escrever... tá tão saturado! | rogerkw

busca | avançada
54240 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Zé Miguel Wisnik lança VÃO, seu novo álbum de músicas inéditas no Sesc 24 de Maio nos dias 20 e 21/8
>>> Cia. Palhadiaço abre inscrições grátis para Oficina de Máscaras Utilitárias
>>> Realização do IV LEM Gastronomia - Luís Eduardo Magalhães Ba
>>> Prefeitura de SP institui gratificação de até R$ 1.500 reais para diminuir rotatividade de docentes
>>> Queen Immortal faz show em homenagem ao aniversário de Freddie Mercury
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Serge Daney: o cinema como espelho
>>> Cada dia mais jovem - um retrato de minha mãe
>>> Orkut, um sonho impossível?
>>> A política de uma bunda
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Um aborrecimento e uma surpresa
>>> Chaves do Inferno
>>> Legado para minha filha
>>> Discurso de Obama no Nobel
Mais Recentes
>>> Raptado (historia Em Quadrinho) de Santiago Nazarian; Fiona Macdonald; Penko Gelev pela Ibep Nacional (2008)
>>> A Ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson pela Ibep Nacional (2005)
>>> Ventana Al Espanol de Mais de um Autor pela Santillana Español (2016)
>>> Psicoterapia Centrada En El Cliente de Carl R. Rogers pela Paidos (1972)
>>> Como Pintar Com Aerógrafo de Miquel Ferron pela Desenhar e Pintar (1997)
>>> Os Três Incríveis de Stella Carr pela Moderna
>>> A Matemática na Escola Primária: uma Observação do Cotidiano de Maria Lucia Fraga pela Epu (1988)
>>> Ganz Leicht Ist Es Nicht de Aron Breuckner Mayer pela Epu (1977)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
>>> Introdução Ilustrada à Genética Com Muito Humor de L. Gonick pela Harbra (1995)
>>> Os Meninos da Biblioteca de Rômolo Dhipólito; João Luiz Marques pela Biruta (2015)
>>> Segredos de Minha Vida Em Hollywood de Jen Calonita pela Galera (2007)
>>> Xangô, O Trovão de Reginaldo Prandi & Pedro Rafael pela Comp (2003)
>>> Quem matou Nola Payne? de Walter Mosley pela Landscape (2005)
>>> Os 50 + Importantes Livros Em Sustentabilidade de Da Editora pela Fundação Peiropolis (2012)
>>> Principles of Economics de Richard W. Tresch pela Desconhecida
>>> Isabella de Medici/A vida gloriosa e o trágico fim de uma princesa da renascença de Caroline P. Murphy pela Record (2011)
>>> A casa dos Blessings/um relato magistral uma história de amor e redenção de Anna Quindlen pela Objetiva (2003)
>>> A Volta de Tarzan de Edgar Rice Burroughs pela Companhia Nacional
>>> Lições de Medicina Legal de A Almeida Jr e J B de o e Costa Jr pela Companhia Nacional (1996)
>>> Romeo e Giulietta de Shakespeare pela i Unita
>>> Play Dirty de Sara Brow pela Pocket Books
>>> Explosão de estrelas de Robin Pilcher pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Comakership - a Nova Estratégia para os Suprimentos de Giorgio Merli pela Qualitymark (1994)
>>> O mistério da cripta amaldiçoada de Eduardo Mendoza pela Planeta Literário (2011)
COMENTÁRIOS

Quarta-feira, 13/7/2005
Comentários
Leitores


escrever... tá tão saturado!
De vez em vez passo por aqui. Dá de rir um pouco, na boa. Mas sei lá, sobre escrever, escrever, escrever... isso tá tão saturado, parece. Tá pior que o abstracionismo barato de quadro de escritório. O cara escreve qualquer coisa, uma viagem qualquer, tudo é válido, lota servidores de bits, quem sabe amanhã vai ser apagado, e não fica nada, não mata a fome de leitura. Uma tagarelice pra passar o tempo e que parece não se propor a isso (é a pós-modernidade, dizem uns). Bulhufas. Gosto muito de literatura, de escrever, mas tem uma hora que a coisa só gira em torno do umbigo, sei lá. Embora esteja stand-by com a literatura, é meu trabalho escrever uma, duas, três paginas todos os dias. Um dia depois, a cidade inteira (generalização, bãn) lê. Não ganho a menos ou a mais por isso, não fico mais ou menos famoso (o que é ficar famoso, aparecer na mídia, bãn?) Na verdade, nem sei quem me lê. Essa pessoa não tem rosto. É até capaz de naquele dia ninguem me ler, e daí? Às vezes uns ligam pra xingar, às vezes pra fazer um elogio rápido na rua, sem uma argumentação consistente. E eu só trabalho para quem me lê, na verdade. Sou repórter de jornal diário, não faço artigo, faço matéria, de preferência reportagem. E, olha, essa coisa de escrever por escrever tá estéril... o que nutre as palavras mesmo é a realidade – é a lição boa que tirei dessa profissão "suspeita" que é o jornalismo. É narrar e não ficar matutando sobre tudo... é um santo remédio quando se escreve, se escreve, e tem-se a sensação de não dizer nada, para ninguem. Benjamin fala sobre isso em um texto do qual não me recordo agora. Ah... porque o lance de contar história, como antigamente, acabou, dizem uns. Acabou nada. Uma cambada que não consegue contar um bom causo prega que acabou, fica se lamuriando... oh, tudo está perdido, é o fim. Chega ao cúmulo de se promover em cima do apocalipse. E mais um bando estende o tapete vermelho. Aff. É só o cara sentir a realidade mais de perto, dar mais vida ao olhômetro, cheirômetro e etc., que sobra o que escrever, sem esforço, só por curtição. Acredito que a resposta de quem lê também é diferente, nesse caso. É isso, pode ser um pouco "realista", sei lá. Mas sou fã da imaginação, e como! Escrever tem a ver com fertilidade, fertilidade com vida. Abraços.

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por rogerkw
13/7/2005 à
00h19 200.101.242.157
(+) rogerkw no Digestivo...
 
Mensagem de um provinciano!
Olá Eduardo, sou do Macapá, AP, que pode ser considerada uma cidade provinciana, pois não tem nem meio milhão de habitantes apesar de ser a capital do Estado. Gostei muito do teu texto porque eu acabei lembrando de um que eu tenho a respeito de Macapá, chama-se "Que vida boa, seu mano!". Acredito que assim como São Paulo recebe a influencia de outras localidades do mundo nós também recebemos influencia, via de regra, de cidades grandes do nosso próprio país, mas isso não significa uma perda da identidade local, ao contrário, existem vários movimentos de resistência cultural que acabam garantindo nossa identidade. É como você falou: em províncias, é vantagem certos tipos de reflexão, talvez seja por causa do tempo que se tem pra parar e pensar um pouco em não ganhar dinheiro ou simplesmente sobreviver. Há braços!!!

[Sobre "Por que eu moro em São Paulo"]

por Paulozab
12/7/2005 às
16h00 200.230.155.2
(+) Paulozab no Digestivo...
 
historia intima da humanidade
do texto podemos tirar varias conclusoes, dependendo do nosso interesse e da paixao pelo que lemos: excelente e fascinante o empenho dos profissionais.

[Sobre "Crônicas de solidão urbana"]

por gilberto correia
12/7/2005 às
03h28 196.28.238.170
(+) gilberto correia no Digestivo...
 
Parar
Oi, Andréa! Bom, depois de um longo tempo, estou aquí. Estive num inferno muito intenso que me impedia de ler qualquer coisa que fosse. Tá, exagerei um pouco... mas é quase isso. Aliás, devo lhe dizer que tem passado pela minha cabeça a idéia de parar de escrever. Não que alguém vá chorar por isso. Nem um pouco... bom, talvez eu mesmo e um ou outro amigo ou amiga. Sei lá... Mas... a Gaivota Azul? Ora, ela é minha mãe virtual... não sei por que, mas me entendo melhor com ela do que com minha mãe natural (talvez um pouco por não haver a convivência diária, talvez por minha mãe ser realmente uma pessoa complicada...). Mas... veja só: você não está sozinha - eu não consegui entender Ulisses e nem cheguei ao final. E, mais do que tudo, queria dizer que me importo com o que você e os leitores vão pensar do que escrevo aqui ou em qualquer lugar. Naturalmente, reconheço que não é grande coisa. Passei como um "sei-lá-o-que" pelos assuntos, sem me aprofundar em nada. Fase ruim, quem sabe... Talvez seja hora de eu parar. Mas por um tempo. Não para sempre. E quanto a você, espero que não pare! Beijão!!

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por Alessandro de Paula
11/7/2005 às
18h48 200.204.153.101
(+) Alessandro de Paula no Digestivo...
 
romance e conto
Isso do "treino" através do conto é bem verdade; mas também: escrever um romance pode ser, por um lado, mais fácil; você tem tempo de escrever bobagem até acertar o tom. Com um conto não é possível fazer isso: é tudo ou nada, ou tem alguma coisa substancial, ou não tem, não há como enganar. No final, todos os gêneros tem seus prós e contras.

[Sobre "Como escrever bem – parte 3"]

por Claire
11/7/2005 às
13h56 200.164.27.81
(+) Claire no Digestivo...
 
Conhecer São Paulo
Morrar em São Pauo é conhecer a multiplicidade massificada da Liberdade, do Bixiga, do Brás, da Benedito Calixto, da Vila Madalena, da Vila Olímpia, do Itaim, do Ibirapuera, etc... É a partir daí que você pode buscar o que é realmente a cidade. Uma cidade tão especializada que tem até camelô só de cadarço. O que me indigna é o que encontramos no chão: de papeis, até pessoas...

[Sobre "Por que eu moro em São Paulo"]

por Vinícius Lima
10/7/2005 às
22h29 192.168.133.52
(+) Vinícius Lima no Digestivo...
 
eu vou conseguir...
Quando eu estava no colegial, prestes a fazer o vestibular, eu escrevia mais ou menos bem, tirava boas notas e conseguia alguns elegios da professora... Tudo era lindo... Fiz vestibular, fui muito bem em redação, mas fato é que, depois que eu entrei na faculdade, eu fiquei mais burra... Não escrevo mais como antes, aliás, tenho até muita dificuldade para escrever. E por que isso ocorreu? Porque eu não tenho mais incentivo algum. Vez ou outra faço resenhas de textos chatos e monótonos e extremamente técnicos. Escrevo muito menos do que escrevia quando tinha que fazer pelo menos três redações por semana no colegial. Por isso, nessas férias, comecei a ler mais, mesmo que seja só revistas de arquitetura (que, aliás, dizem respeito ao meu curso) e voltei a comprar jornais. E eu juro que vou escrever mais e vou ler mais ainda, muito obrigada pelo seu texto, pois eu pude ver que eu não sou um caso perdido...

[Sobre "Como escrever bem — parte 1"]

por Vivi
10/7/2005 às
17h28 200.150.19.146
(+) Vivi no Digestivo...
 
Concisão
Legal encontrar um texto teu. Conciso, incisivo... Conhecemo-nos em Santa Maria. Interior do interior do Rio Grande do Sul. Poderemos trocar informações literárias.

[Sobre "Apresentação"]

por Ervin Weigert
9/7/2005 às
22h30 192.168.133.51
(+) Ervin Weigert no Digestivo...
 
escrever no chuveiro
andréa, eu concordo com o marcelo: não dá para separar "escrever" de "ler". eu escrevo para me comunicar. no ato há necessariamente um pouco de mim, e um pouco do outro. talvez alguém fique feliz com os próprios volteios solipsistas, os herméticos. talvez outros se contentem com seus diários assim como eu, desafinada, me contento em cantar no chuveiro. mas a hora das palavras é sempre uma hora de contato, embora seja tantas vezes também a hora da solidão. e se não fosse pela sua coluna a gente não estaria aqui toda animada pensando no assunto.

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por daniela
9/7/2005 à
01h20 201.1.7.102
(+) daniela no Digestivo...
 
Deslizando sobre as sentenças
Andréa: adoro o modo como escreves, ou melhor, como deslizas, com palavras por sobre sentenças, como patins no gelo, formando longas trilhas de impressões e idéias, as quais não se pode parar para analisar, pois corre-se o risco de se cair dos patins, ou melhor de cima das palavras, com as quais tu nos domina e nos conduz até o fim dos teus textos. Neste momento percebo como tenho lido textos aborrecidos e descubro que perdi tempo em não ter descorberto a suavidade de patinar na neve ou ler teus textos; o que pode ser a mesma coisa, dependendo do grau de satisfação que cada uma delas nos traz e, para mim, foi semelhante. E quanto ao ateísmo natural, ao qual somos forçados a optar, devido à ignorância e instransigência das religiões milenares, este pode parecer a solidão de hoje, mas será a salvação da parte inteligente do planeta no dia em que este se dividir entre fanáticos religiosos e livres pensadores.

[Sobre "Deus está morto: Severino para presidente"]

por Daubi Piccoli
8/7/2005 às
21h58 201.3.128.19
(+) Daubi Piccoli no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Países de Língua Portuguesa e a China Num Mundo Globalizado
Wei Dan
Almedina
(2009)



Auto Amor e Outras Potências da Alma
Andrei Moreira
Ame
(2017)



Paraty: História, Festas, Folclore, Monumentos
Thereza & Tom Maia
Expressão e Cultura
(1991)



Pequeno Dicionário de Regência Verbal
Bárbara Vasconcelos de Carvalho
Lotus



Silvia Poppovic e Você
Silvia Poppovic
Mandarim
(2000)



O Cortiço
Aluísio Azevedo
Atica
(1984)



How Professors Think
Michele Lamont
Harvard University P
(2010)



Cadernos Cedes 64 V. 24 (set/dez 2004) - a Filosofia e Seu Ensino
Cedes - Centro de Estudos Educação e Sociedade
Cedes



O Estado e a Revolução - Estante do Pensamento Social Nº 05 Capa Dura
Lenine ( Lenin ) / Aristides Lobo Tradutor
Guaíra



Sonetos
Luís de Camões
Martin Claret
(2000)





busca | avançada
54240 visitas/dia
2,0 milhão/mês