Arquitetura e harmonia | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/3/2005
Arquitetura e harmonia
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Falar de arquitetura nesta coluna soa estranho. E é, se você que lê tiver a expectativa de saber sobre truques de acabamento e telhados complicados. O caso aqui é outro: a arquitetura das palavras, que é executada com a maestria de um Niemeyer pela gaúcha Cíntia Moscovich, no livro Arquitetura do arco-íris (Record, 2004).

Entre pela porta da frente, pise com o devido respeito e adentre a casa de uma família judia que carrega o holocausto nas costas, mesmo sem querer. Conheça a personagem criança, que cresceu com avó e pais e teve um pintinho de estimação assassinado. O conto é de extrema delicadeza, embora o tema seja áspero e doloroso. Judeus e não-judeus sentirão queimar as faces à medida que conhecerem o quanto é baixo o preconceito.

Dos dez contos que compõem a obra, alguns se alojam na memória do leitor e passam a fazer parte do arquivo das coisas belíssimas que se lêem na vida. A paixão por um cego, o sexo pelo tato, as cenas insinuadas de amor, a elegância das narradoras, sim, todas mulheres, tudo faz parte de um mundo no qual se entra, provavelmente, pelo arco-íris e não se sai fácil.

Ler Moscovich, neste caso (e imagino que não menos em outros), é compartilhar uma experiência de falar suave e transmitir uma mensagem rude. Com a sensatez de uma escritora experiente, Cíntia urde personagens em histórias aparentemente banais, no entanto de extrema importância para o mundo dos afetos, dos sentidos, das afeições. Enfim, a arquitetura das humanidades, das relações, sejam elas quais forem, e suas incompreensões e ligeirezas.

É lamentável que se sinta tanta vontade de comparar quando se lê um autor contemporâneo. E embora eu saiba disso, não me contive. Foram balísticos meus pensamentos que insistiam em cair na experiência de ler Clarice Lispector e resvalar em Cíntia Moscovich. Não são iguais e nem gêmeas, mas são narradoras contumazes e elegantes de um cotidiano cinco centímetros acima do chão. O olhar de quem alucina aparece nas duas, embora Moscovich tinja com suas cores a obra que, de fato, lhe pertence. São traços desta uma inteireza e uma tônica etnográfica que aquela não tinha. E assim vão se fazendo, na autora, os estilos muito particulares; no leitor, as referências e a intertextualidade, obrigatória para quem deseja um mínimo repertório.

Arquitetura do arco-íris foge à regra dos livros de contos que contêm pinceladas de pequenas histórias, não é de microcontos e nem tampouco está para a literatura como a pornochanchada esteve para nosso cinema. Não é um livro cujo nome foi transplantado de um conto homônimo e nem quer ganhar aplausos pelo virtuosismo. Trata-se de um livro cultivado, escrito por uma autora sem pressa, que respirava enquanto o tecia, bem-selecionado e cheio de pontes por onde o leitor transita sem notar arremates e remendos.

Se Ivana Arruda Leite (outra referência fácil) escreve com as técnicas de um Pollock, Moscovich tem a nuança doce de um Goya. Cada qual com suas belíssimas paletas de cores.

Ler Moscovich faz a fuga da memória parecer branda. Dá a conhecer uma arquitetura que a literatura brasileira não tem mostrado. Arquitetura do arco-íris é de autora que investiu nos alicerces, tanto nos próprios quanto nos da obra. Habite-se.

E mais uma
Não quero fazer parecer pouco o que é grande o suficiente para sair por uma editora. Andréia Del Fuego fez nascer o Minto enquanto posso, pela editora O Nome da Rosa. Numa linha bem diferente da arquiteta mencionada aqui em cima, Andréia entra nos temas quentes, nas cenas de sexo, no prazer suado de casais instantâneos ou no desprazer agônico de parceiros ordinários.

Embora o livro mostre fôlego para uma continuidade gêmea, Andréia Del Fuego ainda não estabilizou uma literatura harmônica e sincera e os desníveis do livro são nítidos para um leitor habituado à leitura do conto, especialmente do conto que vem sendo escrito por mulheres no Brasil. Certamente, a autora de Minto enquanto posso fará a mesma ascendente que outras fizeram. No entanto, para quem gosta e quer curtir uma seleção de contos bem erótica, pode acender a luz-negra e entrar com tudo nesta obra.

Paralelos no papel
Está na roda o livro Paralelos, derivação de papel do site Paralelos.org, que expôs a literatura produzida no Brasil e, especialmente, no estado do Rio de Janeiro, que, segundo alguns, andava meio apagadinho do cenário nacional mais evidente de produção literária.

Segundo o que se divulgou, Paralelos, o site, tinha como uma de suas metas "mapear" a literatura nacional, principalmente aquela que escapulisse do cenário paulistano e conseguisse emergir em meio ao massacre dos bandeirantes, com tantas minieditoras e tantos escritores adotivos e naturais. E o Paralelos, o site, fez tudo isso, enquanto estava na Internet. Chegando ao papel, inegavelmente ainda o fetiche geral da nação de escritores e escreventes, o Paralelos, o livro, encheu dezenas de páginas de contos de escritores escolhidos entre nativos do estado do Rio de Janeiro, o que nublou um pouco sua disposição original de abertura. Parece que o papel é a reserva ecológica dos organizadores e dos escritores.

Afora isso, entre os 17 escolhidos pelo sotaque com X estão bons representantes da nova literatura, como, por exemplo, Crib Tanaka e Jorge Rocha, donos de uma narratividade vigorosa.

Leia-se o livro e, se quiser, leia em voz alta, mas não se esqueça de pronunciar os X antes das consoantes...

Para ir além









Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mulheres fantásticas e futuristas de Carla Ceres
02. Origens: minha mãe de Jardel Dias Cavalcanti
03. É o Fim Do Caminho. de Marilia Mota Silva
04. Dark (k)night rises de Marilia Mota Silva
05. Os donos da voz de Rafael Fernandes


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/3/2005
14h58min
Oi, eu li o Minto Enquento Posso de Andreia Del Fuego, e concordo com o comentario de que é uma escritora que mostra um folego que nos promete um porvir, porem descrever seu livro como erotico eu discordo, alguns contos passam inclusive ao largo do assunto. Fiquei foi muito curioso para ler Cíntia Moscovich. Obrigado por nos trazer novos autores para descobrir.
[Leia outros Comentários de Gilberto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MUNDO PÓS-GUERRA FRIA
JAYME BRENER
SCIPIONE
(1996)
R$ 5,00



O ESCRAVO DOS ESCRAVOS
ROSA FREUA DE CARVALHO
FEESP
(2012)
R$ 29,00



OS GÊNIOS DOS NEGÓCIOS
PETER KRASS
ELSEVIER
(2004)
R$ 20,00



A ILHA DE GELO
EVAN HUNTER
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 7,50



SENHORA
JOSÉ DE ALENCAR
CIRANDA
R$ 10,00



PASSAGEM PARA RAVENA
JOSE RICARDO MOREIRA
FORMATO
(2004)
R$ 12,00



CHAMBERLAND E O PARAÍSO PERDIDO
ALBERTO MESQUITA FILHO
ATENIENSE
(1991)
R$ 5,00



CONVERSACION 1 - CURSO DE ESPAÑOL
ORANDI MOMESSO / SKILL
SKILL
R$ 9,00



PARIS, QUARTIER SAINT-GERMAIN-DES-PRÉS
EROS GRAU
GLOBO
(2011)
R$ 6,99



TELEVISÃO A VIDA PELO VIDEO
CIRO MARCONDES FILHO
MODERNA
(1988)
R$ 8,00





busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês