Quem entende de História e quem se faz entender | Sergio Amaral Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/5/2002
Quem entende de História e quem se faz entender
Sergio Amaral Silva

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Principalmente a partir dos anos 80, tem crescido o interesse do público brasileiro pelas biografias, resultando em sucessos editoriais como Olga e Chatô, de Fernando Morais; O Anjo Pornográfico e Estrela Solitária, de Ruy Castro; ou Mauá, de Jorge Caldeira. Os autores desses best-sellers são jornalistas e não historiadores.

Tentando fazer com que os acadêmicos participem desse boom, a Editora da Fundação Getúlio Vargas, do Rio de Janeiro, lançou a coleção "Os que fazem a História". Segundo a editora-executiva Alzira Alves de Abreu, um historiador ou cientista social, "utilizando métodos rigorosos de pesquisa, busca controlar os dados e informações obtidos nas mais diversas fontes". Assim, seria capaz de "uma narração histórica construída a partir de pressupostos e métodos da disciplina histórica".

E a que leitor se destina a coleção, "comprometida com as características da historiografia contemporânea moderna e/ou pós-moderna, conforme a opção ou não do autor pelo "realismo histórico"? Para seu coordenador, o professor Francisco Calazans Falcon, da PUC carioca, "a um público diversificado", incluindo estudantes secundários e universitários e "todos os que se interessam pela construção do nosso passado e pela compreensão do nosso presente". Ou seja: biografias feitas por quem entende do assunto, para um leitor não necessariamente iniciado.

O primeiro dos três novos lançamentos é José Bonifácio (1763-1838), escrito por Berenice Cavalcante, doutora em História Social e professora da PUC-RJ.

Paulista de Santos, Bonifácio passou uma longa temporada de estudos na Europa, especializando-se em mineralogia e só retornando ao Brasil em 1819, já às vésperas da Independência.

Na Corte, conquista a confiança de Pedro I, sobre o qual exerce grande influência, inclusive graças à maçonaria, da qual ambos faziam parte. Em maio de 1822, assume a posição mais elevada da maçonaria, a de Grão-Mestre, cargo que passa a d. Pedro logo após o 7 de setembro.

Como ministro do novo Império, Bonifácio defende a abolição da escravatura e a integração social dos índios, contrariando o interesse das elites e acaba por desentender-se com o imperador. Deputado à Constituinte fechada por d. Pedro, é preso e exilado para a França, em 1824, voltando ao Brasil em 1829.

Forçado a abdicar em 1831, o imperador nomeia José Bonifácio tutor de seus filhos, inclusive do herdeiro do trono, então com cinco anos. Acusado de conspirar e perturbar a ordem pública, perde a tutoria e é de novo preso. A autora destaca a ética como principal característica do Patriarca da Independência que, absolvido, morre em Paquetá, aos setenta e cinco anos.

José de Alencar (1829-1877) é a personagem de Antonio Edmilson Martins Rodrigues, livre-docente em História e professor da PUC-RJ, da UERJ e da UFF. Ele abre o livro com um capítulo em primeira pessoa, como se o próprio romancista de Iracema e O Guarani resumisse os principais episódios de sua vida. A partir daí, cita autores clássicos que escreveram sobre Alencar, realçando os acontecimentos mais marcantes.

Nesse retrato harmonioso em que se fundem o político e o literato, sobressaem os traços do patriota que tinha um projeto para o Brasil e cuja literatura inovadora foi um dos instrumentos de realização. Várias vezes deputado, Alencar sintetizou suas posições políticas nas Cartas de Erasmo, em que se dirige ao imperador Pedro II, diagnosticando a crise brasileira na década de 1860.

Apesar da postura crítica, Alencar chegou a ser ministro da Justiça entre 1868 e 1869. Deixou o gabinete quando d. Pedro não aprovou sua candidatura ao Senado, alegando que ele era muito jovem. Alencar teria respondido que, nesse caso, o imperador não deveria ter aceito a antecipação da maioridade, assumindo o trono aos quatorze anos...

Embora tenha morrido precocemente, aos quarenta e oito anos, Alencar construiu uma importante obra. Para Rodrigues, "não foi apenas o fundador da literatura brasileira; não foi apenas o homem que mostrou a capacidade de idéias e imaginação que o país possuía, mas sim um grande descobridor do Brasil".

Já o padre Antônio Vieira (1608-1697) é o tema de Marcus Alexandre Motta, doutor em História. Vieira, famoso como orador e por seus Sermões, dificilmente se tornará mais conhecido através desta obra sobre sua vida. Motta decidiu narrar a trajetória do jesuíta barroco como se escrevesse uma peça de teatro com três personagens: a Ironia, o Luto e o Mar.

Os dados essenciais, é claro, estão lá: o célebre "estalo" no cérebro, quando o jovem suplica à Virgem que lhe conceda o talento que não tinha, as inúmeras viagens e pregações, a defesa da liberdade dos índios, o julgamento pela Inquisição. Mas entremeados de diálogos por vezes longos, grandiloqüentes, filosóficos e até de difícil compreensão.

Um pequeno exemplo? Da página 39: "Mar - Gosto da seguinte idéia: a biografia de Vieira, desfocada e desolada, coagula a hemorragia da composição originária dos Descobrimentos portugueses. Ironia - O senhor quer dizer: a individualidade de Vieira se confunde na ilusão narrativa daquele fato. Algo da apreensão fantasmática de si, enquanto indivíduo ao alcance daquela fatalidade histórica."

Se o livro não deveria destinar-se a especialistas acadêmicos, mas a um público diversificado, não chega a dar saudades do estilo fluente dos jornalistas-biógrafos? O próprio Motta recomenda, dirigindo-se ao leitor que espera "a exaustão do que se pode admitir como uma biografia de Antônio Vieira": não leia...

Para ir além

* José Bonifácio: razão e sensibilidade, uma história em três tempos, de Berenice Cavalcante, 136 págs.;



* José de Alencar: o poeta armado do século XIX, de Antonio Edmilson Martins Rodrigues, 156 págs.;



* Antônio Vieira: infalível náufragio, de Marcus Alexandre Motta, 164 págs., R$ 14 cada volume, Editora FGV.


Sergio Amaral Silva
São Paulo, 29/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
05. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos


Mais Sergio Amaral Silva
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/5/2002
09h17min
Excelente resenha feita por Sérgio Amaral, que acompanho em vários trabalhos. Espero ver mais de suas resenhas neste site.
[Leia outros Comentários de Ricardo de Jesus Mor]
7/6/2002
11h06min
Muito bom, como sempre, o trabalho do Sérgio Amaral. Quero mais.
[Leia outros Comentários de Decio Tambelli]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês