Pais e filhos, maridos e esposas | Fabrício Carpinejar | Digestivo Cultural

busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> CONVITE, 14/08, 19h || Querido Embaixador, exibição especial seguida de debate
>>> Kyungso Park se apresenta dia 15 na Caixa Cultural Brasília
>>> Dia Mundial da Fotografia no Museu da República (RJ)
>>> SHOW SPYAIR
>>> Mariana Xavier fala sobre o canal Mundo Gordelícia no Viralizando
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
>>> Uma jornada Musical
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES V
>>> A passos de peregrinos lll - Epílogo
>>> Jeferson De, Spike Lee e o novo Cinema Negro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arrington pós-TechCrunch
>>> Como se vive uma vida vazia?
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Autobiografia teológica
>>> Tumblr: a renovação dos blogs
>>> 10 grandes
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela circulo do Livro (1981)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1978)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1979)
>>> Um Tesouro de Contos de Fadas de Vários (Clássicos Recontados) pela Ds max
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas da Oceania de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas das Américas de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Arcanjo Zadkiel e os Anos dos Milagres de Elizabeth Clare Prophet pela Nova Era (2009)
>>> Obras Escogidas: los Buddenbrook/ Alteza Real/ Señor y Perros de Thomas Mann/ (prêmio Nobel- 1929) pela Aguilar, Madrid (1956)
>>> Obras Escogidas (tomo Ii): Bajo las Estrellas de Otoño... de Knut Hamsun (prêmio Nobel- 1920) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Maçonaria Religião e Simbolismo de Samuel Nogueira Filho pela Traço (1984)
>>> Comedias Escogidas: El Nido Ajeno/ La Noche del Sábado... de Jacinto Benavente (prêmio Nobel/ 1922) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Obras Escogidas: Mirèio/ Calendau/ Las Islas di Oro... de Frédéric Mistral pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> Os Bruxos de Machu Picchu - Os Cinco Degraus do Conhecimento de Padma Patra pela Madras (1997)
>>> Comedias Escogidas/ Héroes/ Cándida/; Trata de Blancas/ Fascinación... de Bernard Shaw (premio Nobel 1925) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obras Ecogidas : una Aldea/ El Amor de Mitia y Otros Cuentos... de Iván Bunin/ (prêmio Nobel- 1933) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obra Escojida: Lírica Breve/ Teatro/ Cuento/ Aforismo... de Rabindranaz Tagore (premio Nobel 1913) pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> A língua de eulália de Marcos Bagno pela Editora Contexto (2014)
>>> Um dia de David Nicholls pela Intrínseca (2012)
>>> A maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> A culpa é das estrelas de John Green pela Intrínseca (2012)
>>> Os dois ou o inglês maquinista de Martins Pena pela Ibep Jovem (2013)
>>> O herói perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2011)
>>> O filho de Netuno de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> Cinco Minutos de José de Alencar pela L&PM Pocket (2011)
>>> O doente imaginário de Molière pela Editora 34 (2011)
>>> Iracema / Cinco Minutos de José de Alencar pela Martin Claret (2010)
>>> Bruxaria Contemporânea de Luciana Pereira Machado pela Pallotti (2008)
>>> O médico e o monstro de Robert Louis Stevenson pela Martin Claret (2013)
>>> Isaac Newton e sua maçã de Kjartan Poskitt pela Companhia das Letras (2011)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Editora Ática (2011)
>>> A Verdade sobre o Sudário de Kenneth E. Stevenson e Gary R. Habermas pela Paulinas (1983)
>>> A pirâmide vermelha de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> O lado bom da vida de Matthew Quick pela Intrínseca (2013)
>>> Espumas Flutuantes de Catro Alves pela Editora Escala (2018)
>>> Os cientistas e seus experimentos de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Companhia das Letras (2011)
>>> Um certo capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Companhia das Letras (2010)
>>> O poeta do exílio de Marisa Lajolo pela FTD (2011)
>>> Cromo-Cristal-Terapia na Apometria de Elizabeth Monteiro Schreiner pela Kuarup (1999)
>>> Uma Ideia Solta no Ar/ Girassol de Pedro Bandeira/ Ilustrações: Rogério Borges pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Um Anjo no Jardim/ Veredas de Lino de Albergaria/ Ilustr. Nélson Cru pela Moderna/ SP. (1993)
>>> O Senhor dos Pesadelos de Elisabeth Maggio pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Iniciação ao Tarô de Pedro Camargo pela Nova Era (1996)
>>> Sopa de Letrinhas de Teresa Noronha pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Sai pra Lá, Dedo-duro de Fanny Abramovich pela Moderna/ SP. (1994)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/3/2005
Pais e filhos, maridos e esposas
Fabrício Carpinejar

+ de 4300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Paul Klee

Não tomei cerveja com o meu pai. Não conversei sobre mulheres com o meu pai. Não fui ao cinema com o meu pai. Não visitamos a Expointer. O máximo de aventura que enfrentamos juntos foi quando ele estacionava em local proibido na rodoviária ao pegar os jornais e me deixava esperando no carro. Suportava a seqüência de tormentos: as buzinadas de quem vinha atrás, o pisca ligado eternamente e o pavor da multa do guardinha. Não tive nenhum papo adulto ou cabeça com ele. Ele não me indicou caminhos, não reprimiu escolhas. Não assinava meu boletim. Não autorizava minhas viagens escolares. Não me ensinou história, literatura, português. Não me explicou o sexo, a única vez que chegamos perto do assunto foi quando comentei que seria pai e já era tarde demais. Ele saiu cedo de casa (ao menos para mim), quando tinha oito anos. Não joguei futebol com meu pai e seus colegas contaram que atuava de centroavante. Queria ter jogado ao lado dele, mesmo que seja para reclamar da falta de passe. Ele escrevia muito e o escritório vivia trancado, impraticável para corridas e pega-pega entre os irmãos. Não podíamos entrar pela frente da residência. É óbvio que arrumava uma escada para espiar o que ele anotava pela janela. É óbvio que não enxergava nada de diferente.

Quando caminhava pela calçada, meu pai andava com as mãos atrás. Como é sábio andar com as mãos atrás! Tudo o que falam dele, eu paro para escutar como quem necessita reconstituir a vida que não teve. Amigos, inimigos, amores e desamores. Ouço qualquer história dele com ardor e paciência. Compraria histórias e palavras de meu pai. Meu pai é uma agenda que não foi usada. Por isso, não reclamo quando recolho os brinquedos de meus filhos pelos corredores. A maioria xinga a bagunça, não eu. Eu me alegro. Posso estar cansado, acabado, sem reservas e arrecadarei um por um dos brinquedos com dedicação. É noite alta, vou recolhendo os destroços e colocando os bonecos na prateleira. Faço um altar, distribuindo os anjos de madeira, de palha e de pano nos degraus das arquibancadas. Dobro as roupas nas gavetas. Organizo os carrinhos, sou capaz de escutar as vozes dos livros, esbarro em algum brinquedo eletrônico que quase acorda a vizinhança. Às vezes me perco em admiração pelos filhos. Entro em um transe, acionado por uma expressão nova, um fraseado diferente, uma pergunta esperta. Permaneço quietinho diante deles, mexo seus cabelos, como que colorindo desenhos dentro dos traços. Eles pensam que estou distraído. Ah se soubessem que presto atenção, tanta atenção que me disperso de mim. Só neles. Ausente enfim de mim.

* * *

Sofro de uma mania imperdoável. Peço para a minha mulher telefonar e passo a gritar atrás o que deve dizer. Sou um chato. Não deixo ela falar, cheio de idéias e detalhes repentinos. É desgastante passar a informação, raciocinar e ouvir o que acontece ao telefone e suportar um outro perto de si, despejando dicas, incomodando e corrigindo. Não é possível assistir dois canais ao mesmo tempo. A vontade é desabafar: "quer falar? então toma!" E meter o gancho goela abaixo do marmanjo. Há momentos que só Tom e Jerry explicam nossa vida. Qualquer mulher fica louca. O homem tem o insólito hábito de pedir um favor, meter-se drasticamente no meio da conversa, inspecionar o serviço e apontar somente observações negativas. Deixa de ser um favor para virar uma ordem, deixa de ser um carinho para virar uma disputa, deixa de ser uma gentileza para virar agressão. Os exemplos são simples. Ele não deseja ligar para sua mãe (conhece toda a incomodação que virá pela frente), mas precisa passar um recado urgente. A mulher decide generosamente fazer a ligação. Tem que agüentar o relato minucioso do dia da sogra e mais o marido soprando novas fofocas, detalhes e perguntas ao seu lado. Não há maior tragédia do que ser uma linha cruzada entre o marido e a sogra. É o mesmo que ser convidada para o próprio velório e ainda agradecer. Ou pode ser a encomenda de uma tele-entrega. Lá vai o marido listar o jeito que deseja a comida durante a ligação, com pedidos inúteis e caprichos intoleráveis. Nem sabe o que o atendente está dizendo e responde de forma paralela, com a naturalidade de um viva-voz. O cara não cala a boca: matraqueando letras para acelerar sua narração de turfe. É um cavalo nomeando cavalos. Assim que ela disca, o homem abandona a preguiça que não o fez telefonar, pula da cama, ganha uma disposição e eloqüência em instantes, entra em surto e se dispõe a comentar sem parar o assunto. Segue sua mulher pela casa, como uma sombra pegajosa e arrogante. Corre em círculos, uma criança abrindo a porta com os dentes. "Não esquece de pedir", sugere a cada dez segundos, para depois cobrar: "não pediste, né?" Demonstra um talento inato para provocar. Emerge o espírito brigão que o mantinha elétrico na infância. Se o homem reclama com insistência da co-piloto no carro ou tece piadas sobre a mulher no volante, não se dá conta que ele é o pior co-piloto que existe ao telefone.

* * *

Não se tem como adivinhar o que vem depois, não se tem como suportar o que veio antes, o que faz concluir que não se tem opção. A infelicidade de um casamento de 15 anos, de um namoro de cinco, de um emprego de dez. E não se muda nada, apesar da prisão e do desconforto, porque se botou na cabeça: não tenho opção. E se segue adiante com uma vaga expectativa de melhorar o ânimo, ou ao menos o cardápio do almoço. Com a vaga emoção de alterar o trajeto. Com a vaga noção de desentendimento. E se dorme e não se podia mudar pois os filhos estavam pequenos e se dorme e não se podia mudar pois os filhos estavam crescidos e se dorme e não se podia mudar pois os filhos estavam casando e se dorme e se esquece por oito horas, mas não é abafado o desânimo: a ferroada volta a arder e se cogita ter vivido à toa. Volta a suspeita de desperdiçar mais um dia da única eternidade que se conhece. E o corpo lembra um livro emprestado que se precisa devolver à biblioteca. Um livro que não foi lido, nem folheado pela curiosidade. E a multa aumenta e a vontade de ler diminui. E se botou na cabeça em alguma data indefinida: não tenho opção; em alguma latitude indefinida: não tenho opção; em algum aceno da cabeça, quando não suportava o silêncio tremer como uma boca chorando, quando não suportava os segredos escurecerem de mofo, quando não suportava a madeira nobre do armário perder as lascas da quina: não tenho opção. E se permanece num casamento triste, cego, morno, como se a luz fosse forte o suficiente para derrubar o telhado. A luz não fala alto. E se queria mais e se quer mais, e a resignação faz varrer as gavetas para queimar as pistas da inexistência. Não se acredita em mais ninguém, deixando a mão correr sem margens. Não se acredita em si, concordando para terminar logo o assunto. E se cala para não provocar briga e se desculpa por não conseguir vencer a timidez da falta de opção.

Quem diz que não tem opção ainda tem opção. Mesmo que seja para mudar de idéia, mesmo que seja para gostar novamente do que deixou para trás. Todos temos opção, sorrir ou ficar sério, brigar ou fazer as pazes, fugir ou pedir o divórcio, viajar ou pedalar o mar. Ao atravessar a rua, tenho a opção de olhar para a esquerda ou para a direita, para a amizade ou para sedução. Há opção na falta de opção. Há opção até depois da morte. Não admito essa covardia de escrever a própria vida sem assinar.

Nota do Editor
Fabrício Carpinejar é poeta, autor de seis livros: entre eles, Cinco Marias (2004) e Caixa de Sapatos (2003). Estes textos foram originalmente publicados em seu blog e reproduzidos aqui com sua autorização.


Fabrício Carpinejar
São Leopoldo, 25/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
03. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
04. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
05. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio


Mais Fabrício Carpinejar
Mais Acessadas de Fabrício Carpinejar em 2005
01. A Invenção de Orfeu de Jorge de Lima - 14/7/2005
02. Separar-se, a separação e os conselhos - 18/1/2005
03. Pais e filhos, maridos e esposas II - 20/4/2005
04. Separar-se, a separação e os conselhos II - 11/3/2005
05. Pais e filhos, maridos e esposas - 25/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/3/2005
1. !
18h38min
Que lindo, Fabrício...
[Leia outros Comentários de neusa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACCIÓN Y SÍMBOLO EN MIGUEL DE CERVANTES SAAVEDRA - BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ (LITERATURA ESPANHOLA)
BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ
USP - FACULDADE DE DIREITO
(1940)
R$ 50,00



INSTABILIDADE DO CANTO
HENRIQUE SIMAS
JOSÉ OLYMPIO
(1963)
R$ 8,97



DICIONÁRIOS BERTRAND FRANCÊS - PORTUGUÊS
JEAN ROUSÉ
BERTRAND
(1986)
R$ 8,00



CASTRO ALVES- IMAGENS FRAGMENTADAS DE UM MITO
EDILENE MATOS
EUC- FAPESP
(2001)
R$ 24,90



MICHELANGELO - A RENASCENÇA - GRANDES ARTISTAS
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 6,00



OS GRANDES PINTORES DA HISTÓRIA QUERO SABER POCKET
CONSTANTINO KOUZMIN-KOROVAEFF (TRADUÇÃO)
ESCALA
(2007)
R$ 8,00



TRÈS SAGE HÉLOISE - ROMAN
JEANNE BOURIN
LA TABLE RONDE
(1966)
R$ 14,90



GUIA PRÁTICO DE INVESTIMENTOS DAS BEARDSTOWN LADIES
BEARDSTOWN LADIES
SALAMANDRA
(1994)
R$ 20,00



MARIA NO NOVO TESTAMENTO
R.E. BROWN, K.P. DONFRIED, J.A. FITZMYER, J. REUMANN (ORG)
EP
(1986)
R$ 79,90
+ frete grátis



ANTOLOGIA POETICA
MANUAL BANDEIRA
NOVA FRONTEIRA
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês