Como Holden Caulfield | M.B.N.F.

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Daniela Galanti autografa livro em São Paulo
>>> Death Note - O Musical reestreia no Teatro Miguel Falabella
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fama e fortuna
>>> Novos velhos e lagostas
>>> 1 de Julho #digestivo10anos
>>> 8 de Maio #digestivo10anos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Rush (1984)
>>> O governo mente para si mesmo
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
Mais Recentes
>>> Rio Sabores e Segredos de Danusia Barbara pela Ediouro (1996)
>>> Cidade Em Chamas de Garth Risk Hallberg pela Companhia das Letras (2016)
>>> O Destino Em Suas Mãos de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2009)
>>> Ética e Negócios de Julio Lobos pela Instituto da Qualidade (2003)
>>> Teoría de La Novela de Lukacs Georg pela Nacional (2002)
>>> Os iluminados a história de Cristina de Agosttinho Almeida pela Romero Santiago (2013)
>>> A casa dos macacos de Sara Gruen pela Record (2011)
>>> Soberania e dignidade - Raízes da sobrevivência de J. W. Bautista Vidal pela Vozes (1991)
>>> A Lei de Sullivan de Nancy Taylor Rosenberg pela Record (2007)
>>> Anoitece no Iraque de Patrick Ericson pela Geração (2012)
>>> Contos italiano de Aurélio Buarque de Hollanda e Paulo Rónai pela Ediouro
>>> Militarism and Anti-militarism de Karl Liebknecht pela Dove Publications (1972)
>>> O Princípio anarquista e outros ensaios de Piotr Alekseievitch Kropotkin ( pela Hedra (2007)
>>> Destemida 2 as Montanhas Negras de Natalie Jane Prior pela Fundamento (2006)
>>> Exílio de Lya Luft pela Guanabara (1987)
>>> Saia do Sufoco! de Elzita Melo Quinta; Elzi Nascimento pela Harbra
>>> O Espião de Colônia de Osvaldo Peralva pela Paz e Terra (1985)
>>> Coração de Bilionário de Ruth Cardello pela Leya (2013)
>>> O indivíduo, a sociedade e o Estado e outros ensaios de Emma Goldman pela Hedra (2007)
>>> Um Certo Modo de Ler de Angela Bezerra de Castro pela Ideia (2008)
>>> O Sagrado de Nilton Bonder pela Rocco (2007)
>>> Em Busca da Alma Gemea de Thomas Moore pela Planeta (1997)
>>> Entre camponeses de Errico Malatesta pela Hedra (2009)
>>> Hibernate em ação de Christian Bauer; Gavin King pela Ciência moderna (2005)
>>> A sombra do vento de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2007)
COMENTÁRIOS

Quarta-feira, 13/7/2005
Comentários
Leitores


Como Holden Caulfield
Achei o livro "The Catcher in the Rye" por acaso, numa das prateleiras de uma biblioteca em uma cidadezinha qualquer. O livro praticamente pulou da prateleira para as minhas mãos. Não tive outra escolha senão lê-lo. E gostei muito, principalmente porque em várias situações identifiquei-me com Holden Caulfield, sem contar os pensamentos que passam tão depressa e aquela sensação de sentir-se uma exceção, ou um personagem fora do contexto quando há ao nosso redor tanta hipocrisia.

[Sobre "O apanhador no campo de centeio"]

por M.B.N.F.
13/7/2005 às
02h19 201.1.144.51
(+) M.B.N.F. no Digestivo...
 
escrever... tá tão saturado!
De vez em vez passo por aqui. Dá de rir um pouco, na boa. Mas sei lá, sobre escrever, escrever, escrever... isso tá tão saturado, parece. Tá pior que o abstracionismo barato de quadro de escritório. O cara escreve qualquer coisa, uma viagem qualquer, tudo é válido, lota servidores de bits, quem sabe amanhã vai ser apagado, e não fica nada, não mata a fome de leitura. Uma tagarelice pra passar o tempo e que parece não se propor a isso (é a pós-modernidade, dizem uns). Bulhufas. Gosto muito de literatura, de escrever, mas tem uma hora que a coisa só gira em torno do umbigo, sei lá. Embora esteja stand-by com a literatura, é meu trabalho escrever uma, duas, três paginas todos os dias. Um dia depois, a cidade inteira (generalização, bãn) lê. Não ganho a menos ou a mais por isso, não fico mais ou menos famoso (o que é ficar famoso, aparecer na mídia, bãn?) Na verdade, nem sei quem me lê. Essa pessoa não tem rosto. É até capaz de naquele dia ninguem me ler, e daí? Às vezes uns ligam pra xingar, às vezes pra fazer um elogio rápido na rua, sem uma argumentação consistente. E eu só trabalho para quem me lê, na verdade. Sou repórter de jornal diário, não faço artigo, faço matéria, de preferência reportagem. E, olha, essa coisa de escrever por escrever tá estéril... o que nutre as palavras mesmo é a realidade – é a lição boa que tirei dessa profissão "suspeita" que é o jornalismo. É narrar e não ficar matutando sobre tudo... é um santo remédio quando se escreve, se escreve, e tem-se a sensação de não dizer nada, para ninguem. Benjamin fala sobre isso em um texto do qual não me recordo agora. Ah... porque o lance de contar história, como antigamente, acabou, dizem uns. Acabou nada. Uma cambada que não consegue contar um bom causo prega que acabou, fica se lamuriando... oh, tudo está perdido, é o fim. Chega ao cúmulo de se promover em cima do apocalipse. E mais um bando estende o tapete vermelho. Aff. É só o cara sentir a realidade mais de perto, dar mais vida ao olhômetro, cheirômetro e etc., que sobra o que escrever, sem esforço, só por curtição. Acredito que a resposta de quem lê também é diferente, nesse caso. É isso, pode ser um pouco "realista", sei lá. Mas sou fã da imaginação, e como! Escrever tem a ver com fertilidade, fertilidade com vida. Abraços.

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por rogerkw
13/7/2005 à
00h19 200.101.242.157
(+) rogerkw no Digestivo...
 
Mensagem de um provinciano!
Olá Eduardo, sou do Macapá, AP, que pode ser considerada uma cidade provinciana, pois não tem nem meio milhão de habitantes apesar de ser a capital do Estado. Gostei muito do teu texto porque eu acabei lembrando de um que eu tenho a respeito de Macapá, chama-se "Que vida boa, seu mano!". Acredito que assim como São Paulo recebe a influencia de outras localidades do mundo nós também recebemos influencia, via de regra, de cidades grandes do nosso próprio país, mas isso não significa uma perda da identidade local, ao contrário, existem vários movimentos de resistência cultural que acabam garantindo nossa identidade. É como você falou: em províncias, é vantagem certos tipos de reflexão, talvez seja por causa do tempo que se tem pra parar e pensar um pouco em não ganhar dinheiro ou simplesmente sobreviver. Há braços!!!

[Sobre "Por que eu moro em São Paulo"]

por Paulozab
12/7/2005 às
16h00 200.230.155.2
(+) Paulozab no Digestivo...
 
historia intima da humanidade
do texto podemos tirar varias conclusoes, dependendo do nosso interesse e da paixao pelo que lemos: excelente e fascinante o empenho dos profissionais.

[Sobre "Crônicas de solidão urbana"]

por gilberto correia
12/7/2005 às
03h28 196.28.238.170
(+) gilberto correia no Digestivo...
 
Parar
Oi, Andréa! Bom, depois de um longo tempo, estou aquí. Estive num inferno muito intenso que me impedia de ler qualquer coisa que fosse. Tá, exagerei um pouco... mas é quase isso. Aliás, devo lhe dizer que tem passado pela minha cabeça a idéia de parar de escrever. Não que alguém vá chorar por isso. Nem um pouco... bom, talvez eu mesmo e um ou outro amigo ou amiga. Sei lá... Mas... a Gaivota Azul? Ora, ela é minha mãe virtual... não sei por que, mas me entendo melhor com ela do que com minha mãe natural (talvez um pouco por não haver a convivência diária, talvez por minha mãe ser realmente uma pessoa complicada...). Mas... veja só: você não está sozinha - eu não consegui entender Ulisses e nem cheguei ao final. E, mais do que tudo, queria dizer que me importo com o que você e os leitores vão pensar do que escrevo aqui ou em qualquer lugar. Naturalmente, reconheço que não é grande coisa. Passei como um "sei-lá-o-que" pelos assuntos, sem me aprofundar em nada. Fase ruim, quem sabe... Talvez seja hora de eu parar. Mas por um tempo. Não para sempre. E quanto a você, espero que não pare! Beijão!!

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por Alessandro de Paula
11/7/2005 às
18h48 200.204.153.101
(+) Alessandro de Paula no Digestivo...
 
romance e conto
Isso do "treino" através do conto é bem verdade; mas também: escrever um romance pode ser, por um lado, mais fácil; você tem tempo de escrever bobagem até acertar o tom. Com um conto não é possível fazer isso: é tudo ou nada, ou tem alguma coisa substancial, ou não tem, não há como enganar. No final, todos os gêneros tem seus prós e contras.

[Sobre "Como escrever bem – parte 3"]

por Claire
11/7/2005 às
13h56 200.164.27.81
(+) Claire no Digestivo...
 
Conhecer São Paulo
Morrar em São Pauo é conhecer a multiplicidade massificada da Liberdade, do Bixiga, do Brás, da Benedito Calixto, da Vila Madalena, da Vila Olímpia, do Itaim, do Ibirapuera, etc... É a partir daí que você pode buscar o que é realmente a cidade. Uma cidade tão especializada que tem até camelô só de cadarço. O que me indigna é o que encontramos no chão: de papeis, até pessoas...

[Sobre "Por que eu moro em São Paulo"]

por Vinícius Lima
10/7/2005 às
22h29 192.168.133.52
(+) Vinícius Lima no Digestivo...
 
eu vou conseguir...
Quando eu estava no colegial, prestes a fazer o vestibular, eu escrevia mais ou menos bem, tirava boas notas e conseguia alguns elegios da professora... Tudo era lindo... Fiz vestibular, fui muito bem em redação, mas fato é que, depois que eu entrei na faculdade, eu fiquei mais burra... Não escrevo mais como antes, aliás, tenho até muita dificuldade para escrever. E por que isso ocorreu? Porque eu não tenho mais incentivo algum. Vez ou outra faço resenhas de textos chatos e monótonos e extremamente técnicos. Escrevo muito menos do que escrevia quando tinha que fazer pelo menos três redações por semana no colegial. Por isso, nessas férias, comecei a ler mais, mesmo que seja só revistas de arquitetura (que, aliás, dizem respeito ao meu curso) e voltei a comprar jornais. E eu juro que vou escrever mais e vou ler mais ainda, muito obrigada pelo seu texto, pois eu pude ver que eu não sou um caso perdido...

[Sobre "Como escrever bem — parte 1"]

por Vivi
10/7/2005 às
17h28 200.150.19.146
(+) Vivi no Digestivo...
 
Concisão
Legal encontrar um texto teu. Conciso, incisivo... Conhecemo-nos em Santa Maria. Interior do interior do Rio Grande do Sul. Poderemos trocar informações literárias.

[Sobre "Apresentação"]

por Ervin Weigert
9/7/2005 às
22h30 192.168.133.51
(+) Ervin Weigert no Digestivo...
 
escrever no chuveiro
andréa, eu concordo com o marcelo: não dá para separar "escrever" de "ler". eu escrevo para me comunicar. no ato há necessariamente um pouco de mim, e um pouco do outro. talvez alguém fique feliz com os próprios volteios solipsistas, os herméticos. talvez outros se contentem com seus diários assim como eu, desafinada, me contento em cantar no chuveiro. mas a hora das palavras é sempre uma hora de contato, embora seja tantas vezes também a hora da solidão. e se não fosse pela sua coluna a gente não estaria aqui toda animada pensando no assunto.

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por daniela
9/7/2005 à
01h20 201.1.7.102
(+) daniela no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ich schenk dir eine Geschicte
Vários Autores
Reading foundation
(2007)



A História Vivida ( I )
Lourenço Dantas Mota (coord)
O Estado de São Paulo
(1981)



A ordem psiquiátrica: a idade de ouro do alienismo
Robert Castel
Graal
(1978)



1981. Como um Craque Idolatrado
André Rocha e Mauro Beting
Maquinária
(2011)



As Queridinhas do Meu Marido
Bridget Asher
Amarilys
(2010)



Clt Ltr 2012
Armando Casimiro Costa
Ltr
(2012)



O pensamento vivo de martin l. king
Martin L. King
Martin Claret



A Missão de Cada Um
Elisa Masselli
Mensagem de Luz
(2005)



The Signal and the Noise
Nate Silver
Penguin Books
(2015)



Livro - O Príncipe das Trevas - a Tirania de João Leva a Inglaterra a Um
Jean Plaidy
Record
(1978)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês