Dicas Culturais: Lúcio Alves e Kathe Kollwitz | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Santa Xuxa contra a hipocrisia atual
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Mais Recentes
>>> Um bebê em casa - um guia prático com informações, dicas e curiosidades, da gravidez ao primeiro aninho. de Chis Flores pela Panda Books (2011)
>>> O Pensamento Político De Érico Veríssimo de Daniel Fresnot pela Graal (1977)
>>> Sobre a Literatura de Marcel Proust pela Pontes (1989)
>>> Poemas Sacros de Menotti Del Picchia pela Martins (1992)
>>> O Grotesco Na Criação De Machado De Assis de Maria Eurides Pitombeira de Freitas pela Presença (1981)
>>> Machado De Assis Para Principiantes de Org. Marcos Bagno pela Ática (1998)
>>> A Barca Dos Amantes de Antônio Barreto pela (1989)
>>> O Tao da Respiração Natural de Dennis Lewis pela Pensamento (1997)
>>> O Aprendiz Da Madrugada de Luiz Carlos Lisboa pela Gente (1994)
>>> Vencendo nos Vales da Vida de Ray Conceição pela Holy Bible (1995)
>>> Eça, Discípulo De Machado de Alberto Machado Da Rosa pela Editora Fundo De Cultura (1963)
>>> Perdão A Cura para Todos os Males de Gerald G. Jampolsky pela Cultrix (2006)
>>> Em Quincas Borba De Machado De Assis de Ivan C. Monteiro E Outro pela Livraria Acadêmica (1966)
>>> A Liberação Da Mente Através Do Tantra Yoga de Ananda Marga pela Ananda Marga Publicaçãoes (2002)
>>> O Oráculo Interior de Dick Sutphen pela Nova Era (1994)
>>> Manual Do Terapeuta Profissional De Segundo Grau de David G. Jarrell pela Pensamento (1995)
>>> O Discurso Da Libertação na Sinagoga De Nazaré de org. Leonardo Boff entre outros pela Vozes (1974)
>>> O Pensar Sacramental REB 35 de org. Leonardo Boff entre outros pela Vozes (1975)
>>> Meditações Diárias Para Casais de Dennis e Barbara Rainey pela United Press (1998)
>>> Machado De Assis de org. por Luís Martins pela Iris
>>> Massagem Para Energizar Os Chakras de Marianne Uhl pela Nova Era (2001)
>>> O Mundo Social Do Quincas Borba de Flávio Loureiro Chaves pela Movimento (1974)
>>> Pensamento Diário de Elsa kouber (entre outros) pela Rádio Transmundial (2019)
>>> O Que É Esta Religião? de Ibps do Brasil (org) pela Ibps do Brasil
>>> Meditando a Vida de Padma Samten pela Peirópolis (2001)
>>> O Poder Da Paciência de M. J. Rayan pela Sextante (2006)
>>> Liberdade? Nem Pensar! de Aquino e Bello pela Record (2001)
>>> Desafio Educacional Japonês de Merry Whitte pela Brasiliense (1988)
>>> As Flores Do Mal Nos Jardins De Itabira de Gilda Salem Szklo pela Agir (1995)
>>> A Era Do Inconcebível de Joshua Cooper Ramo pela Companhia Das Lestras (2010)
>>> A Voz e a Série de Flora Süssekind pela Sette Letras (1998)
>>> Cure Seu Corpo de Louise L. Hay pela Best Seller (2004)
>>> História Viva De Um Ideal de Hélio Brandão pela Do autor (1996)
>>> Cure Seu Corpo de Louise L. Hay pela Dag Gráfica
>>> Índice Analítico Do Vocabulário De Os Lusíadas J-Z de Org. por A. G. Cunha pela Instituto Nacional Do Livro (1966)
>>> Sempre Zen Aprender Ensinar E Ser de Monja Coen pela Publifolha (2006)
>>> I Ching O Livro das Mutações de Não Informado pela Hemus (1984)
>>> Via Zen Reflexões Sobre O Instante e O Caminho de Monja Coen pela Publifolha (2004)
>>> Praticando o Poder Do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2005)
>>> La Théologie De La Foi Chez Bultmann de J. Florkowski pela Du Cerf (1971)
>>> Quatre Vingt Neuf de Georges Lefebvre pela Sociales (1964)
>>> Haikai de Paulo Franchetti (e outros) pela Unicamp (1991)
>>> As Razões Da Inconfidência de Antônio Torres pela Itatiaia (1956)
>>> Estratégias e Máscaras de um Fingidor, Crônicas de Machado De Assis de Dilson F. Cruz Jr pela Nankin editorial (2002)
>>> Anjo Caído de Daniel Silva pela Arqueiro (2013)
>>> A Paz Interior de Joseph Murphy pela Nova Era (2000)
>>> A Pedra e o Rio ( uma interpretação da poesia de João Cabral de Melo Neto) de Lauro Escorel pela Livraria Duas Cidades LTDA. (1973)
>>> Como Utilizar O Seu Poder De Cura de Joseph Murphy pela Nova Era (1997)
>>> Os sete Crimes De Édipo de Pedro Américo Corrêa Netto pela Agir (1987)
>>> Transportes Pelo Olhar de Machado de Assis de Ana Luiza Andrade pela Grifos (1999)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/1/2004
Dicas Culturais: Lúcio Alves e Kathe Kollwitz
Maurício Dias

+ de 4100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Charles Gavin é um dos membros do grupo de rock Titãs. Como tal, teve alguma importância na formação de quem, como eu, era adolescente na segunda metade da década de 80. Cabeça Dinossauro é um disco histórico no pop nacional.

Nos últimos anos Charles tem alternado o lado de músico com o de pesquisador e divulgador da MPB. É o responsável pela remasterização e lançamento de muitos discos significativos do passado. Junto à Odeon lançou uma série comemorando os 100 anos da gravadora que, entre outras pérolas, inclui dois discos de Lúcio Alves, o gênio da raça.

Lúcio (1927-1993) foi o maior cantor que o Brasil já teve, não só pela linda voz; não só por se adaptar a qualquer ritmo, usando pausas ou alongando fonemas quando achava necessário; mas por um calor humano que acompanha o seu canto e extrapola o terreno musical.

Em O Apanhador No Campo de Centeio – já há uma década passei da idade de citar esse livro, mas vá lá – J.D. Salinger critica a literatura de Hemingway, dizendo que “livro bom é o livro que você lê e tem vontade de ser amigo do autor”. O canto de Lúcio Alves é justamente isso: você ouve e quer ser amigo do cara. Toda a vivência e sabedoria – e porque não, uma pequena dose de malandragem, no sentido antigo da palavra? – que emanam dos discos mostram que aquele sujeito devia ser um ótimo papo num bar, aquele amigo mais velho, que quando você está começando a ganhar pêlos no rosto, chega um dia, bota um uísque na tua mão e fala: – "Faz parte da educação de um homem saber beber."

O mesmo sujeito que se você beber demais e ficar inconveniente te dará uma bronca por não ter controle, mas que, se preciso for, te leva pra casa e te bota com roupa e tudo debaixo do chuveiro pra curar o porre.

Bom, chega de conversa. Os discos são Lúcio Alves, Sua Voz Íntima, Sua Bossa Nova Interpretando Sambas Em 3-D e Doris e Lúcio (com Dóris Monteiro).

São duas obras-primas, o primeiro com arranjos do maestro Gaya, e o segundo com a brilhante dupla de cantores acompanhados por um quarteto (com órgão em vez de piano). A voz de Lúcio aqui está ainda melhor, mais madura. E Doris está a altura do parceiro, cantando baixinho e com grande elegância.

Quem gosta de boa música, tem que ouvir estes CDs com atenção. São uma aula de MPB, do começo ao fim, com repertório maravilhosamente adequado. E sobre Lúcio Alves, quem quiser saber mais dele, recomendo o livro ABC do Sérgio Cabral (Editora Codecri, 1979), onde há uma bela entrevista feita nos anos 70 com um Lúcio já cansado da falta de reconhecimento do grande público (ele nunca fora um cantor muito popular, embora todos respeitassem seu inquestionável e imenso talento). Na época o cantor sobrevivia trabalhando como produtor de programas de TV.

Mudando de assunto, Kathe Kollwitz foi uma artista alemã que viveu de 1867 a 1945, período em que seu país atravessou duas Guerras brutais, a ascensão do nazismo, terríveis agitações sociais e outras catástrofes menores. Kathe, de formação socialista, passou a década de 1890 e o período de 1900-1905 utilizando sua arte expressionista para realizar gravuras que mostravam as duras condições de vida dos operários, e conclamando à organização da classe e a resistência armada contra o opressor – o patrão.

Quem já leu algo que eu tenha escrito sabe o que penso sobre arte engajada. Mas Kathe morreu anos antes de sair o relatório Kruschev, que mostrava ao mundo o que fora a experiência marxista na prática. Seu trabalho tem uma qualidade expressiva e um alternância de claro e escuro que até hoje só vi nas gravuras de Rembrandt - apesar de Kathe sofrer de uma paixão pela desesperança e miséria que ao longo do século XX se tornaria um recurso de fácil apelo e um clichê nas mãos de artistas sem talento. Alguns dos mais renomados cineastas brasileiros da década de 1990 têm a mesma “paixão pela desesperança e miséria” e pouquíssimo talento para concretizá-la.

Já na década de 1900, Kathe foi se tornando mais e mais amarga, e a morte se torna um "personagem" (personagem mesmo, a morte surge encarnada) constante em sua obra.

Kathe Kollwitz foi a mulher mais relevante no mundo das artes visuais, e até semanas atrás eu desconhecia seu trabalho. Falha imperdoável para alguém que se dedica a estudar arte. Veja o trabalho dela aqui ou neste outro link. Clique nas imagens para ampliá-las.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 14/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
02. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo
03. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte de Jardel Dias Cavalcanti
04. Como sobreviver ao Divórcio de Ricardo Lísias de Isabella Ypiranga Monteiro
05. A pintura intempestiva de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias
01. 100 homens que mudaram a História do Mundo - 16/3/2004
02. Crítica à arte contemporânea - 20/5/2002
03. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
04. Escrita e Artes Visuais - 21/11/2002
05. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/1/2004
02h18min
Kathe Kollwitz perdeu um filho de 18 anos na primeira guerra mundial, daí talvez tenha vindo sua morbidez.
[Leia outros Comentários de Ana Couto]
22/1/2004
13h41min
Ana, obrigado pelo comentário. Certamente este fato por vc apontado contribuiu, mas antes da Guerra, em gravuras de 1907, 1910, etc., a morbidez, talvez premonitória, já podia ser notada no trabalho da artista.
[Leia outros Comentários de Mauricio Dias ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RELAÇÕES PÚBLICAS: CASOS ATUAIS - PERSPECTIVAS FUTURAS
ANTONIO DE LISBOA MELLO E FREITAS
SULINA / ARI
(1985)
R$ 20,00



OS MELHORES GESTORES, SUAS LIÇÕES
PAUL B. THORNTON
CLÁSSICA
(1993)
R$ 16,50



AMOR DIVIDIDO
BARBARA PYM
RECORD
(1978)
R$ 7,90



CRIANÇAS OK
ALVYN E MARGARET FREED
ARTENOVA
(1977)
R$ 10,00



É FÁCIL SER AUDITOR
ROGÉRIO PFALTZGRAFF
PALLAS
(1975)
R$ 5,00



EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A LÓGICA DAS COMPETÊNCIAS
FERNANDO FIDALGO/ MARIA AUXILIADORA/ NARA LUCIENE
VOZES
(2007)
R$ 18,00



PRODUÇAO GRAFICA - NOVAS TECNOLOGIAS
CLAUDIO SILVA
NÃO INFORMADA
(2009)
R$ 54,90



RENASCIMENTO E HUMANISMO
TERESA VAN ACKER
ATUAL
(1992)
R$ 9,80



DICIONÁRIO DE ÉTICA ECONÔMICA
GEORGES ENDERLE/ KARL HOMANN E OUTROS
USINOS
(1997)
R$ 9,90



OS PALESTINOS
MARCOS MARGULIES
DOCUMENTARIO
(1979)
R$ 7,90





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês