O humor no divã de Freud | Carina Destempero | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
Mais Recentes
>>> Quase Tudo Em Cinco Envelopes de Lucio Pessoa pela Giostri (2016)
>>> O Romance da Besta Fubana de Luiz Berto pela Bagaço (1995)
>>> Odisséia- Adap. Roberto Lacerda de Homero pela Scipione (1997)
>>> Perdidos na Lua de André Laurie pela Nacional (1984)
>>> Onde Fica o Ateneu? - Com Suplemento de Luiz Gê; Ivan Jaf pela Atica (2008)
>>> Faz de Conta de Mirna Pinsky pela Moderna (1984)
>>> Ioga e Meditação de Swami Tilak pela Didatica e Cientifica Ltda (1991)
>>> Madman Vol. 1 de Mike Allred pela Dark Horse Comics (2006)
>>> O Estudante de Adelaide Carraro pela Global (1987)
>>> Seleções Março de 1975 de Vários pela Readers Digest (1975)
>>> Gotham City Contra o Crime - Vol. II de Greg Rucka pela Panini (2005)
>>> Shocking Pink de Erica Spindler pela Mira Books (1998)
>>> Seleções -março de 1973 de Varios pela Readers Digest (1973)
>>> E Agora? de Odettte de Barros Mott pela Brasiliense (1978)
>>> Texhistórica Nº41 de Da Editora pela Globo (2000)
>>> Todas as Coisas sem Nome de Walther Moreira Santos pela Cepe (2017)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas pela America do Sul (1988)
>>> A Testemunha Ocular do Crime de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Um Passe de Magica de Agatha Christie pela Record
>>> Assassinato no Campo de Golfe de Agatha Christie pela Adameri (1974)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> Por Que Ele Não Ligou? de Matt Titus - Tamsen Fadal pela Sem Fronteiras (2021)
>>> Granite man de Elizabeth Lowell pela Mira Books (1991)
>>> Cipreste Triste de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1987)
COLUNAS

Segunda-feira, 27/1/2014
O humor no divã de Freud
Carina Destempero

+ de 8100 Acessos

Impossível pensar em humor e psicanálise e não pensar no chiste. Outra coisa difícil é ler a palavra chiste e não achar que ela é um pouco estranha. Vou aproveitar essa estranheza e usa-la como ponto de partida para falar do chiste. Isso porque o chiste traz sempre algo de inadequação: muitas vezes é um neologismo ou, se não o é, é uma palavra utilizada em um lugar inesperado e que revela um significado diferente do que costuma ter. É muito comum falar de "contraste de ideias" ou "sentido no nonsense" ao tentar definir o chiste. Mas o chiste tem outra característica fundamental: o riso. Suponhamos que eu esteja conversando com alguém e a pessoa diz algo "sem querer"; se eu rio desse algo, e a pessoa também, fez-se um chiste. Se a pessoa não rir, aí temos um lapso, um ato falho, mas não o chiste, pois esse não existe sem o riso.

Para Freud, o humor é uma forma de recusa da realidade. Tentamos através do humor nos defender de situações reais difíceis que não podem ser evitadas de outra forma. Assim, o chiste seria como uma válvula de escape do inconsciente que o utilizaria para dizer de forma lúdica e engraçada o que não poderia fazê-lo de outro modo.

Para exemplificar vou recorrer a uma das situações descritas por Freud em seu livro Os chistes e sua relação com o inconsciente. O episódio foi tirado do livro Reisebilder (Quadros de Viagens) de Heine, poeta e escritor alemão. Heine dá o nome de um conhecido seu, Hirsch-Hyacint, ao personagem. Hirsch-Hyacinth no livro é um morador de Hamburgo, agente de loteria e mordomo profissional, que vive se gabando de manter relações próximas com Salomón Rothschild, uma das personalidades mais ricas da Alemanha. Hirsch-Hyacinth comenta: "E tão certo como Deus há de me prover todas as coisas boas, doutor, sentei-me ao lado de Salomón Rothschild e ele me tratou como seu igual - totalmente familionario.".

O primeiro ponto importante é que se ele tivesse dito, por exemplo, "ele me tratou de igual para igual" não teria havido chiste, pois é imprescindível o surgimento de algo novo. Nesse caso a novidade foi o neologismo familionario. Esse neologismo é o que comunica, o que revela, embora tenha surgido como algo errado e por isso causado desconcerto, ao parecer ininteligível e enigmático. Depois da surpresa inicial, há a descoberta dos novos sentidos e valores trazidos por aquela expressão. O efeito cômico dela remonta justamente à possibilidade de interpretá-la, revelando o sentido escondido à primeira vista.

O chiste apresenta duas fontes de prazer: a verbalização do jogo das palavras sem sentido, e o prazer de escapar da censura, de dizer o que se quer dizer sob disfarce. Freud lê esse chiste da seguinte forma: se entendermos apenas a parte mais óbvia da frase teríamos que "Rothschild me tratou como um igual - familiarmente." Mas aí se perde a segunda parte da sentença, condensada no chiste: a referência ao milionário. Familiarmente condensada a milionário, faz surgir como substituto familionario.

Essa condensação de ideias em uma só palavra revela outra característica do chiste, dizer muito falando pouco, ou o máximo de sentido em um mínimo de suporte. O que isso quer dizer é que o chiste é sempre breve no sentido de que não pode haver explicações demasiadas. Seu sentido surge no impulso, é um acontecimento entre quem fala e quem ouve, onde o surgimento de sentido inesperado causa riso.

O chiste então é, necessariamente, algo surpreendente, não planejado, diferente da piada, que é criada com o intuito de entreter. Para Freud, há dois tipos de piadas: inócuas e tendenciosas. As piadas inócuas são aquelas que nos proporcionam prazer apenas por causa das técnicas utilizadas para formá-la, como os jogos de palavras, representação pelo oposto, condensação, etc. Já as piadas tendenciosas são aquelas que têm uma finalidade - a mesma que a dos sonhos: a satisfação de desejos inconscientes. Elas seriam uma forma de nos libertarmos das nossas inibições para expressar agressividade, cinismo, desejos sexuais, enfim, todo tipo de pensamento "imoral". Com as piadas podemos expressar aquilo que de outra forma estaria relegado ao inconsciente.

Por isso o humor traz tanto prazer, sua criação vem de um triunfo sobre a realidade, uma recusa de nos afligirmos demasiadamente com a dureza da vida. Citando Freud "O humor não é resignado, mas rebelde.".

(E depois dizem que humor não é coisa séria.)


Carina Destempero
Rio de Janeiro, 27/1/2014


Mais Carina Destempero
Mais Acessadas de Carina Destempero em 2014
01. O humor no divã de Freud - 27/1/2014
02. O Bigode - 22/8/2014
03. A violência do silêncio - 24/3/2014
04. Era uma vez - 14/4/2014
05. Uma lição de solfejo - 30/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bichinhos do Brasil
Douglas Reis
Autodidata
(2008)



Os Homens dos Pés Redondos
Antônio Torres
Record
(1999)



Entre o Sensível e o Comunicacional
Bruno Souza Leal et alli
Autêntica
(2010)



Precificação e Comercialização Hedônica
Luiz Paulo Lopes Fávero
Saint Paul
(2006)



Brunner & Suddarth Tratado de Enfermagem Medico Cirurgica Vol 4
Suzanne C Smeltzer / Brenda G Bare
Guanabara/koogan
(2000)



Amor Em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Record
(1998)



Curso de Direito Tributário Volume 2
Ives Gandra da Silva (capa Dura) 5ª Edição
Cejup
(1997)



Odisséia do Teatro Brasileiro
Silvana Garcia (organizadora)
Senac São Paulo
(2002)



Dossiê Colômbia; Salas de Bate Papo Virtuais
Comunicação e Política Vol 21 - N.º 1
Cebela (rj)
(2008)



Lobos
Rubem Mauro Machado
Record
(1997)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês