Política de incentivo à leitura | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Best Seller (2003)
>>> Só o Amor Constrói de Jose Severino Pessoa pela Edicon (2013)
>>> Seminário Sobre Racismo - Kampala / Uganda 29 Marzo - 8 Abril de Cosec pela Cosec / Cie (1961)
>>> Aborto e Contracepção - Atualidade e Complexidade da Questão de Celso Cezar Papaleo pela Renovar (2000)
>>> A Fascinação pelo Pior de Florian Zeller pela Rocco (2008)
>>> São Paulo Em 1836 - Ensaio Dum Quadro Estatistico da Província de Sp de Marechal D. P. Müller pela Reedição Litteral (1923)
>>> Amor de Natal de Leo Buscaglia pela Record (1987)
>>> Algumas Questões Polemicas do Novo Codigo Civil Brasileiro-2ª. de Marcos Antonio Benasse pela Bookseller (2004)
>>> Território V de Zizzy Ysatis (org.) / Giulia Moon / Cid Ferreira pela Terracota (2009)
>>> A Batalha do Apocalipse de Eduardo Spohr pela Verus (2010)
>>> O segredo de Rhonda Byrne pela Sextante (2015)
>>> Wanderweg de Jack Alain Leger pela Best Seller (1988)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks; Fabiano Morais pela Arqueiro (2012)
>>> Tim de Colleen Mccullough pela Círculo do Livro (1974)
>>> Estrategia - uma Visao Executiva de Cornelis de Kluyver; John Pearce Ii pela Prentice Hall Brasil (2010)
>>> Pequena Abelha de Chris Cleave; Maria Luiza Newlands pela Intrinseca (2010)
>>> A Ponte dos Judeus de Martí Gironell pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Compêndio de Biologia, Química e Física de Olentina de Souza Lima e Outros pela Iracema
>>> Os Mistérios das Múmias de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural
>>> Sistemas de Comunicação Popular de Joseph M. Luyten pela Ática (1988)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 52 - 1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2009)
>>> A Death in Brazil - a Book of Omissions de Peter Robb pela Henry Holt
>>> Estórias ao Entardecer de William Netto Candido pela O Autor
>>> Prisioneiro do Caos de Vicente de Paulo Silva pela Via Sette (2001)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/1/2005
Política de incentivo à leitura
Marcelo Maroldi

+ de 11100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A política de incentivo à leitura foi sancionada semanas atrás, mas a notícia - de fundamental importância - não gerou a discussão merecida, pelo menos aqui no Digestivo Cultural. Fiquei esperando alguém escrever a respeito, mas, vendo que ninguém se manifestou, resolvi comentar o assunto.

Sancionada em 21 de dezembro de 2004, a Lei estabelece que todas as operações que envolvam livros no Brasil (isto inclui editoras, distribuidoras e livrarias) estão isentas de parte dos impostos cobrados, PIS e COFINS para ser exato, alíquotas que variavam de 3,65% a 9,25%. Essas regras valem para importação de livros, inclusive. Além disso, foi criado o Fundo Nacional de Incentivo a Leitura, que receberá contribuição de 1% sobre o faturamento das empresas do setor. Essas medidas integram uma série de leis que compõem o Plano Nacional do Livro e Leitura, a ser lançado em 2005 (a propósito, São Paulo criou seu plano também para 2005, São Paulo: Um Estado de Leitores. Esse ano é o ano Ibero-Americano da leitura, comemorado em 21 países, cuja principal diretriz trata da democratização do livro. No Brasil, 73% dos livros estão concentrados em apenas 16% da população, segundo pesquisa do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel)). Dessa maneira, o próprio governo, comprador anual de dezenas de milhões de livros, será beneficiado, pagando menos para adquiri-los. A expectativa é de uma redução de 10% sobre o preço de capa do livro em poucos anos.

Essas leis, somadas a outras que virão, pretendem, em curto prazo, elevar em pelo menos 50% o índice nacional de leitura dos brasileiros. Hoje, esse índice é de (cômicos) 1,8 livros por ano por pessoa, menor que os números da Colômbia (2,4 livros/ano/pessoa), EUA (5) e França (7). Além do mais, sabemos que a média nacional é mantida por um número ínfimo de pessoas, que lêem dezenas de livros ao ano e "elevam" nosso índice a esses ridículos 1,8 livros/ano, na média per capita. Pois, sabemos bem, a população não lê 1,8 livros por ano. Não lê nenhum, aliás! Nem bula de remédio, placa de ônibus ou o nome do candidato em que vota. Somos um país de semi-analfabetos (para não dizer analfabetos) que rascunham seu nome grosseiramente, apenas isso. Conheço pessoas que jamais leram um único livro. Imagino que alguns nunca nem sequer viram um livro. Esses não lêem 1,8 livros por ano...

A redução do preço esperada com a isenção de impostos, cerca de 10%, não parece muito animador, mas já é alguma coisa. Um livro de 100 reais - e eles estão mais comuns hoje em dia - sairia por 90 reais, ainda bem caro. Um livro de 30 reais sairia por 27 reais, sobrando ainda 3 reais para um cafézinho. Tenho sérias dúvidas se esta diminuição de preços dará resultado significativo no resultado de vendas. Os livros são caros, bem, talvez eles tenham um preço razoável e justo, mas o povo não tem nenhuma condição de comprá-los. Portanto, nada muda (segundo a pesquisa da Snel, 6,5 milhões de pessoas não tem condição alguma de adquirir um livro. Eu acho esse número exageradamente otimista). Isso me faz lembrar o que disse o escritor Ferrer (Manual Prático do Ódio, ed. Objetiva) sobre sua dificuldade em obter livros quando jovem. Ele preferia comprar livros velhos no sebo do bairro, a 1 real, pois era mais barato que pegar um ônibus (ida e volta) e ir a biblioteca no centro. Afinal, as bibliotecas nunca estão nas periferias.

Ouvi, novamente, uma conversa sobre incluir livros na cesta básica! Acho uma péssima idéia, nem sei por que sempre falam disso! Quem recebe cesta básica se preocupa com o arroz e feijão do dia-a-dia, chega em casa cansado depois de pegar 2 ônibus e 1 metrô, assiste a novela das oito e dorme (talvez veja o BBB também). Não vai ler...Pergunte ao recebedor da cesta se ele não trocaria o livro por um pacote de açúcar? É preciso criar o hábito da leitura e isso não se faz apenas dando o livro. Tenho amigos com bibliotecas em casa e nunca entraram lá nem por curiosidade (segundo a pesquisa da Snel, 61% dos brasileiros adultos alfabetizados têm muito pouco ou nenhum contato com livros). É necessário despertar o gosto pela leitura e mostrar a importância de ler. Os dois aspectos são importantes. Talvez seja mais importante investir o dinheiro em oficinas de leitura nas escolas públicas, como as que tive quando tinha 7 anos e íamos à biblioteca municipal, onde as "tias" liam um livrinho infantil e depois desenhávamos aquela historinha em papéis de cartolina colorido, que ficavam pendurados por uma semana na entrada. Depois, nos davam os livrinhos e, então, líamos em casa (eu lia, pelo menos!). Uma outra iniciativa, menos eficiente, foi quando participei de um campeonato de futebol e cada criança recebeu um livro (o meu foi Sonho de uma noite de verão). Conversando com os demais meninos soube que ninguém abriu seu livro (lembro a todos que 52% das crianças das escolas primárias brasileiras lêem um texto e não conseguem interpretá-lo).

O nosso mercado editorial precisa de uma sacudida... Muitos reclamam que os autores novos não têm qualidade. Claro, quem não lê não sabe escrever. Quanto mais pessoas lerem, mais escritores teremos, e melhores livros, portanto. Por que será que surgem jogadores de futebol na periferia e não escritores?

As editoras insistem em (re)publicar os autores consagrados (aliás, são necessários vários "re" ali atrás). Os novos não têm o mesmo espaço. Pelo que li no Le Monde, a França vive uma explosão de novos escritores. As pessoas lá querem escrever, muitas conseguem. Aqui, um número menor, mas também significativo, quer escrever, mas não tem chance. Tentar só dará uma sensação de derrota. Poucos têm sorte. É necessário mais que talento para ser escritor neste país que lê 1,8 livros/ano por pessoa. Os livros estrangeiros e os livros renomados superlotam as prateleiras das livrarias, respondendo por uma grande parcela dos livros comercializados. Enfim, temos um perfil: as pessoas não compram livros pois não têm dinheiro e nem interesse em fazê-lo, os escritores acabam desistindo de seguir na profissão pois não têm oportunidades, e as editoras são apenas empresas querendo sobreviver lucrativamente...

Estima-se que o valor economizado pelo mercado editorial com a Lei será de 160 milhões de reais por ano. Se o Ministério da Cultura acredita que essas medidas permitirão que as Editoras invistam em novos autores, é melhor aguardar para ver. Torço para que sim.

Uma outra iniciativa que ouvi sugere enviar "caravanas" de escritores às universidades brasileiras, onde seriam feitas palestras, painéis, etc. Sou contra! Os escritores devem ir as escolas primárias, se possível às públicas, onde a presença improvável de um escritor pode fazer a diferença entre tornar o menino um estudante de verdade ou um futuro criminoso (aliás, profissão onde não é necessário ler). Além do mais, na universidade se lê muito pouco - e mal - também. E eles já são "grandinhos" e educados suficientemente para saber da importância de ler. Não se diz que na universidade cada um se vira por si? Então... levemos os escritores a quem ainda tem salvação.

Segundo a Câmara Brasileira do Livro (CBL), no Brasil há 26 milhões de leitores ativos. Não sei exatamente como classificar um leitor como ativo mas, seja o que for, é um número baixo. Baixíssimo! Um número 100% superior, aliado a uma renda salarial maior dos consumidores, ou mais bibliotecas, talvez faça bem ao mercado do livro no país.

Nota do Editor
Marcelo Maroldi assina também o blog que leva o seu nome.


Marcelo Maroldi
São Paulo, 27/1/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu encontro com o Millôr de Julio Daio Borges
02. Iniciantes, de Raymond Carver de Alysson Oliveira
03. Hipermediocridade de Evandro Ferreira


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/1/2005
05h18min
Pessoalmente, não acredito em "políticas" de leitura (até porque é do interesse dos governos em geral em que não se leia, ou que se leia mal, ou seja, acriticamente: que governo quer cidadão consciente?); mas, se tivesse de opinar ou apresentar idéias, votaria nas oficinas de leitura – tendo trabalhado por um ano e meio numa, pude observar em primeira mão que é possível "fazer nascer" o desejo/interesse pelos livros – até porque é vital apresentar às crianças carentes um outro mundo, longe de drogas, tráfico, violência...
[Leia outros Comentários de Claire]
2/2/2005
16h55min
Marcelo, que texto oportuno! E você falou de todos os aspectos importantes do tema – a começar que a leitura não é só recepção passiva, mas também produção (de sentido e de novos textos). A gente precisa de uma sociedade menos injusta onde a urgência do quilo de açúcar não faça livro parecer supérfluo. Fiquei pensando nos metrôs europeus, onde sempre via um monte de gente mergulhada em livro, até nas escadas rolantes. Aliás, o nosso metrô da Paulista tem umas máquinas de vender livro barato – será que funcionam?
[Leia outros Comentários de daniela sandler]
25/9/2005
21h49min
Marcelo, seu texto foi encontrado num momento muito especial. Estou começando uma pesquisa de mestrado na UFES (Universidade Federal do Espírito Santo) sobre política pública de incentivo à leitura. Gostaria de manter contato para indicação de literatura e troca de idéias. Falar de política de incentivo à leitura é questionar que leitores queremos formar: para que, para quem, como, quando, onde... Parabéns pela belíssima reflexão, que nos fortalece e nos motiva.
[Leia outros Comentários de Eunice]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lucie im Wald mit den Dingsda
Peter Handke
Suhrkamp
(2001)



Grandes Líderes da História
Jonathan Gifford
Gente
(2011)



Dicionário Básico de Mitologia Grécia Roma Egito
Luiz A. P. Victoria
Ediouro
(2000)



Vale a Pena Amar
Jose Carlos De Lucca
Petit
(2008)



The Golden Coin F1
Dirce Guedes
Ftd
(1992)



A Roupa do Corpo
Francisco Azevedo
Record
(2020)



O Faraó Alado
Joan Grant
Pensamento
(1988)



Moby Dick
Herman Melville
Abril
(2012)



Auto da Barca do Inferno: Farsa de Inês Pereira ; Auto da índia
Gil Vicente
Atica
(2006)



Retrato Em Sépia
Isabel Allende
Bertrand Brasil
(2001)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês