Pais e filhos, maridos e esposas | Fabrício Carpinejar | Digestivo Cultural

busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gullar no Ofício
>>> Qualidade de vida
>>> A excelência do espírito
>>> O paulistano cordial
>>> É possível conquistar alguém pela escrita?
>>> Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras
>>> John Fante: literatura como heroína e jazz
>>> Imprensa em 2002
>>> Oswald de Andrade e o homem cordial
>>> Computadores, iPads e colheres de pau
Mais Recentes
>>> Arte brasileira de Circulo do Livro pela Circulo do Livro (1988)
>>> Galeria Nacional - Londres de Enciclopédia dos Museus pela Melhoramentos (1969)
>>> The Bolshoi Ballet de Yuri Slonimsky pela Foreign (1990)
>>> Gênios da Pintura: Veronese 21 de Luís Carta e Outros pela Abril Cultural (1967)
>>> Frank Lloyd Wright - Volume 1 de Gianluca Gelmini pela Folha de São Paulo (2011)
>>> Censo Cultural - São Paulo 1990 : Interior e Litoral de Secretaria de Estado da Cultura pela sec de Estado da Cultura (1990)
>>> 1000 Desenhos para quem não sabe desenhar - um verdadeiro dicionário de desenhos de Jean Arestein pela Ediouro grupo coquetel (1989)
>>> Madeira : Raiz do Brasil de Renato Brunello pela Caixa Cultural (2003)
>>> O Chamado da Floresta de Jack London pela Atica (1995)
>>> Que Azar, Godofredo! de Alexandre Azevedo pela Atual (1989)
>>> Dingono, o Pigmeu de Rogério Andrade Barbosa pela Melhoramentos (1997)
>>> É Difícil de Entender, Vô! de Nelson Albissú pela Atual (1993)
>>> The World God Made de Alyce Bergey pela Arch (1965)
>>> The True Story of Romeo and Juliet Stage 4 de Eduardo Amos pela Moderna (1997)
>>> Alfabetto - Autobiografia Escolar de Betto pela Atica (2002)
>>> O Portão Vermelho Romance Duma Terra Distante de Lin Yutang pela Pongetti (1958)
>>> Hidroterapia e Outros Tratamentos Naturais de Antônio Natanael de Paiva pela Casa (2003)
>>> Aventura na Serra do Mar de Fernando José de Souza pela Casa Publicadora Brasileira (1905)
>>> 24 Estudos de Execução Fácil para Piano de Pozzoli pela Ricordi (2000)
>>> Hanon o Pianista Virtuoso de A Schott pela Ricordi (1984)
>>> Sete Povos das Missoes de Walter Vetillo; Eduardo Vetillo pela Cortez (2012)
>>> Iniciação ao Violão Volume II de Henrique Pinto pela Ricordi (2000)
>>> Grandes Compositores e Suas Histórias de Hannelore Bucher pela Bucher (2004)
>>> Exercícios de Teoria Elementar da Música de Osvaldo Lacerda pela Ricordi (2000)
>>> A Técnica Diária do Pianista de E. Pozzoli pela Ricordi (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/3/2005
Pais e filhos, maridos e esposas
Fabrício Carpinejar

+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Paul Klee

Não tomei cerveja com o meu pai. Não conversei sobre mulheres com o meu pai. Não fui ao cinema com o meu pai. Não visitamos a Expointer. O máximo de aventura que enfrentamos juntos foi quando ele estacionava em local proibido na rodoviária ao pegar os jornais e me deixava esperando no carro. Suportava a seqüência de tormentos: as buzinadas de quem vinha atrás, o pisca ligado eternamente e o pavor da multa do guardinha. Não tive nenhum papo adulto ou cabeça com ele. Ele não me indicou caminhos, não reprimiu escolhas. Não assinava meu boletim. Não autorizava minhas viagens escolares. Não me ensinou história, literatura, português. Não me explicou o sexo, a única vez que chegamos perto do assunto foi quando comentei que seria pai e já era tarde demais. Ele saiu cedo de casa (ao menos para mim), quando tinha oito anos. Não joguei futebol com meu pai e seus colegas contaram que atuava de centroavante. Queria ter jogado ao lado dele, mesmo que seja para reclamar da falta de passe. Ele escrevia muito e o escritório vivia trancado, impraticável para corridas e pega-pega entre os irmãos. Não podíamos entrar pela frente da residência. É óbvio que arrumava uma escada para espiar o que ele anotava pela janela. É óbvio que não enxergava nada de diferente.

Quando caminhava pela calçada, meu pai andava com as mãos atrás. Como é sábio andar com as mãos atrás! Tudo o que falam dele, eu paro para escutar como quem necessita reconstituir a vida que não teve. Amigos, inimigos, amores e desamores. Ouço qualquer história dele com ardor e paciência. Compraria histórias e palavras de meu pai. Meu pai é uma agenda que não foi usada. Por isso, não reclamo quando recolho os brinquedos de meus filhos pelos corredores. A maioria xinga a bagunça, não eu. Eu me alegro. Posso estar cansado, acabado, sem reservas e arrecadarei um por um dos brinquedos com dedicação. É noite alta, vou recolhendo os destroços e colocando os bonecos na prateleira. Faço um altar, distribuindo os anjos de madeira, de palha e de pano nos degraus das arquibancadas. Dobro as roupas nas gavetas. Organizo os carrinhos, sou capaz de escutar as vozes dos livros, esbarro em algum brinquedo eletrônico que quase acorda a vizinhança. Às vezes me perco em admiração pelos filhos. Entro em um transe, acionado por uma expressão nova, um fraseado diferente, uma pergunta esperta. Permaneço quietinho diante deles, mexo seus cabelos, como que colorindo desenhos dentro dos traços. Eles pensam que estou distraído. Ah se soubessem que presto atenção, tanta atenção que me disperso de mim. Só neles. Ausente enfim de mim.

* * *

Sofro de uma mania imperdoável. Peço para a minha mulher telefonar e passo a gritar atrás o que deve dizer. Sou um chato. Não deixo ela falar, cheio de idéias e detalhes repentinos. É desgastante passar a informação, raciocinar e ouvir o que acontece ao telefone e suportar um outro perto de si, despejando dicas, incomodando e corrigindo. Não é possível assistir dois canais ao mesmo tempo. A vontade é desabafar: "quer falar? então toma!" E meter o gancho goela abaixo do marmanjo. Há momentos que só Tom e Jerry explicam nossa vida. Qualquer mulher fica louca. O homem tem o insólito hábito de pedir um favor, meter-se drasticamente no meio da conversa, inspecionar o serviço e apontar somente observações negativas. Deixa de ser um favor para virar uma ordem, deixa de ser um carinho para virar uma disputa, deixa de ser uma gentileza para virar agressão. Os exemplos são simples. Ele não deseja ligar para sua mãe (conhece toda a incomodação que virá pela frente), mas precisa passar um recado urgente. A mulher decide generosamente fazer a ligação. Tem que agüentar o relato minucioso do dia da sogra e mais o marido soprando novas fofocas, detalhes e perguntas ao seu lado. Não há maior tragédia do que ser uma linha cruzada entre o marido e a sogra. É o mesmo que ser convidada para o próprio velório e ainda agradecer. Ou pode ser a encomenda de uma tele-entrega. Lá vai o marido listar o jeito que deseja a comida durante a ligação, com pedidos inúteis e caprichos intoleráveis. Nem sabe o que o atendente está dizendo e responde de forma paralela, com a naturalidade de um viva-voz. O cara não cala a boca: matraqueando letras para acelerar sua narração de turfe. É um cavalo nomeando cavalos. Assim que ela disca, o homem abandona a preguiça que não o fez telefonar, pula da cama, ganha uma disposição e eloqüência em instantes, entra em surto e se dispõe a comentar sem parar o assunto. Segue sua mulher pela casa, como uma sombra pegajosa e arrogante. Corre em círculos, uma criança abrindo a porta com os dentes. "Não esquece de pedir", sugere a cada dez segundos, para depois cobrar: "não pediste, né?" Demonstra um talento inato para provocar. Emerge o espírito brigão que o mantinha elétrico na infância. Se o homem reclama com insistência da co-piloto no carro ou tece piadas sobre a mulher no volante, não se dá conta que ele é o pior co-piloto que existe ao telefone.

* * *

Não se tem como adivinhar o que vem depois, não se tem como suportar o que veio antes, o que faz concluir que não se tem opção. A infelicidade de um casamento de 15 anos, de um namoro de cinco, de um emprego de dez. E não se muda nada, apesar da prisão e do desconforto, porque se botou na cabeça: não tenho opção. E se segue adiante com uma vaga expectativa de melhorar o ânimo, ou ao menos o cardápio do almoço. Com a vaga emoção de alterar o trajeto. Com a vaga noção de desentendimento. E se dorme e não se podia mudar pois os filhos estavam pequenos e se dorme e não se podia mudar pois os filhos estavam crescidos e se dorme e não se podia mudar pois os filhos estavam casando e se dorme e se esquece por oito horas, mas não é abafado o desânimo: a ferroada volta a arder e se cogita ter vivido à toa. Volta a suspeita de desperdiçar mais um dia da única eternidade que se conhece. E o corpo lembra um livro emprestado que se precisa devolver à biblioteca. Um livro que não foi lido, nem folheado pela curiosidade. E a multa aumenta e a vontade de ler diminui. E se botou na cabeça em alguma data indefinida: não tenho opção; em alguma latitude indefinida: não tenho opção; em algum aceno da cabeça, quando não suportava o silêncio tremer como uma boca chorando, quando não suportava os segredos escurecerem de mofo, quando não suportava a madeira nobre do armário perder as lascas da quina: não tenho opção. E se permanece num casamento triste, cego, morno, como se a luz fosse forte o suficiente para derrubar o telhado. A luz não fala alto. E se queria mais e se quer mais, e a resignação faz varrer as gavetas para queimar as pistas da inexistência. Não se acredita em mais ninguém, deixando a mão correr sem margens. Não se acredita em si, concordando para terminar logo o assunto. E se cala para não provocar briga e se desculpa por não conseguir vencer a timidez da falta de opção.

Quem diz que não tem opção ainda tem opção. Mesmo que seja para mudar de idéia, mesmo que seja para gostar novamente do que deixou para trás. Todos temos opção, sorrir ou ficar sério, brigar ou fazer as pazes, fugir ou pedir o divórcio, viajar ou pedalar o mar. Ao atravessar a rua, tenho a opção de olhar para a esquerda ou para a direita, para a amizade ou para sedução. Há opção na falta de opção. Há opção até depois da morte. Não admito essa covardia de escrever a própria vida sem assinar.

Nota do Editor
Fabrício Carpinejar é poeta, autor de seis livros: entre eles, Cinco Marias (2004) e Caixa de Sapatos (2003). Estes textos foram originalmente publicados em seu blog e reproduzidos aqui com sua autorização.


Fabrício Carpinejar
São Leopoldo, 25/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol
02. Eu matei Marina Abramovic (Conto) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Novos velhos e lagostas de Carla Ceres
04. 7 vidas de um quadrinista de Gian Danton
05. Bukowski e as boas histórias de Luiz Rebinski Junior


Mais Fabrício Carpinejar
Mais Acessadas de Fabrício Carpinejar em 2005
01. A Invenção de Orfeu de Jorge de Lima - 14/7/2005
02. Separar-se, a separação e os conselhos - 18/1/2005
03. Pais e filhos, maridos e esposas II - 20/4/2005
04. Separar-se, a separação e os conselhos II - 11/3/2005
05. Pais e filhos, maridos e esposas - 25/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/3/2005
1. !
18h38min
Que lindo, Fabrício...
[Leia outros Comentários de neusa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lições de Princesa
Meg Cabot
Galera Record
(2008)



O Bonde e a Linha - um Perfil de J. Carlos
Cássio Loredano
Capivara
(2002)



Exploring the Earth and the Cosmos
Isaac Asimov (capa Dura)
Crown Publishers
(1982)



Assistência Jurídica no Processo Penal: Garantia para a Efetivida
Berenice Maria Giannella
Revista dos Tribunais
(2002)



A Cor da Poesia
Gladis Lacerda
Oficina
(2001)



Pierre Verger - Fotografias para Não Esquecer
Roberto Linsker - Pierre Verger
Terra Virgem
(2009)



Grupos y Sociedad: Iniciacion a La Psicosociologia de los Grupos
Michel Cornation
Tiempo Nuevo (caracas)
(1969)



Le Jardin Dacclimatation
Yves Navarre
Flammarion
(1980)



As Equilibristas
Bruna Gasgon
Jardim dos Livros
(2012)



Minha gravidez dia a dia - 365 dias de um ano muito especial
demian sterman ; mariano rozenberg
Vergara & Riba
(2013)





busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês