Roçando a poesia de Alberto Beuttenmüller | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 30/11/2010
Roçando a poesia de Alberto Beuttenmüller
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3100 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

A pele da palavra é o nome do livro de poesias que Alberto Beuttenmüller publicou este ano pela Editora Aquariana, de São Paulo. Além dos poemas, o livro traz uma série de textos críticos escritos por Benedito Nunes, Nelly Novaes Coelho, Helio Pólvora e Mário Chamie. Ainda somos presenteados com uma belíssima narrativa de dois encontros entre o poeta e ninguém menos que Jorge Luis Borges ― o primeiro, no Brasil, em 1970, e o segundo, na Argentina, em 1977.

O livro reúne poemas datados de 1963 até 2009. Sentimos falta de uma explicação numa apresentação sobre o sentido da divisão do livro em várias partes, com poemas de datas diversas e títulos diversos como, por exemplo, "Parte 1 ― Poemas em progresso, 1991-2009", "A pele da palavra, opus 1, 1991-2009", "Cidades, 1963-2007", "Sociedades, 1980-2007", "Inéditos, 1963-2007" etc. Deduzimos dessa colocação dos capítulos que são poemas selecionados de outras obras, agora reunidos nesta edição de 2010, contando ainda com a publicação de inéditos de várias épocas, pois a data inicial dos referidos poemas é de 1963.

Benedito Nunes situa a poesia de Beuttenmüller dentro de uma prática que "se afirma insuflando na linguagem comum, sob a continuidade aparentemente arrítmica da prosa, uma nova retórica, que valorize, ao lado da exploração interna das palavras, os nexos sintáticos". E num jogo interessante, lúdico, sua poesia realmente se faz nessa brincadeira de nexos, que busca significar e insignificar, multiplicar sentidos ou esvaziá-los quando necessário, como nos seguintes versos: "Como cobra despela-se/ In-signi-fica-se,/ como apelo e atropelo".

Essa liberdade, primeiro de se fazer rítmica, depois livre das regras lógicas, acrescenta ao poema a mesma velocidade do mundo, suas contradições, seus agenciamentos desordenados, seu bric-a-brac, seu jogo de linguagem, suas formas-valise, sua verbo-visualidade (como no poema "Mulher", que tem o formato plástico de um santo).

Lendo assim os poemas, eles nos maravilham de dois pontos de vista: sua forma entrecortada, como as paisagens/arquiteturas das cidades modernas, e por sua musicalidade, também, entrecortada, como as guitarras sensuais do rock ou as improvisações nervosas do jazz.

O delírio erótico é outro elemento constante nos poemas, que se faz presente em jogos de palavras, quase verdadeiros cruzamentos dos sexos: "às vezes, pele por pele, às vezes sexo por nexo (...) por entre as pernas/ da palavra amor/ a pele expele/ sexo na palavra".

Essa dimensão do erótico pode ser deliciado no poema "Milão", que reproduzo abaixo, onde a mistura das partes da cidade, seu sol, calor e arquitetura levam seus habitantes à cópula geradora da vida.

"Milão
Entre as coxas do verão: Milão
Nas ruas nuas
Seios a romper blusas de sedas
Olhares eróticos na tarde
Na santidade do Duomo
Seios e sexos em cio
O verão de Milão
É pai de muita gente"

Mesmo em poemas tão valises, onde as palavras são agrupadas em seu sentido sonoro, Eros não deixa de participar, inclusive alocando visualidade e sonoridade. É o caso, por exemplo, do poema "Avalovara", dedicado a, evidentemente, Osman Lins. Veja trecho:

"Aveverso
Avesexo
Falopalavra
Avefalo
Avesseixo"

Esse apreço pela forma visual do poema e seu sentido pode ser visto no poema "Barca de Niterói", que também traz a denúncia da alienação da vida sob o capitalismo. O poema, do qual reproduziremos apenas trechos, tem o formato visual das famosas barcas que fazem o percurso Rio-Niterói (aqui não reproduzimos o formato).

"Barca de Niterói
O que mais dói na Barca de Niterói?
Grand moinho dentado
A sanguessugar o mar
O que nos rói na barca de Niterói?
O menino sem sapato
Ou aquele outro sem pé?
(...)
Funcionários funcionando
Como fuças funcionais
Entre bancos e abraços
Mastigando o tempo
De nada ter que fazer
(...)
Tudo ficou do outro lado
Como nos corrói a barca de Niterói
Dos olhos e mãos
Rolam ampulhetas cansadas
Cansadas de ser cansadas
Na barca de Niterói"

Um poema bastante forte dentro do livro é "Katatruz", espécie de máquina devoradora, que percebe e consome, sob o silêncio da madrugada, as vidas, paixões, injustiças, contradições, amor, sonhos, desejos... enfim, a totalidade da qual é feita toda a vida humana. Espécie de catadora de lixo ou restos humanos "a máquina nos fere", espécie de "máquina maquiavélica", nos cata nos instantes de mentira, verdade, delírio, solidão, desprezo, desespero.

As imagens construídas pelo poema são, por vezes, assustadoras, de uma máquina impiedosa a catar nossos dissabores, e pior, a revelá-los em nossa sina de amargurados seres que penam sobre a terra e sofrem sob a égide do Capital. Em alguns momentos somos tão parecidos com a própria "Katatruz" que sentimos seus braços mecânicos como nossos, sentimos sua voracidade como nossa, sentimos seu desejo destruidor como nosso.

Há momentos de lirismo amoroso no livro, que justificam o seu título, nos quais o prazer nos toca pelo jogo de aliterações das palavras e por seu significado amoroso imediato. É o caso do poema "Poema da amada":

"Navego, como se em voo cego,
a bela paisagem do teu corpo
alço-me por entre montes e vales
entre grutas florestas
vagueiam meus lábios vulgares
pelo pulsar anseio de teus seios
onde perco meu mapa e minha rota:
na laguna úmida do teu plexo,
na solidão do teu sol solitário.
Alço-me pela montanha do teu púbis
em plena floresta negra adentro
umedeço-me em teus grandes lábios
sacio a minha sede nesse teu oásis
de teu fremente corpo só miragem
com minhas impudicas mãos impunes
tateio toda tua geografia
mas
nada descubro nesse corpo-fogo
porque tu mulher mais que amada
tu és mais que o obscuro segredo
do insano clarão do meu desejo.

O que é constante na poesia de Beuttenmüller é a ideia da construção de uma possibilidade da liberdade de pensar o mundo se encontrar com a possibilidade da liberdade da língua traçar nexos verbais-sonoros coerentes com essa reflexão. Sua poesia é o resultado, portanto, de uma reflexão de mão dupla, entre linguagem e mundo, que se realiza de forma contundente, por vezes divertida, mas no mais das vezes ácida, irônica e incômoda.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 30/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
02. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
03. Correio de Elisa Andrade Buzzo
04. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
05. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A LUTA PELO DIREITO
RUDOLF VON IHERING
FORENSE
(1997)
R$ 10,00



MARX
TERRY EAGLETON
UNESP
(1999)
R$ 15,00



O EGITO DOS FARAÓS
FEDERICO A. ARBORIO MELLA
HEMUS
(1981)
R$ 40,00



INTRODUÇÃO À PESQUISA PSICOLÓGICA
ARTHUR J. BACHRACH
E. P. U
(1975)
R$ 10,00



AMULET (THE LAST COUNCIL)
KAZU LIBUISHI
SCHOLASTIC
(2011)
R$ 35,00



O FERRO NA CONSTRUÇÃO CIVIL (EDIÇÃO PORTUGUESA)
MARIANO HERNANDEZ
EDIÇÕES CETOP (LISBOA)
(1973)
R$ 16,82



A HISTÓRIA
ELSA MORANTE
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 45,45



JOYAS DE FAMILIA
JUDITH KRANTZ
EMECÉ
(1999)
R$ 60,00



OS AMBICIOSOS
HAROLD ROBBINS
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 7,00



AS MULTAS DE TRÂNSITO E O DUE PROCESS OF LAW;
REVISTA DE DIREITO DO TJ DO RJ - Nº 52
TJ RJ
(2002)
R$ 18,82





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês