Essa tal de neurociência é o maior barato | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 5/2/2002
Essa tal de neurociência é o maior barato
Rafael Lima

+ de 6900 Acessos
+ 7 Comentário(s)

"A linguagem é um vírus"
--William S. Burroughs

"An idea is something you have;
an ideology is something that has you."

--Morris Berman


"Você devia ler sobre memes", foi o que aquele-amigo-que-não-tem-prenome-conhecido disse lá pelas tantas, no papo melhor estilo cabeça que levávamos por e-mail. Fiquei na pior; nunca tinha ouvido falar em memes. Mas dizem que a informação é livre e a internet é a maior prova disso, então, roído de curiosidade, fui ao pai dos burros virtual ver qual era. Não foi epifania, mas decididamente, uma daquelas descobertas em que se empacota um enorme feixe de neurônios, como se eu zipasse parte da minha memória, abrindo espaço para a entrada de mais informação nova.

Meme (pronúncia aportuguesada: mime), na melhor definição que eu encontrei, é "um padrão de informação que pode infectar parasiticamente a sua mente e alterar o seu comportamento, te fazendo querer expor essa idéia aos seus amigos, expondo-os, assim, ao vírus-idéia. Memes típicos incluem slogans individuais, idéias, frases de efeito, melodias, ícones, invenções e modas." Não é preciso que mais do que isso para admirar o inusitado do conceito biológico - o vírus - aplicado ao campo da ciências humanas. O tipo de ficha que quando cai, nos deixa com cara de besta, "como é que eu não pensei nisso antes?". Não parece razoável entender um slogan em termos de sua capacidade de infecção mental, ou uma música, pela sua capacidade de disseminação? Não parece estranho quando forma-se uma fila do nada, na rua, apenas porque alguém disse que alguma coisa seria distribuída, mesmo sem ter garantias do que?

Tudo que um publicitário mais quer da vida é fazer de seus slogans grudentos memes: "a número um", "as amarelinhas", "pipoca e guaraná". Tudo que um compositor pop, que escreva trilhas sonoras para novela das 8, quer é fazer de suas músicas autênticos memes, assobiáveis como Don't worry, be happy de Bobby McFerrin. Tudo que um estilista, ainda que dos mais elitistas, quer é que seus modelos - calças boca de sino, estampas religiosas, decote em V - invadam as vitrines e se espalhem pelas ruas como uma praga de gafanhotos, como um vírus de alto poder de infecção, como um... meme. Quem aí não se lembra da imensa coleção de memes-bordões criada por Max Nunes para os programas humorísticos de Jô Soares, que punham a cidade toda a repetir por aí: mui amigo, tem pai que é cego, Batista, cala a boca!, chose de loc, e por aí a fora. Como entender que um boneco horrível como o Mug tenha vendido tanto no final dos anos 60? Teria sido só a propaganda do Simonal? Um meme. Um potentíssimamente infeccioso meme.

A palavra meme foi introduzida no livro O Gene Egoísta pelo zoologista Richard Dawkins em 1976. Fundamentalista da linha darwiniana, Dawkins fez do último capítulo de seu primeiro livro um salto sem rede - não é todo autor estreante que sai propondo uma teoria nova & revolucionária logo de cara. No ensaio Viruses of the Mind, Dick Dawkins utiliza os vírus de computador (Dawkins conhece informática e escreveu uma série de programas no curso de seus estudos) para elaborar um modelo de epidemiologia informática, demonstrando como a mente poderia ser infectada por certos padrões de informação. Esses padrões, os memes (neologismo derivado de "memory" e de "même"), seriam replicantes parasitas, "devendo ser vistos como estruturas vivas, não apenas metaforicamente mas tecnicamente", capazes de "parasitar meu cérebro, tornando-o um veículo para a propagação dos memes do mesmo modo que um vírus pode parasitar o mecanismo genético de uma célula hospedeira", de acordo com o professor N.K. Humphrey, ao se valerem de 2 qualidades presentes tanto nas células (em parasitas de DNA), quanto nos computadores (para vírus de computador) ou cérebros (para memes): "a prontidão reproduzir precisamente informação, talvez com aguns erros que serão reproduzidos com precisão subseqüentemente, e a prontidão para obedecer instruções decodificadas na informação ora reproduzida." A analogia do vírus, como se vê, é mais sofisticada do que pode aparentar.

No final das contas, com os memes, Dawkins propõe que a teoria da evolução darwinista também poderia ser aplicada às informações. Assim como os genes, os memes seriam unidades fundamentais que alavancaram a evolução da vida pela capacidade de gerar cópias fiéis de si mesmo, com altas taxas de reprodução e longevidade. A seleção natural, por sua vez, beneficiaria memes mais fáceis de se compreender, lembrar e comunicar. Tudo muito bom, mas a tese de Dastardly Dick tem conseqüências incríveis: ao propor que, assim como um vírus precisa roubar DNA de bactérias para se reproduzir, as idéias precisam de... bem, precisam de homo sapiens sapiens, bípedes implumes, gente, para se reproduzir, não há como não ser tomado por um certo horror ao se olhar no espelho e constatar que esse rostinho lindo foi apenas um mecanismo extremamente sofisticado (um "fenótipo estendido") resultante da interação entre genes e memes desde os primeiros tempos, até chegar no estado de sofisticação atual (sem risos, por favor). Um vetor. Meio que nem o mosquito Aedes aegypti funciona para a dengue, para ficar num símile atual.

Parece ruim? Não, é só a sensação de mal estar que pinta toda vez que a gente se depara com uma tese que tira o ser humano de seu papel de maior invenção do mundo... Mas apertem os cintos, que o mal estar não acaba aqui. O principal exemplo que Dirty Dick usa para explicar sua tese em Viruses of the Mind é o da religião, segundo ele, o perfeito exemplo de vírus que se disseminou com resultados negativos (o comentário de Dawkins ao atentado de 11 de setembro podia ser resumido na seguinte legenda de cartum: "Eu disse que esse negócio de religião era uma péssima idéia!") pelos séculos e séculos. Quer dizer, Dastardly Dick não hesita em abrir fogo cerrado contra a igreja - eu disse igreja? Pois troca aí por toda a Igreja Católica, mais a Tradição muçulmana, mas o Hinduísmo, mais os kamikazes do xintoísmo, mais judaísmo... bom, contra todas as instituições religiosas juntas - no processo de comprovar sua teoria, ao mostrar que religião é tão somente mais um tipo de meme, com fortíssimo potencial de sobrevivência e contaminação. Vejam o filme Inherit the Wind, aquilo aconteceu de verdade, e imaginem aí a dor de cabeça que ele deve ter tido só com os creacionistas. Não é à toa que, num de seus momentos de menos paciência, Dawkins disse que você pode discutir tudo com qualquer um -- menos religião.

O estudo dos memes acabou por inaugurar uma ciência nova, a memética, ainda nascente enquanto digito essas linhas. Cientistas como Daniel Dennet e Susan Blackmore levaram a hipótese inicial de Dawkins adiante em seus livros. Mas o estudo memético não se resume ao campo da biologia, ou melhor, da sociobiologia, terreno onde Edward O. Wilson fincou sua bandeira. Na verdade, envolve conhecimentos de Linguística, História, teoria da Comunicação, Marketing, e aí por diante, ao tratar globalmente do mecanismo de propagação de idéias. E isso não é algo que interessa apenas a biólogos, mas a publicitários, e a gente como Seth Godin ou Hernani Dimantas, se ficarmos apenas nos teóricos. No terreno da comunicação, Cláudio Júlio Tognolli acabou endereçando a memética em seu livro sobre chavões de jornalismo - afinal, o que são lugares-comuns senão memes de sobrevivência extraordinária? Porque algo que sempre me intrigou foi a capacidade que certas pessoas têm de agregarem em torno de si um potencial enorme de lendas. Veja-se como exemplo o livro Ela é Carioca, de Ruy Castro: o que existe ali é uma verdadeira mitologia de Ipanema em um certo período; são todos personagens ao mesmo tempo atratores e geradores de histórias, idéias e frases que deram vazão a uma onda de valores muito coesa ao longo do tempo, cujo impacto se percebe claramente hoje. A memética ajudaria a compreender o surgimento e o comportamento histórico desses fenômenos.

Por isso a importância da teoria de Richard Dawkins: confirmando-se todas as hipóteses, e em combinação com a sociobiologia de Wilson, a memética permitiria determinar a complexidade do comportamento humano, com as atuais Ciências Humanas (História, Sociologia, Antropologia) convertendo-se, afinal, em subgrupos da Biologia. Tom Wolfe explica brilhantemente o que aconteceria em ensaio de seu último livro, Ficar ou não Ficar, já resenhado no Digestivo Cultural: tudo se torna determinístico. Nada depende do meio externo.

Para quem não entendeu nada dos últimos 2 parágrafos, na prática o que rola é que as reações de um certo subgrupo urbano a um anúncio de televisão, a resposta daquela morena espetacular às suas cantadas poéticas, até o sucesso de um compacto com a última novidade do brit-pop, tudo passa a ser calculável graças à sociobiologia. Mas não é preciso ficar preocupado, por enquanto: nenhum cientista conseguiu até hoje medir, ou ao menos ver, manifestações dos memes num cérebro humano. Não há provas de que eles sequer existem. Mas leitor, não ache que está livre: se, ao longo deste texto, você considerou a possibilidade das idéias se comportarem como vírus, ficou profundamente intrigado com a semelhança entre a maneira que idéias se propagam e a disseminação de um vírus, ou se assustou ao constatar que você mesmo já tinha sido infectado por uma série de padrões de vestir, falar ou pensar ao longo da vida, quase se convencendo que memes realmente existem, não se espante - você acabou de ser infectado pelo meme meme, ou meta-meme...

Para ir além
Ficar ou não Ficar - Tom Wolfe
O Gene Egoísta - Richard Dawkins
O Relojoeiro Cego - Richard Dawkins
The Meme Machine - Susan Blackmore
A Unidade do conhecimento: Consciliência - Edward O. Wilson

Páginas sobre memes na internet:
MemeCentral
UK Meme Central
MemePool


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 5/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
03. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
04. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
05. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/2/2002
10h55min
Tudo muito bonito. Só que essa teoria só funciona em termos de cultura pop. Fica meio difícil provar que quando concordo com certas idéias de Kant, em "Crítica da Razão Pura", estou recebendo seus memes. É claro que sempre se pode dizer algo como: "há memes mais simples e outros mais complexos". Mas, convenhamos, tudo tem limite. Parece que hoje em dia vale tudo. Alguém inventa uma hipótese que tem o mínimo de lógica e, a partir daí, se torna indispensável para todos a refutacão empírica. Enquanto ela não vem, a tese é super respeitada. É uma inversão da ciência, pois, que eu saiba, em ciência, toda tese é SUSPEITA ( e não VERDADEIRA ) até que se comprove empiricamente.
[Leia outros Comentários de Evandro]
5/2/2002
12h02min
Se tivesse lido o texto Viruses of the Mind, cujo link está prontinho na minha coluna, ao invés de sair xingando, Evandro, você teria visto que Richard Dawkins estabelece claramente no último capítulo que ciência não é meme. Falando nisso, memes ainda não são ciência, portanto, a tese dele ainda não passa de uma SUSPEITA.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
5/2/2002
12h13min
Desculpe. Acho que você não me entendeu. Não xinguei você. Seu texto está muito bom, até. Falei de ciência porque, para o grande público, quando um assunto sai em livros grossos assinados por cientistas, já é ciência. Talvez eu devesse reformular para o seguinte: os cientistas deveriam pesquisar mais antes de sair polemizando por aí com livros grossos e o mercado editorial brasileiro deveria traduzir algumas centenas de livros mais importantes, de autores como Faraday, Copérnico e Kepler, antes de aderir às últimas modas do momento. O debate científico hoje é mais caracterizado por suspeitas do que por pesquisas sérias. Estas podem até existir, mas não vendem tanto. Aí ocorre a inversão de que falei: as teses suspeitas são tão divulgadas e exploradas na mídia, que fica parecendo que é mais difícil refutá-las do que prová-las. Desculpe pelo palavrão. Quis ser engraçado apenas. Achei que escrever a palavra por extenso seria suficiente para que você percebesse o tom bem humorado.
[Leia outros Comentários de Evandro]
5/2/2002
12h55min
Apenas para complicar um pouco: nenhuma ciência é verdadeira, e nenhuma será jamais comprovada. David Hume já jogou areia nessa tese há mais de 250 anos e ninguém, nem Kant, conseguiu sair desse terrível cheque mate. O que a ciência pode é ser desmacarada, ou por inconsistência lógica ou por fazer previsões que a experiência demonstre falsa. Quanto mais testada (e não derrubada) mais confiável vai ficando a ciência, mas verdadeira "mesmo" ela jamais será.
[Leia outros Comentários de pedro servio]
7/2/2002
16h53min
Encontrei uma definição de meme melhor que a do começo do texto. Não chega a ser uma definição, é mais uma explicação. Mas é tão boa que tem até um cheiro poético: "É a 'ola' do estádio, é o arrastão, é todo mundo acendendo isqueiro no show, é o blog." O autor é o Mario AV, lá em http://marioav.blogspot.com/?/2002_02_01_marioav_archive.html
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
27/4/2002
21h17min
Caro Rafael Vc se esquece de citar o meu finado orientador de mestrado, Timothy Leary, o pai da memética, muito mais que o Dawkins
[Leia outros Comentários de Claudio tognolli]
3/3/2005
17h55min
Olha, eu achei que o texto explicou bem para nós, crianças, o que é ciência. Ainda mais porque eu estava numa pesquisa que não entendia nada e, pouco tempo depois, pronto! Já tinha a resposta na minha cabeça.
[Leia outros Comentários de Alexia Gama ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FORTUNA DE GASPAR (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
CONDESSA DE SÉGUR
DO BRASIL
R$ 10,00



CYRANO DE BERGERAC
EDMOND ROSTAND
OBJETIVO
R$ 6,00



DE OLHO NA MORTE E ANTES
FERNANDO FORTES
ATELIÊ EDITORIAL
(2012)
R$ 22,00



OXFORD ADVANCED LEARNERS DICTIONARY
A. S. HORBNY
OXFORD
(2000)
R$ 30,00



ALICE PARA SEMPRE
ELTON LICKS
BESOUROBOX
R$ 26,00



FISIOLOGIA CELULAR
DAVID LANDOWNE
MCGRAW HILL ARTMED
(2006)
R$ 67,00



NEW ENGLISH 900 BOOK 1
COLLIER MACMILLAN INTERNACIONAL
ENGLISH LANGUAGE SERVICES
(1978)
R$ 15,00



IL NUOVO DOMANI
MAEVE BINCHY
SPERLING & KUPFER
(1998)
R$ 50,00
+ frete grátis



SÓ O AMOR É REAL
BRIAN L. WEISS
ALAMANDRA
(1996)
R$ 4,00



CRIME E CASTIGO
FIÓDOR DOSTOIÉVSKI
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 28,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês