Inesquecíveis aventuras | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/1/2005
Inesquecíveis aventuras
Eduardo Carvalho

+ de 5500 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Aventuras em Londres

Londres pode ser resumida na Speaker's Corner, no Hyde Park: como a cidade mais cosmopolita, intelectualmente estimulante e engraçada do mundo. Não era permitido, em 1872, que se falasse mal da rainha em solo britânico: alguns espertinhos, então, descobriram uma solução: e, num canto do Hyde Park, subiam numa caixa de madeira, para - descolados do chão - falarem livre e impunemente. É a típica tradição britânica, que, por mais estranha que seja, pegou: e continuam lá, aos domingos, uma audiência e oradores com as mais diversas origens e das mais variadas categorias, conversando sobre os assuntos mais básicos e os mais exóticos.

Não existe programa mais divertido em Londres. E arrisco dizer, portanto: no mundo. A Speaker's Corner é, ao mesmo tempo, um símbolo do debate civilizado, o reflexo de um planeta segmentado e uma alternativa para comediantes desconhecidos. Em cada canto se reune, em volta de um orador, o público interessado pelo assunto. Que podem ser dos mais engraçados - como o de um senhor convencido de que e a reencarnação de Jesus Cristo - como os mais pretensiosos - querendo explicar, em poucas horas, toda a engrenarem do "sistema em que vivemos", do mercado financeiro ao tráfico de drogas.

Passei um domingo, recentemente, ouvindo uma discussão entre mais ou menos cinco pessoas - com o orador, neste caso, fazendo mais o papel de moderador, comentarista do debate. Um estudante de literatura estava convencido de que o comunismo ainda não havia sido experimentado da forma como Marx previu; um outro dizia que nunca ia ser, porque nenhuma ideologia se aplica, na prática, com a mesma facilidade que é descrita na teoria. Um gordinho, aparentemente membro do sindicato dos caminhoneiros, concordava com os dois, indeciso. Um irlandês, diretor de uma empresa de tecnologia, dizia que a experiência do Zimbabwe, com Mobuto - assumidamente comunista -, nunca iria civilizar o país, e é preciso entender como o mesmo conceito pode ser bonito e flexível, e nunca resolver nada.

O moderador - com um topete parecido com o de Chistopher Hitchens - acalmava os mais animados. Era impressionante o seu equilíbrio em cima de duas caixas de plástico. Estava sempre quase caindo, mas não ia cair nunca; como o debate que - quase sempre virando confusão - se manteve numa linha civilizada. E todos se divertiam.

Na platéia, havia uma senhora elegante, que passeava no parque com o seu cachorro; um estudante de letras clássicas de Cambridge, que costuma ir ao Hyde Park aos domingos; um negro de gorro e cachecol, com a Economist embaixo do braço; um palestino engraçado, que fazia piadas de todos os comentários; uma menina loira e linda, que, depois de correr pela manhã, de tênis e walkman, juntou-se à discussão. A platéia não poderia ser mais colorida e, em certo sentido, confusa. Assim como é colorida hoje a população de Londres, e confusa como os debates internacionais. Naquele domingo na Speaker's Corner, pelo menos, nada foi resolvido na porrada.

Aventuras no Brasil

Assisti, no auditório do Magdalen College, aos dois documentários sobre Lula lançados recentemente no Brasil: Peões e Entreatos, de Eduardo Coutinho e João Moreira Salles. Foi a primeira apresentação dos dois filmes fora do Brasil, organizada pelo Centre for Brazilian Studies da Universidade de Oxford. A versão internacional das fitas inclui uma curta introdução histórica, e, em Entreatos, a filmagem de uma entrevista coletiva para a imprensa estrangeira, concedida por Lula e a sua equipe. Nessa entrevista, um jornalista - aparentemente espanhol - perguntou a José Dirceu o que ele aprendeu em Cuba que poderia aproveitar se Lula ganhasse as eleições. Dirceu ficou paralisado, e Lula rapidamente pegou o microfone e, com a simpatia que se esforçou para manter durante toda a campanha, respondeu: "Nós também queremos saber". Todos caíram na risada, e Dirceu, quando começou a falar, desviou a conversa para assuntos completamente diferentes.

Esse clima de descontração vazia, orquestrada por Duda Mendonça, é o que domina as cenas de Entreatos. Nós não vemos preocupações sinceras nem propostas sérias, e a campanha, em conversas reservadas ou discursos para a televisão, parece sempre uma pequena conspiração para enganar o Brasil. Todas as campanhas, de perto, talvez sejam assim. E o programa do qual participei, assistindo aos dois documentários no mesmo dia, deve reforçar essa impressão. Porque em Peões os personagens - os companheiros de anônimos de Lula nas greves sindicais no inicio dos anos 80 - estão, em contraste, perdidos entre ilusões marxistas e presos a uma rotina pequeno-burguesa, que negam quase alucinadamente. Esse é, em grande parte, o perfil do eleitorado de Lula. E é compreensível que, para eles, Lula tenha se transformado num ídolo: num modelo de proletário que confessa ter conquistado a esposa com seu fusca azul-turqueza - e, hoje, num presidente de esquerda que conquista o mundo a jato.

Os piores momentos dos documentários são os supostamente mais inteligentes. Quando Lula, por exemplo, diz que o PT é um partido único no mundo, porque nasceu dentro do movimento operário, e não da "proletarização de intelectuais", reparamos na sua equipe e nos seus amigos - Dirceu, Mercadante, Suplicy, Graziano, Frei Beto, etc. -, e nos perguntamos: em qual fábrica essas pessoas trabalharam? Lula pode até ter perdido o mindinho; mas, hoje, é o único da turma - e não pode ser usado para justificar uma generalização agora falsa. Como ficou claro em Peões, o PT não é mais o partido deles.

Aventuras em Oxford

As referências literárias em Oxford são inesgotáveis. E a vida que se leva aqui, tranqüila e bonita, pode ainda ser muito próxima de um capitulo de Evelyn Waugh - e imaginamos se existe alguém como a Julia Flyte, escondida numa casa de campo. Em todos os lugares, em qualquer passeio, esbarramos com um de nossos escritores favoritos. Num dos últimos exemplares do Oxford Student, aliás, um dos textos comentava justamente essa impressão mágica quando se chega na cidade: que é como se entrássemos num livro, num filme.

Descobri, nesta semana, que J.R.R. Tolkien morou no mesmo quarteirão em que estou hospedado. Quando fui ao Magdalen College, na semana passada, para assistir a dois documentários sobre o Lula, atravessei os jardins do Christ Church e o Jardim Botânico: o mesmo percurso que Sebastian e Charles fizeram, em Brideshead Revisited, enquanto conversavam sobre seus planos para o futuro. No Christ Church - onde foi, aliás, filmado Harry Potter - estudaram de Lewis Carroll a Gilberto Freyre: e os personagens de Alice no País das Maravilhas, discretos e simpáticos, estão nos vitrais do dinning room, onde Carroll se encantava com a beleza da filha de outro fellow do Christh Church. A lista de poetas e escritores - let alone cientistas, atores, politicos, músicos, etc. - que passaram por aqui é interminável: Aldous Huxley, Willian Goldwin, P. B. Shelley, W. H. Auden, Oscar Wilde, Thomas Quincey, Graham Greene, John Ruskin...

Acabei de me formar em administração de empresas, em São Paulo, e a comparação é inevitável. A FGV, onde estudei, é muito parecida com a London School of Economics - os alunos, os prédios, os assuntos estudados, etc. -, mas é, em todos os sentidos, completamente diferente de Oxford. E a USP, onde estudei seis meses, não seviria para comparação. O estudante em Oxford é acompanhado individualmente por um tutor, mas tem também total liberdade para ir - ou não - às aulas que quiser. O fundamental é que se estude muito - e sozinho. Numa lecture que fui nesta semana, de Laurence Withehead, sobre democracia em países subdesenvolvidos, fiquei maravilhado com o discurso racional e fluente do professor, enquanto comentava questões especificas de Belize a Coréia do Norte, com uma erudição fabulosa em assuntos políticos e econômicos. A aula se deu numa espécie de sala de estar, equipada com televisão de tela de plasma e lareira, com os professores sentados em poltronas e os alunos em cadeiras e sofás.

Os eventos sociais em Oxford podem também parecer estranhos a um estudante brasileiro. Fui, nesta semana, a uma homenagem ao poeta escocês Roberto Burns, organizada pelo Middle Commom Room do Queen's College - que está completando 700 anos. O pessoal declama um poema e toma uísque, para despois descer ao bar do college. No jantar no dinning room, os estudantes - pelo menos duas vezes por semana - jantam de smoking. E depois saem assim pela cidade. É engraçado como se gosta de black-tie em Oxford. Neste sábado, para um hunting dinner no Town Hall, precisarei também vestir minha gavata borboleta. Aliás, antes que esses eventos acabem, ou mudem de nome: a caça à raposa - que, junto com a Guerra do Iraque, dominou a agenda política inglesa no ano passado - provavelmente será proibida.

Quando, à noite, depois do jantar, tomamos um café enquanto os sinos de Oxford tocam, entendemos por que Gilberto Freyre e Vinicius de Moraes se encantaram com a cidade. Nenhum dos dois - que me conste - morou durante muito tempo em Oxford. Gilberto Freyre veio para um programa de três meses, e Vinicius - interrompido, quando estava em Paris, pela Segunda Guerra - não conseguiu ficar um ano na cidade. Mas Vinicius, entre leituras, cervejas e namoros, disse que sua passagem por Oxford "foi talvez o período mais fecundo de minha vida de poeta".

E de Gilberto Freyre: "Esta velha Oxford, onde de fato estive durante algum tempo de inesquecíveis aventuras intelectuais e psicológicas", para completar em outro artigo: "a melhor temporada da minha vida". E outro trecho de Gilberto Freyre - também estampado numa placa no Centre for Brazilain Studies, onde passei este mês - me parece ideal como despedida: "Justamente agora que eu me sentia tão de Oxford como se isto fosse o meu ambiente ideal. Tudo o mais, depois de Oxford, me parecerá mesquinho".


Eduardo Carvalho
Oxford, 28/1/2005


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2005
01. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005
02. Minha formatura - 5/8/2005
03. Uma conversa íntima - 11/2/2005
04. A prática e a fotografia - 25/2/2005
05. Com pouco peso - 14/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/1/2005
01h26min
Fala, Edu! Parabens pelo texto. Este ano mochilei na Europa e me perguntei "Por que fui tantas vezes aos EUA?" Europa é muita historia, muita inspiração e muita cultura.
[Leia outros Comentários de Frederico Jose Behme]
28/1/2005
10h42min
Fala, garoto! Acabei de ler sua coluna. Já está voltando? Pelo jeito, você tem tirado muitos aprendizados por aí. Tenho uma dúvida: e você, anda também discursando por essas esquinas? Vamos nos reunir na sua volta e tramar uma viagem em que tudo depois também parecerá mesquinho... Praias na Venezuela? Muchachas prontas a ouvir nossas inquietudes e tudo mais! Abraço
[Leia outros Comentários de Palhinha]
31/1/2005
11h26min
E aí Edu, que vida, hein! Aulas com lareira, gravata borboleta... precisas de um assistente?? Sinceramente acho que deves "dedicartes" mais a escrita! Parabéns! Um abraço e aproveite o quanto der e não der!
[Leia outros Comentários de Ricardo Jahnel]
31/1/2005
18h12min
Speakers corner, aventuras intelectuais e psicológicas, Hyde Park... sabe, meu caro, seu texto me deixou até com saudades de odiar Londres de novo. Another pint, mate! E outros textos, com a bela serenidade de costume!
[Leia outros Comentários de Diego Ferraz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANDANDO EM CÍRCULOS
RICARDO MENDES
AXCEL BOOKS
(2004)
R$ 10,00



EL LIBRO DE URANTIA
URANTIA FOUNDATION
URANTIA FOUNDATION
(1996)
R$ 170,00



APRENDIZAGEM TOTALIZANTE
ELCIE F. SALZANO MASINI
MEMMON
(1999)
R$ 10,00



A DIVINA COMÉDIA - PURGATÓRIO
DANTE ALIGHIERI
34
(2008)
R$ 25,00



PÚBLICOS DA CIÊNCIA EM PORTUGAL
ANTÓNIO FIRMINO DA COSTA E PATRÍCIA ÁVILA S
GRADIVA
(2002)
R$ 22,33



PONTO DE PSICOLOGIA GERAL
CÉLIA SILVA GUIMARÃES BARROS
ED. ÁTICA
(1993)
R$ 15,00



CRÉDITO NO VAREJO PARA PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS
SÉRGIO KAZUO TSURU E SÉRGIO ALEXANDRE CENTA
IBPEX
(2007)
R$ 5,00



MANUAL DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS - HP - C - 7674
JOSE DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1995)
R$ 18,00



O PROCESSO DA COMUNICAÇÃO
DAVID K. BERLO
FUNDO DE CULTURA
(1972)
R$ 12,00



DIARIO DE UM BANANA: MARE DE AZAR - VOL. 8 
JEFF KINNEY
V&R
(2014)
R$ 18,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês