Easy Rider | Marcelo Zanzotti

busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Equipe econômica
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Jornais: conteúdo pago?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Noturno para os notívagos
>>> A revista Bizz
>>> O elogio da narrativa
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Na minha opinião...
Mais Recentes
>>> O Livro da Psicologia - Coleção: As Grandes Ideias de Todos os Tempos de Vários Autores pela Globo Livros (2016)
>>> Siga Seu Coração: descobrindo um objetivo para sua vida e seu trabalho de Andrew Matthews pela Sextante (2007)
>>> Estado, organização e pensamento social brasileiro de Claudio Gurgel & Paulo Emílio Matos Martins (orgs) pela Uff (2013)
>>> Um Olhar Para o Vale: 100 Mensagens de Fé, Esperança e Amor de Osvino Toillier (Organizador) pela Ieclb (2001)
>>> Viver e Entender a Vida de Sarah Kilimanjaro pela Leb (2000)
>>> 813: Os Três Crimes de Arsène Lupin de Maurice Leblanc pela Lafonte (2021)
>>> Arsene Lupin contra Herlock Sholmes de Maurice Leblanc pela Lafonte (2021)
>>> Estação Carandiru de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (1999)
>>> King of Thorns - Book Two of The Broken Empire de Mark Lawrence pela Penguin (2013)
>>> A Luz Através da Janela de Lucinda Riley pela Novo Conceito (2012)
>>> Emperor of Thorns - Trilogia dos Espinhos de Mark Lawrence pela Darkside (2014)
>>> Um Curso em Amor de Joan Gattuso pela Rocco (2000)
>>> Prince of Thorns - Trilogia dos Espinhos 1 de Mark Lawrence pela Darkside (2013)
>>> A Casa das Orquídeas de Lucinda Riley pela Novo Conceito (2014)
>>> Guia do Estudante: Universidade da Vida de César Castellanos D. pela Vision Art (2015)
>>> O Manuscrito de Chris Pavone pela Arqueiro (2015)
>>> The Sinner de Petra Hammesfahr pela Benvirá (2018)
>>> O Homem de Giz de C. J. Tudor pela Intrínseca (2018)
>>> Do Amor e Outros Demônios de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2009)
>>> Star Wars: O Último Comando - Trilogia Thrawn 3 de Timothy Zahn pela Aleph (2015)
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Internacional de Bíblia pela Thomas Nelson (2022)
>>> Cidade de Vidro de Paul Auster pela Mistério Gráfico (1998)
>>> Terra Sagrada de Rose Tremain pela Rocco (1999)
>>> O Papai é Pop 2 de Piangers pela Belas Letras (2016)
>>> Mãos limpas, coração puro de Gregory Frizzell pela Aamp (2012)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 14/3/2005
Comentários
Leitores


Easy Rider
Cara Andréa: Talvez não sirva de alento, mas gostaria que soubesse que assim também me sinto. É curioso como, quando não se é parte da turba entorpecida e manipulada, se tem a sensação de solidão. A massa vive, por piores as condições que se apresentem, numa normalidade, numa cumplicidade que há muito não compartilho com quem quer que seja. O novo artilheiro argentino, o último eliminado do Big Brother, a vilã que morreu na cachoeira, nenhuma dessas drogas me entorpece mais. Uma vez inoculado pelo vírus da filosofia, tendo tido contato com Nietzsche e Schopenhauer, o cidadão abandona o senso comum definitivamente, tornando-se refratário às fórmulas de condução da boiada. Somos desgarrados da manada, Andréa, condenados a vagar sem destino pela terra do conhecimento, em plena era da informação.

[Sobre "Deus está morto: Severino para presidente"]

por Marcelo Zanzotti
14/3/2005 às
17h28 200.206.72.162
(+) Marcelo Zanzotti no Digestivo...
 
Obrigado pelos novos autores
Oi, eu li o Minto Enquento Posso de Andreia Del Fuego, e concordo com o comentario de que é uma escritora que mostra um folego que nos promete um porvir, porem descrever seu livro como erotico eu discordo, alguns contos passam inclusive ao largo do assunto. Fiquei foi muito curioso para ler Cíntia Moscovich. Obrigado por nos trazer novos autores para descobrir.

[Sobre "Arquitetura e harmonia"]

por Gilberto
14/3/2005 às
14h58 200.207.155.147
(+) Gilberto no Digestivo...
 
melhor definição de clássico
Seu texto é excelente. Sem dúvidas é a melhor definição de clássico. Abraços

[Sobre "Uma conversa íntima"]

por Daniel
14/3/2005 à
00h18 200.158.6.222
(+) Daniel no Digestivo...
 
rica construção
Conseguiste sintetizar vários estágios do amor numa rica construção. Parabéns!

[Sobre "Separar-se, a separação e os conselhos II"]

por Mara Lane
13/3/2005 às
17h14 200.180.186.143
(+) Mara Lane no Digestivo...
 
O Mito Miguel de Unamuno
A Guerra Civil Espanhola, fracassada tentativa de Stalin de pôr os pés na península ibérica e controlar o continente europeu, foi pródiga em mitos. Um deles, alimentado e realimentado pela imprensa durante décadas, é o famoso episódio de Miguel de Unamuno, reitor da Universidade de Salamanca, sendo desafiado pelo general "franquista" Millán Astray, com a frase não menos famosa: Viva la muerte! Muera la inteligencia! Ponho franquista entre aspas, pois se havia algum franquista naquela cerimônia, realizada no dia 12 de outubro de 1936 - Día de la Raza - este era Unamuno, que naquele momento representava oficialmente o general Franco. O reitor foi salvo da ira de Astray e da vaia de muitos dos presentes por Doña Carmen Pollo, mulher de Franco, que o conduziu pelo braço até uma viatura do Quartel General. No entanto, ao referir-se ao episódio, não há redator que não se refira ao "intelectual anti-franquista Miguel de Unamuno".

[Sobre "Abel Sánchez, de Miguel de Unamuno"]

por Cledson
13/3/2005 às
08h29 201.4.154.51
(+) Cledson no Digestivo...
 
Cumprimentos
Bem-haja pelos seus comentários e divulgação de livros imperdíveis traduzidos para a língua portuguesa. Sempre que possível, solicito receber informações actualizadas: a leitura, a escrita e a investigação fazem parte do meu quotidiano, da minha actividade profissional. Grata pela atenção. Cumprimentos, Isabel Rosete

[Sobre "Digestivo nº 8"]

por Isabel Rosete
12/3/2005 às
17h02 81.193.220.98
(+) Isabel Rosete no Digestivo...
 
Arranha-céus!
Prezado Marcel, Vários dicionários definem “arranha-céu” como um “prédio alto, de muitos andares” — não só em português, como em outras línguas também. A definição técnica a que você se refere não exclui o uso corrente, conotativo, de “arranha-céu” como designação de prédio alto em geral, sem medição específica de altura.

Se formos entrar nas especificações, há quem diga que o arranha-céu tem de ter no mínimo 152 metros (500 pés) de altura, e não 200. E o primeiro arranha-céu do mundo, em Chicago, tinha 42 metros (138 pés) (o edifício “Home Insurance”, de William Lebaron Jenney). Assim, vemos também que o significado de arranha-céu não é um valor absoluto, auto-suficiente, mas sim um conceito dependente do contexto social, tecnológico e cultural, que tem se transformado ao longo do tempo e varia de acordo com o propósito do texto.

E qual o propósito do meu texto? Com a palavra, não pretendo denotar a especificação técnica do termo, pois este não é um texto sobre engenharia. Pretendo, sim, evocar um estado de espírito e apresentar uma vista literária e subjetiva da cidade. Meu uso conotativo, que aliás, como dito acima, está correto de acordo com o léxico oficial, também se justifica pelo uso da linguagem figurada do texto.

Além disso, vale lembrar que a palavra em questão é usada popularmente em referência à Avenida Paulista, não apenas por mim. E, finalmente, acredito que fixar a discussão nesse detalhe de meu texto foge tanto ao espírito geral quanto ao tema da coluna.

[Sobre "Para amar São Paulo"]

por Daniela Sandler
11/3/2005 às
22h40 69.108.118.246
(+) Daniela Sandler no Digestivo...
 
Turma da Pilantragem
Tenho 46 anos e era um aficcionado por Simona e a Turma da Pilantragem quando criança e só fiquei sabendo do ocorrido quando já pré-adolescente. Afinal, quem eram os PILANTRAS na verdade?

[Sobre "Simonal e O Pasquim: nem vem que não tem"]

por Edson Aquino
11/3/2005 às
22h14 201.17.57.193
(+) Edson Aquino no Digestivo...
 
Para amar São Paulo
Achei um pouco estranho chamar os prédios da Paulista de "arranha-céus". Um arranha-céu tem que ter 200m de altura, isso quer dizer que em São Paulo e no Brasil inteiro, não existe nenhum arranha-céu.

[Sobre "Para amar São Paulo"]

por Marcel Jueres
11/3/2005 às
21h43 201.14.185.93
(+) Marcel Jueres no Digestivo...
 
ler é prazer e dor
Caro Luiz, obrigado pela leitura do texto. concordo com seus comentários, apesar de achar meio cansativo tanta teoria. mas assim é, ler é um prazer e uma grande dor.

[Sobre "O crime e o castigo de um clássico"]

por jardel
11/3/2005 às
07h32 200.218.227.54
(+) jardel no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quem Pegou uma Ponta do Meu Chapéu de Três Pontas Agora Só Tem Duas?
César Cardoso
Gaivota
(2013)



Segurança Pública Como Tarefa do Estado e da Sociedade: Debates
Winfried Jung
Konrad Adenauer Stiftung
(1998)



Histórias do Brasil Profundo
Márcio Moreira Alves
Nova Fronteira
(2003)



Fala sério, mãe!
Thalita Rebouças
Rocco
(2004)



Economia e Mercados: Introdução À Economia - 19ª Edição
César Roberto Leite da Silva; Sinclayr Luiz
Saraiva
(2010)



Cães de Guerra
Frederick Forsyth
Record
(1974)



Os Semeadores de Vida
C. R. P. Wells
Icone
(1998)



Sedução
Nicole Jordan
Essência
(2010)



Os Satélites Artificiais
Rafael Clemente Soler
Biblioteca Salvat
(1979)



Gregos & Baianos
José Paulo Paes
Brasiliense
(1985)





busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês