Só a macarronada justifica o casamento | Marcelo Guedes Nunes | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Anjos do Mar. o Tesouro da Ilha dos Golfinhos - Coleção Jabuti de Luiz Roberto Guedes pela Saraiva Didatico (2005)
>>> História Economica Mundial de Valentin Valquez de Prada pela Civilização (1978)
>>> Chantagistas não atiram de Reymond Chandler pela Record (2009)
>>> Terras de Cabral de Ivam Cabral pela Giostri (2013)
>>> Menina de vinte de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Direito Eleitoral - utualizado com a reforma eleitoral da lei 12.034/09 de Vera Maria Nunes Michels pela Livraria do advogado (2010)
>>> Coaching Pratico de Paul Campbell Dinsmore pela Qualitymark (2002)
>>> Pedofilia de Gilberto Rentz Périas pela Vale do moq
>>> Diciplinarum Scientia de Centro Universita pela Centro Universita (2001)
>>> An Introduction to Grand Canyon Geology de Michael Collier pela Grand Canyon Association (1980)
>>> Administração na Propaganda de Edson Roberto Scharf pela Qualitymark (2006)
>>> Orientações e Dicas para Trabalhos Academicos de Gisele do Rocio Cordeiro pela Ibpex (2007)
>>> Minha Bela Putana de Wander Piroli pela Papagaio (2004)
>>> Os Homens Mudaram - 150 variáveis que ajudaram a entender essa mundaça de Paulo Stephan pela Dash (2014)
>>> As Faces do Amor de John Hearne pela Boa Leitura
>>> Diário de Aventuras da Ellie . Amizade é o Bicho de Ruth Mc Nally Barshaw pela Ciranda Cultural (2014)
>>> A Sociologia da Publicidade de Gérard Lagneau pela Cultrix (1981)
>>> Pontos na Barriga de Tania Alexandre Martinelli pela Atual (2005)
>>> Machzor de Rosh Hashaná de Adolpho Wasserman pela Cip (1990)
>>> pecado original de graciela mochkofsky pela plantea (2001)
>>> Horian na terra do Engano de Thales Guaracy pela Arxjovem (2002)
>>> Feng Shui na pratica de Selena summers pela Universo dos livros (2009)
>>> Idade Biológica de Eliana Guimarães Pyhn / Maria Lucia dos Santos pela Senac (2003)
>>> Menino de Engenho de Jose Lins do Rego pela Jose Olympio
>>> Lei Organica do Df de Ivan Lucas de Souza Júnior pela Gran Cursos(fechada) (2010)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/8/2001
Só a macarronada justifica o casamento
Marcelo Guedes Nunes

+ de 4100 Acessos

Sou um homem solteiro. Moro sozinho e não sei cozinhar. Não saber cozinhar torna um homem vulnerável. Lembro de minha vó me dizendo que era fácil conquistar alguém pelo estômago. Do alto de meus doze anos, idade em que o máximo da gastronomia reside em uma festa de aniversário boca-livre no Mc Donald´s, eu ria. Impossível fisgar um homem pelo estômago. Como um ser humano em sã consciência seria capaz de tomar uma decisão tão importante, como casar, por causa de uma macarronada à bolonhesa? Impossível. Mas na época eu não era nem solteiro, nem morava sozinho e, o que é mais ingênuo, achava que casar era uma decisão importante.

Já tive desde esse último encontro com minha vó algumas dezenas de experiências gastronômicas memoráveis. A primeira, em Milão, em um restaurante chamado Biffi Scalla, foi um prenúncio do que estaria por vir. Descobri que os melhores prazeres são resultantes da satisfação de um impulso instintivo, de uma necessidade animal. Melhor que qualquer prazer intelectual ou estético, a saciação da fome é capaz de dar a uma pessoa uma completa sensação de satisfação, momentânea e fugaz, porém completa. Um quadro ou peça pode no máximo te distrair com a beleza das formas e cores, com uma ou duas frases que, com um esforço hercúleo de memória, poderemos nos lembrar no dia seguinte. A grande arte, por melhor que seja, é completamente superficial, um consolo inútil. Já a refeição não. A refeição, na sua essencialidade animal, te pega pelas entranhas, pelas suas necessidades mais básicas e, quando é grandiosa, te traz uma incomparável felicidade, espontânea e natural. Uma boa refeição é sinônimo de alegria.

Não à toa, toda civilização tem uma culinária, com exceção dos EUA, que ninguém explica. Talvez eles só sejam mesmo ricos, e não civilizados. Já a Itália, a França, o Japão, a Grécia, a Índia e a China têm excelentes receitas para exportar ao mundo, misturando suas melhores ervas, carnes e vegetais. Sem grande cozinha não há grande nação, o que também explica o subdesenvolvimento do nosso Brasil, que até hoje só foi capaz de criar o quindim de ovo. Os inventores do foie gras, do champagne, do camembert, do ravioli, do sashimi e do azeite de oliva são incomparavelmente mais importantes para a humanidade que qualquer artista, seja Shakespeare, Rodin, Vermeer ou Bach, que qualquer filósofo e que qualquer cientista. É para eles, os chefs, que eu rezo todas as noites.

Tive também experiências desastrosas, é verdade, ânsias, dores no abdômen, queda de pressão, sem mencionar os efeitos colaterais mais humilhantes, como, por exemplo, os que um peixe estragado ou um cachorro quente de van podem causar. Mas nada que abalasse minha convicção de que a vida é, realmente, aquele espaço aborrecido entre as refeições (provérbio italiano). Na verdade, essas experiências serviram mais para confirmar, pela força do contraste, as maravilhas que uma verdadeira grande refeição pode te proporcionar.

O fato de um homem ficar solteirão e ir morar sozinho aumenta a sua vulnerabilidade às fisgadas culinárias. Vulnerabilidade é um belo eufemismo que encontrei para ocultar a verdade: nós, homens, somos venais. Vendemos nossa liberdade por um prato de lentilhas, desde que bem temperado, claro. Conheço um caso (vou omitir os nomes) de um amigo que pediu a mulher em casamento por causa de um misto quente. Podem acreditar. É o cúmulo da humilhação e eu tentei impedir a cerimônia, mas ele argumentou que o sanduíche vinha com uma fatia de tomate caqui e que, portanto, tratava-se de um Bauru Completo, com maiúsculas. Um Bauru Completo, quentinho, com queijo derretido, eqüivalia, segundo ele - que vivia há mais de três anos em uma república, dividindo o quarto e o miojo com o Alemão Maluco, o Fuinha e o Maurão - à ambrosia mitológica. Se eu o considerava banal, para ele aquele Sanduíche, carinhosamente preparado e entregue em seu colo sobre a cama, tinha algo de maravilhoso, além do fato de ser de graça. Estava justificada a cerimônia.

Graças à providência divina e aos meus pais nunca morei em república e acho que é por isso que não me casei. No fim das contas, hoje penso exatamente o contrário do que pensava lá atrás, quando mantive com minha vó aquele memorável diálogo: apenas uma grande refeição é sublime o suficiente para convencer um homem a casar, um preço alto o bastante para pagar todas as privações que o matrimônio traz ao longo dos anos. Nós, homens, somos venais, tão venais que trocamos sem arrependimentos nossa liberdade, nossa integridade moral, e, acima de tudo, nosso sossego por uma macarronada à bolonhesa. Desde que bem temperada, claro.

Para ir além

Macarrão Chiarini

Ponto Chic (no Guia SP)



Marcelo Guedes Nunes
São Paulo, 15/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo
02. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
03. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
04. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait


Mais Marcelo Guedes Nunes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Miopia Humana e Mensagem Cristã - uma Leitura de Fé Em Tempos de Crise
Gilmar Passos
Fonte
(2013)



Da Caserna ao Cárcere: uma Identidade Militar-rebelde Construída..
Isabel Lopez Aragão
Paco Editorial
(2013)



Bel-ami
Guy de Maupassant
Landmark
(2012)



Quase Acaso
André Tressoldi
Novo Século
(2012)



Microcomputador Curso Prático
Globo
Globo



Diante da Vida
Fabio Dionisi
Dionisi
(2016)



Eu, Claudius, Imperador
Robert Graves
Abril Cultural
(1983)



Drummond - O gauche no tempo
Affonso Romano de Sant'anna
Record
(1992)



Germinal
Émile Zola
Martin Claret
(2006)



Seleção de Livros: Simples Demais; Chamada Perdida +2
Peter James
Readers Digest





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês