ex-presidentes e certamente o mais popular membro do Partido Democrata, pareceu a muitos críticos (inclusive eu) uma maneira fácil de sinalizar a "união" da nação. Mas união se faz também e principalmente com medidas concretas, não só com discursos, cenas na tevê e outros atos simbólicos. O outro aspecto oportunista é geopolítico. O tsunami deu a Bush a chance de mostrar que os EUA não são anti-islâmicos irredutíveis; do contrário, dispõem-se a ajudar áreas de maioria muçulmana, inclusive onde radicais islâmicos já cometeram atentados anti-ocidentais (Indonésia). Não estou dizendo que a compaixão de Bush é falsa - afinal, não estou dentro da cabeça dele pra saber. O que estou dizendo é que, além de ser necessária ou apropriada ou esperada ou caridosa, a aparição dos três políticos foi também oportuna. Sim, muito oportuna: numa época em que os EUA são demonizados por boa parte do mundo muçulmano, onde a doutrinação religiosa e ideológica floresce na ignorância e na censura, a ajuda humanitária é uma maneira de desfazer a difamação. E isso, não apenas aos olhos da população islâmica, mas do resto do mundo, que, como mencionei na coluna, anda imerso também em preconceitos. Reconhecer o oportunismo da solene aparição dos três políticos não significa ser necessariamente "contra".
[Leia outros Comentários de Daniela Sandler]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CONCUBINA
MORRIS WEST
RECORD
(1958)
R$ 19,90
+ frete grátis



ARCA DE NOÉ III CLASSE ILUSTRAÇÕES LUÍS FILIPE DE ABREU
AQUILINO RIBEIRO
BERTRAND
(1989)
R$ 66,00



NIMBO
OLIVIER DOUZOU
SM
(2015)
R$ 18,00



LAVAGEM DE DINHEIRO - A QUESTÃO DO BEM JURÍDICO
JOÃO CARLOS CASTELLAR
REVAN
(2004)
R$ 50,00



4 CS PARA COMPETIR COM CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO - AUTOGRAFADO
MARIA INÊS FELIPPE
QUALITYMARK
(2007)
R$ 35,00



DESCOMPLIQUE. SEJA LEVE - 1ª EDIÇÃO
WANDERLEY OLIVEIRA
DUFAUX
(2016)
R$ 44,95



A DESINTEGRAÇAO DA MORTE 17ª ED.
ORÍGENES LESSA
MODERNA
(1989)
R$ 10,00
+ frete grátis



AS CINCO PESSOAS QUE VOCÊ ENCONTRA NO CÉU
MITCH ALBOM
SEXTANTE
(2004)
R$ 7,00



PRÁTICAS DE FORMAÇÃO, MEMÓRIA E PESQUISA (AUTO) BIOGRÁFICA
JORGE LUIZ DA CUNHA
CULTURA ACADÊMICA
(2010)
R$ 25,00



UM ESTRANHO NO ESPELHO
SIDNEY SHELDON
ESTADÃO
(1997)
R$ 10,00





busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês