Separar-se, a separação e os conselhos II | Fabrício Carpinejar | Digestivo Cultural

busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Mashup Camp Day One
>>> Estranha coincidência
>>> Aula com Suassuna
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (III)
>>> Os gatos, as bibliotecas e a literatura
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2006)
>>> Vença o Tigre de Jim Lawless pela Best Business (2015)
>>> Exclusivo - Confissões - Vol 4 de Kate Brian pela Galera Record (2013)
>>> Eu, Brasileiro, Confesso Minha Culpa e Meu Pecado de Frederico Oliveira Coelho pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Idéias Próprias de Cordelia Fine pela Difel (2008)
>>> Rim por Rim de Julio Ludemir pela Record (2008)
>>> O Líder Em Você de Michael A. Crom, Stuart R. Levine pela Best Seller (2010)
>>> No Começo Eram os Deuses de Jean Bottero pela Civilização Brasileira (2011)
>>> Minha Guerra Alheia de Marina Colasanti pela Record (2010)
>>> Sociedade Secreta - Escolhas de Formatura - Vol 4 de Diana Peterfreund pela Galera Record (2012)
>>> A Legitimidade e Outras Questões Internacionais de Gelson Fonseca Junior pela Paz & Terra (2005)
>>> Encurtando a Adolescência de Tania Zagury pela Record (1999)
>>> Acenos e Afagos de João Gilberto Noll pela Record (2008)
>>> O Fio da Palavra de Gavin Menzies pela Galera Record (2012)
>>> Vovó Benuta de Sonia Rosa pela Galera (2012)
>>> Horizonte Azul de Wilbur Smith pela Record (2006)
>>> Reencontros de Linda Howard pela Bertrand Brasil (2006)
>>> Odd Thomas de Dean Koontz pela Record (2009)
>>> Um Toque na Estrela de Benoite Groult pela Record (2008)
>>> O Fim do Verão de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (2002)
>>> Diferente - Quando a Exceção Dita a Regra de Youngme Moon pela Best Business (2011)
>>> A Máquina de Alicia Klein pela Best Seller (2008)
>>> Yoga Anatomy - Em Ingles - Esoterico de Leslie Kaminoff e Amy Matthews pela Human Kinetics (2012)
>>> Luz Sobre Yoga Yoga Dipika - Esoterico de B.K.S. Iyengar pela Integral (2016)
>>> Asana Pranayama Mudra Bandha - Esoterico de Swami Satyananda Saraswati pela satyananda Yoga Center (2009)
>>> Autoperfeição Com Hatha Yoga - Um classico sobre saude e qualidade de vida - Esoterico de Hermogenes pela Best Seller (2017)
>>> Anatomy Of Hatha Yoga - Em Ingles - Esoterico de H.David Coulter pela Body & Breath (2001)
>>> Só Tem Insônia Quem Quer de Celso Rausch pela Matrix (2009)
>>> Educando no Século XXI: Protagonismo Responsabilidade Social Formação de Esther Carvalho pela Cla (2017)
>>> Corpo Sem Idade, Mente Sem Fronteiras de Deepak Chopra pela Rocco (1994)
>>> Versos e Alguma prosa de Luís de Camões de Luis de camões pela Moraes (1977)
>>> Um Dono Para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1985)
>>> Um Dono Para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1985)
>>> Os Telecaramujos de Maria Heloisa Penteado pela FTd (1991)
>>> Bom Remédio de Tatiana Belinky pela Ediouro (1995)
>>> Rúdin de Ivan S. Turgueniev pela Global (1983)
>>> Livro Quem convece Enriquece de Napoleon Hll pela Cdg (2021)
>>> Livro Quem pensa enriquece de Napoleon hill pela Cdg (2021)
>>> FLAGRANTES - Poemas em Busca de um Alvo de Rosivaldo do Nascimento pela Artner (2020)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Companhia Edit. Nacional (1976)
>>> A Gorda e a Volta por Cima de Carlos Heitor Cony pela Ediouro
>>> Matemática Aula Por Aula 2° Série Ensino Médio. de Benigno Barreto Filho - Cláudio Xavier da Silva pela Ftd (2005)
>>> Quarto de despejo de Carolina Maria De Jesus pela Atica (2001)
>>> Che guevara por ele mesmo de Vários Autores pela Martin Claret (2005)
>>> O amor me trouxe de volta de Carol Bowman; Simone Lemberg Reisner pela Sextante (2010)
>>> Ramsés - a Batalha de Kadesh (vol. 3) de Christian Jacq pela Bertrand (1999)
>>> O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2008)
>>> O Físico - a Epopéia de um Médico Medieval de Noah Gordon pela Rocco (1988)
>>> A Dama Azul de Planeta do Brasil pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 9 de Yu Kuraishi pela Jbc (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/3/2005
Separar-se, a separação e os conselhos II
Fabrício Carpinejar

+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Magritte

Não conheço algo mais irritante do que dar um tempo, para quem pede e para quem recebe. O casal lembra um amontoado de papéis colados. Papéis presos. Tentar desdobrar uma carta molhada é difícil. Ela rasga nos vincos. Tentar sair de um passado sem arranhar é tão difícil quanto. Vai rasgar de qualquer jeito, porque envolve expectativa e uma boa dose de suspense. Os pratos vão quebrar, haverá choro, dor de cotovelo, ciúme, inveja, ódio. É natural explodir. Não é possível arrumar a gravata ou pintar o rosto quando se briga. Não se fica bonito, o rosto incha com ou sem lágrimas. Dar um tempo é se reprimir, supor que se sai e se entra em uma vida com indiferença, sem levar ou deixar algo. Dar um tempo é uma invenção fácil para não sofrer. Mas dar um tempo faz sofrer pois não se diz a verdade.

Dar um tempo é igual a praguejar "desapareça da minha frente". É despejar, escorraçar, dispensar. Não há delicadeza. Aspira ao cinismo. É um jeito educado de faltar com a educação. Dar um tempo não deveria existir porque não se deu a eternidade antes. Quando se dá um tempo é que não há mais tempo para dar, já se gastou o tempo com a possibilidade de um novo romance. Só se dá o tempo para avisar que o tempo acabou. E amor não é consulta, não é terapia, para se controlar o tempo. Quem conta beijos e olha o relógio insistentemente não estava vivo para dar tempo. Deveria dar distância, tempo não. Tempo se consome, se acaba, não é mercadoria, não é corpo. Tempo se esgota, como um pássaro lambe as asas e bebe o ar que sobrou de seu vôo. Qualquer um odeia eufemismo, compaixão, piedade tola. Odeia ser enganado com sinônimos e atenuantes. Odeia ser abafado, sonegado, traído por um termo. Que seja a mais dura palavra, nunca dar um tempo. Dar um tempo é uma ilusão que não será promovida a esperança. Dar um tempo é tirar o tempo. Dar um tempo é fingido. Melhor a clareza do que os modos. Dar um tempo é covardia, para quem não tem coragem de se despedir. Dar um tempo é um tchau que não teve a convicção de um adeus. Dar um tempo não significa nada e é justamente o nada que dói.

Resumir a relação a um ato mecânico dói. Todos dão um tempo e ninguém pretende ser igual a todos nessa hora. Espera-se algo que escape do lugar-comum. Uma frase honesta, autêntica, sublime, ainda que triste. Não se pode dar um tempo, não existe mais coincidência de tempos entre os dois. Dar um tempo é roubar o tempo que foi. Convencionou-se como forma de sair da relação limpo e de banho lavado, sem sinais de violência. Ora, não há maior violência do que dar o tempo. É mandar matar e acreditar que não se sujou as mãos. É compatível em maldade com "quero continuar sendo teu amigo". O que se adia não será cumprido depois.

* * *

Namoros e romances interrompidos provocam uma irritante pergunta anos depois: como seria a minha vida se estivéssemos juntos? Novos relacionamentos não apagam a lembrança interrogativa. A marca. O número do telefone na agenda. A ausência de uma última chance. A esperança de um encontro acidental.

Um desejo pela metade ainda é um desejo inteiro. O amor não se encerra, se abandona. Amor com dedicação dos dois, e dedicação é compreensão, não pode dar errado. O que dá errado é o medo da responsabilidade, que gera cobrança. Quanto maior a chance de vingar o amor, mais se cria um jeito de interrompê-lo. São detalhes bobos e tremendamente ridículos que costumam separar. Um pouco de esforço, um pouco de paciência e nada teria acontecido. O orgulho é um péssimo confidente e não deixa voltar atrás.

Amor não é fácil. O que é forte perturba, não acalma. Não conversei até esse momento com nenhum apaixonado com a cabeça no lugar. Todos estão sem cabeça e uma boca imensa a murmurar sozinha. Assim como os separados têm suas razões e concordo com ambos os lados. Mas por que os separados tem tanta necessidade de explicar o fim do namoro ou do casamento? A gente só explica o que não conseguiu entender. Minha culpa é explicativa, minha confiança é lacônica. O amor que tinha tudo para ser ideal e não foi sofre do "passado do umbigo". O passado do umbigo é acreditar que a época mais feliz já aconteceu entre os dois e não há maneira de repeti-la. Concordo: não há como repeti-la. Só que o passado do umbigo não permite que a felicidade cresça de outra forma, diferente da circunstância anterior. A mínima mudança de repertório e ambos ficam chateados. Não percebem que mudaram de emprego, mudaram de idéias, mudaram de rotina. E por que não podem mudar a forma de amar? Termina-se prisioneiro do início da relação e não se busca amadurecer a diferença, e sim insistir, em grau da chatice máxima, com a semelhança (meu otimismo diz que sou muitos mesmo quando estou sozinho; um de mim deve prestar).

Outro sintoma que enfraquece o amor é a aparência diante dos colegas e conhecidos. Na hora que o par escuta: "vocês fazem um casal perfeito", cuidado, esse elogio é perigoso e apressa o vinho. Os dois são tratados como casados ainda que namorando. "O que queremos?" assume a condição deturpada de "o que eles vão pensar?". O casal passa a viver mais para fora do que para dentro de casa. A expectativa dos outros contamina a pureza do trato, do convívio, a solidão de raríssimas estrelas e terra escura. Namorar assume o despropósito de desfilar. Há tanta gente metendo bedelho na história que o par não consegue escutar suas vozes e vontades.

Casal perfeito é o que se separou alguma vez para voltar mais sereno e apaixonado.

* * *

Fico cansado quando escuto "a futilidade das roupas, a futilidade das lojas, a futilidade de desfiles e modas". O discurso pronto a declarar despojamento e vida franciscana. É o mesmo que criticar os homens pelo futebol. Cansa a lengalenga conta o consumismo, de que devemos encampar valores altos, nobres e lúcidos da boca para fora. Não cola subir no púlpito para fingir desenraizamento. Não se agüenta ser profundo todo momento - seria um tédio letal falar de Sartre e Simone de Beauvoir a cada sinal de trânsito. A futilidade é a chance de reaver o descanso e o equilíbrio. Confesso: adoro lojas, adoro comprar roupas. Algum problema? É um exercício de imaginação. Provar, tirar, pôr as peças. É ser escalado para fazer o figurino de um filme, testar novas personalidades, impor personagens fora de minha rotina. Uma gravata muda o pescoço. Um casaco ajeita a cintura. Um sapato abre o rosto. Não se deve subestimar a mistura das cores. Escolher a roupa é ganhar o poder de definir se vai chover amanhã ou não. Ou alguém confia em quem combina o cinto com as meias? Posso estar cheio de problemas, atarefado, apressado, brigado, acabei de me desentender com a minha mulher ao telefone e esqueço tudo ao entrar em uma loja. Recebo a tranqüilidade de mão beijada. Toda loja se transforma em minha casa na serra, minha casa na praia. Fico anestesiado, festivo, brinco com as atendentes. Não há ninguém incomodando e xingando, suplicando ajuda, me questionando. Terei um tempo só para mim. Todo o provador se torna uma cama com espelho no teto. Intervalo em que visito meu corpo com satisfação. É narcisismo, talvez, narcisismo ao avesso, de procurar ser um outro bem melhor do que sou. E qualquer um pode fazer isso de graça. Não estou falando em dívidas. Experimentar não tira a carne. As lojas são o meio essencialmente democrático até a hora do pagamento. E que satisfação entrar em um número menor! Compro a roupa mesmo não gostando dela. Para usar de peça testemunhal em dias de desvalia profunda. Sou metrossexual, duvido. Dificilmente alguém com meu nariz será metrossexual. Aliás, nem sei como entrar no grupo. Tem que ter indicação como no Orkut? Parece mais uma decisão sexual do que uma moda. Responderei a partir de hoje os questionário de embarque colocando um x em outras opções: não sou homossexual, heterossexual ou bissexual, sou metrossexual.

Nota do Editor
Fabrício Carpinejar é poeta, autor de seis livros: entre eles, Cinco Marias (2004) e Caixa de Sapatos (2003). Estes textos foram originalmente publicados em seu blog e reproduzidos aqui com sua autorização.


Fabrício Carpinejar
São Leopoldo, 11/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
02. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
03. O turista imobiliário de Marta Barcellos
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos de Humberto Pereira da Silva
05. Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Fabrício Carpinejar
Mais Acessadas de Fabrício Carpinejar em 2005
01. A Invenção de Orfeu de Jorge de Lima - 14/7/2005
02. Separar-se, a separação e os conselhos - 18/1/2005
03. Pais e filhos, maridos e esposas II - 20/4/2005
04. Separar-se, a separação e os conselhos II - 11/3/2005
05. Pais e filhos, maridos e esposas - 25/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/3/2005
17h14min
Conseguiste sintetizar vários estágios do amor numa rica construção. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Mara Lane]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Marana Pabeima Guerra Infinita
Arlindo Freire
Maninbu
(2013)
R$ 50,00



ensaios de philosophia do direito autografado
josé mendes
nd
(1905)
R$ 218,00



Cliente Nunca Mais! 500 Dicas para Irritar Ou Perder Clientes...
Sérgio Almeida
Casa da Qualidade
(1994)
R$ 10,00



Hot Wheels Atividades Radicais - Livro de Colorir e de Atividades
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2016)
R$ 11,52



Os Maus Repazes de Bagdad, Diário de Guerra
Alfonso Rojo
Inquérito
(1991)
R$ 18,00



Pirâmdes, Esfinges e Faraós - Coelção Descoberta do Mundo
Kurt Lange
Itatiaia
(1964)
R$ 20,00



As Histórias de Ana e Ivan - Boas Experiências Em Liberdade Assistida
Maria de Lourdes Trassi Teixeira
Fundação Abrinq
(2006)
R$ 10,00



Sistemas Agroflorestais no Semiárido Brasileiro...
André L. R. Gonçalves
Sabiá
(2016)
R$ 13,00



Sketcbook
Will Conrad
Criativo
(2013)
R$ 40,00



A família de que se fala E a família de que se sofre (O livro negro da família, do amor e do sexo) José Angelo Gaiarsa (Psicologia, comportamento)
José Angelo Gaiarsa
Ágora
(1986)
R$ 10,00





busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês