Uma encantadora imbecilidade | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Distribua você também em 2008
>>> A proposta libertária
Mais Recentes
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
>>> Uma Técnica de Viver de Leonard A. Bullen pela Pensamento (1988)
>>> Avaliação de Programas - Concepções e Práticas de Blaine R. Worthen, James R. Sanders e Jody L. Fitzpatrick pela Gente (2004)
>>> Concentração de Mouni Sadhu pela Pensamento (1984)
>>> O Melhor Livro Sobre Nada de Jerry Seinfeld pela Frente (2000)
>>> A República de Platão pela Nova Cultural (2000)
>>> Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Edição Popular (1961)
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
>>> Revista Crescer em Família – Ano 7 – Nº 74 - Primeiro Ano do Bebê de Vários Autores pela Globo (2000)
>>> Revista Mente e Cérebro – Ano XVI – Nº 197 – As 5 Idades do Cérebro de Vários Autores pela Duetto (2009)
>>> Poder, Política e Partido de A. Gramsci pela Brasiliense (1992)
>>> Gramsci : Cem anos de um pensamento vivo - coleção P&T de J. Luiz Marques e Luiz Pilla Vares (Orgs.) pela Palmarica (1991)
>>> Memórias da Resistência de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2019)
>>> Supercapitalismo Como o capitalismo tem transformado os negócios, a democracia e o cotidiano de Robert B. Reich pela Campus (2008)
>>> Marx Engels - História -Coleção Grandes Cientistas Sociais 36 de Florestan Fernandes (Org.) pela Ática (1983)
>>> Começo de Conversa – Orientação Sexual de Osny Telles Marcondes Machado pela Saraiva (1996)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1999)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> A dieta dos 17 dias Um método simples para perder barriga de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> O Especialista em Educação na Perspectiva da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 10 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> Dez Leis Para Ser Feliz - Ferramentas par se apaixonar pela vida de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> Projeto Revista de Educação – Nº 1 - Ano 1 de Vário Autores pela Projeto (1999)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Dicionário do Pensamento Marxista de Tom Bottomore - Editor pela Jorge Zahar (2001)
>>> Um tango para 5 Rainhas de Jony Wolff pela Edição do autor (2018)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Os Clássicos da Política vol. 1- Mquiavel-Hobbes-Montesquieu- Rousseau de Francisco C. Welfort (Org.) pela Ática (2006)
>>> Nacionalismos - O estado nacional e o nacionalismo no século XX de Montserrat Guibernau pela Jorge Zahar (1997)
>>> Bibliografia Estudos Sobre Violência Sexual Contra a Mulher:1984-2003 de Kátia Soares Braga - Elise Nacimento (Orgs.) pela Letras Livres - UNB (2004)
>>> O reino de James T. harman pela Restauração (2013)
>>> A importancia da cobertura de Lance Lambert pela Classicos (2013)
>>> O Reino Entre Nós de Não Informado pela O Lutador
>>> Como Realizar a Aprendizagem de Robert M. Gagné pela Mec (1974)
>>> Yoga para a Saúde do Ciclo Menstrual de Linda Sparrowe/ Patrícia Walden pela Pensamento (2004)
>>> Pequenos Segredos da Arte de Escrever de Luiz A. P. Victoria pela Ouro (1972)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1988)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1989)
>>> Paca, Tatú...Contos Infantis de Malba Tahan pela Cruzada da Boa Imprensa (1939)
>>> A Marquesa de Reval de May Logan pela Anchieta (1944)
>>> Camilo Compreendido Tomo 1 e 2 de Gondim da Fonseca pela Martins (1953)
>>> Técnicas de Yoga de Dr.M.L.Gharote pela Phorte (2007)
>>> A Essência da Alma de Sônia Tozzi (psicografia) pela Lúmen (2006)
>>> Minutos de Oração de Legrand (coord) pela Soler (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 23/10/2001
Uma encantadora imbecilidade
Eduardo Carvalho

+ de 4000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

"Saiba como aproveitar a estupidez. Aquele que se faz de bobo não é bobo." (Baltazar Gracian)

Você pode achar que beisebol é um esporte inventado por e para americanos assistirem enquanto bebem cerveja quente, se lambuzam de frango e são traídos pelas suas mulheres. E ele é. Mas como tudo que é complexo, o beisebol, apesar de ser simples, não é só isso. Explico: o esporte é mesmo muito simples - mas o motivo que o faz tão popular, ao menos nos Estados Unidos, não é.

Apesar de entreter tantos adultos, o beisebol deve ter sido inventado por crianças, e deveria ser jogado apenas por elas. O exercício de se tentar acertar uma bola com um taco pode até desenvolver alguma habilidade motora em uma criança de oito anos, mas é difícil acreditar que a repetição desse mesmo movimento entretenha um adulto civilizado. E é preciso, ainda, uma imaginação infantil para acreditar que na próxima tentativa, enfim, vá acontecer alguma coisa de diferente. Durante três horas, o jogo, com pequenas variações, continua o mesmo: dificilmente uma boa rebatida se desdobra em uma jogada, digamos, interessante - e, mesmo que isso aconteça, não dura mais do que alguns segundos. Somados, os poucos instantes que poderiam ser emocionantes não compensam o resto, e o risco de perdê-los quando já não se esta mais prestando atenção no campo ainda é alto.

Para prestar atenção no campo ou não, porém, os americanos continuam lotando suas arquibancadas. Se o esporte já não é lá dos mais dinâmicos, assistí-lo pela televisão, em que a câmera é surpreendida pelas poucas rebatidas inesperadas, fica insuportável. Futebol americano pode ser o esporte mais chato do mundo, mas é perfeitamente adequado à transmissão televisiva. Beisebol, não. A quem realmente se interessa pelo esporte ou a curiosos desocupados, resta, então, ir ao estádio. Lá, pelo menos, apesar de ser o óbvio pretexto, não é o jogo que importa. É a festa.

Nas noites de dia de semana, todos os jogos do New York Yankees no Yankes Stadium, no Bronx, estão lotados. Famílias inteiras se sentam ao lado de grupos de estudantes, velhinhos que não desgrudam o rádio da orelha se misturam com meninas que vão ver o jogador bonitão, executivos engravatados trocam observações com negrões carregando brilhantes correntes no pescoço, o chinês entregador de pizza, que foi sozinho, arruma companhia comentando o jogo para o casal ao lado. Se você se sentar em um bom lugar, pode ter a sorte - ou azar - de se sentar ao lado do Bruce Springsteen, e mais tarde, quando voltar pra casa, descobrir que o próximo entrevistado do David Letterman é aquele magrinho que estava sentado na sua frente, campeão do Tour de la France de bicicleta. Em Nova York, o Yankees é unanimidade. Seu símbolo, o "N" e o "Y" entrelaçados, é ubíquo na cidade estampado em adesivos nos carros, camisetas, jaquetas e muitos bonés, e no resto do mundo é praticamente símbolo da própria cidade. Não é à toa que, mesmo jogando um esporte tão monótono e provinciano, o Yankees ainda seja, entre todos os esportes, o time mais popular do mundo. É natural que um jogo do Yankees seja, mesmo para quem não gosta da festa, uma grande festa.

Pode ser que ela seja imbecil. E, em grande parte, ela é. Durante as aproximadamente três horas de jogo, não ha sequer um comportamento espontâneo da torcida: todos os seus movimentos são controlados por um telão e seus apitos. Se aparece nele uma mão batendo palma acompanhada por uma irritante buzina, toda a arquibancada, como chipanzés em um laboratório, bate palma, sorrindo. Se no telão aparece escrito "Charge Yankees!!", todo mundo grita, imediatamente, "Charge Yankees!". Ou, quando varia, "Go, Yankees, go!". E o Yankees, aos poucos, vai. Depois trocarem sete vezes de arremessador, os times fazem um intervalo. Os empregados que rastelam o campo entram, a arquibancada se levanta e, liderada pelos cinco rasteladores, começa a dançar a coreografia de "YMCA". São mais de cinqüenta mil pessoas, do vovô ao netinho, movimentado os seus braços, como os do chipanzé incomodado pelas suas pulgas, para acompanhar a música e os cinco rasteladores de boné laranja. Realmente, não há nada mais imbecil. Mas há algo de puro e de encantador quando a imbecilidade é plenamente assumida.

Os jogos costumam acabar lá pelas nove e meia da noite, mas muita gente vai embora um pouco antes, preocupada com o congestionamento da Yankees Stadium Station. No céu, a lua está cheia, e a brisa, porque a estação é aberta, refresca a plataforma. Esperando o trem para voltar pra casa, a loirinha judia conversa com o latino de boné para o lado, o avô faz sua análise do jogo para o neto, os amigos de faculdade, hoje trabalhando em lugares diferentes, escolhem um bar para estender a noite. Do estádio, começa a se ouvir Frank Sinatra cantando "New York, New York", e fica-se sabendo que o Yankees, enfim, ganhou. Difícil um clichê maior, uma cena menos criativa - mas é entre o repetitivo e o óbvio que a civilização, como o beisebol, diverte e encanta.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 23/10/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos
03. Amar a vida! de Daniel Bushatsky
04. Então, foi Natal de Elisa Andrade Buzzo
05. Cursiva de Guilherme Pontes Coelho


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Preconceito invertido - 4/7/2003
05. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/10/2001
00h00min
Deve ter escrito sua coluna baseado apenas no que parece ser o beisebol para você. Duvido muito que ache fácil rebater uma bola com o taco, como disse, se tivesse realmente praticado o esporte uma vez na vida. Indicar que alguém com mais de oito anos teria facilidade de rebater um arremesso profissional de beisebol é muito falso. Aposto que você nem acertaria a bola em 10 tacadas, mesmo que eu arremessasse para você. E nas primeiras 100 tacadas que acertasse, a bola não iria a mais de 2 mestros de seu corpo. Beisebol é um esporte que possui suas táticas, agilidade, força e concentração, como TODAS as modalidades de esporte no mundo. Dizer que beisebol ou futebol americano são esportes fáceis, bestas ou complicados demais é uma visão pobre que muito brasileiro possui, se bem que você conseguiu na maior parte de sua coluna mostrar várias verdades da sociedade norte-americana. Praticar o beisebol profissional ou muito menos do que isso é uma atividade de prática, treino e talento. Assim como você joga uma pelada e nunca vai ser um Pelé, vai no mini golfe e nao será um Tiger Woods, corta as faixas na avenida e não será um Alain Prost, não adianta pensar que é só pegar um taco de beisebol que acertará a bola facilmente. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
24/10/2001
00h00min
Não vou dizer se baseball é difícil ou não de jogar, pois pra mim todo e qualquer esporte está fora do meu alcance (com a possível exceção do ping pong). Mas, pelo que eu sei, as regras de baseball não são nada simples. Conheço pessoas que moram ou moraram nos EUA e nunca conseguiram entendê-las. Estou certo? Juliano? Eduardo?
[Leia outros Comentários de Fabio Danesi Rossi]
25/10/2001
00h00min
Motivado pelo texto de Eduardo de Carvalho e, principalmente, pelo comentário de Juliano Maesano, resolvi tirar, na prática, a dúvida sobre as dificuldades que o beisebol apresenta. Sortudo de ter um irmão aos 9 anos de idade, fiz o coitado descer comigo ao pátio do meu prédio para saber se conseguiria acertar uma bolinha de tênis com um pedaço de madeira (algo mais próximo que consegui de um taco de beisebol). O fracasso foi melhor do que o esperado. Nas 10 primeiras tentativas, consegui acertar 3 vezes. Depois, com um pouco mais de força no lançamento de meu irmão, comecei a manter uma média bem diferente da apresentada por Juliano, uma bela tacada a cada 5 lançamentos. Lembrando do que Juliano havia escrito, que o beisebol fosse algo difícil, até me passou pela cabeça que eu tivesse um ‘dom’ especial, porém, é claro que não podemos comparar uma brincadeira com um jogo profissional, mas o prazer de acertar é – se é que posso descrever dessa maneira - bem entusiasmante. Em relação ao texto, que não se limita ao dito jogo, devo dizer que está muito agradável, escrito com uma clareza que conheço apenas em poucos autores brasileiros. O que me atraiu ao texto foi que mesmo sem conhecer, e sem ao menos nunca ter chegado perto de um estádio de beisebol, consegui imaginar o cenário e sentir o ‘clima’ que deve ser ao estar em um jogo de beisebol. Quanto as regras, Fábio, deixo para o autor do texto responder. Abraços a todos e parabéns.
[Leia outros Comentários de Felipe T. de Barros]
26/10/2001
00h00min
Não entendo nada de beisebol, e por isso mesmo, me permito dizer que parece realmente algo que somente americanos, com seu gosto peculiar, poderiam tê-lo como paixão nacional. É inquestionável que, como diria uma amiga, “Cada um com seu cada qual”, mas, pelo amor de Deus, pedir para um brasileiro gostar deste esporte é a mesma coisa que dizer que rumba é a música nacional. Please, divirtam-se com o que bem entendem, mas não venham defender um esporte que ninguém entende, ninguém explica e que, sem dúvida, é uma perda de tempo ficar assistindo.
[Leia outros Comentários de Carolina Moraes]
26/10/2001
00h00min
Felipe, adorei a sua experiência, mas garanto que (como você mesmo disse) os arremessos do seu irmão provavelmente podem ser comparados aos de crianças da "little league" norte-americana, fazendo assim com que a sua experiência tenha sido semelhante a um jogo de taco ou softball, onde se arremessa mais leve, "por cima". Se você enfrentar um arremesso séri ode baseball, nem que seja de um "pitcher" colegial, vai ver suas chances de acerto diminuirem rapidamente... Você tocou num ponto interessante, a "euforia" ao acertar as rebatidas... garanto que muitos, como a Carolina que tbm escreveu aqui, acham o esporte chato, mas ao rebater uma bola as coisas mudam, não é mesmo? Aviso ao Fabio, as regras do baseball são BEM simples, sim... não há a mínima dificuldade... depois te explico, "ao vivo"... Carolina, cuidado sempre ao dizer que um esporte é a paixão nacional dos EUA. Eu diria que é errado classificar qualquer esporte como tal, já que muitos deles ocupam esse título em diversas partes do país. Basquete da NBA em certos estados, Hóquei no gelo em muitos outros no norte, Baseball em vários e Futebol americano em outros... E o baseball é o esporte nacional em muitos outros países da América do Norte e Sul (Honduras, Venezuela, Cuba), Asia e lembrem-se do críquete inglês (Inglaterra, Austrália, India) e o taco que nós jogamos nas ruas de bairro... Abraços a todos, estou adorando a "discussão".
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO USAR O JORNAL NA SALA DE AULA
MARIA ALICE FARIA
CONTEXTO
(1996)
R$ 18,00



O GAÚCHO
JOSÉ DE ALENCAR
EDIGRAF
R$ 8,75



O SOL TAMBÉM SE LEVANTA
ERNEST HEMINGWAY
ABRIL CULTURAL
(1981)
R$ 10,02



ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA
SCOTT TUROW
RECORD
(1987)
R$ 6,90



O HOMEM SADIO: UMA NOVA VISÃO
VÁRIOS AUTORES
FONTE VIVA
(1992)
R$ 8,90



HQ BATMAN MESTRE DO FUTURO + SÉRIE TÚNEL DO TEMPO
BRIAN AUGUSTYN & EDUARDO BARRETO
ABRIL JOVEM
(1992)
R$ 16,50
+ frete grátis



DIÁRIO DE INVERNO
PAUL AUSTER
COMPANHIA DAS LETRAS
(1990)
R$ 15,00



MULHERES LIDERAM MELHOR QUE HOMENS
LOIS P. FRANKEL
GENTE
(2007)
R$ 12,00



CONTOS & CRÔNICAS
FERNANDO SABINO
O DIA
R$ 9,80



TEORIA Z: COMO AS EMPRESAS PODEM ENFRENTAR O DESAFIO JAPONÊS
WILLIAM OUCHI
FUNDO EDUCATIVO BRASILEIRO
(1982)
R$ 5,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês