Comentários de daniela | Digestivo Cultural

busca | avançada
82062 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A crônica e o futebol
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Avis rara hoje no jornalismo
>>> Entrevista com Paula Dip
>>> O diabo veste Prada
>>> Entre o velho e o novo
>>> 10º Búzios Jazz & Blues II
>>> Pensar puede matar
Mais Recentes
>>> Peixes de Aquário de Douglas Fabichak pela Nobel (1978)
>>> A Nova Ordem Mundial de José William Vesentini pela Ática (2003)
>>> Brasil Nunca Mais de D. Paulo Evaristo Arns pela Vozes (1985)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Companhia Nacional (1974)
>>> Era Verde? Ecossistemas Brasileiros Ameaçados de Zysman Neiman pela Atual (1989)
>>> Observação de Bebês de Manuel Pérez-sanchez pela Paz e Terra (1983)
>>> Coma Bem Viva Melhor de Dr. Rex Russell pela Betânia (1998)
>>> O Velho da Praça de Antonieta Dias de Moraes; Ciça Fittipaldi pela Atual Didáticos (1988)
>>> O Tempo Não Apagou de Don R. Christman pela Casa (1987)
>>> O Salto para a Vida (colecao Depoimento) de Célia Valente pela Ftd (1999)
>>> Cousteau uma Biografia de Axel Madsen pela Campus (1989)
>>> Amazônia de Luiz Gê; Alan Oliveira pela Saraiva Didáticos (2009)
>>> Peixes de Aymar Macedo Diniz Filho pela Ática (1997)
>>> Migrações da Perda da Terra à Exclução Social de Ana Valim pela Atual (1996)
>>> Artes e Oficios de Roseana Murray; Cao Cruz Alves pela Ftd (2007)
>>> Meu Primeiro Livro de Telma Guimarães Castro Andrade pela Aliança (2000)
>>> Tocaram a Campainha de Pat Hutchins pela Moderna (1998)
>>> Quenco, o Pato - Colecao Barquinho de Papel de Ana Maria Machado pela Atica (2012)
>>> Ladrão Que Rouba Ladrão de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Língua de Angelo Machado pela Nova Fronteira (2004)
>>> A Princesinha Boca Suja de Cláudio Fragata; Odilon Moraes pela Scipione (2005)
>>> Donnie! um Dia Com o Cão-guia de Vicky Ramos pela Global (2009)
>>> Para Onde o Coração Aponta de Marcelo Lelis; Murilo Silva Cisalpino pela Formato (1996)
>>> União Européia de Ivan Jaf; André Martin pela Atica (2007)
>>> Gafe Não é Pecado de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos Jc (1996)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Sábado, 9/7/2005
Comentários
daniela


escrever no chuveiro
andréa, eu concordo com o marcelo: não dá para separar "escrever" de "ler". eu escrevo para me comunicar. no ato há necessariamente um pouco de mim, e um pouco do outro. talvez alguém fique feliz com os próprios volteios solipsistas, os herméticos. talvez outros se contentem com seus diários assim como eu, desafinada, me contento em cantar no chuveiro. mas a hora das palavras é sempre uma hora de contato, embora seja tantas vezes também a hora da solidão. e se não fosse pela sua coluna a gente não estaria aqui toda animada pensando no assunto.

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por daniela
9/7/2005 à
01h20 201.1.7.102
 
De cabeca para... o lado certo
Falou e disse! Julio, voce esta de parabens, nao soh por falar, mas por fazer o que voce fala. Concordo que o caminho da revista eletronica eh uma via alternativa aa tradicao: tanto a tradicao da midia mainstream, quanto a tradicao da midia alternativa, jah bem calcificada... O legal da revista eletronica eh poder construir em cima do que jah existe: nao precisa fazer, do zero, a apuracao que um jornal faz, porque pode simplesmente lincar, e usar o resto do espaco para critica, opiniao, ou informacoes complementares (mais profundas, mais obscuras etc.) A agilidade e a independencia de publicacoes como o Digestivo eh que farao a diferenca, num meio em que nem os leitores nem os escritores sao "tipicos".

[Sobre "A volta das revistas eletrônicas"]

por Daniela Sandler
20/6/2005 à
00h02 69.108.103.5
 
Peixes ciberneticos
Esta coluna estah irretocavel! Tenho achado dificil escapar do dilema: sem atualizacao, o blog perde leitores; com atualizacao, os posts antigos perdem leitores. Gosto de fucar posts antigos de blogs, mas o meu garimpo eh meio aleatorio. O blog se presta a isso: a flanar, em vez de ler sistematica- e cronologicamente. De todo modo, sua coluna me fez pensar no valor de editar blogs em livro (como os Wunder). Talvez seja a unica maneira de "resgatar" os posts do esquecimento e dar a chance ao escritor de burilar seus "rascunhos definitivos".

[Sobre "Blogo, logo existo"]

por Daniela Sandler
19/6/2005 às
23h47 69.108.103.5
 
Nomes mundo afora
Julio, deixe eu conter o riso depois de sua ótima coluna para contar a minha história também! Meu sobrenome “estrangeiro” (se é que existe isso num país de imigração como o Brasil) é sempre causa de dificuldades. O som “dl”, em Sandler, não existe em português. Mais comumente, eu viro “Daniela Sandra”. Como se eu não tivesse sobrenome. Mas o interessante foi quando vim morar nos Estados Unidos. Em inglês, não só existe o som “dl”, como o conjunto “ndler” é muito comum. Todo mundo entende e escreve “Sandler” quando eu falo, com sotaque americano: “séén-ler”. Mas Daniela é impronunciável. “Daniéul-llll-a”, enrolam a língua, e acabo virando o mais familiar “Danielle”, que eles pronunciam “daniééulll”. Daí morei em Berlim. Adaptei a pronúncia de “Sandler”, cuja grafia já parece bem germânica: “zánndlaah.” E aí a mágica aconteceu: eles entendem tanto o Sandler quanto o Daniela. Sempre acertam meu primeiro nome, que é bastante usado por lá. Só adaptei a pronúncia: “dani-ê-la”, é como eles dizem. E aí está a suprema ironia: tive de ir para a Alemanha para que entendessem meu nome por inteiro!

[Sobre "É Julio mesmo, sem acento"]

por Daniela Sandler
16/3/2005 às
18h02 69.227.70.1
 
Arranha-céus!
Prezado Marcel, Vários dicionários definem “arranha-céu” como um “prédio alto, de muitos andares” — não só em português, como em outras línguas também. A definição técnica a que você se refere não exclui o uso corrente, conotativo, de “arranha-céu” como designação de prédio alto em geral, sem medição específica de altura.

Se formos entrar nas especificações, há quem diga que o arranha-céu tem de ter no mínimo 152 metros (500 pés) de altura, e não 200. E o primeiro arranha-céu do mundo, em Chicago, tinha 42 metros (138 pés) (o edifício “Home Insurance”, de William Lebaron Jenney). Assim, vemos também que o significado de arranha-céu não é um valor absoluto, auto-suficiente, mas sim um conceito dependente do contexto social, tecnológico e cultural, que tem se transformado ao longo do tempo e varia de acordo com o propósito do texto.

E qual o propósito do meu texto? Com a palavra, não pretendo denotar a especificação técnica do termo, pois este não é um texto sobre engenharia. Pretendo, sim, evocar um estado de espírito e apresentar uma vista literária e subjetiva da cidade. Meu uso conotativo, que aliás, como dito acima, está correto de acordo com o léxico oficial, também se justifica pelo uso da linguagem figurada do texto.

Além disso, vale lembrar que a palavra em questão é usada popularmente em referência à Avenida Paulista, não apenas por mim. E, finalmente, acredito que fixar a discussão nesse detalhe de meu texto foge tanto ao espírito geral quanto ao tema da coluna.

[Sobre "Para amar São Paulo"]

por Daniela Sandler
11/3/2005 às
22h40 69.108.118.246
 
Têm razão os leitores
Os leitores têm razão: a frase sobre o oportunismo beneficente de Clinton e os Bushes está solta e injustificada. Coisa de fim de coluna longa em que eu não queria mais delonga. Errei. Aqui vai a explicação. Primeiro, eu não quis dizer que a aparição dos três foi apenas ou puramente ou simplesmente oportunista, mas que estava INVESTIDA de oportunismo - quer dizer, havia um aspecto oportunista, assim como um aspecto humanitário e até mesmo pragmático. Segundo, por que oportunismo? Pra começar, porque Bush filho havia acabado de ser reeleito sob a acusação de governar um país dividido, chamado ao desafio de unir os EUA construtivamente em vez de acirrar a guerra entre Republicanos e Democratas. Aparecer na TV ao lado de Bill Clinton, um dos mais populares ex-presidentes e certamente o mais popular membro do Partido Democrata, pareceu a muitos críticos (inclusive eu) uma maneira fácil de sinalizar a "união" da nação. Mas união se faz também e principalmente com medidas concretas, não só com discursos, cenas na tevê e outros atos simbólicos. O outro aspecto oportunista é geopolítico. O tsunami deu a Bush a chance de mostrar que os EUA não são anti-islâmicos irredutíveis; do contrário, dispõem-se a ajudar áreas de maioria muçulmana, inclusive onde radicais islâmicos já cometeram atentados anti-ocidentais (Indonésia). Não estou dizendo que a compaixão de Bush é falsa - afinal, não estou dentro da cabeça dele pra saber. O que estou dizendo é que, além de ser necessária ou apropriada ou esperada ou caridosa, a aparição dos três políticos foi também oportuna. Sim, muito oportuna: numa época em que os EUA são demonizados por boa parte do mundo muçulmano, onde a doutrinação religiosa e ideológica floresce na ignorância e na censura, a ajuda humanitária é uma maneira de desfazer a difamação. E isso, não apenas aos olhos da população islâmica, mas do resto do mundo, que, como mencionei na coluna, anda imerso também em preconceitos. Reconhecer o oportunismo da solene aparição dos três políticos não significa ser necessariamente "contra".

[Sobre "O retorno das Cruzadas"]

por Daniela Sandler
3/2/2005 às
17h13 69.229.0.244
 
Resposta ao leitor Ram
O primeiro comentário levanta um aspecto importante que, de fato, explica a hostilidade das segundas e terceiras gerações de imigrantes na Europa: a integração difícil e a falta de direito à nacionalidade. Na Alemanha, ao menos, a lei foi modificada recentemente. Antes, "ser alemão" era um direito de sangue (raça): se você vem de linhagem pura alemã, mas nasceu fora do território nacional, teria direito à cidadania. Isso se aplicou especialmente a populações germânicas instaladas no leste Europeu que tiveram de mudar para a Alemanha depois da Segunda Guerra. O direito de sangue significa que, se os seus pais são turcos, imigraram, tiveram você após dez anos na Alemanha, você nasceu na Alemanha, nunca foi pra Turquia nem tem planos de ir, etc. - mesmo assim, você não é considerado alemão. Como disse o leitor Ram, você é estrangeiro (Auslander). Os conflitos vindos dessa situação, obviamente, são enormes. Por isso a Alemanha mudou a lei e agora filhos de Turcos nascidos lá podem optar pela nacionalidade alemã. Resta esperar que, com o tempo, a medida contribua para a integração social e econômica, mitigando a discriminação não-oficial que o leitor aponta em estruturas de trabalho.

[Sobre "O retorno das Cruzadas"]

por Daniela Sandler
3/2/2005 às
17h07 69.229.0.244
 
Texto oportuno
Marcelo, que texto oportuno! E você falou de todos os aspectos importantes do tema – a começar que a leitura não é só recepção passiva, mas também produção (de sentido e de novos textos). A gente precisa de uma sociedade menos injusta onde a urgência do quilo de açúcar não faça livro parecer supérfluo. Fiquei pensando nos metrôs europeus, onde sempre via um monte de gente mergulhada em livro, até nas escadas rolantes. Aliás, o nosso metrô da Paulista tem umas máquinas de vender livro barato – será que funcionam?

[Sobre "Política de incentivo à leitura"]

por daniela sandler
2/2/2005 às
16h55 69.229.0.244
 
Lâmpada acesa
ana elisa, faz tempo que estou pra comentar suas colunas, que sempre me encantam. essa me pegou de jeito. quando eu estava no colegial, ouvi de uma colega o seguinte juízo sobre dois outros alunos: "o joãozinho, bom de história, não é inteligente de verdade, ele só é bom de decorar coisas. já o zézinho, bom de matemática, é que é inteligente, porque tem bom raciocínio, um dom natural." eu, que era boa de português, fiquei sem palavras. depois as pessoas vinham me perguntar de onde eu tirava as interpretações de texto, pois parecia tão esotérico desfiar todos aqueles significados de poemas tão pequenos - "que viagem"! hoje não ouço comentários sobre decoreba na história - as pessoas talvez reconheçam seu potencial crítico - mas comentários funcionalistas. pra que servem as humanidades? e cadê o rigor científico? infelizmente, o mundo dos salários e mercados fala essa mesma língua. mas um texto como o seu dá alegria pra continuar. abraço, daniela

[Sobre "Em defesa dos cursos de Letras"]

por Daniela Sandler
11/10/2004 às
02h30 69.108.127.116
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quatro Contos
Edgar Allan Poe / Washington Irving / O. Henry ...
Sol



As Lágrimas de Alá
Patrice de Méritens
Globo
(2008)



O Fundo do Mar
Peter Benchley
Círculo do Livro



Ócio do Ofício
Luis Olavo Fontes
Objetiva
(1993)



Como Não Se Faz um Presidente
Milton Senna
Gernasa



The Audio Visual: the Availability and Exploitation of Non Print
Evelyn J. A. Evans (general Editor) Capa Dura
Andre Deutsch (london)
(1975)



Dermatologia: Clínica Ilustrada - 400 Ilustrações a Cores
Gunter Korting
Manole (sp)
(1988)



Pimenta e Seus Benefícios a Saúde
Marcio Bontempo
Alaúde
(2007)



Civil Space Systems: Implications For International Security
Stephen E. Doyle (capa Dura)
Dartmouth Pub Co
(1994)



Contos ao Luar
Júlio César Machado
Três
(1974)





busca | avançada
82062 visitas/dia
2,7 milhões/mês