Arquitetura e harmonia | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Best Seller (2003)
>>> Só o Amor Constrói de Jose Severino Pessoa pela Edicon (2013)
>>> Seminário Sobre Racismo - Kampala / Uganda 29 Marzo - 8 Abril de Cosec pela Cosec / Cie (1961)
>>> Aborto e Contracepção - Atualidade e Complexidade da Questão de Celso Cezar Papaleo pela Renovar (2000)
>>> A Fascinação pelo Pior de Florian Zeller pela Rocco (2008)
>>> São Paulo Em 1836 - Ensaio Dum Quadro Estatistico da Província de Sp de Marechal D. P. Müller pela Reedição Litteral (1923)
>>> Amor de Natal de Leo Buscaglia pela Record (1987)
>>> Algumas Questões Polemicas do Novo Codigo Civil Brasileiro-2ª. de Marcos Antonio Benasse pela Bookseller (2004)
>>> Território V de Zizzy Ysatis (org.) / Giulia Moon / Cid Ferreira pela Terracota (2009)
>>> A Batalha do Apocalipse de Eduardo Spohr pela Verus (2010)
>>> O segredo de Rhonda Byrne pela Sextante (2015)
>>> Wanderweg de Jack Alain Leger pela Best Seller (1988)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks; Fabiano Morais pela Arqueiro (2012)
>>> Tim de Colleen Mccullough pela Círculo do Livro (1974)
>>> Estrategia - uma Visao Executiva de Cornelis de Kluyver; John Pearce Ii pela Prentice Hall Brasil (2010)
>>> Pequena Abelha de Chris Cleave; Maria Luiza Newlands pela Intrinseca (2010)
>>> A Ponte dos Judeus de Martí Gironell pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Compêndio de Biologia, Química e Física de Olentina de Souza Lima e Outros pela Iracema
>>> Os Mistérios das Múmias de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural
>>> Sistemas de Comunicação Popular de Joseph M. Luyten pela Ática (1988)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 52 - 1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2009)
>>> A Death in Brazil - a Book of Omissions de Peter Robb pela Henry Holt
>>> Estórias ao Entardecer de William Netto Candido pela O Autor
>>> Prisioneiro do Caos de Vicente de Paulo Silva pela Via Sette (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/3/2005
Arquitetura e harmonia
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Falar de arquitetura nesta coluna soa estranho. E é, se você que lê tiver a expectativa de saber sobre truques de acabamento e telhados complicados. O caso aqui é outro: a arquitetura das palavras, que é executada com a maestria de um Niemeyer pela gaúcha Cíntia Moscovich, no livro Arquitetura do arco-íris (Record, 2004).

Entre pela porta da frente, pise com o devido respeito e adentre a casa de uma família judia que carrega o holocausto nas costas, mesmo sem querer. Conheça a personagem criança, que cresceu com avó e pais e teve um pintinho de estimação assassinado. O conto é de extrema delicadeza, embora o tema seja áspero e doloroso. Judeus e não-judeus sentirão queimar as faces à medida que conhecerem o quanto é baixo o preconceito.

Dos dez contos que compõem a obra, alguns se alojam na memória do leitor e passam a fazer parte do arquivo das coisas belíssimas que se lêem na vida. A paixão por um cego, o sexo pelo tato, as cenas insinuadas de amor, a elegância das narradoras, sim, todas mulheres, tudo faz parte de um mundo no qual se entra, provavelmente, pelo arco-íris e não se sai fácil.

Ler Moscovich, neste caso (e imagino que não menos em outros), é compartilhar uma experiência de falar suave e transmitir uma mensagem rude. Com a sensatez de uma escritora experiente, Cíntia urde personagens em histórias aparentemente banais, no entanto de extrema importância para o mundo dos afetos, dos sentidos, das afeições. Enfim, a arquitetura das humanidades, das relações, sejam elas quais forem, e suas incompreensões e ligeirezas.

É lamentável que se sinta tanta vontade de comparar quando se lê um autor contemporâneo. E embora eu saiba disso, não me contive. Foram balísticos meus pensamentos que insistiam em cair na experiência de ler Clarice Lispector e resvalar em Cíntia Moscovich. Não são iguais e nem gêmeas, mas são narradoras contumazes e elegantes de um cotidiano cinco centímetros acima do chão. O olhar de quem alucina aparece nas duas, embora Moscovich tinja com suas cores a obra que, de fato, lhe pertence. São traços desta uma inteireza e uma tônica etnográfica que aquela não tinha. E assim vão se fazendo, na autora, os estilos muito particulares; no leitor, as referências e a intertextualidade, obrigatória para quem deseja um mínimo repertório.

Arquitetura do arco-íris foge à regra dos livros de contos que contêm pinceladas de pequenas histórias, não é de microcontos e nem tampouco está para a literatura como a pornochanchada esteve para nosso cinema. Não é um livro cujo nome foi transplantado de um conto homônimo e nem quer ganhar aplausos pelo virtuosismo. Trata-se de um livro cultivado, escrito por uma autora sem pressa, que respirava enquanto o tecia, bem-selecionado e cheio de pontes por onde o leitor transita sem notar arremates e remendos.

Se Ivana Arruda Leite (outra referência fácil) escreve com as técnicas de um Pollock, Moscovich tem a nuança doce de um Goya. Cada qual com suas belíssimas paletas de cores.

Ler Moscovich faz a fuga da memória parecer branda. Dá a conhecer uma arquitetura que a literatura brasileira não tem mostrado. Arquitetura do arco-íris é de autora que investiu nos alicerces, tanto nos próprios quanto nos da obra. Habite-se.

E mais uma
Não quero fazer parecer pouco o que é grande o suficiente para sair por uma editora. Andréia Del Fuego fez nascer o Minto enquanto posso, pela editora O Nome da Rosa. Numa linha bem diferente da arquiteta mencionada aqui em cima, Andréia entra nos temas quentes, nas cenas de sexo, no prazer suado de casais instantâneos ou no desprazer agônico de parceiros ordinários.

Embora o livro mostre fôlego para uma continuidade gêmea, Andréia Del Fuego ainda não estabilizou uma literatura harmônica e sincera e os desníveis do livro são nítidos para um leitor habituado à leitura do conto, especialmente do conto que vem sendo escrito por mulheres no Brasil. Certamente, a autora de Minto enquanto posso fará a mesma ascendente que outras fizeram. No entanto, para quem gosta e quer curtir uma seleção de contos bem erótica, pode acender a luz-negra e entrar com tudo nesta obra.

Paralelos no papel
Está na roda o livro Paralelos, derivação de papel do site Paralelos.org, que expôs a literatura produzida no Brasil e, especialmente, no estado do Rio de Janeiro, que, segundo alguns, andava meio apagadinho do cenário nacional mais evidente de produção literária.

Segundo o que se divulgou, Paralelos, o site, tinha como uma de suas metas "mapear" a literatura nacional, principalmente aquela que escapulisse do cenário paulistano e conseguisse emergir em meio ao massacre dos bandeirantes, com tantas minieditoras e tantos escritores adotivos e naturais. E o Paralelos, o site, fez tudo isso, enquanto estava na Internet. Chegando ao papel, inegavelmente ainda o fetiche geral da nação de escritores e escreventes, o Paralelos, o livro, encheu dezenas de páginas de contos de escritores escolhidos entre nativos do estado do Rio de Janeiro, o que nublou um pouco sua disposição original de abertura. Parece que o papel é a reserva ecológica dos organizadores e dos escritores.

Afora isso, entre os 17 escolhidos pelo sotaque com X estão bons representantes da nova literatura, como, por exemplo, Crib Tanaka e Jorge Rocha, donos de uma narratividade vigorosa.

Leia-se o livro e, se quiser, leia em voz alta, mas não se esqueça de pronunciar os X antes das consoantes...

Para ir além









Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Voltar com ex e café requentado de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005
05. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/3/2005
14h58min
Oi, eu li o Minto Enquento Posso de Andreia Del Fuego, e concordo com o comentario de que é uma escritora que mostra um folego que nos promete um porvir, porem descrever seu livro como erotico eu discordo, alguns contos passam inclusive ao largo do assunto. Fiquei foi muito curioso para ler Cíntia Moscovich. Obrigado por nos trazer novos autores para descobrir.
[Leia outros Comentários de Gilberto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eu Chovo, Tu Chove Ele Chove
Sylvia Orthof
Objetiva
(2003)



A Grande Esperança
Ellen G. White
Casa Publicadora Brasileira
(2012)



Ética - Fundamentos Sócio-históricos Volume 4
Maria Lucia S. Barroco
Cortez
(2008)



O Brilho da Estrela
Danielle Steel
Altaya Record
(2001)



As Brumas de Avalon - 4 Volumes
Marion Zimmer Bradley
Imago
(2008)



A Cura de Schopenhauer
Irvin D. Yalom; Beatriz Horta
Harper Collins Br
(2006)



Emergências Cirúrgicas Traumáticas e Não Traumáticas
José Cesar Assef
Atheneu
(2012)



Elementos de Semiologia
Roland Barthes
Cultrix
(1964)



Maria Madalena - a Testemunha da Paixão
José Carlos Leal
Ld
(2009)



A Relíquia
Eça de Queirós
Galex
(1997)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês