A verdade sobre o MST | Félix Maier | Digestivo Cultural

busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Nos porões da ditadura
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O filósofo da contracultura
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> 20 de Agosto #digestivo10anos
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Saints and Sinners
>>> Não há vagas? Então viva a informalidade!
Mais Recentes
>>> Nutrição e Suplementação Esportiva. Aspectos Metabólicos, Fitoterápicos e da Nutrigenômica - 8C de Luiz Carlos Carnevali Junior pela Phorte (2015)
>>> Direito Marítimo de Leandro Raphael pela Aduaneiras (2003)
>>> Guia para avaliações do condicionamento físico - 8C de Todd Miller pela Manole (2014)
>>> O evangelho e a vida Marcos de Preparado; Frei Gilberto Gorgulho / Ana Flora Anderson pela Paulinas (1978)
>>> Letter Mag Young 03/06 - Letter Zone - In Touch - Junior de Liane Keil pela Deutsche Post (2006)
>>> Revistas Fã Clube Turma do Dani de Ew pela Ew (2002)
>>> Letter Mag Young 02/06- Letter Zone- In Touch - Star Tracks de Liane Keil pela Deutsche Post (2006)
>>> Atrevi-me a chamar-lhe pai de Bilquis Sheikh / Richard Schneider pela Vida (1996)
>>> Letter Mag Young 01/06 -fun & Action - In Touch - Junior de Liane Keil pela Deutsche Post (2006)
>>> Direito do Petróleo - Conteúdo Local de Luiz Cezar P. Quintans pela Freitas Bastos (2010)
>>> A China Sacode o Mundo. de James Kynge pela Globo (2007)
>>> Metodologias Ativas para uma Educação Inovadora: Uma Abordagem Teórico-Prática de Lilian Bacich pela Penso (2017)
>>> 60 minutos para aprender JAVA. de Ed Tittel & Mark Gaither pela Berkeley Brasil (1995)
>>> A Sala de Aula Inovadora: Estratégias Pedagógicas para Fomentar o Aprendizado Ativo de Fausto Camargo pela Penso (2018)
>>> A Sala de Aula Inovadora: Estratégias Pedagógicas para Fomentar o Aprendizado Ativo de Fausto Camargo pela Penso (2018)
>>> Sim, sim! Não, não! de Pe. Jonas Abib pela Canção Nova (2004)
>>> A mulher na janela de A.J. Finn pela Arqueiro (2018)
>>> Delacroix Escapa das Chamas. Um romance em 4 tempos. de Edson Aran pela Record (2009)
>>> Serena. Um Romance. de Ian McEwan pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Oeuvres Complètes Tome II de Jean Genet pela Gallimard (1953)
>>> Perspectivas da Tecnologia Educacional. de Organizador: João Batista Araújo e Oliveira pela Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais (1977)
>>> Tales of Mystery and Imagination. (level 5) de Edgar Allan Poe pela Penguin Readers (2001)
>>> Runner, A Perseguição. de Patrick Lee pela Universo dos Livros (2016)
>>> Falando, lendo, escrevendo, português para estrangeiros de Gabriele Forst pela Pedagógica e universitária ltda (1989)
>>> Tributação dos Serviços de Comunicação de Walter Gazzano dos Santos Filho pela CenoFisco (2004)
>>> Temas de Direito Constitucional - Volume II de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2003)
>>> Ritual da unção dos enfermos e sua assistência pastoral de Coordenador, Frei Alberto Beckhãuser pela Paulus (1999)
>>> Síntese de História de México de C. Gonzalez Blackaller Y L. Guevara Ramirez pela Herrero (1971)
>>> Um Certo Verão na Sicília. Uma história de amor. de Marlena de Blasi pela Objetiva (2009)
>>> Deus em questões de André Frossard pela Quadrante (1991)
>>> O diário de um mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Germinal. de Émile Zola pela Companhia Das Letras (2004)
>>> Espelho não mente de Shirley Souza pela Escala educacional (2008)
>>> Laços Eternos. de Zibia Gasparetto ditado pelo espírito Lucius. pela Vida E Consciência (2005)
>>> A vida secreta das árvores de Peter Wohllben pela Sextante (2017)
>>> Dez leis para ser feliz. Auto-estima de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> As 25 leis bíblicas do sucesso de William Douglas e Rubens Teixeira pela Sextante (2012)
>>> A divina liturgia de São João Crisóstomo de Responsável: Reverendo Padre Gregório pela Arquidiocese de São Paulo (2007)
>>> Inteligência sócioemocional, a Formação de Mentes Brilhantes de Algusto Cury pela Ei (2013)
>>> Feed. Conexão Fatal. de M. T. Anderson pela Rocco (2007)
>>> Querido John. O que você faria com uma carta que mudasse tudo? de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Baudolino. de Umberto Eco pela Record (2001)
>>> Perdas & Ganhos. de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Hoje acordei gorda de Stella Florence pela Rocco (1999)
>>> Resposta certa de David Nicholls ; tradução de Claudio carina pela Intrínseca (2012)
>>> Evangelizemos o mundo de Osvald J. Smith pela O. S. Boyer (1974)
>>> Uma Casa em Flandres. de Michael Jenkins pela Best Seller (2001)
>>> A escolha de Elphame. de P. C. Cast pela Harlequim (2011)
>>> A segunda esposa. de Elizabeth Buchan pela Record (2009)
>>> Sem Dizer Adeus. de Penny Richards pela Best Seller (2003)
COLUNAS

Terça-feira, 4/3/2003
A verdade sobre o MST
Félix Maier

+ de 21200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

O jornalista Nelson Barreto, em palestra realizada para membros do Instituto Liberal de Brasília, no dia 20 de fevereiro do ano em curso, discorreu sobre uma tese de mestrado que defendeu perante a Universidade de Brasília (UnB), no curso de jornalismo, que trata da "reforma agrária" brasileira, mais especificamente, o MST.

Para tal trabalho, Barreto viajou mais de 20 mil km pelo Brasil, do Nordeste ao Rio Grande do Sul, visitando muitos acampamentos e assentamentos tidos como "modelos".

Iniciou o apresentador dizendo que a primeira reforma agrária ocorreu no México, em 1915, seguido da Rússia, em 1917. Reformas agrárias foram também implantadas em todos os países comunistas do Leste europeu, na China comunista, na Colômbia, no Peru (feita pelos militares), no Chile. Todos esses projetos fracassaram rotundamente. Em 1999, o Egito revogou a reforma agrária iniciada por Násser, no início da década de 1950.

No Brasil, a reforma agrária, como a conhecemos, tem sido apoiada por todos os últimos presidentes, a começar por Tancredo Neves, e continuando por Sarney, FHC e, agora, Lula. O movimento agrário começou a tomar vulto com o MST, a partir de 1985, com o apoio da ala progressista da Igreja Católica, especialmente a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs).

"Toda revolução deve se basear na reforma agrária" - sentenciou Che Guevara, atual patrono do MST. O sistema em que se baseia o MST - o minifúndio - está em decadência no mundo inteiro. Nas últimas décadas, o avanço tecnológico no campo reduziu drasticamente o número de agricultores, que hoje produzem muito mais com muito menos pessoal. No Brasil, há ainda em torno de 5,5 milhões de propriedades. Os EUA, um dos maiores produtores de gêneros alimentícios do mundo, devido à sua alta tecnologia, têm menos de 2% de sua força de trabalho ocupada na agricultura. Naquele país havia 6 milhões de propriedades, hoje existem apenas 1 milhão.

O INCRA, ao cadastrar as propriedades brasileiras, muitas vezes emite dados incorretos, com erros grosseiros, pois se baseia em cartórios com documentos desatualizados ou falsos. Por exemplo, pôde ser constado um erro grave em São Paulo, Estado que tinha, segundo o INCRA, uma área duas vezes maior do que a realidade. Os tais 32 "latifúndios" que o INCRA dizia existirem no Estado nunca foram encontrados...

Durante o Governo FHC, 30 mil produtores rurais entregaram um manifesto ao Ministro da Agricultura, Andrade Vieira, para estudar os resultados da reforma agrária em andamento e corrigir o sistema, ou mesmo acabar com tal reforma, já que não vinha dando o retorno esperado, apesar das altas somas de verbas empregadas no projeto.

Durante os dois mandatos de FHC, foram assentadas 600 mil famílias, ao custo de aproximadamente R$ 20 bilhões (!!!), em uma área de 20 milhões de hectares, que eqüivale à área do Estado do Paraná. O MST tornou-se, assim, o maior latifundiário do Brasil, depois dos indígenas, também assentados em vastas reservas. Por exemplo, os Ianomâmis, com uma população pouco acima de 10 mil pessoas, têm um Portugal inteiro à sua disposição - o maior latifúndio do planeta.

Mostrou Barreto um slide de uma manchete do jornal Correio Braziliense, "Reforma agrária rende R$ 120 milhões por ano". Na verdade, o CB apenas estava fazendo uma propaganda enganosa, já que apenas 6,5% das famílias conseguem auferir uma renda de R$ 250,00 por mês. Para provar que o atual sistema de reforma agrária é o mais acabado fracasso já havido em nosso País, basta dizer que o MST, com todas as terras ocupadas equivalentes - como se disse - a um Paraná inteiro, praticamente nada produz, ao contrário do próprio Paraná, cujos produtores, fora do esquema da "reforma agrária" do MST, ocupando 1/3 da área do Estado, produzem 20% de toda a produção agrícola do País, ajudando o Brasil neste difícil momento a obter preciosas divisas no exterior.

Nos 4.000 assentamentos do MST hoje existentes no País, 80% dessas famílias somente sobrevivem graças à ajuda do Governo. São os novos "funcionários públicos", como dizia FHC, com direito a receber sua "pensão", que está se tornando vitalícia, já que nunca conseguem sua emancipação. A verba que o Governo FHC destinou a cada família assentada, a título de auxílio habitação e despesas iniciais para o plantio, foi em torno de R$ 50.000,00. Porém, essa verba foi desviada, por muitos assentados, para a aquisição de uma TV e de uma parabólica! Casas de alvenaria, que começaram a aparecer nos assentamentos durante o Governo FHC, ainda são uma raridade. O dinheiro foi torrado, porém a maioria dos barracos continuam com lona e barro batido, não há mesas nem cadeiras em muitas residências, poucas plantações são realizadas.

Os créditos destinados aos "agricultores" do MST, provenientes do Banco do Brasil, normalmente não são honrados. Mesmo quando há parecer técnico contrário à liberação de mais verbas para os assentados com dívidas, vem uma ordem superior para que mais dinheiro seja drenado para o ralo sem fundo do MST. Afinal, os "acantonamentos" em frente aos bancos, ou invasão dos mesmos pela horda furiosa que empunha foices e facões, é uma pressão que Governo estadual nenhum se permite contrariar.

Ao PROCERA, igualmente, ninguém paga. Somente 1 entre 1.000 (o,1%) honra seu compromisso. E o dinheiro do contribuinte continua fluindo para o ralo.

"O boi expulsa o homem do campo" - diz uma ladainha do "messetê". Os líderes do MST associam a criação do gado a coisa de "latifundiário", portanto, algo que deve ser combatido com o máximo rigor. Porém, chegou-se à conclusão de que, em muitos acampamentos, são as poucas vaquinhas existentes que garantem o leite das crianças.

A propaganda feita pelo MST e o INCRA sobre assentamentos "modelos" é eficaz, pois todos acreditam que são um paraíso na terra, a "canaã" prometida por frei Betto, um dos principais assessores do movimento. E a imprensa contribui para que todos acreditem nessa mentira. Porém, a mais inquebrantável fé acaba com uma simples visita a qualquer desses acampamentos.

Por exemplo, há um assentamento "modelo" no Rio Grande do Sul, de Annoni (nome do antigo proprietário), que já produziu até um filme, "Terra de Rose", que ganhou prêmio da CNBB. Porém, ao conhecer a realidade, Barreto afirmou que apenas 11% das famílias ficaram com o "filé mignon", pois têm cooperativa, máquinas agrícolas modernas e um até um mercado, tudo adquirido com dinheiro do INCRA. O restante dos assentados estão na miséria, vivendo na maior favela rural da América Latina. A principal fonte de renda desses miseráveis é a extração indiscriminada de madeira, promovendo uma devastação sem limites. Caminhões com toras foram vistos por Barreto, cujos colonos fugiram quando viram a máquina fotográfica. O tal supermercado, propagandeado pelo MST e pelo INCRA como uma espécie de "Pão de Açúcar" rural, com gôndolas e tudo, na verdade não passa de um armazém precário, num espaço de 6x6 metros, com os produtos expostos em precárias prateleiras...

Na Fazenda São Joaquim, no Ceará, Barreto viu uma devastação ainda maior. Um pomar de 5.000 pés-de-laranja foi colocado abaixo para fazer lenha. Os coqueiros foram cortados, para colher o coco. "Não sabemos se vamos ficar aqui mesmo..." - justificou um assentado. Das 140 vacas que havia no assentamento, a metade já morreu ou virou churrasco, pois a área é precária em vegetação para as reses.

Em um assentamento da Bahia, há também devastação florestal para fazer carvão, que é carregado em sacos no lombo de jegues até o comércio. O galpão do assentamento, que seria para guardar a produção colhida no assentamento, está vazio - como ocorre na maior parte dos assentamentos do MST. Mas, como disse um assentado, o galpão tem a sua utilidade, pois serve "pra dar uma sombrinha". As casas dos agricultores são verdadeiras taperas, porém não falta a antena parabólica... Meninos foram vistos trabalhando nas carvoarias do acampamento.

Em Promissão, SP, há um assentamento que leva o nome do Padre Josimo, assassinado por pistoleiros há alguns anos. A miséria campeia solta no local, a produção é nula, porém existe um forte intercâmbio com Cuba.

A FAO, órgão da ONU para a agricultura, fez, em 1991, um estudo em 44 assentamentos do MST, em que participaram veterinários, agrônomos e PhDs. A organização afirmou que a média de renda das famílias era de 5 a 6 salários mínimos, e que no assentamento São Pedro, perto de Porto Alegre, a renda era de 12 salários. A empulhação da FAO foi desmascarada pelos próprios assentados de São Pedro, que disseram a Barreto que mal conseguem sobreviver, nem energia elétrica há no local.

A "agroindústria" do MST também é alardeada pelo movimento e pelo INCRA como coisa de primeiro mundo. Porém, o que Barreto viu in loco foi um sistema de africanização de muitos assentamentos, que aliam a devastação a um sistema de indústria primitivo, sem valor econômico. Por exemplo, no Nordeste, muitas "indústrias" de doce de leite não passam de alguns galpões precários com pequenos tachos enegrecidos pelo fogo. O mesmo ocorre em Santa Catarina, com tachos semelhantes para fazer açúcar mascavo ou rapadura.

No Pontal do Paranapanema, foi tentada uma criação de bicho-da-seda, que seria um projeto formidável, destinado inclusive à exportação. Devido à falta de conhecimento do assunto, o projeto fracassou e foi abandonado, mais dinheiro público foi para o ralo da ganância e da incompetência. Aliás, a região do Pontal, outrora rica em produção agrícola, hoje está em plena decadência, com terras perdendo seguidamente o valor, devido às seguidas invasões do MST.

Tancredo já brandia seu discurso, "justiça para os posseiros". O que se vê em muitas fazendas tomadas por assentados é o líder ocupar a casa-sede, muitas vezes palacetes com dois andares, enquanto o resto mora em barracos precários. É a "dacha" destinada à "nova nomenklatura brasileira".

A titulação de terras praticamente nunca é feita aos assentados, já que não conseguem se emancipar, pois, como vimos, 80% deles não conseguem sequer arcar com a própria sobrevivência, dependentes eternos que são do Estado assistencialista. Muitos dos assentados, desiludidos, estão chegando à amarga conclusão de que nada valeram dez, quinze anos de invasões, marchas e manifestações, pois não possuem nenhum patrimônio, enquanto que parentes, que partiram para o trabalho por conta própria, hoje estão em situação muito melhor, trabalhando as suas próprias terras. A maioria dos assentados arrendam as terras a fazendeiros, ou trabalham para estes, desvirtuando completamente o destino das terras desapropriadas. Porém, os parcos recursos que recebem como "bóias-frias" é o que garante o sustento de muitas famílias assentadas.

Acrescentou Barreto, à guisa de informação, que nas favelas brasileiras a média de permanência do favelado é de cinco anos. Em cinco anos, o favelado já saiu da favela para uma casa decente, ou, no mínimo, conseguiu fazer benfeitorias consideráveis em seu "barraco". Nas favelas do MST, sem garantia da titulação da terra, o rancho em decadência apenas aumenta a agonia do assentado, cuja permanência naquele inferno parece ser eterna. Um slide de Barreto mostrou uma menina com uma tristeza infinita, denunciada pela sua boca caída, envelhecida precocemente, com o olhar alienado, traumatizada por viver naqueles quintos dos infernos.

A miséria existente na maioria dos assentamentos traz um ônus muito grande para as prefeituras locais, que são obrigadas a arcar com despesas variadas, como escolas, saúde e até alimentação, sem que haja qualquer tipo de ajuda financeira por parte dos assentados ou do Governo Federal.

Os empregados das fazendas, que não são do MST, normalmente, ficam ao lado dos patrões quando há uma invasão. Os invasores são trazidos de fora pelas lideranças do movimento, normalmente desempregados e desocupados que moram na periferia das cidades. "Não vou me juntar com esses vagabundos do MST" - dizem muitos trabalhadores rurais, solidários com os proprietários de terras.

Nos assentamentos, é proibido prosperar. Quem progride, construindo uma casa com mais conforto, ou adquire um trator ou um veículo, é perseguido pela liderança do MST. "O sujeito quer virar fazendeiro! Não passa de um pequeno-burguês!". Enquanto isso, os líderes fazem suas carreiras políticas, elegendo 2, 3 ou mais vereadores em muitos municípios.

"Nosso regime é de ditadura e escravidão" - afirmou uma assentada do Pontal. Ditadura, porque os assentados não podem progredir economicamente, como dito acima, submetidos que são aos rigorosos regulamentos dos chefetes do MST, com base na ideologia marxista, que acaba nivelando todos por baixo, na mais completa miséria; escravidão, porque ficam "amarrados" ao MST, pois, se saírem do assentamento, os trabalhadores perdem a última esperança, a de que algum dia possam receber a escritura de um pedaço de terra.

O Jornal do Brasil fez uma reportagem sobre assentados na região de Promissão, SP, dizendo que "fulano de tal vira agricultor", exaltando o rápido progresso do colono, que em pouco tempo já tinha parabólica em casa e uma caminhonete na garagem. Porém, era apenas mais um ato de desinformação, como normalmente ocorre com nossa mídia, hoje totalmente dominada pelas esquerdas. O tal "assentado" já tinha sua propriedade há muito tempo, sequer pertencia ao MST.

A Globo, para não ficar atrás na mentira, filmou em Pirituba uma plantação imensa, um tapete verde a perder de vista, dizendo que eram "terras da reforma agrária". Descobriu-se, depois, que tais terras pertenciam a filhos de holandeses, brasileiros natos, que passaram, depois da reportagem, a enfrentar também o problema de invasões do MST.

Barreto mostrou um slide em que havia uma placa comemorativa de inauguração de um assentamento, com dezenas de nomes. Hoje, somente 6 assentados ficaram para contar o que houve.

Para se fazer um censo da reforma agrária, foram gastos R$ 3 milhões. A grande descoberta foi que apenas 57% dos assentados possuem enxadas... Aliás, a primeira imagem de alguém com foice Barreto foi ver na "Terra de Rose", no Rio Grande do Sul...

Com Lula, o atual projeto de reforma agrária dificilmente será alterado, pois 50% dos postos do INCRA já foram entregues a líderes do MST, indicando que nada irá mudar para melhor. A primeira providência de Miguel Rossetto, Ministro da Reforma Agrária - que sempre foi a favor das invasões de terras do MST - foi acabar com o Banco da Terra, implantado por FHC, que tinha como objetivo fazer empréstimos monetários a pequenos produtores rurais, com prazo de 20 anos para pagar. Ou seja, o objetivo do Ministro é idêntico ao dos líderes do MST, ou seja, não tem o mínimo interesse em resolver o problema fundiário, pois o objetivo do MST é um só: "A nossa política não é dar terra. É conquistar o poder". Ninguém poderia ter sido melhor escolhido para o atual "petistério" do que Rossetto...

Em um assentamento do MST, há uma "Pousada do Colono". Um assentado sustenta a família alugando bóias (pneus de carros) a "turistas" que visitam o local. Plantar feijão, que seria "bão", nada.

Em outro assentamento, um colono não plantou, mas torrou todo o dinheiro emprestado pelo Governo. "Não gastei na plantação, não. Previ que ia chover muito"...

Em uma publicação do INCRA, feita em conjunto com a FAO, "A maior reforma agrária do mundo contemporâneo", são analisadas as causas da evasão dos assentamentos. A pergunta, segundo o próprio INCRA, está errada, pois deveria ser "por que ainda há pessoas que continuam assentadas?".

No final de sua exposição, Barreto afirmou que a maior parte das terras agrícolas do Brasil, situadas no cerrado, geralmente são bastante pobres, ácidas, porém, com correção feita com calcário, que é abundante em nosso País, e com técnicas modernas, consegue-se obter alta produtividade, entre as maiores do mundo. Além da produtividade, o clima, com muito sol o ano todo, favorece duas ou até três safras por ano, dependendo do produto agrícola plantado, o que não ocorre nas regiões frias do planeta, que normalmente têm terras mais férteis, porém quase metade do ano é coberta por neve. Já há muitos estrangeiros, como americanos, comprando terras no Brasil, devido às vantagens acima citadas.

Técnicas genuinamente brasileiras são adquiridas, muitas vezes, de forma empírica, porém não menos úteis. Por exemplo, descobriu-se que um tipo de besouro faz buracos na terra, verdadeiros túneis sem fim, por onde escoa a água da chuva, evitando enxurradas e a conseqüente erosão das terras. Chegou-se à conclusão que isso ocorre em terras que estejam a no máximo 600 metros de alguma mata ou bosque. Desta forma, muitos proprietários rurais passaram a criar faixas de matas a intervalos de 1.200 metros, conseguindo, assim, diminuir drasticamente a erosão do solo.

E são essas terras, altamente produtivas, que atualmente salvam o Brasil, dólares decisivos são auferidos com a exportação, cuja balança pendeu a nosso favor, não só com a valorização do dólar, mas também com a agroindústria que tanto se desenvolveu nos últimos anos. Da iniciativa particular, incluindo os "latifundiários", não do MST.

Aliás, o MST, em sua origem, tinha inegável apelo social, por querer "terra para quem quer produzir". O antigo lema "ocupar, resistir, produzir" foi substituído, posteriormente, por um contínuo enfrentamento da ordem pública, pois seus líderes desejam assumir o poder para lançar uma revolução comunista no Brasil. Che Guevara, Mao Tsé-Tung, Marighela, Marx têm seus nomes ou retratos em todos os acampamentos, incluindo escolas - aliás, Che Guevara é o patrono do MST, como já foi dito.

Segundo Barreto, a estratégia do MST é criar "enclaves" em todo o Brasil, que estão se espalhando rapidamente como erisipela, de tal forma que o movimento, revolucionário em sua essência, possa sufocar todo o empreendedorismo rural nacional, causando a paralisia, a miséria e a desordem em nosso País, objetivo final para o início da revolução comunista. Para isso, o MST está posicionado em assentamentos estratégicos, que ladeiam as mais importantes rodovias federais, redes de alta tensão, usinas hidrelétricas e outros pontos sensíveis. Ao MST não interessa resolver o problema agrário, pois o movimento perderia sua finalidade inicial.

Finalizando, o jornalista Barreto deu-nos preciosas informações de como andam muitas das cabeças pensantes da UnB e, por extensão, de nossas universidades. O professor-orientador de sua tese acolheu de bom grado o trabalho acadêmico, porém outros, que participaram da banca examinadora, teceram severas críticas ao trabalho. Um deles, marxista convicto, afirmou que a tese era "sem valor acadêmico", simplesmente porque o autor havia feito uma citação de Plínio Corrêa de Oliveira, ferrenho anticomunista, fundador da organização católica de direita, a Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), criada em 1960. Sem rebater os fatos apresentados, o marxista disse que "a intenção oculta do trabalho é arrasar a reforma agrária". Acrescentou o indignado professor que não era contra alguém que dissertasse sobre tais temas, porém "é um pecado ter essas idéias dentro da UnB"...

A monografia de Barreto será publicada em abril. Torcemos todos para que o trabalho se torne um livro a ser distribuído por todo o Brasil, para provar que o atual projeto de reforma agrária não passa de um embuste, um fracasso total, que tem como único fim promover uma revolução comunista no Brasil.

E a mídia, o que tem a dizer sobre o trabalho de Barreto? Com a palavra a TV Globo, o Jornal do Brasil, o Correio Braziliense e todos os importantes órgãos de comunicação desse imenso País, que aos poucos vai-se "balcanizando" como a antiga Iugoslávia e a Palestina, com "bantustões" indígenas e sem-terras espalhados em todo o território nacional, formando Estados à parte do Estado brasileiro.


Félix Maier
Brasília, 4/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Kleztival: celebrando a música judaica de Heloisa Pait
02. Tom Jobim, memórias e histórias de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Félix Maier
Mais Acessadas de Félix Maier em 2003
01. A verdade sobre o MST - 4/3/2003
02. Doutrina Bush: democracia de cruzeiro? - 25/4/2003
03. Não chore por nós, Argentina! - 25/2/2003
04. A Amazônia sem pátria - 22/5/2003
05. ShoppinG: o ponto G da questão - 6/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/3/2003
13h33min
Tese de mestrado e texto maravilhoso, uma vez que mostra aquilo que muita gente não quer ver ou faz de conta de que não vê: A reforma agrária "movida" pelo MST é o principal instrumento para implantar no Brasil o maior embuste de todos os tempos, chamada socialismo brasileiro.
[Leia outros Comentários de E. Madruga Martins]
10/3/2003
18h21min
Texto impecável, sobre uma verdade que, se depender da nossa mídia atual, permanecerá escondida, até o momento crítico da deflagração da revolução comunista, já engendrada. A não ser que...
[Leia outros Comentários de José Pereira]
11/3/2003
23h06min
Bem , pelo jeito o trabalho foi feito com honestidade e carater desse academico, cabe aos leitores ler artigos e mais artigos e se informarem, em busca da verdade pois se for tudo isso mesmo o Brasil vai continuar com o freio de mao puxado . Eu sou um defensor da volta do homem ao campo com pequenas propriedades mais nao de arruaceiros que se aproveitam do dinheiro da urbanizaçao das grandes cidades este tambem e um sitema falido. Complicado este pais caros leitores.
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
12/3/2003
16h54min
Muita oportuna à pesquisa de Barreto. Como se trata de uma dissertação de mestrado, deixa poucas dúvidas de sua fidedignidade. Eu acredito que a sociedade brasileira, em geral, não acredita realmente que a ideologia das lideranças MST esteja alinhada com os interesses maiores dos "sem-terras". Em vários pronunciamentos públicos de seus principais lideres, ficou evidente um pragmatismo (embora historicamente fracassado) que se sustenta com o ódio, com a perseguição e a destruição de tudo que lhes contraria, ou que obstaculize suas ações. É necessário que pessoas com a mesma coragem de Barreto venha mostrar a opinião pública os descalabros, a irresponsabilidade ou omissão de nossas lideranças políticas para enfrentarem esse provável "câncer" de nossa sociedade, antes que contamine todo o tecido social de nossa nação.
[Leia outros Comentários de Marcílio Lima]
12/5/2003
17h22min
Caro Félix !! É muito importante essa sua colocação, trabalho com o Dep. Federal Luis Carlos Heinze que tem um um trabalho na camara dos deputados PFC 16 ( plano de fiscalização e controle ) e que tem muito mais podres ainda sobre o MST. Se tiveres interesse de pesquisar algo, o e-mail é [email protected]. att Tiago Zanotelli
[Leia outros Comentários de Tiago Zanotelli]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PSICANÁLISE DO PENSAMENTO NEOCONSERVADOR
EDUARDO MASCARENHAS
OBJETIVA
(1995)
R$ 39,90



SAGITÁRIO - 22 DE NOVEMBRO A 21 DE DEZEMBRO
EDITORA EKO
EKO
(2009)
R$ 9,42



SUPERDICAS PARA FALAR BEM EM CONVERSAS E APRESENTAÇÕES
REINALDO POLITO
SARAIVA
(2005)
R$ 11,00



OS VINGADORES ADAPTOIDES EM FURIA
MARVEL
PANINI
(2015)
R$ 8,00



THE SURGICAL TECHNIC OF ABDOMINAL OPERATIONS
JULIUS L. SPIVACK
S R DEBOUR
(1941)
R$ 53,30



ANTOLOGIA- VOZES DO AMOR
ND
SHAN
(2001)
R$ 13,90



PATOLOGIA GÉNERALE VOLUME 2-B
GALEOTTI
N I
R$ 117,60



CHICO BUARQUE
ANGELA BRAGA TORRES
MODERNA
(2002)
R$ 9,90



SUPERINTERESSANTE EDIÇÃO 233 QUEM DESCOBRIU O BRASIL?
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2006)
R$ 5,00



O DIÁRIO ROUBADO
RÉGINE DEFORGES
KLICK
(1998)
R$ 5,00





busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês