Philip Roth e o rico diálogo entre escritores | Mauricio Tuffani | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/2/2009
Philip Roth e o rico diálogo entre escritores
Mauricio Tuffani
+ de 5000 Acessos

No livro Entre Nós ― Um escritor e seus colegas falam de trabalho (Companhia das Letras, 2008, 176 págs.), do premiado romancista norte-americano Philip Roth, o diálogo com outros autores tem como tema aquilo que na amizade entre escritores quase nunca é abordado, segundo ele: suas próprias obras. Mas essas conversas não são acadêmicas, não giram em torno da literatura nem tratam de métodos para escrever. A riqueza desse trabalho, lançado recentemente no Brasil (tradução de Paulo Henriques Britto), está na sensibilidade de Roth para tratar de forma essencial o que é crucial nas vidas, nas escolhas e nas convicções de seus companheiros de diálogo.

Nessas conversas, seus interlocutores são romancistas como o italiano Primo Levi (1919-1987), o romeno Aharon Appelfeld, os tchecos Ivan Klíma e Milan Kundera, o polonês Isaac Bashevis Singer (1904-1991) e a irlandesa Edna O'Brien. Roth apresenta também uma correspondência com a romancista Mary McCarthy (1912-1989), um perfil crítico do novelista Bernard Malamud (1914-1986), um artigo sobre os desenhos de Philip Guston (1913-1980) e uma releitura do escritor Saul Below (1915-2005), todos norte-americanos.

Considerado um dos principais escritores das últimas décadas, Roth é autor de cerca de trinta obras ― entre elas O complexo de Portnoy (1969), O avesso da vida (1986), A pastoral americana (1997) e Complô contra a América (2004) ―, foi professor de literatura comparada na Universidade da Pensilvânia até 1992 e é também crítico literário. Nascido em 1933 em Newark, Nova Jersey, neto de imigrantes judeus, a tradição de pertencer a duas culturas, própria da condição judaica, mas não só dela, é um de seus principais temas, inclusive em Entre Nós, onde, dos dez capítulos, sete são dedicados a autores dessa mesma origem.

Semelhanças e diferenças
Embora seja um escritor que prima pela densidade e pela complexidade, suas conversas com outros autores neste livro não são diálogos intrincados. Nas apresentações que faz de seus interlocutores, assim como nas perguntas que lhes dirige, é surpreendente a capacidade de Roth de facilitar ao leitor o acesso ao âmago dos pontos em questão. No entanto, longe de incorrer em um dos pecados mais graves da simplificação, que é facilitar a ponto de obstruir reflexões de fundo, essas introduções são aberturas cuidadosas no espaço e no tempo.

Entre os interlocutores de Roth, quatro são inevitavelmente comparados em duas duplas: Levi/Appelfeld e Klíma/Kundera. A primeira, entre dois judeus que, ainda jovens, saíram de campos de concentração e cumpriram um longo percurso por um mundo caótico e destroçado para chegarem onde vivem hoje; o primeiro deles retornou à sua mesma casa, em Turim, e o outro se tornou cidadão israelense. A segunda dupla, entre dois tchecos que passaram pelo stalinismo em sua terra natal e pela Primavera de Praga, em 1968, com o primeiro tendo permanecido no país até hoje, ao passo que o outro se exilou em Paris.

Essa comparação é mais intensa no capítulo sobre Klíma. Ao apresentar esse autor, que teve suas obras publicadas, durante a ocupação soviética na Tchecoslováquia após a Primavera de Praga, na forma de samizdáts ― livros cuja impressão era feita um a um, datilografados ―, Roth já traça um paralelo com Kundera, que nesse mesmo período fez sucesso como escritor em Paris:

"Lendo Amor e Lixo, por vezes eu tinha a sensação de estar lendo A insustentável leveza do ser virado do avesso. O contraste entre os dois títulos indica como podem ser discordantes, até mesmo opostos, os pontos de vista de imaginações que abordam de modo semelhante temas semelhantes ― no caso, o que o protagonista de Klíma considera 'o mais importante de todos os temas. o sofrimento que resulta de uma vida privada de liberdade'."

Exuberância e universalidade
Para aqueles que, como eu, selecionam e marcam trechos à medida que leem um livro, Entre Nós se mostra, muitas vezes, um desafio com tantas longas passagens imperdíveis. Sem falar no próprio entrevistador, com sua sensibilidade para penetrar no espírito das obras do entrevistado. Como, por exemplo, em relação a Levi:

"O que é surpreendente em A Trégua, uma obra que poderia perfeitamente ser caracterizada por um clima de luto e desespero inconsolável, é a exuberância. A sua reconciliação com a vida tem lugar num mundo que às vezes lhe parecia o caos primordial. No entanto, você se envolve com todos, se diverte tanto quanto se instrui, a tal ponto que eu me pergunto se, apesar da fome, do frio e dos medos, até mesmo apesar das lembranças, o melhor período da sua vida não teria sido aqueles meses a que você se refere como 'um parêntese de disponibilidade ilimitada, uma dádiva do destino, providencial porém irrepetível'."

Ao mergulhar no plano individual dos autores em face de suas circunstâncias, os diálogos de Entre Nós se conduzem por reflexões que ultrapassam as situações particulares inspiradoras de diferentes obras. Não são raras nesse livro considerações transcendentes e universais. É o caso das seguintes palavras de Kundera:

"Todo o período de terror stalinista foi uma época de delírio lírico coletivo. Tudo isso agora caiu no esquecimento, mas aí é que está o xis do problema. As pessoas gostam de dizer: a revolução é bela; é só o terror que decorre dela é que é mau. Mas isso não é verdade. O mal já está presente na beleza, o inferno já está contido no sonho do paraíso, e se queremos compreender a essência do inferno, é necessário examinar a essência do paraíso em que ele tem origem."

Lançado nos Estados Unidos em 2001, com o título Shop Talk: A Writer and His Colleagues and Their Work, o livro merecia já nesta publicação original uma apresentação, uma vez que é uma coletânea de textos publicados anteriormente. Sem falar nos trechos que já em 2001 deveriam, pelo menos, ter recebido notas explicativas, como a passagem em que Roth se refere ao apartamento em que Primo Levi ― morto em 1987, no ano seguinte à entrevista ― "vive com sua esposa".

Mesmo assim, Entre Nós é certamente um dos melhores lançamentos dos últimos anos sobre a relação entre escritores e suas obras. Para os que quiserem fazer uma degustação do livro, o site da Companhia das Letras apresenta na íntegra o primeiro capítulo, sobre Primo Levi, que fala também de sua relação com sua profissão de químico.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de Mauricio Tuffani, Laudas Críticas.

Para ir além






Mauricio Tuffani
São Paulo, 26/2/2009

Mais Mauricio Tuffani
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os livros da magia O Convite
Carla Jablonski
Conrad
(2004)



Coaching de Relacionamentos a Dois (lacrado)
Ritah Oliveira
Qualitymark
(2017)



O Oriente Médio
Isaac Akcelrud
Atual
(1984)



A Pedra da Luz
Christian Jacq
Bertrand Brasil
(2000)



Ciências e Cidadania 6º Ano
Maurício Jorge Bueno Faria
Escala Educacional
(2009)



Livro Literatura Estrangeira O Rei de Ferro Os Reis Malditos
Maurice Druon
Difel
(1989)



Great is Peace
Daniel Sperber, Zvi Narkiss, Shimshon Klaus
Anno Pacis
(1979)



Livro Economia Entenda Globalização Uma Fonte de Informações para os Negócios
Dirceu M Coutinho
Aduaneiras
(1998)



Livro Infanto Juvenis Histórias de Shakespeare Volume 1 Coleção Quero Ler
Charles e Mary Lamb
Ática
(2002)



Energia Solar - Uso Renovável na Indústria
Rafael Celuppi
Appris
(2017)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês