Eu não me importo com a Copa | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Cadernos Cidade de São Paulo: Avenida Paulista de Instituto Cultural Itau pela Ici (1902)
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
>>> Campanhas Inesquecíveis - Propaganda Que Fez História no Brasil de Meio & Mensagem pela Meio & Mensagem
>>> História da Civilização de Will e Ariel Durant pela Companhia Editorial Nacional
>>> Vetor de Robin Cook pela Record
>>> Os Maias de Eça de Queiros pela L&pm
COLUNAS >>> Especial Copa 2006

Segunda-feira, 19/6/2006
Eu não me importo com a Copa
Marcelo Miranda

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ando pelas ruas e vejo verde-e-amarelo por todo lado. A TV só fala no assunto. A internet publica qualquer coisa sobre o tema. As lojas vendem todo tipo de artigo, desde pulseirinha a colar de diamantes em forma de bandeira brasileira. Até livrarias criaram seções especiais apenas com livros que falam sobre o campeonato mundial de futebol. Na sexta-feira, dia 9, a festa começou com uma supercerimônia de abertura em Munique, na Alemanha.

Em meio a esse sufocamento, eu paro e pergunto a mim mesmo: e daí?

Pois é. Sou uma anomalia dentro do universo porque simplesmente não consigo ser seduzido pela Copa. Isso começa no meu desinteresse em futebol. Ou seja, já não tenho paciência em acompanhar um bando de jogadores tentando marcar gol no campo adversário. Mas minha mãe também não gosta de futebol e, em época de Copa, pára em frente à televisão e acompanha todos os jogos - bom, exagero: não todos, mas ao menos os da seleção brasileira. A empolgação da minha mãe, e de tantas outras mães que não sabem dizer o que é um zagueiro ou um impedimento, dá a entender que ela é expert no esporte.

Então, o que acontece comigo?

Confesso que gostaria de me empolgar com a Copa. Vejo meu melhor amigo, o Ricardo (abraços pra você!), se desdobrar no trabalho para publicar textos e mais textos sobre a Copa, empolgadíssimo com a chegada do campeonato, todo preparado para ver cada um dos times, sabendo o nome de cada um dos jogadores, citando e recitando cada uma das estratégias que entrarão em campo - vejam o especial que ele preparou no portal onde trabalha, clicando aqui. Poucos conteúdos na rede estão tão completos. Chego a invejar o Ricardo (no bom sentido) e pensar no quanto eu também poderia curtir esse momento.

Na verdade, já curti esse momento.

Foi em 1994. Estava com uns 12 ou 13 anos e fiquei absolutamente fissurado com a disputa nos gramados norte-americanos. Sabia sem gaguejar cada integrante da nossa seleção, desde os titulares aos reservas, e suas posições em campo. Falava com facilidade de Parreira, Zagallo, dos times adversários, do número de vezes que cada um estivera numa Copa e se tinha sido campeão. Comprei álbum de figurinhas, me exaltei com o Galvão, berrei nos pênaltis contra a Itália, vibrei com o chute torto do Baggio que nos deu o título.

Mas agora, nada disso parece voltar.

Acho que, em 1994, tudo era mais inocente e gostoso de acompanhar. Passados esses doze anos, nunca mais consegui me ligar em Copa do Mundo. Na verdade, essa é uma época essencialmente hipócrita. O país pode estar no fundo do poço, com denúncias pra todo lado, corrupção em alto grau, desfalques e desvios em hospitais, creches e escolas primárias, mas se a seleção é favorita, então viva o Brasil. Até irônico que, na mesma semana em que um bando de radicais sem-terra invade o Congresso e destrói patrimônio público, a Copa tenha sua abertura e os brasileiros estejam vidrados contando as horas para ver sua pátria os representando. Será que os mesmos sem-terra que agrediram a integridade de seu país vão sentar e torcer pelo próprio Brasil? Não tenho a menor dúvida.

É época em que tudo é pretexto para exaltar a bandeira. O hino nacional é ouvido e arranca lágrimas. Falar qualquer palavra negativa contra o país - ou melhor, contra a seleção - é pecado sem direito a perdão. Gente que enxerga o futebol como algo secundário (ou terciário) começa a achar cult seguir os desdobramentos da Copa. Escolas e faculdades dispensam seus alunos para verem os jogos. O Congresso agiliza as votações para testemunhar em paz e sem o incômodo dos eleitores e da mídia o desempenho da seleção. O comércio fecha as portas por duas ou três horas em nome dos jogos.

É demais pra mim. Sim, não consigo me sensibilizar com essa mobilização toda.

O grande Armando Nogueira comentou, durante a transmissão de abertura da Copa, no dia 9, pelo SportTV, que o campeonato tem a particularidade de inverter os efeitos da globalização. Significa que, enquanto a tendência do mundo global é acabar com as identidades nacionais, vem a Copa para reafirmar e reforçar essas mesmas identidades nacionais. "Cada país entra com a sua língua, a sua bandeira, a sua cultura, a sua forma de pensar", disse Nogueira. É um belo raciocínio. Tão belo quanto o pensamento de que a Copa é o momento máximo de confraternização entre os povos, momento em que as Coréias não fazem guerra, os países africanos são camaradas, a China é democrática e a rivalidade em campo é saudável, e não mortífera como normalmente é em outras instâncias.

E volto a perguntar: e daí?

Porque quando a Copa acabar, tudo volta a ser como antes. Quando a Copa acabar, as ditaduras da África serão as mesmas, a Coréia do Norte continuará fechada, a França seguirá ideologicamente contrária aos EUA. E o Brasil se manterá em direção ao fundo do poço, e talvez ainda mais, porque vêm aí eleições presidenciais. O que a Copa "esconde" por um mês é reaberto pelos próximos três anos e onze meses. De nada adianta patriotismo exacerbado por trinta dias se, quando a festa termina, precisamos encarar feridas profundas e dolorosas, bater de frente com desilusões que insistem em fazer parte do nosso cotidiano.

Não é ser pessimista. É simplesmente não ver motivos pra se empolgar com a Copa.

É uma posição radicalmente particular. Longe de mim fazer apologia anti-Copa. Como disse, invejo meu amigo Ricardo e tantos mais que se animam nesse período mundialmente confraternizante. Juro que vou tentar ver alguns jogos do Brasil, pelo menos. Obviamente vou torcer pelos nossos irmãos em campo. Mas daí a pedir que eu me anime, assopre apitos, compre bandeirinhas, é querer demais. Prefiro ficar na minha discreta e egoísta melancolia, sem expor isso a quem estiver do meu lado, porque nada é mais chato que gente reclamona e rabugenta. Se algo me alegra muito na Copa, é ver as pessoas alegres. Afinal, alguém precisa aproveitar o momento.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 19/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
02. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
04. Dheepan, uma busca por uma nova vida de Guilherme Carvalhal
05. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
04. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


Mais Especial Copa 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/7/2006
11h10min
O texto é bastante interessante, e até passível de análise. Todos precisam de um motivo para sorrir, a Copa talvez seja um... quem sabe? Só não concordo que o país está no fundo do poço... se é que chegou lá, penso que ele está saindo.... (só para constar: não sou político e muito menos petista).
[Leia outros Comentários de Marcelo R. Telles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grã Bretanha na Nova Fase da Impressão e da Embalagem;
Revista Remag, Nº 113, Ano Xi de 1974
Métodos
(1974)



Diccionario Practico de Sinonimos y Antonimos
Armando Ghio
Do Autor
(1968)



Gestão de Pessoas: uma Vantagem Competitiva?
Maria Zélia de a Souza e Vera Lúcia de Souza
Fgv
(2016)



Pauixão, Paixão
Munir Guérios
Nagycolor
(1991)



Conselhos Municipais de Educação: Organização e Atribuições Nos
Bertha de Borja R do Valle e Maria C Chaves
Quartet
(2012)



A Mala Encantada
Hans Christian Andersen
Prazer de Ler
(2010)



Guia Azul
Lourival Gomes
Brasvias (sp)



Papos de Anjo
Sylvia Orthof
Galera Junior
(2014)



Lecture et Prise de Notes: Gestion Mentale et Acquisition de Meth
Brigitte Chevalier
Armand Colin
(1992)



Chimie Term S
André Durupthy
Hachette
(1995)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês