Companheiros de Jornada | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
Mais Recentes
>>> Chamado ás Nações de Shoghi Effendi pela Bahai do Brasil (1979)
>>> Jesus Cristo de Karl Adam pela Vozes (1950)
>>> Mi Filosofia y Mi Religion de Rodolfo Waldo Trine pela Antonio Roch
>>> Análise das Cousas de Paul Gibier pela Federação Espírita Brasileira (1934)
>>> Doctrina del Conocimiento de Franz Hartmann pela Juan Torrents Y Coral
>>> Força Interior de Carlos França pela Círculo do Livro S.A. (1988)
>>> Dizionario di Scienze Occulte e Lessico Ultrafanico de Cesira Corti pela Ceschina (1962)
>>> O Cardial Cerejeira no Brasil de Federação das Associação Portuguesas do Brasil pela Alba (1934)
>>> Apologies des Religions Apologie du Bouddhisme de Carlo Formichi pela Nilsson
>>> Histoire de la Frane Maçonnerie Universelle ( Vol. 03 Somente este) de G. Serbanesco pela S.A.I.E. Moriame (1966)
>>> Histore de la Franc Maconnerie Universelle Volume 2 de G. Serbanesco pela S.A.I.E. Moriame (1964)
>>> Historia de las Creencias ( Em 02 volumes) de Fernando Nicolay pela Anaconda (1946)
>>> Simplicidade e Plenitude de Sarah Ban Breathnach pela Ediouro (2000)
>>> A Sciencia Secreta ( Em 02 volumes) de Henri Durville pela Pensamento (1926)
>>> Il Nuovo Catechismo Olandese de Elle Di Ci pela Torino Leumann (1969)
>>> Magnetismo Pessoal de Heitor Durville pela Pensamento
>>> Orfeo los misterios de Dionysos de Eaduardo Schuré pela Orintalista (1929)
>>> La curacion por la Magia de C.J.S. Thompson pela Ahr (1955)
>>> Biografia de Joaquim Gonçalves Lêdo de Nicola Aslan pela Maçonaria
>>> Christus Manual de historia de las religiones de José Huby pela Angelus (1952)
>>> A comunicação com além de Rubens B. Figueiredo pela Fase (1982)
>>> Darkness at Noon de Arthur Koestler pela The Macmillan Company (1946)
>>> Cartas Esotericas de Vandeto pela Pensamento
>>> Le Langage Secret des Symboles de David Fontana pela Solar (1993)
>>> From Bethlehem to Calvary de Alice A. Bailey pela Lucis Publishing (1937)
>>> Methodologies of Hypnosis de Peter W. Sheehan pela Lea (1976)
>>> La vida Interna de C.W. Leadbeater pela Glem (1958)
>>> Madru o filho das Estrelas de Frederik Hetmann pela Circulo do Livro (1984)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> História das Religiões de Charles Francis Potter pela Universitária (1944)
>>> Faca sem Ponta, Galinha sem Pé de Ruth Rocha pela Nova Fronteira (1983)
>>> Diccionario de Astrologia de Nicolás de Vore pela Argos S.A. (1951)
>>> Ramsés - o Filho da Luz de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Reino dos Deuses de Geoffrey Hoddson pela Feeu (1967)
>>> Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego de William Carey Taylor pela Juerp (1966)
>>> São José de Anchieta de Gabriel Romeiro e Guilherme Cunha Pinto pela Círculo do Livro S.A. (1978)
>>> Na terra da Grande Imagem de Mauricio Collis pela Civilização - Porto (1944)
>>> Oito Syntheses Doutrinarias de Vários pela Roland Rohe (1929)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> Vietnam a Guerrilha Vista por Dentro de Wilfred G. Burchett pela Record (1968)
>>> O Papa e o Concílio de Janus pela Elos
>>> Cristianismo Rosacruz ( Em 02 volumes) de Max Heindel pela Kier (1913)
>>> A Grande pirâmide revela seu segredo de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1972)
>>> Obras Interpretação Sintética do Apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1943)
>>> Poesias Completas de Mário de Andrade pela Martins (1974)
>>> As Cruzadas - Livro 1 - a Caminho de Jerusalém de Jan Guillou pela Berttrand Brasil (2006)
>>> O Romance da Astrologia ( Em 03 volumes) de Omar Cardoso pela Iracema
>>> A Grande Caçada de Robert Jordan pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr de Millôr Fernandes pela Nordica (1974)
>>> Outra Você de Newton Tornaghi pela Rio de Janeiro (1977)
COLUNAS >>> Especial Quem vale a pena seguir

Segunda-feira, 15/6/2009
Companheiros de Jornada
Ricardo de Mattos

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Diga-me com quem andas que eu te direi se vou contigo."(Anônimo)

Nesta segunda manhã de junho, gélida como o coração de quem nunca amou, entocamo-nos no gabinete de trabalho para concluir o texto do Especial proposto. Revisado o que já foi escrito e recolhidos todos os papeletes com anotações esparramados pela escrivaninha, dentro de revistas e de livros, a primeira sensação é que de o número dez pessoas ou referências é um pouco exagerado. Um escritor que se diga inspirado em dez outros escritores não é um escritor. Porém, ao aguçarmos a percepção, veremos que diariamente tiramos algo de fontes inesperadas. O morador de rua recebe um prato de sopa e um pão, mas não deixa de cortá-lo, mergulhar no líquido quente e dar o bocado para seu vira lata "Juninho", dilatando a solidariedade do grupo de jovens que observávamos. A solução de certa causa dificílima foi obtida porque inculcamos o palpite do oficial de Justiça e fomos conferir. A sugestão não se aplicava inteiramente ao caso, mas a partir dela fuçamos a legislação e elaboramos tese muito mais sólida e eficaz que a primitiva. Destarte, lições, ensinamentos, orientações, recebemo-los diariamente quando temos olhos para ver e ouvidos para ouvir. Contudo a proposta respeita a dez influências permanentes, e desculpamo-nos antecipadamente com o editor Julio Borges si o número não for alcançado.

A despeito preferirmos não utilizar imagens, sempre apreciamos aquela da Humanidade como imensa fila de pessoas dirigindo-se a lugar certo e comum. Isolado ou em grupo, cada um carrega seu lampião pessoal e intransferível. O conceito de reencarnação não causou outra alteração na representação além de estender o percurso e fazer-nos compreender melhor as noções de adiantamento e de atraso. Fulano segue com luz fraquinha, mas constante. Ali um enfatuado senta-se no caminho rindo-se dos que estão atrás dele, mas desconsidera os que avançam. Certos grupos acreditam que luminares avançados já nasceram naquele trecho do caminho lá da frente. Outros sentam-se à margem e esperam alguém vir buscá-los. Beltrano anda em círculos; e aqui perto, alguém que julgávamos bem mais adiantado. E realmente sicrano adiantou-se bastante, porém retornou para guiar os que se dispuserem ao esforço de firmar e acelerar o passo. Na atual jornada, a primeira e mais firme mão que seguramos foi a de nosso avô materno Ulisses. Ciente ou não da nossa curta coexistência ― tínhamos doze anos quando ele encerrou sua jornada física, e aos doze anos somos, com muita sorte, o rascunho de um esboço ―, ele pôs-nos às mãos o instrumento que nos permitiria trilhar dali em diante com relativa segurança: o livro. Toda semana um título novo, até completar a série infantil de Monteiro Lobato.

Não duvidamos que ele ainda nos acompanhe em nossas aventuras livrescas. Por três vezes, até hoje, envolvemo-nos com trabalhos relacionados a livros, a começar por esta coluna. Veio em seguida a organização da coleção de livros do grupo de apoio que ajudamos a coordenar por alguns anos e, recentemente, a biblioteca do Centro Espírita ao qual estamos vinculados. Tudo transcorreu com certa naturalidade e faz nascer a esperança de que outras questões também serão resolvidas com igual amor. Exemplo recente da "casualidade" com a qual os livros caem-nos às mãos é o Caderno Dourado, de Doris Lessing. Não o encontrando na livraria virtual, esbarramos nele no local mais improvável, o maior e mais desorganizado sebo de Taubaté, em prateleira localizada no canto a que dificilmente vamos, dada a quantidade de coisas entulhadas no caminho. Caindo lá, um abraço, ninguém nos acha mais. Este viver lendo promoveu introspecção incômoda para dadas ocasiões, mas não encontramos outro termo que o qualifique senão "fundamental".

A citação mais conhecida de Monteiro Lobato: "um país se faz com homens e livros". Certo. Não se faz com homens que apenas leem, apreciam as ideias e esquecem-nas ao fechar o volume. Constrói-se com homens que confrontam e enriquecem suas concepções e, ao largar o livro, agem conforme concluíram ser correto. Não é algo isento de perigos, pois colocando sua loucura em prática, Hitler dizia-se inspirado por Nietzsche, Fichte e até Henry Ford (!). A este exemplo infeliz, contrapomos o de Gandhi, quem pautou sua atuação política naquilo que concluiu da leitura da Desobediência Civil e Walden, de Toureau. É por este andar esclarecido e sólido, é pela opção de não agir por tentativa e erro à custa alheia como fazem os politicalhos pragmatistas de hoje, e é pelo conhecimento da responsabilidade do escritor que citamos o pai de Emília como nossa segunda referência. Tão ciente era Lobato desta responsabilidade que dirigiu às crianças as primícias de seu trabalho.

De volta ao Digestivo. O apoio inicial para a escrita alheia ao que até então fazíamos encontramo-lo no jornalista Dias Lopes, do caderno "Paladar", componente do jornal O Estado de São Paulo. Está bem arranjado o editor do site em que um dos colunistas encarregados dos livros baseou-se, primeiro, nos textos de um cronista gastronômico. Bom, Dias Lopes não apresenta pura e simplesmente uma receita, mas seleciona um prato ou alimento e discorre sem perder a fluência e muitas vezes com erudição ímpar. Um bom livro não é o alimento da alma? No mister perante o Digestivo há um inegável despreendimento em provar um acepipe aqui, encarar um prato desconhecido ali, arriscar-se voluntariamente a uma indigestão acolá... Como diz Tutty Vasques, outro colunista do mesmo jornal, "estas coisas a oposição não vê"!

Costuma-se dizer que os mais velhos têm muito a ensinar. É uma ideia acertada, mas o acerto é mais amplo do que se pensa ao repassá-lo. Os mais velhos ensinam muito o que se fazer, principalmente no âmbito profissional, sob o fundamento da maior experiência. Não poucas vezes, porém, ensinam o que não fazer. Embora o objetivo original fosse arrolar dez pessoas, aqui excluímos um indivíduo e encaixamos uma coletividade, acrescentando o enfoque da negação. Um brinde, pois, aos mais velhos com os quais aprendemos a saída de certas situações, porém brindemos também aos mais velhos cujos passos, conselhos e ensinamentos fizemos bem ignorar.

Voltando aos indivíduos, pensamos em Paulo Francis, apesar de termos lido por pouco tempo sua página no jornal. Ele soube sair no melhor da festa, em pleno vigor intelectual. Temo-lo como referência de vastidão cultural, contudo consideramos um desrespeito tentar imitá-lo ― assim como a qualquer pessoa. Falamos isso porque certa época não muito distante, pareca ser requisito curricular para a imprensa virtual o item "imitar Paulo Francis". O arremedo agride o original, é sempre uma caricatura e o imitador não passa dum corvo enfeitado. Quem copia acredita que será admirado por quem gostava do verdadeiro e pelos mesmos motivos, situação que, além de ridícula, demonstra parasitismo. Querendo ler ou lembrar de Paulo Francis, nós procuramos uma página de... Paulo Francis. Por mais mequetrefes que sejam nossos textos, eles são e devem ser sempre nossos. Concordamos com Anatole France, quando ele asseverou: "defendo as minhas imperfeições como se fossem a própria essência do meu ser".

Referências surgem em determinado período e são deixadas adiante. Isto se dá quando amadurecemos e depuramos o absorvido ou simplesmente preferimos outra abordagem das questões, mormente as existenciais. Daí a inclusão de outra coletividade neste rol, a dos filósofos estoicos. O presente texto, inclusive, teve como primeira inspiração o Livro I das Meditações de Marcus Aurelius. Parece ter havido descompasso entre o que viveram e o que escreveram, mas a certa altura de nosso passado foi convincente o modelo de "moral austera" a ser atingido. Ficamos um bocado chatos bom trecho de nossa vida, porém de alguma forma inferimos de sua filosofia certa ética imparcial e "contra tudo e todos", além de razoável autodomínio. Controlando, já não nos foi possível evitar certas desilusões e cremos que sem a seriedade por eles sugerida, a encrenca seria ainda maior. Fazendo um balancete, consideramos o saldo positivo mas observamos que o rigor pode ser dispensado. Não somos exemplos algum de virtude irretocável ― Deus o sabe, e como! ― mas aprendemos a não pretender que a natureza dê saltos.

Daí a importância de Michel de Montaigne, um cavalheiro ciente de suas qualidades e de seus defeitos, convidando-nos a realizar de fato o conhecimento pessoal e encararmos o que temos de mais antipático e que nem gostamos muito de ficar lembrando. A certa altura, Montaigne afastou-se dos livros para evitar interferências no olhar lançado sobre si. Cultivava o hábito da conversação sem distinguir classe ou educação, o que consideramos bastante saudável. Todavia, como dificilmente temos alguém para uma conversa sem tendências e posicionamentos fechados, acaba que nosso diálogo principal ainda é com os livros.

Como um cristão não coloca Jesus Cristo como sua primeira e maior referência? Aqui expomos sem constrangimento uma lembrança de nossa humanidade e de nossa falibilidade. Lendo a entrevista concedida à revista Veja pelo bispo católico que excomungou a equipe médica responsável pela intervenção de abortamento na menina de nove anos violentada pelo padastro, deparamo-nos na introdução com uma daquelas distinções óbvias, mas que só prestamos atenção quando levamos uma cotovelada. Há a doutrina do Amor e há o amor à Doutrina. Cremos que gastamos alguns anos ― ou seriam séculos? ― empenhados no segundo caso sem prestar muita atenção no primeiro. Recebendo do Alto a oportunidade de rever nossa trajetória, refazendo o que necessário, nada mais justo que coloquemos mãos a obra e reestudemos os ensinamentos da mais perfeita alma que pisou neste mundo. E foi providencial que só agora venhamos a ler A Vida de Santo Agostinho, escrita por Giovanni Papinni. Por causa de certos trechos, a obra poderia ser renomeada A Vida de São Ricardinho sem prejuízo algum. Além da aproximação com a vida pessoal, notamos a mesma busca da conciliação entre Fé e Razão. Agostinho nasceu cristão, mas percorreu o maniqueísmo, o ceticismo e o neoplatonismo para só então encontrar-se no catolicismo romano, fomentando o amor à Doutrina. Lêssemos a biografia em idade mais influenciável, certamente recrudesceríamos no apego, no verdadeiro ranço ortodoxo com o qual nascemos.

O que buscamos apresentar aqui foram referências mais ou menos constantes em nossa vida. Referência, apoio necessários quando nos detemos numa questão sem encontrar a solução, ou quando queremos conselho ou inspiração para as circunstâncias. Não queremos ser o novo Montaigne ou o novel León Denis ― filósofo espírita do qual gostamos muito ― mas buscamos paulatinamente a plenitude esperada de cada indivíduo. Voltando à imagem da Humanidade como enorme massa de pessoas andando, entendemos que os orientadores são pessoas que passaram por provas e questionamentos parecidos e com eles procuramos respostas aplicáveis à nossa época e lugar. Não é o caso de seguir: pisando em terreno já trilhado, em nada inovamos e desprezamos as próprias forças.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 15/6/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
02. A natureza selvagem da terra de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
03. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


Mais Especial Quem vale a pena seguir
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/7/2009
13h40min
Fantástico texto! Raciocinado, culto sem ser gongórico, preciso. Sem sectarismos, cita de Gandhi a Paulo Francis, passando por Jesus Cristo. Um texto para se orgulhar. É claro, portanto, que é o único lido até agora sem comentários... Tenho orgulho de ser o primeiro.
[Leia outros Comentários de Paulo Mauad]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEJA INSENSATO: O MODO POUCO CONVENCIONAL DE ALCANÇAR RESULTADOS
PAUL LEMBERG
BEST SELLER
(2009)
R$ 8,28



ANATOMIA DA COMUNICAÇÃO
JAMES J. THOMPSON
BLOCH
(1973)
R$ 14,00



ASAS DO TEMPO: CRÔNICAS E CONTOS - 1ª EDIÇÃO
GLORINHA MOURÃO SANDOVAL (AUTOGRAFADO)
EFUSÃO
(1992)
R$ 14,00



HISTÓRIAS SOBRE ÉTICA PARA GOSTAR DE LER
LA FONTAINE E OUTROS
ÁTICA
(2012)
R$ 14,90



JUST RIGHT - AMERICAN EDITION - INTERMEDIATE - WB W/KEY + A/CD
JEREMY HARMER - WORKBOOK
MARSHALL-CAVENDISH
(2007)
R$ 279,00



ESPUMA FLUTUANTES
CASTRO ALVES
KLICK
R$ 8,50



O ÓDIO COMO POLÍTICA - A REINVENÇÃO DAS DIREITAS NO BRASIL
ESTHER SOLANO GALLEGO (ORG)
BOITEMPO
(2019)
R$ 15,00



OS PENSADORES
HEGEL
NOVA CULTURAL
(1999)
R$ 15,00



O LIVRO DOS AMULETOS
GABRIELA ERBETTA E MICHELLE SEDDIG JORGE
PUBLIFOLHA
(2004)
R$ 8,80



AMANTE INDÓCIL
JANET DAILEY
CIRCULO DO LIVRO
(1980)
R$ 9,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês