Deus está morto: Severino para presidente | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
Mais Recentes
>>> Um mundo só meu de Robin Knox Johnston pela Edições Marítimas ltda (1990)
>>> História da Sexualidade 1 - A Vontade de Saber de Michel Foucault pela Paz & Terra (2017)
>>> Você pode curar sua vida de Louise L. Hay pela Best Seller
>>> Relatos de um projetor extrafísico de Geraldo Medeiros Júnior pela Petit (1990)
>>> Os Meninos e o Trem de Ferro de E. Nesbit (Ind. Editorial): Ana Maria Machado pela Moderna/ SP. (1998)
>>> No reino do gelo: A incrível viagem de um navio na conquista do Polo Norte de Hampton Sides pela Intrínseca (2016)
>>> Horizontes Antropológicos 52 - A religião no espaço público de Ari Pedro oro e Marcelo Ayres Camurça orgs. pela Ufgs (2018)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrínseca (2016)
>>> Echos de Paris de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1927)
>>> Abarat de Clive Barker pela Companhia das Letras (2003)
>>> Prosas barbaras de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> O Livro dos Peixes de William Gould de Richard Flanagan pela Companhia das Letras (2003)
>>> A capital de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1929)
>>> Comando Tribulação/ Deixados para Trás - o Drama Continua de Tim Lahaye/ Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
>>> Últimas páginas - manuscriptos ineditos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1938)
>>> Cartas Perto do Coração de Fernando Sabino, Clarice Lispector pela Record (2001)
>>> O Mandarim de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> Cartas familiares e bilhetes de Paris de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1922)
>>> A Colheita: a Escolha Está Feita de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
>>> O Egypto - notas de viagem de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1938)
>>> O Possuído(Deixados Para Trás...) de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (2001)
>>> Nicolae: o Anticristo Chega ao Poder de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (1999)
>>> Toda Poesia de Paulo Leminski pela Companhia das Letras (2013)
>>> Comando Tribulação/ Deixados para Trás - o Drama Continua de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (1999)
>>> O primo Bazilio de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz & Terra (1978)
>>> A Marca - a Besta Controla o Mundo de Tim Lahaye/ Jerry B. Jenkins pela United Press (2002)
>>> Marcha Soldado, Cabeça de Miguel de Rita Espeschit (ilustr): Raquel Lourenço Abreu pela Ed. Lê/ Belo Hte. (2019)
>>> O Senhor do Tempo de Liberato Póva (desemb. de Tj. Tocantins) pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (2019)
>>> O Beijo da Cabrita de Guilherme Cunha Pinto(Ilustr): Regina Coeli Rennó pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1991)
>>> Marx e a Superação do Estado de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2018)
>>> Ivan Serpa de Hélio Márcio Dias Frerreira (Org.) pela Funarte (2004)
>>> A Viúva Cliquot de Tilar J. Mazzeo pela Rocco (2007)
>>> O Que É uma Revolução? de Álvaro García Linera pela Expressão Popular (2017)
>>> Réquiem para o Sonho Americano de Noam Chomsky pela Bertrand Brasil (2017)
>>> História da Sexualidade 3 - O Cuidado de Si de Michel Foucault pela Paz & Terra (2017)
>>> História da Sexualidade 2 - O Uso dos Prazeres de Michel Foucault pela Paz & Terra (2017)
>>> O Hobbit: A desolação de Smaug : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2013)
>>> Contos Novos de Mário de Andrade pela Nova Fronteira (2015)
>>> Alex Vallauri - Da Gravura ao Grafite de Beatriz Rota-Rossi pela Olhares (2013)
>>> Pornografia de Witold Gombrowicz pela Companhia das Letras (2009)
>>> O Belo Perigo de Michel Foucault pela Autêntica (2016)
>>> A Grande Estrangeira - Sobre Literatura de Michel Foucault pela Autêntica (2016)
>>> Dicionário de Sinais e Sintomas no Diagnóstico de Ismar Chaves da Silveira pela Epub (2002)
>>> Contos e Poemas (seleção) de Mário de Andrade pela Expressão Popular (2017)
>>> Origem de Thomas Bernhard pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amor Ao Pé Da Letra de Melissa Pimentel pela Paralela (2015)
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/3/2005
Deus está morto: Severino para presidente
Andréa Trompczynski

+ de 7900 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Para o amigo Fernando

"Se Deus está morto, tudo é permitido"
(Dostoievski)

Desde que comecei a desconfiar da existência de Deus, e algumas vezes afirmar isto, as pessoas têm-me olhado com um certo receio. Como se, por não possuir a fé comum Nele, fosse eu algo demoníaca. Explico. Tudo começou por inveja. Sim, daquelas pessoas de fé inabalável. Não porque fosse inteligente, mas porque me parecia muito mais cômodo. Fã do comodismo, fui tentar conseguir um pouco dele para mim.

(Falo friamente assim hoje, este tom não existia outrora, lhes juro. Não por Deus, mas juro. Era um desejo sincero e inocente o de ter fé.)

Tentei primeiro as religiões ocidentais. O Catolicismo, o Protestantismo, o Espiritismo. Há muitos anos, frequentei uma Igreja Evangélica por amargos três meses. Digo amargos porque o cristianismo é um ideal de tristeza, dores e abnegação. "Estão sentindo o Senhor?", não eu não estava sentindo o Senhor. Eu era imune a sentir o Senhor. Nos estudos bíblicos que esforcei-me para cumprir, o Pastor não respondia às minhas perguntas. Ou pior, respondia, dizendo-me que era um mistério divino e que eu não tinha autorização para tentar sondar a mente de Deus. Que questionamentos eram influência demoníaca e quase me excomungou à maneira evangélica quando afirmei que Judas era um injustiçado, pois apenas quis o Judas que Jesus provasse a todos que era o filho de Deus, com algum prodígio mirabolante no momento da prisão, e o Cristo não o fez.

Depois veio o Espiritismo. Fascinante no início, uma lógica perfeita, encaixando conseqüências e causas, explicando o mundo e o universo. Por muitos anos acreditei. Talvez ainda acredite um pouco, apenas passei a considerar que aqueles espíritos tão perfeitos que teriam falado ao Kardec, não poderiam entender meus sofrimentos mesquinhos. Exaltavam a virtude e somente a ela buscavam. Tudo o que eu considero belo, eram apenas cópias desbotadas da grandiosidade dos mundos espirituais evoluídos. "Sois imperfeitos". Descreviam nos livros a música que lá tocava. Tão celeste que adormeceria qualquer mortal. Eu amava as raivas e angústias de Beethoven, a carnalidade de Mozart. Admiradora confessa das características imperfeitas e humanas, afastei-me desta doutrina.

Fui conhecer as religiões orientais: Raja Yoga, Budismo e até mesmo a Seicho-no-ie. A tal da meditação. Em todas, há muitas horas dedicadas a ela. No Raja Yoga, não se pensava em nada. Ficávamos sentados em posição de lótus, em silêncio. Como num útero, devíamos apenas tentar relembrar o tempo em que éramos perfeitos, antes de uma certa "queda" do homem. Creio que a queda foi mesmo grande, era a única a não recordar aquele tempo na por eles chamada "Era do Ouro". Todo o curso foi interessantíssimo, manifestei meu desejo de continuar e entrei num estágio de aprendizado mais avançado. Veio a revelação do mestre: eram castos. Ah, Deus... Eu tinha vinte e um anos! Nunca mais voltei. Veio em seguida o Budismo. Há todas aquelas belíssimas lendas sobre Buda, o Sidharta, mas são mais de mil ramificações desta religião, inclusive com outros Budas. Muita sabedoria naqueles provérbios e ensinamentos, mas não consegui ficar muitos dias repetindo "nam-mioho-rengue-kyo". Há muito esforço para atingir o não-pensamento, e pensar é o meu maior prazer. A Seicho-no-ie era neurolinguística pura, haviam muitos livros e eu os li, descobri que os adeptos eram felizes por auto-sugestão. Foram os que mais invejei, estavam realmente satisfeitos com a vida e viam somente o lado bom de tudo e todas as coisas. Conheci até mesmo um homem que livrou-se de um sério problema de acne apenas mentalizando uma pele perfeita e, juro novamente, conheci em pessoa uma mulher feliz que sorria todo o tempo dizendo: "obrigada, obrigada, obrigada". Até hoje lamento não ter funcionado comigo.

Tentei finalmente encontrar Deus dentro de mim, inspirada por um poster num bar, onde John Lennon afirmava convicto que O havia buscado em vários lugares e somente O encontrado dentro de si. Chamei-O no silêncio da minhas solidões: nada, nadinha. Não havia ninguém ali. Talvez fosse a hora de provar a tal relação pessoal com Jesus da qual muitos comentam as maravilhas. Confesso: não o amava, sentia somente culpa. E também pena. Eu tinha pena do próprio Cristo, pobrezinho. Por ter sido condenado como um animal àquele sacrifício pelo próprio pai. Por não haver amor, não o encontrei. Na internet, li sobre o Grande Mestre Ascenso Saint Germain, que comunica-se telepatica ou mediunicamente com alguns escolhidos. Seus discípulos afirmam que mentalizar uma chama violeta envolvendo meu coração e mente teria o poder de transmutar meu karma e eu seria feliz, como a japonesa da Seicho-no-ie, quando queimasse nela minhas culpas e remorsos. Mais um fracasso, meu cérebro tem dificuldades tremendas em imaginar cores. Não pude me purificar nem encontrar Deus através das mágicas chamas violetas.

Sinto agora o imenso preconceito medieval que sofreram os descrentes. São de amedrontar os olhares espantados e exclamações de "que Deus tenha misericórdia dela". Olhares de piedade para mim das senhoras de fervor religioso. Que mais posso fazer? Todos sentem o Santo Espírito derramar sobre suas cabeças nas Igrejas, menos eu. Visualizam com sucesso a pele sem espinhas, e eu só vejo a imagem comum que o espelho reflete. Não consigo sorrir o tempo todo, o maxilar dói; os mantras de três horas me fazem dormir e, tragédia, a chama violeta purificadora é cinza para mim!

Não há pecado abaixo da linha do Equador
Já que Deus não existe, não há mais pecados: Severino Cavalcanti para presidente. No Brasil os tipos políticos ao estilo europeu não conquistam o povo, não têm carisma. Querem um bem-amado espontâneo, natural, discursando de improviso. Considere-se o que pode vir a ser um político assim espontâneo, assim natural, assim sem discursos escritos por especialistas, no Brasil. O presidente Lula tentou: pode chorar, suar, sapatear, fazer confissões públicas, mas Severino ainda é o melhor. E dançou frevo, pronto. Dançar frevo foi o ápice, Lula nunca dançará frevo com sombrinha colorida. À maneira dos antigos coronéis, sabe construir sua imagem junto àqueles que chama de "seus beatos". Quem não quer as graças de um Santo Severino? Nesses tempos bicudos, em que os santos protetores viraram as costas para o Brasil, quem não gostaria de ter o cartão do Severino? Severino paga a conta de "quebra-quebra" em bar feita por eleitor seu e livra os beatos da prisão. De nada adianta nadar contra a corrente e gritar por ética, deixo as passeatas em nome da ética para os jovens idealistas, quero mesmo é o cartão do Severino.

"Hoje, minha gente, Lula precisa mais de Severino do que Severino de Lula. Tem seis agentes de segurança de Brasília tomando conta de Severino aqui. Mas sabem qual é a arma que ele carrega? Um terço! (E Severino deu o terço para que o vereador o exibisse à multidão extasiada.)", discurso do líder do PP na Câmara Municipal de João Alfredo, Wilson França, no dia da chegada de Severino em sua cidade natal, 5 de março (trecho extraído do blog do Ricardo Noblat em uma cobertura in loco da aclamação popular de Severino em Pernambuco).

Igreja Universal da Esquizofrenia
Seis vezes ganhador do prêmio HQ Mix, o mais importante do Brasil, Lourenço Mutarelli desenha a nanquim direcionando a mão direita com uma espátula bem segura na esquerda, para domar um pouco o tremor de psicótico maníaco-depressivo que já teve diversos colapsos nervosos. Viciado em Lorax, um poderoso tranqüilizante, há quinze anos, abandonou o tratamento depois de ouvir seu médico dizer: "A diferença entre o neurótico, o psicótico e o psiquiatra é que o neurótico constrói castelos imaginários, o psicótico mora neles e o psiquiatra cobra o aluguel". O Natimorto é uma HQ sem desenhos, história curta de um agenciador de talentos que define seu destino diário pelo tarô das figuras de advertência no verso das carteiras de cigarro. Isola-se num quarto de hotel com uma cantora sem voz e desfia sua interpretação dos arcanos dos cigarro. "Isso é sublime. Ele tornou mãe a mulher que o pariu. E ela sempre dirá: meu filho 'nasceu' morto. Isso o torna um ser superior, quase santo. Viveu sem macular-se do mundo. Pulou uma passagem de sofrimento e desilusão", sobre a figura do recém-nascido decrépito divulgada pelo Ministério da Saúde. Mais underground e genial que o livro somente a entrevista com Lourenço, feita por Ronaldo Bressane ao final do livro. A esquizofrenia é a nova religião, com suas teorias da conspiração, símbolos, isolamento, vida virtual, personalidades múltiplas. Mutarelli, de pantufas e sem sair de seu apartamento é o profeta. Converti-me desde a página primeira. Interpretamos o mundo e predizemos seu futuro pelas figuras das carteiras de cigarro.

Para ir além






Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 14/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Rugas e rusgas de Elisa Andrade Buzzo
03. Soluções geniais para a escola e a educação de Ana Elisa Ribeiro
04. Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade de Yuri Vieira
05. As iluminações musicais de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/3/2005
17h28min
Cara Andréa: Talvez não sirva de alento, mas gostaria que soubesse que assim também me sinto. É curioso como, quando não se é parte da turba entorpecida e manipulada, se tem a sensação de solidão. A massa vive, por piores as condições que se apresentem, numa normalidade, numa cumplicidade que há muito não compartilho com quem quer que seja. O novo artilheiro argentino, o último eliminado do Big Brother, a vilã que morreu na cachoeira, nenhuma dessas drogas me entorpece mais. Uma vez inoculado pelo vírus da filosofia, tendo tido contato com Nietzsche e Schopenhauer, o cidadão abandona o senso comum definitivamente, tornando-se refratário às fórmulas de condução da boiada. Somos desgarrados da manada, Andréa, condenados a vagar sem destino pela terra do conhecimento, em plena era da informação.
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
15/3/2005
14h33min
Talvez a sua religiao seja as letras e o seu messias, os seus escritores mais amados... Tudo que se ama nao e' nossa religiao? Pelo menos e' assim que penso, senao nao ficaria seguindo meus professores de engenharia e tentando construir coisas de engenharia :). E talvez, nesses grupos religiosos a que voce foi nunca lhe contaram a verdade que sempre acabei encontrando (tentando as mesmas coisas): o caminho para se encontrar e' solitario, sem muito apoio, sem guia, e sem glamour. Mas ao menos, e' sem o Severino e o Lula, que podem ate ser presidentes, mas falam demais e sao chatos... Melhor seria se Luana Piovani fosse presidente. Ao menos e' bonita.
[Leia outros Comentários de Ram]
15/3/2005
16h33min
Ah, moça... eu digo que é muito triste estarmos assim, tão solitários. Às vezes, aliás, na maioria das vezes, eu gostaria muito de poder interagir com as pessoas ao redor de mim. Mas eu me vejo incapaz de fazer isto verdadeiramente, porque um me vê descrente e diz que preciso de religião. Então eu penso "não, obrigado, vou agüentar sozinho o peso de existir, porque não acredito no seu deus". Outro estranha as músicas que escuto e acha tudo muito esquisito. Então eu me afasto porque não quero escutar a rádio que toca toda aquela música ruim movida à jabá. Quando me aproximo de alguém e falo de literatura, não é difícil que um ou outro diga que gosta de ler. Mas quando pergunto o que a pessoa lê e ela cita algum best-seller "daqueles", já me dói continuar conversando. Encontro algum velho amigo que me cobra... "já casou?", "qual é seu carro?" ou se espanta quando eu digo que nunca gostei de Chaves (e é verdade, feliz ou infelizmente). Pô, eu passei a vida ouvindo as pessoas dizerem que é preciso ter personalidade. Bom, eu criei a minha. Mas vejo que há diversos "grupos" de pessoas uniformes. Todos seguindo o mesmo padrão de comportamento, acreditando, vendo, consumindo sempre as mesmas coisas. Sim, talvez as pessoas possam dizer que sou esquisito, que sou um doente ou sei lá o que. Mas... apenas eu e os que são mais ou menos como eu? Nossa! ("Cruz-credo!", alternativamente) Eu divaguei tanto que fugi do assunto "religião-tê-la-ou-não-?". Sinto que a religião é o aspecto mais importante de todo um conjunto de controles. Não quero, não quero mesmo. Obrigado se o cordeiro morreu para nos limpar dos pecados, mas eu não pedi, nem mesmo eu existia antes... Bom, eu poderia fazer média e brincar de faz de conta, mas não me é possível, estes brinquedos não me agradam. Então, eu me privo da convivência com tanta gente, ou engulo sapos em relação às pessoas com quem tenho de me relacionar. Bem que eu gostaria de pedi-los que se afastassem, para que eu "carregue minha cruz" mais tranquilamente... seja como for, a solidão me é angustiante, mas é o melhor que posso fazer por mim. Beijão! E pode me xingar, se eu viajei muito...
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
25/4/2005
21h30min
Andréa, você é genial! Identifiquei-me com sua "peregrinação". No meu caso, parei no espiritismo, cuja doutrina tem realmente uma excelente base filosófica, mas no dia-a-dia seus adeptos não passam de um monte de gente doida para fazer palestras (como gostam de conversar, credo!) e parecem carregar uma espécie de "carnezinho astral" (não podem ver um pobre que partem para cima; até assustam os coitados..., loucos para fazerem alguma boa-açãozinha, para verem se conseguem abater um pouco do tempo das próximas reencarnações). E só querem que você sofra, sofra e sofra... Eu descobri que não existe Deus. O que existe é dEus. Notou o "d" minúsculo e o "E" maiúsculo? É isso aí, o que existe é "Eus", ou seja, só existe o meu eu, o seu eu, o eu do outro, só existimos nós, abandonadíssimos a nós mesmos. Veja quanta selvageria o homem já sofreu do próprio homem, que pode perpetrar as maiores atrocidades que bem quiser (incrível, não? Basta querer). Esse tal de Deus pode até existir, mas sua inutilidade para nós, seres humanos, é cruelmente sentida a cada dia.
[Leia outros Comentários de Nigel Threwlys]
8/7/2005
21h58min
Andréa: adoro o modo como escreves, ou melhor, como deslizas, com palavras por sobre sentenças, como patins no gelo, formando longas trilhas de impressões e idéias, as quais não se pode parar para analisar, pois corre-se o risco de se cair dos patins, ou melhor de cima das palavras, com as quais tu nos domina e nos conduz até o fim dos teus textos. Neste momento percebo como tenho lido textos aborrecidos e descubro que perdi tempo em não ter descorberto a suavidade de patinar na neve ou ler teus textos; o que pode ser a mesma coisa, dependendo do grau de satisfação que cada uma delas nos traz e, para mim, foi semelhante. E quanto ao ateísmo natural, ao qual somos forçados a optar, devido à ignorância e instransigência das religiões milenares, este pode parecer a solidão de hoje, mas será a salvação da parte inteligente do planeta no dia em que este se dividir entre fanáticos religiosos e livres pensadores.
[Leia outros Comentários de Daubi Piccoli]
19/9/2005
06h26min
que alivio! pensei até hoje que me faltava condições morais para a pureza que tanto as religiões pregavam, efim posso agora me considerar normal, já não sou o único. muito obrigado, mas continuo não querendo nada com o sr. severino, ele não é confiável. gilberto fonseca
[Leia outros Comentários de gilberto fonseca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PASSWORD ENGLISH 1
AMADEU MARQUES
ÁTICA
(1995)
R$ 29,90
+ frete grátis



CURSO DE DIREITO COMERCIAL VOL. 1 - DIREITO DE EMPRESA
FÁBIO ULHOA COELHO
SARAIVA
(2008)
R$ 14,00



VOCÊ É TÃO JOVEM QUANTO A SUA ESPINHA.
EDITHA L. HEARN
PIONEIRA
(1987)
R$ 10,00



REPENSANDO A LEITURA NA ESCOLA
MAURÍCIO DA SILVA
EDUFF
(1995)
R$ 7,98



OS ENDEREÇOS CURIOSOS DE SÃO PAULO
MARCELO DUARTE / ILUSTRAÇÕES MARIA EUGÊNIA
PANDA BOOKS
(1999)
R$ 4,00



AGORA EU SEI! CIÊNCIAS 4 ANO
MARIA TERESA E MARIA ELISABETE ARMANDO COELHO
SCIPIONE
(2013)
R$ 48,00



LA IMAGEN INCONSCIENTE DEL CUERPO
FRANÇOISE DOLTO
PAIDÓS
(1986)
R$ 52,50



O ARQUITETO E O IMPERADOR DA ASSÍRIA - TEATRO VIVO
FERNANDO ARRABAL
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 10,00



DIÁRIO DE UM ADOLESCENTE HIPOCONDRÍACO
DIÁRIO DE UM ADOLESCENTE HIPOCONDRÍACO
34
(1993)
R$ 7,00



OPTIONS, FUTURES, AND OTHERS DERIVATIVES
JOHN C HULL
PRENTICE HALL
(1999)
R$ 250,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês