Publique, mas não seja estúpido | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
28767 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Livro narra a trajetória do empresário que transformou a história urbana de São Paulo
>>> TV Brasil destaca polêmica das fake news no Mídia em Foco desta segunda (22/10)
>>> Ruy Castro e Frei Betto em novembro, no IEL
>>> Operação Condor, Direitos Indígenas, Cine Nuevo e Economia serão temas do 36º EPAL/PROLAM
>>> Sidney Rocha lança seu novo livro, A Lenda da Seca
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Voto de Meu Pai
>>> A barata na cozinha
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A moral da dúvida em Oakeshott e Ortega Y Gasset
>>> Por um triz
>>> Sete chaves a sete cores
>>> Feira livre
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Henry Ford
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Um defeito de cor, um acerto de contas
>>> Cuidado: Texto de Humor
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> My fair opinion
>>> Hitler e outros autores
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
Mais Recentes
>>> Enquadro. Capitulo I: Domingas de Eddie Louis Jacob pela Casa da Lapa (2009)
>>> Revista de Comunicação, Cultura e Política - V.14 Jan/Jun - 2014 de Vários Colaboradores pela PUC/Vozes (2014)
>>> Direito Processual do Trabalho (Reforma e Efetividade) de Luciano Athaíde Chaves (Org) pela LTr / Anamatra (2007)
>>> Lições de Direito Penal - Parte Geral de Heleno Cláudio Fragoso pela Forense (2003)
>>> Curso de Direito Penal - Parte geral - Volume 1 de Fernando Capez pela Saraiva (2007)
>>> On Love: A novel de Alain de Botton pela Grove Press (1994)
>>> Tarô dos Vampiros O Oráculo da Noite Eterna de David Corsi pela Madras (2010)
>>> Aptidao fisica-um convite a saude de Valdir j. barbanti pela Manole dois (2018)
>>> Science for all children de National academic press pela National academic press (2018)
>>> Restauraçao da mata atlantica em areas de sua primitiva ocorencia natural de Antonio paulo mendes galvao e antonio carlos de souza galvao pela Mapa (2018)
>>> O caminho para o amor de Deepak chopra pela Rocco (2018)
>>> O livro do juizo final de Roselis von sass pela Ordem do graal na terra. (2018)
>>> Meu anjo de Fausto de olveira pela Seame (2018)
>>> Perversas Famílias (um castelo no pampa 1) de Luiz Antonio de Assis Brasil pela L&PM (2010)
>>> Evoluçao consciente de Sergio motta pela Ediouro (2018)
>>> Carrie, a estranha de Stephen King pela Suma de Letras (2013)
>>> Pesquisa e planejamento de marketing e propaganda de Marcia valeria paixao pela Ibpex (2018)
>>> Pedra do Céu de Isaac Asimov pela Aleph (2016)
>>> A guerra se torna mundial--4. de Folha de sao paulo pela Folha de sao paulo (2018)
>>> A guerra se torna mundial--4. de Folha de sao paulo pela Folha de sao paulo (2018)
>>> Escola de cozinha--entradas de cozinha de Circulo do livro pela Circulo do livro (2018)
>>> Graos & cereais--coma bem,viva melhor de Readers digest pela Readers digest (2018)
>>> Lanchonete da cidade-novos sanduiches como antigamente de Romulo fialdini pela Dba (2018)
>>> Ossos,musculos & articulaçoes de Readers digest pela Readers digest (2018)
>>> Educaçao do filho de deus de Seicho-no-ie pela Seicho-no-ie (2018)
>>> Medicina preventiva de Kurt kloetzel pela Edart (2018)
>>> Medicina preventiva de Kurt kloetzel pela Edart (2018)
>>> The golden book of morocco de Bonechi pela Bonechi (2018)
>>> Galerie des offices-guide officiel toutes les ceuvres de Gloria fossi pela Giunti (2018)
>>> Novo manual-nova cultural-redaçao-gramatica-literatura-interpretaçao de textos-testes e exercicios. de Emilia amaral/secerino antonio/mauro ferreira do patrocinio pela Nova cultural (2018)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Record - Altaya (2002)
>>> Criação e Dialética: o Pensamento de Cornelius Castoriadis de Fernando César Teixeira França pela Edusp/Fapesp (1996)
>>> Juó Bananére: as Cartas d'Abax'o Pigues de Benedito Antunes pela Unesp (1998)
>>> Os investigadores de Daniel J. Boorstin pela Civilização Brasileira (2003)
>>> O essencial de Stephen King de Stephen J. Spignesi pela Madras (2003)
>>> Fundamentos da Filosofia - História e Grandes Temas de Gilberto Cotrim pela Saraiva (2006)
>>> Bilac, o jornalista 3 volumes de Antonio Dimas pela Edusp/Imprensa Oficial/Unicamp (2006)
>>> Introdução ao pensamento filosófico de Karl Jaspers pela Cultrix (1980)
>>> A Revolução de 30. Da República Velha ao Estado Novo de Manoel Correia de Andrade pela Mercado Aberto (1988)
>>> Manipulação da Linguagem e Linguagem da Manipulação de Claudinei Jair Lopes pela Paulus (2008)
>>> Mobilidade Religiosa: Linguagens, Juventude, Política de Pedro a Ribeiro de Oliveira, Geraldo de Mori Org pela Paulinas (2012)
>>> Em Sonho. uma Boa Conversa Entre o Romeiro Sebastião e Padre Cícero de Annette Dumoulin pela Paulinas (2017)
>>> Em Desnuda Oração de Paulo Gabriel pela Paulinas (2010)
>>> Santa Teresa Verzeri - Vida e Obra de Rosa Cassinari pela Paulinas (2008)
>>> Santa Teresa Verzeri de Rosa Cassinari pela Paulinas (2008)
>>> Educação para a Comunicação nos Institutos de Filosofia e Teologia de Cnbb pela Paulinas/sepac (2001)
>>> Educação para a Comunicação nos Institutos de Filosofia e Teologia de Cnbb pela Paulinas/sepac (2001)
>>> Lucíola de José de Alencar pela Ct (2001)
>>> Casa Velha de Machado de Assis pela Ct (2001)
>>> A Espada e a Pena. Como Atingir o Desenvolvimento Humano pelo Racional de Mauro Monteiro de Andrade pela Nobel (1999)
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Segunda-feira, 4/6/2007
Publique, mas não seja estúpido
Verônica Mambrini

+ de 3100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"Foi logo na montra da livraria que descobriste a capa com o título que procuravas. Atrás desta pista virtual, lá foste abrindo caminho pela loja dentro através da barreira cerrada dos Livros Que Não Leste, que de cenho franzido te olhavam das mesas e das estantes procurando intimidar-te. Mas tu sabes que não te deves deixar assustar, que no meio deles se estendem por hectares e hectares os Livros Que Podes Passar Sem Ler, os Livros Feitos Para Outros Usos Além Da Leitura, os Livros Já Lidos Sem Ser Preciso Sequer Abri-los Por Pertencerem À Categoria Do Já Lido Ainda Antes De Ser Escrito. E assim transpões a primeira muralha dos baluartes e cai-te em cima a infantaria dos Livros Que Se Tivesses Mais Vidas Para Viver Certamente Lerias Também De Bom Grado Mas Infelizmente Os Dias Que Tens Para Viver São Os Que Tens Contados. Com um movimento rápido passas por cima deles e vais parar ao meio das falanges dos Livros Que Tens Intenção De Ler Mas Antes Deverias Ler Outros, dos Livros Demasiado Caros Que Podes Esperar Comprar Quando Forem Vendidos Em Saldo, dos Livros Idem Idem Aspas Aspas Quando Forem Reeditados Em Formato De Bolso, dos Livros Que Podes Pedir A Alguém Que Te Empreste e dos Livros Que Todos Leram E Portanto É Como Se Também Os Tivesses Lido. Escapando a estes assaltos, avanças para diante das torres do reduto, onde te opõem resistência
os Livros Que Há Muito Tempo Programaste Ler,
os Livros Que Há Anos Procuravas Sem Os Encontrares,
os Livros Que Tratam De Alguma Coisa De Que Te Ocupas Neste Momento,
os Livros Que Queres Ter Para Estarem À Mão Em Qualquer Circunstância,
os Livros Que Poderias Pôr De Lado Para Leres Se Calhar Este Verão,
os Livros Que Te Faltam Para Pôr Ao Lado De Outros Livros Na Tua Estante,
os Livros Que Te Inspiram Uma Curiosidade Repentina, Frenética E Não Claramente Justificada.

E lá conseguiste reduzir o número ilimitado das forças em campo a um conjunto sem dúvida ainda muito grande mas já calculável num número finito, mesmo que este relativo alívio seja atacado pelas emboscadas dos Livros Lidos Há Tanto Tempo Que Já Seria Altura De Voltar A Lê-los e dos Livros Que Dizes Sempre Que Leste E Seria Altura De Te Decidires A Lê-los Mesmo.

Libertas-te com uns ziguezagues rápidos e penetras de um salto na cidadela das Novidades Cujo Autor Ou Assunto Te Atrai. Mesmo dentro desta fortaleza podes abrir brechas nas fileiras dos defensores dividindo-os em Novidades De Autores Ou Assuntos Não Novos (só para ti ou para toda a gente) e Novidades de Autores Ou Assuntos Completamente Desconhecidos (pelo menos para ti) e definir a atracção que eles exercem sobre ti com base nos teus desejos e necessidades de novo e de não novo (do novo que procuras no não novo e do não novo que procuras no novo). Já logo na vitrine da livraria, identificou a capa com o título que procurava. Seguindo essa pista visual, você abriu caminho na loja, através da densa barreira dos Livros que Você não leu."

Se você for Italo Calvino, pode muito bem começar um livro assim; seu leitor vai até achar engraçado. O excerto faz parte do primeiro capítulo de Se um viajante numa noite de inverno, em que o personagem principal é um alegórico Leitor, com maiúscula (aqui prestigiada uma tradução portuguesa, com um sabor único emprestado pela segunda pessoa do singular). O trecho dá conta de mostrar, como talvez nenhum outro já escrito, a variedade de opções e a imensidão de livros aos quais se tem acesso entrando numa livraria qualquer. A vida contemporânea é permeada de livros - cedo ou tarde se há de esbarrar neles e a capacidade de ler é cada vez mais indispensável para viver com um mínimo de dignidade. Portanto, acho que por um bom tempo o livro - seja de papel ou de outros formatos - ainda terá seu espaço amplo e garantido no mercado. Até porque é um veículo cada vez mais barato e democrático. Nunca se vendeu tanto esse suporte de idéias e informações.

Diz o ditado, roto de tanto uso em tantas bocas, "o papel aceita tudo". Essa humilde permeabilidade a qualquer mente é a glória e a desgraça do mundo escrito, acolhendo igualmente as mais brilhantes e as mais obtusas. A escrita, aliás, começou ligada a esse registro perene, gravada na pedra e com garantia de durabilidade de milênios, privilégios de quem tinha poder, desde a escrita cuneiforme, na Mesopotâmia, até a evolução da escrita hieroglífica no Egito antigo. Nascida com esse uso restrito a atividades nobres, como documentos e inscrições sagradas, hoje é instrumento de qualquer um em sociedades massivamente alfabetizadas para escrever bilhetes e tomar ônibus, atividades que de nobre não têm nada. À literatura, escrita forjada de forma tão precisamente descrita no poema de João Cabral de Melo Neto, "O ferrageiro de Carmona", fica um lugar seleto e prestigioso.

E nesse panteão, cada deus tem seu lugar. No topo, estão os chamados clássicos. E aí evoco novamente Calvino, que dizia que "um clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer". Mudam a crítica e seus valores, seja a jornalística ou a acadêmica, através dos tempos e das culturas, e via de regra os clássicos permanecem. Inovadores na linguagem e na narrativa, ricos de possibilidades de interpretação, muitas vezes registros visionários do Zeitgeist, seminais na literatura que os sucede, são obras de valor indiscutível. Não precisam necessariamente ser prazerosas para o gosto do leitor contemporâneo, mas foram fundamentais historicamente na literatura, estágios naturais para que se chegasse aos valores e tendências de hoje. São pais de todas as outras obras. Na seqüência, haverá grandes criadores de histórias e manipuladores da palavra, capazes de criar grandes livros. Os escritores restantes se dividirão entre os talentosos, de pequenas contribuições e boas histórias, aos medíocres e ruins, cujas obras serão esquecidas, por mal escritas e irrelevantes.

A literatura não se descola da sociedade. Reflete, ainda que não intencionalmente, a evolução tecnológica e os valores morais e estéticos (coadunando ou rompendo com eles), e se transforma continuamente. A representação do povo grego em Ulisses, a transformação de valores morais da Madame Bovary de Flaubert, o fluxo de consciência das obras de Virginia Woolf e a falta de sentido do mundo de Kafka são pequenas chaves pinçadas de um oceano de exemplos. Cabe aos autores perceber e criar - não necessariamente publicar. Esse trabalho fica para os editores, que freqüentemente erram o cálculo do que venderá nas livrarias ou do que tem valor e qualidade mas, de qualquer forma, por mérito ou poder, são eles que definiram (e por muito tempo tiveram esse poder de forma exclusiva) o que chegaria às mãos dos leitores de sua época. Mas de poucos anos para cá, a Internet pôs esse poder absoluto em xeque.

A evolução da Web foi extremamente veloz. As questões técnicas, que impediriam não-iniciados de utilizarem as novas ferramentas e usufruir delas foram resolvidas tão rápido que não deu tempo para que a linguagem e formatos literários desse novo suporte se estabelecessem. Não sei dizer se já houve um breakthrough que definisse a literatura dos próximos anos, em forma ou conteúdo. Qual é o clássico da Internet? O maior, ou o primeiro? Esse clássico existe, está ainda por ser escrito? Podemos pensar a literatura que se serve dos formatos digitais com os mesmos critérios que se convencionou entender a literatura de papel nos últimos séculos? Até o surgimento da Internet, a literatura (assim como muitas formas de arte) foi marcada por contribuições individuais - a autoria sempre foi a grande referência. Será que, na Internet, a pulverização é mais importante? A existência de vários bons blogs (e a existência de um público que os freqüente e discuta) é mais importante do que um ícone?

A geração que faz sua literatura em blogs precisa lidar com novas características que fazem o consumo literário ser diferente também. Praticamente não há gargalo. Em princípio, qualquer um pode ter um blog. Talvez estar hospedado em um grande portal seja equivalente a estar em destaque na estante de lançamentos de uma livraria. Mas, diferentemente do caso da livraria, há muitos caminhos para os escritores de Internet chegarem aos seus leitores e conquistarem uma audiência fiel e, com o tempo, ampla. Outras questões que se põem hoje como se fossem novas não parecem tão novas para mim.

Uma queixa freqüente dos novos autores (de blogs ou de livros) é sobre vendas, para os publicados em papel, ou falta de dinheiro, para os blogueiros. Passa uma idéia de que o mercado tenha uma obrigação de gerar renda para autores, de que se você escreveu e trabalhou em algo supostamente tão bom, tem direito de viver disso. Literatura é uma aposta (assim como cinema, artes plásticas ou música). Há uma diferença brutal em criar um produto cultural ou de entretenimento consumível e uma obra pessoal. Mercado é mercado, e não tem absolutamente nada de imoral ou errado em criar produtos consumíveis. Até porque para esse tipo de produto, geralmente existe um aparato de marketing e publicidade que não tem outra função senão alavancar vendas. Mas quem assume a própria liberdade criativa precisa criar meios para sustentá-la. João Cabral de Melo Neto e Carlos Drummond de Andrade eram funcionários públicos, assim como Rubem Braga era jornalista - não sei dizer se as crônicas de Rubem Braga, que não tenho pejo em assumir como de grandes qualidades literárias, alguma vez foram escritas com a pretensão de serem publicadas em livro. Saíam num dia no jornal e no dia seguinte estavam na feira embrulhando peixe.

Um dos meus blogs preferidos (ao qual eu sempre voltava, como volto sempre para livros queridos) é o da Índigo. Índigo é escritora (já tem livros de papel publicados), faz de roteiros a reportagens para pagar as contas, sem nenhum problema. Tem idéias de blogs fantásticos, com começo, meio e fim (coisa que me parece faltar um pouco na literatura de internet). Dela, não sei muito mais do que a própria literatura, o que talvez seja delicioso para um autor. Com a Internet, passou a ser blogueira profissional (sinal de que o mercado pode assimilar esse formato para um bom autor), mas, que pena: o 73 Obsessões, que me introduziu ao mundo da Índigo, saiu do ar. Há tempos, passei por lá e parece que, como eles vão ser publicados em papel, não podem estar mais on-line. Ainda não refleti sobre as implicações que isso tem. Não sei se compraria um blog em papel. Mas certamente tenho curiosidade em folhear um livro da Índigo, quem sabe comprá-lo. Em um dos blogs, há um post em que ela conta as reações de seus leitores. Os de papel raramente vão além de "Li seu livro, muito legal!", enquanto os de Internet comentam, debatem e criticam o que ela escreve.

Será que é óbvio demais avisar aos candidatos a escritores dos riscos a que se expõem? Nenhum escritor nasce maduro, embora uns comecem com vigor e qualidades literárias (leia-se talento) que outros não terão nem com uma vida de aperfeiçoamento. A validade de um livro como Lira dos vinte anos, de Álvaro de Azevedo, é uma prova de que se pode produzir literatura de qualidade na juventude. Mas todo jovem autor precisa de gaveta, nem que seja questão de alguns meses, para fazer uma auto-avaliação. Nem todo bom crítico é necessariamente bom autor, mas todo autor deveria tentar desenvolver o senso crítico necessário para ler o próprio texto com o mínimo de distanciamento. E nessas horas, opinião de mãe não vale. Muito material com potencial se perde porque o autor não se deu o tempo e o distanciamento necessários para que as eventuais falhas e fraquezas fossem corrigidas e aperfeiçoadas. E dou razão à crítica que não quer gastar vela boa com defunto ruim; ler demanda tempo e energia.

É preciso também paciência. Se um autor for bom, a Internet é uma grande ferramenta. Diante da infinidade de opções que qualquer um tem para ocupar seu tempo e dinheiro com lazer, cultura e entretenimento, o baixo custo da Web e a facilidade potencial de se atingir praticamente qualquer tipo de leitor, só se queixa quem quer holofotes, e não ser lido. Mas aí, já não tem nada a ver com literatura, é uma mistura de vaidade, teimosia e burrice mesmo.


Verônica Mambrini
São Paulo, 4/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva
02. A rede contra as raposas analógicas de Carla Ceres
03. O escritor e as cenas: mostrar e não dizer de Marcelo Spalding
04. Superficiais de Guilherme Pontes Coelho
05. Não me interrompas, Pilar de Ana Elisa Ribeiro


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/6/2007
10h32min
Mais um texto que pode ajudar o jovem escritor jovem! Muito bom! O trecho de Italo Calvino faz jus à proposta. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
14/6/2007
15h00min
Belíssimo texto. Mercado literário para iniciantes explicado em detalhes. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Lauro Riker]
3/7/2007
19h56min
Voce sabe expressar o que vivemos em nossa imaginacao. Em relacao 'a leitura, eu acho que os melhores livros sao aqueles que acordam nosso espirito em busca ao crescimento. Isso e' sentido atraves da leitura, e assim as portas se abrem. Porem, cada um tem a sua hora, ou seja, cada um vai encontrar o blog ou livro que mais lhe agrada naquela fase da vida. Eu adoro este web site, e acho que estacionarei por aqui! Hugs, Milton
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A REVOLUÇÃO NEUROTECNOLÓGICA
ZACK LYNCH - BYRON LAURSEN
CULTRIX
(2011)
R$ 15,90



A NOVA CATACUMBA
CONAN DOYLE
EDIOURO
(1983)
R$ 8,00



CRISTIANISMO, HUMANISMO E DEMOCRACIA
FÁBIO RÉGIO BENTO
PAULUS
(2005)
R$ 12,90
+ frete grátis



PSICOTERAPIA DE GRUPO COM CRIANÇAS - HAIM G. GINOTT
HAIM G. GINOTT
INTERLIVROS
(1979)
R$ 15,00



TODO DJ JA SAMBO
CLAUDIA ASSEF
CONRAD
(2018)
R$ 20,00



CÁLCULO 4
GEORGE B. THOMAS JR.
LIVROS TÉCNICOS / CIENTÍFICOS
(1978)
R$ 8,00



CADERNOS DE LITERATURA BRASILEIRA - JOÃO UBALDO RIBEIRO
INSTITUTO MOREIRA SALLES
IMS
(1999)
R$ 29,99



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
NOVAL CULTURAL
(1987)
R$ 5,20



O GLOBO 2000 - 1972 O JOGO SUJO DO TERROR Nº 26
EDITORA GLOBO
GLOBO
(2000)
R$ 8,98



O ISLAM EM FOCO - ADAPTADO E REVISADO
HAMMUDAH ABDALATI
FAMBRÁS
(2008)
R$ 11,90





busca | avançada
28767 visitas/dia
851 mil/mês