O artista hoje: entre o 'proponente' e o pedinte | Almandrade | Digestivo Cultural

busca | avançada
111 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
>>> Projetonave e Caco Pontes lançam temporada de espetáculos online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chá das Cinco com o Vampiro, de Miguel Sanches Neto
>>> Reflexões sobre um século esquecido (1901-2000), por Tony Judt
>>> Desvirtualização no Itaú Cultural
>>> David Foster Wallace e Infinite Jest
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Você é rico?
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Daniel Frazão e a cidade sitiada
>>> Aquele apoio
>>> Argos, o ET de 100 olhos
Mais Recentes
>>> Pertinho do Céu de Álvaro Basile Portughesi pela Clareion (1999)
>>> Matemática : volume único de Gelson Iezzi et al pela Atual (2007)
>>> Minna no Nihongo 1 de Vários Autores pela 3a Corporation
>>> BTS: A Ascensão Do Bangtan de Harpercollins pela Harpercollins (2021)
>>> Orixá Reiki - Conexão Divina de Rodrigo Romo pela Shanthar (2011)
>>> Orixá Reiki - Conexão Divina de Rodrigo Romo pela Shanthar (2011)
>>> Orixá Reiki - Conexão Divina de Rodrigo Romo pela Shanthar (2011)
>>> Isso é o que nossos sábios fizeram de Empregos de estudantes pela Organização sionista
>>> Matemática Hoje é feita assim de Antonio José Lopes Bigode pela Ftd (2000)
>>> Batalha Dos Dinossauros , A de Pé da Letra pela Pé da Letra (2021)
>>> Matemática fundamental : uma nova abordagem : ensino médio : volume único de José Ruy Giovanni, José Roberto Bonjorno, José Ruy Giovanni Jr pela Ftd (2002)
>>> Manual do Viajante de Equipe EBRAC pela English Tour
>>> Beco Da Ilusão de Mundo Uno pela Mundo Uno (2021)
>>> Girl Power! de Spice Girls pela Trip (1998)
>>> Beijos De Vampiro - Volume 1. Coleção Vampire Kisses de Moderna pela Moderna (2021)
>>> Todo Santo Dia de Andreza Carício pela Literare Books (2020)
>>> Revanche Erzählungen de Gerd Gaiser pela Reclam (1956)
>>> A conquista da matemática, 4 de José Ruy Giovanni pela Ftd (1989)
>>> Bela Adormecida, A - Coleção Clássicos Das Virtudes de Pé da Letra pela Pé da Letra (2021)
>>> Torquato Tasso de J. W. Goethe pela Reclam (1958)
>>> Word Division Supplement to Government Printing Office Style Manual de Superintendent of Documents pela Superintendent of Documents (1962)
>>> Belém, Belém de Empíreo pela Empíreo (2021)
>>> A conquista da matemática : a + novinha 3a série de Giovanni, Giovanni Jr pela Ftd (2005)
>>> A ´Única Mulher de Planeta pela Planeta (2021)
>>> A Verdadeira Essência da Iluminação de Cultrix pela Cultrix (2021)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/11/2011
O artista hoje: entre o 'proponente' e o pedinte
Almandrade

+ de 4400 Acessos

O artista que passa o tempo recluso na solidão do ateliê, trabalhando, desenvolvendo sua experiência estética, como um operário da linguagem e do pensamento, está em extinção. É coisa de museu.

Ou melhor, é raridade nos museus de arte, que estão deixando de ser instituições de referência da memória para servir de cenários para legitimação do espetáculo. Às vezes, com míseros recursos que ficamos até sem saber direito: quando nos deparamos com baldes e bacias nessas instituições, se são para amparar a goteira do telhado ou se se trata de uma instalação, contemplada por um edital para aquisição de obras contemporâneas...

O que interessa na politica cultural nem sempre é a arte e a cultura, e, sim, o glamour. Em nome da arte contemporânea, faz-se qualquer coisa que dê "visibilidade".

As políticas públicas foram relegadas às leis de incentivo à cultura e aos editais públicos. Nunca se fez tantos editais neste País, como atualmente, para, no fim das contas, fazer da arte um "suplemento cultural", o bolo da noiva na festa de casamento.

Na fala do filósofo alemão Theodor Adorno: "As obras de arte que se apresentam sem resíduo à reflexão e ao pensamento não são obras de arte". Do ponto de vista da reflexão, do pensamento e do conhecimento, a cultura não é prioridade. Na política dos museus, o objeto já não é mais o museu que se multiplicou, juntamente com os chamados "centros culturais", nos últimos anos.

Com vaidade de supermercado, na maioria das vezes, eles disponibilizam produtos perecíveis, novidades com prazo de validade, para estimular o consumo, vetor de aquecimento da economia. A qualificação ficou no papel, na publicidade do concurso.

Esses editais que bancam a cultura são iniciativas que vêm ganhando força. Mostram ser um processo de seleção com regras claras para administrar o repasse de recursos, muito bem vendidos na mídia, como métodos de democratizar o "acesso" e a "distribuição de verbas" para as práticas culturais.

Mas nem são tão democráticos assim. Podem ser um instrumento possível e eficiente em certos casos, mas não são a solução, é possível funcionarem, também, como escudo, para dissimular responsabilidades pela produção, preservação e segurança do patrimônio cultural.

Considerando-se, ainda, a contratação de "consultorias", funcionários, despesas de divulgação, inscrição... o trabalho árduo e apressado de seleção... é tudo, enfim, um custo considerável, que, em último caso, gera "serviços" e renda.

O artista contemporâneo deixa de ser artista para ser proponente, empresário cultural, "captador" de recursos, um especialista na área de elaboração de projetos, com conhecimentos indispensáveis de "processo público" e interpretação de leis. Dedica grande parte de seu tempo a esse negócio burocrático, que é a elaboração e execução de projetos, prestações de contas etc., todos contaminado pela lógica do marketing... coisas incompatíveis com o artista em si, que apostou na arte como uma "opção de vida" e com forma de conhecimento, algo que exige dedicação exclusiva...

Ou, pior ainda: o artista fica à mercê de uma "produtora cultural", para quem essa política de editais e fomento à cultura é, aliás, um excelente negócio...

Mais uma coisa é preocupante: e se essa política de editais se estender até a sucateada área da saúde, por exemplo? Imaginem uma "seleção pública" para pacientes do Sistema Único de Saúde, que necessitem de procedimentos médicos... Os que não forem "democraticamente contemplados", teriam de apelar para a providência divina, já engarrafada com a demanda de tantos pedidos...

Nem é bom imaginar. Que esta praga fique restrita aos limites da esfera cultural... Na pior das hipóteses, é uma "torneira" que sempre se abre para atender parte de uma superpopulação de artistas, proponentes, pedintes...

O artista, cada vez mais, é um técnico passivo com direito a diploma de "bem comportado" em "preenchimento de formulário". E seu produto ficou relegado ao controle dos burocratas do Estado, e à "boa vontade" dos executivos de marketing das grandes empresas...

Se o projeto é bem apresentado, com boa "justificativa" de gastos e retornos, o produto a ser patrocinado ou financiado... se é mediano, se é excepcional, não importa! O que importa é a "formatação", a "objetividade" do orçamento, a clareza das "etapas" e a "visibilidade", o "produto final"...

Como sempre, existem as chamadas exceções, mas...

Nota do Editor
Leia também A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte, Entrevista com André Fonseca e Uma breve história da curadoria, por Hans Ulrich Obrist.


Almandrade
Salvador, 14/11/2011


Mais Almandrade
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Livro dos Amuletos
Gabriela Erbetta e Michelle Seddig Jorge
Publifolha
(2004)



Vantagem Competitiva - 35ª Edição - Criando e Sustentando um Desemp...
Michael E. Porter
Campus
(1989)



Vladslav Ostrov, Príncipe Do Juruena
Maria José De Queiroz
Record
(1999)



Coelho Criação Caseira
Irineu Fabichak
Nobel
(2004)



Teoria da Legitimidade do Direito e do Estado
Antonio Carlos de Almeida Diniz
Landy
(2006)



Heróis À Lutar ( os Cadetes da Revolução de 1964 )
Ivan Henrique da Silva
Ñ Informado



Jornal de um Homem de Marketing
Francisco Gracioso
Cultrix
(1995)



Um Amor Como Nunca Se Viu
Frank Slaughter
Circulo do Livro
(1995)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



A Consciência de Zeno
Italo Svevo
O Globo
(2003)





busca | avançada
111 mil/dia
2,4 milhões/mês