Ronald Polito: Arquivo do Proprio Aniquilamento | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Palavras impressas
>>> Teoria da Conspiração
>>> Movimento Literatura Urgente
>>> O fim das mídias físicas
>>> Ayn Rand ou o primado da razão
>>> Viagem ao Âmago da Palavra
>>> Modelos plus size: as novas mulheres irreais
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Escrever não é para amadores
Mais Recentes
>>> O tigre de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2013)
>>> Os Doze Trabalhos de Hércules 1/2/4 volumes de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1944)
>>> Morte dos reis de Bernard cornwell pela Record (2016)
>>> Bom Apetite vol II de Diversos pela Abril Cultural (1972)
>>> A menina que semeava de Lou Aronica; Maria ângela Amorim De Paschoal pela Novo Conceito (2021)
>>> Curso de Desenho e Pintura 9 volumes de Equipe Globo pela Globo (1985)
>>> 1889 Juvenil ilustrada de Laurentino Gomes; Rita Brugger pela Globo Livros (2014)
>>> Quem me roubou de mim? de fabio de Melo pela Canção Nova (2010)
>>> Se conto ninguem acredita- autografado de Rafael pedrosa pela pandogA (2018)
>>> The Young Riders of Mongolia de Rob Waring pela Footprint (2011)
>>> Let’s Do It Together de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2008)
>>> A Matter of Prejudice de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Strange Noises de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> A Casa Vazia de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasill (2006)
>>> Lost in the Woods de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Devastação Ou a Volta à Natureza de Rene Barjavel pela Círculo do Livro (1976)
>>> Os segredos da mente milionária de T harv eker pela Sextante (2010)
>>> A Day on the Farm de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Economia Solar Global de Hermann Scheer pela Cresesb (2002)
>>> Alguém Que já Não Fui de Artur da Távola pela Nova Fronteira (1986)
>>> Enquanto Eu Estivesse Fora... de Sue Miller pela Bertrand Brasill (2000)
>>> Infâncias Roubadas o Ser Criança Como Desafio para o Reino de Silvana Bezerra de Castro Magalhães pela Coiô Coiô (2016)
>>> Já Pensou Se Alguém Acha e Lê esse Diário? de Nilza Rezende pela Record (2007)
>>> O Quiabo Comunista de Carlos Eduardo Novaes pela Nordica (1977)
>>> Mulheres ajudando mulheres de elyse Fitzpatrick e carol Cornish pela c p a D (2005)
>>> O poder dos Quietos de Susan Cain pela Agir (2012)
>>> O segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Sextante (2008)
>>> Marley & eu de John Grogan pela Ediouro (2010)
>>> O grande conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Problemas? OBA ! de Roberto Shinyahiki pela Gente (2011)
>>> Ali and his Camera de Raymond Pizante pela Penguin Readers (2008)
>>> Os 10 hábitos da memorização de Renato Alves pela Gente (2009)
>>> Billy and the Queen de Stephen Rabley pela Penguin Readers (2008)
>>> O código da inteligência de Augusto Cury pela Ediouro (2008)
>>> Manual de Normas Internacionais de Contabilidade: IFRS versus Normas Brasileiras de Ernst & Young - FIPECAFI pela Atlas (2010)
>>> Quem mexeu no meu queijo ? de Spencer Johnson,M.D pela Record (2010)
>>> Desenvolvimento Pessoal e Profissional de Josiane C. Cintra; Keli C. de L. Campos; Tatiane R. Bonfim; Yaeko Ozaki; Rodolfo L. de F. Olivo pela Anhanguera Publicações (2011)
>>> Simon and the Spy de Elizabeth Laird pela Penguin Readers (2008)
>>> 0870707329 de Paola Antonelli pela The Museum of Modern Art (2008)
>>> Contabilidade Financeira de Alessandra Cristina Fahl; José Carlos Marion. pela Anhanguera Publicações (2013)
>>> Perícia Contábil de Antônio Lopes de Sá pela Atlas (2011)
>>> Contabilidade Gerencial: Um Enfoque em Sistema de Informação Contábil de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas (2010)
>>> Administração de Idalberto Chiavenato pela Elsevier (2010)
>>> João santana , um marqueteiro no poder de luiz Maklouf carvalho pela Record (2015)
>>> Custos e Formação de Preços de Eunir de Amorim Bomfim; João Passarelli; pela IOb (2011)
>>> Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras de Marcelo Cardoso de Azevedo; Fernando Coelho; José Carlos Ruiz; Paulo Neves. pela Alínea (2010)
>>> Desenvolvimento Econômico de Aderbal O. Damasceno; Ana Paula Avellar; Claúdio César de Paiva; Fernando C. B. Oliveira; Flávio V. Vieira; Michele P. Veríssimo; Suzana F. de Paiva. pela Alínea (2013)
>>> Educação Corporativa: Fundamentos, Evolução e Implantação de Projetos de Marisa Eboli; André Luiz Fischer; Fábio Cássio Costa Moraes; Wilson Ap. Costa de Amorim. pela Atlas (2012)
>>> 100 cronicas Escolhidas de Mauro Mota pela Cepe (2011)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/1/2002
Ronald Polito: Arquivo do Próprio Aniquilamento
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2600 Acessos


“E chego aonde nada mais reluz”.
(Canto IV – Inferno – Dante)

Acaba de ser publicado pela editora Nankin (S.P.) o livro de poesias de passagem, do poeta Ronald Polito. Anteriormente, Polito havia publicado três livros, na seguinte ordem cronológica: Solo (ed. Sette Letras, 1996), Vaga (ed. do autor, 1997), e Intervalos (ed. Sette Letras, 1998).

Como sugere o título do livro, os poemas estão tomados por uma espécie de inanição lacunar, típica daqueles que estão “de passagem” ou que percebem o mundo desse ponto de vista. Outros dois livros do poeta nos comunicam, ambos em seus títulos e poemas, este estar-no-mundo de forma lacunar: Vaga (“caminho feito poeira”, diz no poema “passagem”) e Intervalos (“sombra de muitos braços/sem mão única”, no poema “auto-retrato probabilístico”)

Na capa do livro “de passagem” aparece uma foto de uma rodovia deserta, margeada por um pequeno barranco coberto por gramas e um quase invisível céu azul pálido. A foto reforça essa idéia lacunar da poesia de Polito, num espécie de encontro com os lugares vazios, que não deixam o registro senão da paisagem deserta que se desenha para quem está “de passagem”. Quem tiver o trabalho de percorrer toda a obra poética de Polito vai se confrontar inúmeras vezes com essa idéia do deserto, do vazio e da atmosfera silenciosa e solitária dos vãos na qual se constitui, pois, como diz o poema “afeto”, de Vaga, “ninguém está comigo”.

Três dos poemas que, dentre outros, nos afetam mais brutalmente em “de passagem” são “Flâmula”, “Circo” e “Um sabre que não se sabe”. Tratam ou de alguém morto, no primeiro caso, ou quase morto, nos outros dois casos, tratados como “o sempre-quase-alguém” e “o morto que nunca desmaia”.

Mas “Flâmula”, com certeza o mais drástico dos três, é o que mais nos fala daquele que vive na condição “de passagem”: o próprio poeta (ou a própria poesia contemporânea?). Há um verso no poema que chama a atenção, pois trata da questão central da poética de Polito: “não se comparte um desastre”. Aqui nem quem vivenciou o desastre na própria carne ou quem participou dele como especta-dor afetivo podem comunicá-lo. O que resta para o poeta senão uma relação negativa com o mundo e com a linguagem? É a partir daí que se funda a poética de Polito: da consciência da impossibilidade e da necessidade de uma descrição dessa impossibilidade. Por isso, poemas como desertos pontilhados de cactos, criados desse “acúmulo de inércia” a partir da “força de arranque do não.” (do poema, “Área de trabalho I”).

O poema, como um todo, apresenta-se como um prisma de muitas nuanças onde cada palavra multiplica seus sentidos criando uma leitura vertiginosa (como uma flâmula sob um vento perigoso), labiríntica, prenhe de significados – que também podem ser não-significados, pois a cada momento apontam para novos entendimentos e desentendimentos. Sua forma e seu conteúdo encerram, portanto, aquilo que se pode denominar o ambíguo, a alusão e o engenhoso. O fato de conter a cada palavra ou verso uma expressão diferente de si anuncia a poesia como uma impossibilidade. Estamos frente a uma poética que, diante da insignificância (ou significância) de cada gesto, seja da vida ou da linguagem, não tem outra solução senão deixar, em forma de poesia, o arquivo do seu próprio aniquilamento.

Como um descendente de Beckett, Polito cria uma poesia que se presta a difamar sistematicamente sua própria existência no próprio movimento da linguagem que a constitui. Num jogo brilhante entre forma e conteúdo, o autor faz eclodir de seus versos a destruição da própria poesia como veículo de comunicação ou significação. Embora um bombardeio de proposições tente se constituir em seus versos, seu desejo maior é exterminar frases que poderiam formar-se em um sentido único e comunicante: “esta disposição/ dos extremos/ conforma-se com o empenho/ do seu desenredo” (do poema, “Instruções para desativar”). O que ele cria é arrasador: “um silêncio diante de outro silêncio” (no poema “Área de Trabalho II”).

Por isso, os poemas do livro “de passagem” constroem-se a partir de uma hostilidade formal que não busca adular ou encantar o leitor, ao contrário, quer ser penosa para ele. Para penetrá-los “é preciso ter/ a contrição e tenacidade/ de uma britadeira” (do poema, “Serial Killer”), já que “detalhes ciclópicos/ obstruem/ a figuração das imagens” (de “Instruções para desativar”).

Os 34 poemas que formam o livro, e que representam a veia inconfundivelmente pessoal da poética de Polito ecoam, em sua labiríntica e radical negatividade, as espantosas palavras de Borges, em “Labirinto”:

“Não haverá nunca uma porta.
Está dentro e o castelo abarca o universo
E não tem anverso nem reverso
Nem externo muro nem secreto centro”.

É justamente em sua poética que reside o caráter ameaçador de sua obra. Afinal, quem suporta viver dentro de um universo onde uma palavra pode significar outra ou, o que é pior, pode não significar nada do que se supunha que significasse? Um universo onde cada pista apenas poderá te levar a outra pista que, como no labirinto espelhado projetado por Da Vinci [1], sucessivamente conterá uma expressão diferente de si, um caminho novo, mas ao mesmo tempo um caminho que não te conduz a saída nenhuma.

Terminada a leitura dos poemas do livro “de passagem”, que faz ressoar em nós as eternas palavras de Dante, “Deixai toda esperança, ó vós que entrais” (Canto III- Inferno), achamos por bem seguir o conselho do próprio poeta, que diz: “nem mesmo/ você mesmo/ se reconhece ali/ e a única franquia/ é conseguir/ seguir” (do poema “Inferno”).

Nota

[1] Leonardo Da Vinci tinha um projeto de construir um labirinto óptico formado por uma câmara octogonal, cujas partes seriam todas revestidas por espelhos. Dessa forma criaria através de reflexos intermináveis uma espécie de labirinto abstrato da irrealidade absoluta.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 4/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa, poemas de Mário Alex Rosa de Jardel Dias Cavalcanti
02. Na translucidez à nossa frente de Elisa Andrade Buzzo
03. A poesia de Carol Sanches de Jardel Dias Cavalcanti
04. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
05. Paisagem interna agreste de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2002
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Drummond: o mundo como provocação - 26/11/2002
03. A Vagabunda Letrada e os Sentimentos Nobres - 5/11/2002
04. O último Shakespeare - 3/12/2002
05. Cactos Implacáveis: entrevista com Ronald Polito - 10/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PSICOLOGIA EVOLUTIVA - PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO VOLUME 1
MERVAL ROSA
VOZES
(1983)
R$ 10,00



GRAMÁTICA ILUSTRADA
HILDEBRANDO A. DE ANDRÉ
MODERNA
(1978)
R$ 10,00



VIVER MAIS
CLEMENTE E HENRIQUE KESSELMEIER
VOZES
(1981)
R$ 10,00



CAFÉ AMARGO
VÍTOR SAPIENZA
META
(1991)
R$ 10,00



NEGOTIAUCTIONS
GUHAN SUBRAMANIAN
CAMPUS
(2010)
R$ 10,00



INFORME 2008 - O ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS NO MUNDO
ANISTIA INTERNACIONAL
ANISTIA INTERNACIONAL
(2008)
R$ 10,00



O NAVEGADOR DE MUDANÇAS 5132
KURT HANKS
QUALITYMARK
(1998)
R$ 10,00



AO ENTARDECER, ELE ABRAÇAVA AS ÁRVORES
DEONÍSIO DA SILVA
SICILIANO
R$ 10,00



ALMA GÊMEA
DEEPAK CHOPRA
ROCCO
(2001)
R$ 10,00



TRAJETÓRIA DE UMA ALMA
ANTONIETA V. MEYER
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPÍRITA
(1998)
R$ 10,00





busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês