Lady Gaga, uma aula do pastiche | Relivaldo de Oliveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> Do inferno ao céu
>>> Para entender Paulo Coelho
>>> O amor que choveu
Mais Recentes
>>> Como Trabalhar Para Um Idiota de John Hoover pela Saraiva (2010)
>>> Não Tenha Medo De Ser Chefe de Bruce Tulgan pela Sextante (2009)
>>> Fui Promovido! E Agora? de Roberto Ruban pela M. Books (2010)
>>> Faça O Que Tem De Ser Feito de Bob Nelson pela Sextante (2003)
>>> Deixar de Fumar O que Você Precisa Saber de Jorge Schemes pela Dpl (2004)
>>> Casamento Blindado de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Pai Rico Pai Pobre de Robert T. Kiyosaki pela Campus (2000)
>>> De Volta Ao Mosteiro de James C. Hunter pela Sextante (2014)
>>> Ufo Os Códigos Proibidos de Alfredo Lissoni pela Madras (2007)
>>> 12 Meses Para Enriquecer. O Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> O Flagelo de Hitler de Albert Paul Dahoui pela Lachâtre (2012)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global: Aumentando Sua Inteligência Interpessoal de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos tempos/ RJ. (1992)
>>> Temperamento forte e bipolaridade de Diogo Lara pela Do autor (2004)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ.
>>> As Chaves da Autoconfiança: um Guia Avançado para Vencer na Vida de Robert Anthony pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Estruturas Clínicas de Freud a Lacan Travessia Nº 3 Jan/94 de Vários pela Gráfica da Ufes (1994)
>>> Viabilizando Talentos:Como Semear o Crescimento Pessoal e Profissional de J. R. Gretz pela Florianópolis (1997)
>>> O inumano: considerações sobre o tempo de Jean-François Lyotard pela Estampa (1997)
>>> Toque de Midas: Dinheiro, Poder e Riqueza, do Oriente ao Ocidente de Anthony Sampson pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Prepare-se para Enriquecer... de R. Stanganelli pela Eparma (1983)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Apometria...E Por que Não? de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2008)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Concubinos: União Estável no Novo Código Civil/ Encad. de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2002)
>>> Principios Para Uma Clinica Antimanicomial e outros escritos 1 edição de Ana Marta Lobosque pela Hucitec (1997)
>>> Direito Administrativo de Diógenes Gasparini pela Saraiva/ SP. (1995)
>>> Recursos Humanos: Crise e Mudanças de Flávio de Toledo pela Atlas/ SP. (1989)
>>> Análise Sintática: a Oração na Frase Portuguesa de Antonio de Abreu Rocha/autografado pela São Vicente/ Belo Horizonte (1957)
>>> Filologia e Gramatica: Referente À Língua Portuguesa de J. Mattoso Câmara Jr pela J. Ozon Editor/ RJ. (1968)
>>> A Análise Matemática do Estilo: Aplicação do Processo de Fucks... de Tulo Hostílio Montenegro pela Ibge: / RJ. (1956)
>>> Atlas Previo dos Falares Baianos de N. Rossi pela Imprensa Nacional: Inl: Rio (1965)
>>> Sintomas Mórbidos - A Encruzilhada da Esquerda Brasileira de Sabrina Fernandes pela Autonomia Literária (2019)
>>> Trechos Selectos (trechos Seletos): Com uma Introdução ... de Sousa da Silveira pela Typogr. Bernard Frères/ RJ. (1919)
>>> Revolução Africana - Uma antologia do pensamento marxista de Jones Manoel e Gabriel Landi (orgs.) pela Autonomia Literária (2019)
>>> Antifa - O Manual Antifascista de Mark Bray pela Autonomia Literária (2019)
>>> A Narrative of Travels on the Amazon and Rio Negro de Alfred Russel Wallace (ll. D) pela Ward, Lock/ B. and Co. London (1892)
>>> O Ponto Zero da Revolução - Trabalho Doméstico, Reprodução e Luta Feminista de Silvia Federici pela Elefante (2019)
>>> Calibã e a Bruxa - Mulheres, Corpo e a Acumulação Primitiva de Silvia Federici pela Elefante (2017)
>>> Ah! Eu Não Acredito! de Sérgio Almeida pela Casa da Qualidade (2001)
>>> As Aventuras de Pedro Malasarte de Sérgio Augusto Teixeira pela Ediouro
>>> O'Hurley's Return de Nora Roberts pela Visit Silhouette Books (2010)
>>> Glory in Death de Nora Roberts (Writing as J. D. Robb) pela Berkley (2000)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/5/2010
Lady Gaga, uma aula do pastiche
Relivaldo de Oliveira

+ de 8800 Acessos
+ 6 Comentário(s)

"Cara, esse clipe é, tipo, o máximo", diz a menina da MTV se referindo ao clipe de "Telephone", lançado recentemente, com Lady Gaga e Beyoncé e com a direção de Jonas Åkerlund. O videoclipe é um dos símbolos da contemporaneidade. Usa uma narrativa que nem sempre quer contar uma história coerente, muitas vezes sequências e cortes rapidíssimos e a imagem é predominantemente apenas imagem, sem precisar explicitar o que se mostra, o que surge, e nem lançar algum tipo de lição que precisa ser apreendida.

Na televisão, uma matéria lançava uma pergunta a algumas "personalidades" sobre "os dez motivos para gostar de Lady Gaga". Todos falavam de inovação, criatividade, estilo, choque. Parte considerável, para não dizer dominante, da cultura contemporânea julga que alguns figurinos extravagantes, entrevistas chocantes e provocação feminista são suficientes para valorizar algo, uma cantora, um produto. A rigor, Lady Gaga não revoluciona nada na cultura, muito menos na cultura pop. Mas a cultura pop é o reino das referências, do reconhecível, de uma estética repetitiva que parece inovar. O pop é, e sempre foi, um reaproveitamento de culturas e formas anteriores, mas diferentemente daquilo que se pode tomar como cultura "séria" (Adorno), esse reaproveitamento não propõe algo crítico, ou que pretenda mudar a estética vigente; diferentemente da avant-garde, o pop apresenta o novo sem inovar, coloca novas vestes no mesmo corpo, canta sem ter voz.

Uma das características dessa estética contemporânea é o pastiche, as referências a conteúdos anteriores, uma imitação que copia o que já fora realizado. Essa referência não critica o anterior, não cria estilos autênticos (como certa estética modernista se propunha), e sim reaproveita a forma e o imaginário que já fora formado sobre esses elementos estéticos para ser reconhecível, digerível.

Isso, que Frederic Jameson já definiria como a estética predominantemente pós-moderna, assumiu características que refletem muito o juízo estético contemporâneo. Logo que o videoclipe da cantora foi lançado, começou a surgir uma quantidade gigantesca de elogios nos mais variados meios. Para muitos, "'Telephone' é o clipe do ano", "uma aula de cultura pop", "exemplo de imaginação e criatividade".

O vídeo de "Telephone" é repleto desses elementos "inovadores". O videoclipe se inicia com Lady Gaga em um tipo de prisão que mais parece um prostíbulo. Após dançar um pouquinho, a cantora sai da prisão (sic) e é apanhada por Beyoncé em uma caminhonete colorida (tudo é muito colorido no vídeo). Travam um diálogo (inútil) e então as duas seguem em direção a uma lanchonete onde envenenam todos os clientes, a começar por um bad boy que parece um gansgsta rap. Nesse trajeto, elas fazem coreografias, trocam de roupa pelo menos seis vezes e, vez por outra, cantam.



Figurinos extravagantes (Lady Gaga chega a usar óculos feitos de cigarros esfumaçantes e um tipo de chapéu feito de telefones), carro em alta velocidade, mulheres assassinas e uma narrativa que é um pastiche de Quentin Tarantino seguem dando o tom da "inovação". A sexualidade, como temática central, fecha o círculo "revolucionário" dessa estética contemporânea.

Pode parecer surpreendente, mas não acredito na visão apocalíptica (Umberto Eco) de que a cultura tenha tido sempre objetivos edificantes e que necessariamente tenha sido esclarecedora. Essa visão, de certa forma romântica e aristocrata, não representa a enorme quantidade de espetáculo nonsense que já existiu. A questão é que essa cultura contemporânea tem um alcance maior, mais eficiente e mais persuasivo. O jovem da MTV não está em busca de uma visão esclarecedora da vida; a vida já lhe deve parecer complexa demais (para alguns, lembrar de tomar banho já é complexo demais). Talvez a virtualidade de uma cultura que lhe pareça sempre nova seja mais interessante. É facilmente assimilável, é propositalmente gratuito, parece realmente interessante e estranhamente inovador.

Lady Gaga quer chocar, mas quase nada mais choca nesse mundo sem privacidade; quer ser diferente, mas quase tudo é pastiche. O pop precisa de uma nova Madonna que não pareça uma ninfeta pomba-lesa (Britney Spears), nem apenas uma cantora de R&B que acompanha rappers negros vestidos de branco. Procura-se uma mistura de fashion kitsch com atitude girl power; procura-se uma mistura de personalidade desafiante com músicas desafiadoras. Mas Lady Gaga não desafia nada, apenas reforça a artificialidade do pop. Travestindo-se de novidade, quer impactar; reaproveitando o que já existe, se apresenta como diferente.

"Telephone" está perfeitamente de acordo com esse espírito. É uma aula do pop, é um ensinamento do pastiche. Julgamos ser um produto excelente porque repleto de referências à cultura pop e que nós, com nosso imaginário repleto dessas formas, reconhecemos imediatamente e, por essa identificação, atribuímos qualidade. Para nós contemporâneos, o original é a repetição, a criatividade é a citação.

Em uma das sequências do vídeo, Lady Gaga prepara o veneno que matará os clientes da lanchonete. Como um mago, ela faz uma mistura de vários produtos para que o líquido tenha o efeito desejado. A cultura pop é bem menos complexa. Basta pegar uma loura que dance, se vista como um carro alegórico e pareça ter alguma atitude que a fórmula está pronta.

Bebamos a nossa porção repleta de novidade. Tipo, é o máximo que nos resta.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de Relivaldo de Oliveira.


Relivaldo de Oliveira
Belém, 10/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
04. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
05. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado


Mais Relivaldo de Oliveira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/5/2010
17h07min
Adorei o texto. Apesar de permear um tom acadêmico, acredito que seja bastante esclarecedor para qualquer leitor. Uma pena que as pessoas que acham Lady Gaga "tipo, um máximo" o leriam com olhos desconfiados e os fãs diriam que o autor "não compreende" a genialidade de Gaga. Não vejo mérito na repetição pelo simples ato. Gostaria de ver mais contestação e conteúdo na música, por trás de tanta exaltação à forma.
[Leia outros Comentários de Clara Dourado]
24/5/2010
10h07min
Meu Deus!!! Quanto ódio no seu coração. Aprenda que, depois de Andy Warhol, tudo é possível.
[Leia outros Comentários de Stefano]
24/5/2010
15h03min
Sinceramente discordo. Não porque seja fã da moça (embora seja), mas porque, dentre tudo que o autor citou, vejo do exato contrário. Britney é formatada pela mídia. Gaga tem atributos muito contrários ao que (ao menos) era aceitável. Muitas pessoas ainda a acham estranha. A única coisa que eu realmente concordaria, quanto a ela, é que a embalagem é contrária ao conteúdo, ou seja, na música ela inova muito pouco; apenas, salvo raras exceções, produz mais canções palatáveis. Pelo jeito o autor também se incomoda com o pretenso feminismo de Gaga. Inexistente. Quanto a isso ela não é uma ameaça ao poder masculino, corrobora-o até, no clipe, se valendo de beijos entre mulheres para atrair atenção. Tônica comum, concordo. No mesmo clipe, há forte referência ao pop art, que como o feminismo também anda fora de moda. Em "Bad Romance" e no mesmo "Telephone", há o retorno dos coros. Mas música não parece ser área de dominio do autor. Pena, é disso que falamos. Parece apenas uma questão de "não gosto".
[Leia outros Comentários de Ju]
26/5/2010
12h00min
Guga é Gago por Gaga; Havia um Gago que gaguejou: Neste Universo Físico, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. O tio Lavoisier parece que só emplaca nos livros, no ensino, e fica muito longe na prática de muitos. Titio era Gago, tinha apelido de Guga e depois dizem ter ficado um velho Gaga. Ele costuma levantar do túmulo quando dizem que alguém criou alguma coisa impossível. Portanto, estética é isto, transformação. Estética não significa necessariamente beleza, vemos tantas estéticas de gostos estranhos, ou mesmo bizarros, e fazendo sucesso. O que manteve as artes duvidosas no auge foi exatamente o gosto duvidoso ou as motivações financeiras destes ditadores do que é bom, do que vale, sem levar em conta a opinião do consumidor. Gaga ou Potter se assemelham também nesta linha, seja por um outro ponto de vista, seja pela linha que desejam e conseguem atingir. Chamam de Original uma obra de arte que já passou por restaurações e não sabem que todo Original tem uma Origem...
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
31/5/2010
20h51min
Muito bom o texto. Desde que vi um clipe da moçoila, quando trocava de canal no intervalo do futebol, fico perturbado quando ouço falar de Lady Gaga, mas, como muitas coisas na vida, não parei para pensar no porquê. Este texto, então, veio a calhar. No mais, a pergunta que fica para mim é que, apesar dos pesares, a música popular não está tão mal assim. Há, por exemplo, a Aimee Mann, que é decente e típica do nosso tempo. Como ela pode vender tão pouco e a Lady Gaga tanto?
[Leia outros Comentários de Martuchelli]
29/8/2010
00h45min
Eita, mais um utilizando a teoria de indústria cultural e crise de identidade no mundo pós-moderno pra tentar minar a Lady Gaga. Não tem jeito, Sr. Reinaldo. Gaga é o primeiro fenômeno pop global desde Madonna e Michael Jackson. Já faz parte da nossa cultura. Gaga está em tudo, nas ruas, nos jornais, na TV, na internet. Relaxa, escuta "Just Dance" e aprende a curtir um pouco a vida.
[Leia outros Comentários de Túlio Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O FALSO OBSERVADOR DE PASSAROS
LUIZ MARIA VEIGA
ATUAL
R$ 8,00



HISTÓRIAS REAIS E FANTÁSTICAS: CRÔNICAS E ENSAIOS SOBRE A POLÍTICA CON
MARIA CLEIDE BERNAL
TABA CULTURAL
(2010)
R$ 25,28



HOJE MEU DESAFIO É...
BARBARA LAMP
UNITED PRESS
(2014)
R$ 9,50



JUVENTUDE RURAL! CAMINHOS A ESCOLHER!
LAÉRCIO DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



UM SECULO DE LUZ
LOURENÇO DIAFERIA NADIA SOMEKH CANDIDO MALT...
SCIPIONE
(2001)
R$ 14,60



A SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA DO CONSUMO DA POPULAÇÃO DE MINAS GERAIS
MARCOS HENRIQUE GODOI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O MARQUES DE QUELUZ E SUA ÉPOCA
MIGUEL AUGUSTO GONÇALVES DE SOUZA
EDIÇÃO DO AUTOR
(1988)
R$ 12,00



TÍTULOS DE CRÉDITO
GERALDO VIEIRA
SÍNTESE / CAMPOS
R$ 6,00



A PERCEPÇÃO DE FAMILIARES DE PACIENTES DE UTI SOBRE A COMUNICAÇÃO
JOSIVANI MAIA FERREIRA FERREIRA UND SINTIA SOARES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



UM ESTUDO SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO INTERIOR DE GOIÁS
MAURO FELÍCIO BARBOSA MULATI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00





busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês