Philip Roth e o rico diálogo entre escritores | Mauricio Tuffani | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> Var - Cálculo do Var de uma Carteira de Renda Fixa de Rafael Paschoarelli Veiga pela Saint Paul (2005)
>>> Redes de Cooperação Empresarial de Alsones Balestrin, Jorge Verschoore pela Bookman (2016)
>>> Almanaque Brasilaeiro de Tatuagem de Autores Variados pela Escala
>>> Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem Cipe 2015 de Telma Ribeiro Garcia pela Artmed (2016)
>>> Conhecendo Melhor a Fé Católica de Roberto Andrade Tannus pela Santuário (1996)
>>> Oração de Amorização A Cura do Coração de Pe. Alírio J. Pedrini, SCJ pela Loyola (2000)
>>> Viva Esperança de Valdemiro Santiago de Oliveira pela Classica (2013)
>>> Know-how de Ram Charan pela Campus (2019)
>>> Orações de Poder de Varios Autores pela Raboni (1992)
>>> Transformando Lágrimas em Vitória de Bruno André S. Ortega pela Bruno André S. Ortega (2018)
>>> Viva com Esperança de Mark Finley e Peter Landless pela Cpb (2014)
>>> Corporate Zombies - Manual de Sobrevivência Corporativa de Andre Ferreira, Victor Sardinha pela Giostri (2014)
>>> Os Mistérios do Código Da Vinci de Amy Welborn pela Cultrix (2006)
>>> Os Arquétipos da Umbanda de Rubens Saraceni pela Madras (2016)
>>> Quem me Roubou de Mim de Fábio de Melo pela Canção Nova (2008)
>>> A Estratégia Global da Hyundai de Russell D. Lansbury, Chung-sok Suh pela Bookman (2016)
>>> Surpresas para Hoje Meditações Diárias de Christel Grigull pela União Cristã (2018)
>>> A Graça de Deus de Rev. Aldo Quintão pela Sextante (2012)
>>> Outras Histórias de Andréa Casa Nova Maia pela Ponteio (2012)
>>> O Conciso Livro das Mitzvot de Rabi Israel Meir HaCohem pela Mekor Máim Jaim (2008)
>>> Patriarcas e Profetas de Ellen G. White pela Cpb (2007)
>>> O Sucesso não Ocorre por Acaso Você pode Mudar sua Vida de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos Tempos (1992)
>>> História Bizarra da Matemática de Luciana Galastri pela Planeta (2020)
>>> Encontros com Deus de Amin A. Rodor pela Cpb (2014)
>>> Se a Vida é um Jogo, Estas são as Regras de Chérie Carter, Scott, Ph.D. pela Rocco (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/2/2009
Philip Roth e o rico diálogo entre escritores
Mauricio Tuffani

+ de 4000 Acessos

No livro Entre Nós ― Um escritor e seus colegas falam de trabalho (Companhia das Letras, 2008, 176 págs.), do premiado romancista norte-americano Philip Roth, o diálogo com outros autores tem como tema aquilo que na amizade entre escritores quase nunca é abordado, segundo ele: suas próprias obras. Mas essas conversas não são acadêmicas, não giram em torno da literatura nem tratam de métodos para escrever. A riqueza desse trabalho, lançado recentemente no Brasil (tradução de Paulo Henriques Britto), está na sensibilidade de Roth para tratar de forma essencial o que é crucial nas vidas, nas escolhas e nas convicções de seus companheiros de diálogo.

Nessas conversas, seus interlocutores são romancistas como o italiano Primo Levi (1919-1987), o romeno Aharon Appelfeld, os tchecos Ivan Klíma e Milan Kundera, o polonês Isaac Bashevis Singer (1904-1991) e a irlandesa Edna O'Brien. Roth apresenta também uma correspondência com a romancista Mary McCarthy (1912-1989), um perfil crítico do novelista Bernard Malamud (1914-1986), um artigo sobre os desenhos de Philip Guston (1913-1980) e uma releitura do escritor Saul Below (1915-2005), todos norte-americanos.

Considerado um dos principais escritores das últimas décadas, Roth é autor de cerca de trinta obras ― entre elas O complexo de Portnoy (1969), O avesso da vida (1986), A pastoral americana (1997) e Complô contra a América (2004) ―, foi professor de literatura comparada na Universidade da Pensilvânia até 1992 e é também crítico literário. Nascido em 1933 em Newark, Nova Jersey, neto de imigrantes judeus, a tradição de pertencer a duas culturas, própria da condição judaica, mas não só dela, é um de seus principais temas, inclusive em Entre Nós, onde, dos dez capítulos, sete são dedicados a autores dessa mesma origem.

Semelhanças e diferenças
Embora seja um escritor que prima pela densidade e pela complexidade, suas conversas com outros autores neste livro não são diálogos intrincados. Nas apresentações que faz de seus interlocutores, assim como nas perguntas que lhes dirige, é surpreendente a capacidade de Roth de facilitar ao leitor o acesso ao âmago dos pontos em questão. No entanto, longe de incorrer em um dos pecados mais graves da simplificação, que é facilitar a ponto de obstruir reflexões de fundo, essas introduções são aberturas cuidadosas no espaço e no tempo.

Entre os interlocutores de Roth, quatro são inevitavelmente comparados em duas duplas: Levi/Appelfeld e Klíma/Kundera. A primeira, entre dois judeus que, ainda jovens, saíram de campos de concentração e cumpriram um longo percurso por um mundo caótico e destroçado para chegarem onde vivem hoje; o primeiro deles retornou à sua mesma casa, em Turim, e o outro se tornou cidadão israelense. A segunda dupla, entre dois tchecos que passaram pelo stalinismo em sua terra natal e pela Primavera de Praga, em 1968, com o primeiro tendo permanecido no país até hoje, ao passo que o outro se exilou em Paris.

Essa comparação é mais intensa no capítulo sobre Klíma. Ao apresentar esse autor, que teve suas obras publicadas, durante a ocupação soviética na Tchecoslováquia após a Primavera de Praga, na forma de samizdáts ― livros cuja impressão era feita um a um, datilografados ―, Roth já traça um paralelo com Kundera, que nesse mesmo período fez sucesso como escritor em Paris:

"Lendo Amor e Lixo, por vezes eu tinha a sensação de estar lendo A insustentável leveza do ser virado do avesso. O contraste entre os dois títulos indica como podem ser discordantes, até mesmo opostos, os pontos de vista de imaginações que abordam de modo semelhante temas semelhantes ― no caso, o que o protagonista de Klíma considera 'o mais importante de todos os temas. o sofrimento que resulta de uma vida privada de liberdade'."

Exuberância e universalidade
Para aqueles que, como eu, selecionam e marcam trechos à medida que leem um livro, Entre Nós se mostra, muitas vezes, um desafio com tantas longas passagens imperdíveis. Sem falar no próprio entrevistador, com sua sensibilidade para penetrar no espírito das obras do entrevistado. Como, por exemplo, em relação a Levi:

"O que é surpreendente em A Trégua, uma obra que poderia perfeitamente ser caracterizada por um clima de luto e desespero inconsolável, é a exuberância. A sua reconciliação com a vida tem lugar num mundo que às vezes lhe parecia o caos primordial. No entanto, você se envolve com todos, se diverte tanto quanto se instrui, a tal ponto que eu me pergunto se, apesar da fome, do frio e dos medos, até mesmo apesar das lembranças, o melhor período da sua vida não teria sido aqueles meses a que você se refere como 'um parêntese de disponibilidade ilimitada, uma dádiva do destino, providencial porém irrepetível'."

Ao mergulhar no plano individual dos autores em face de suas circunstâncias, os diálogos de Entre Nós se conduzem por reflexões que ultrapassam as situações particulares inspiradoras de diferentes obras. Não são raras nesse livro considerações transcendentes e universais. É o caso das seguintes palavras de Kundera:

"Todo o período de terror stalinista foi uma época de delírio lírico coletivo. Tudo isso agora caiu no esquecimento, mas aí é que está o xis do problema. As pessoas gostam de dizer: a revolução é bela; é só o terror que decorre dela é que é mau. Mas isso não é verdade. O mal já está presente na beleza, o inferno já está contido no sonho do paraíso, e se queremos compreender a essência do inferno, é necessário examinar a essência do paraíso em que ele tem origem."

Lançado nos Estados Unidos em 2001, com o título Shop Talk: A Writer and His Colleagues and Their Work, o livro merecia já nesta publicação original uma apresentação, uma vez que é uma coletânea de textos publicados anteriormente. Sem falar nos trechos que já em 2001 deveriam, pelo menos, ter recebido notas explicativas, como a passagem em que Roth se refere ao apartamento em que Primo Levi ― morto em 1987, no ano seguinte à entrevista ― "vive com sua esposa".

Mesmo assim, Entre Nós é certamente um dos melhores lançamentos dos últimos anos sobre a relação entre escritores e suas obras. Para os que quiserem fazer uma degustação do livro, o site da Companhia das Letras apresenta na íntegra o primeiro capítulo, sobre Primo Levi, que fala também de sua relação com sua profissão de químico.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de Mauricio Tuffani, Laudas Críticas.

Para ir além






Mauricio Tuffani
São Paulo, 26/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônicas do anonimato de Luiz Rebinski Junior
02. Por que os blogs de jornalistas não funcionam de Julio Daio Borges
03. Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman de Rafael Fernandes
04. Falar mais o que sobre a crise do PT? de Marcelo Miranda
05. Ação e Reação, de Jean Starobinski de Ricardo de Mattos


Mais Mauricio Tuffani
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Material de Construção
Francisco Cândido Xavier
Ideal



Encontrando a Sua Cara Metade
Décio Mendes de Almeida
Marco Zero
(2001)



Atm Internetworking With Atm Volume III
Uyless Black
Prentice Hall Series
(1998)



O Som e a Fúria
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo
(2013)



Rios no Deserto: Palestras Sobre Evangelização de Muçulmanos
Federico A. Bertuzzi
Sepal (sp)
(1993)



Condomínio e Locação Volume II
Darnley Villas Boas
Dam Jur
(1987)



Francisco Sanches na Renascença Portuguêsa
Evaristo de Moraes Filho (dedicatória)
Mec
(1953)



Language Or Race? the Choice of Core Values in the Development Of
Ethnic and Racial Studies: Vol 13 - Nº 1 Jan
Routledge Journals
(1990)



Ilha da Trindade: a Ocupação Britânica e o Reconhecimento da Sobe
Martin Normann Kämpf
Fundação Alexandre de Gusmão
(2016)



O Liminar da Liberdade Gilberto Martins
Gilberto Martis
Moderna
(1997)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês