Ivan Angelo e a experiência da reescrita | Guilherme Tauil | Digestivo Cultural

busca | avançada
30036 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
>>> LANÇAMENTO DO LIVRO "DIALÓGOS DE UM RABINO REFLEXÕES PARA UM MUNDO DE MONÓLOGOS" DE MICHEL SCHLESI
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> Recordações da casa dos mortos
>>> Viral Loop, de Adam Penenberg
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> O Agressor, de Rosário Fusco
>>> Elke Coelho e a estética glacial-conceitual
>>> Como escrever bem - parte 3
>>> Como escrever bem - parte 3
>>> Maria Rezende no Sesc BH
Mais Recentes
>>> Apontamentos para a História da Revolução Rio-grandense de 1893
>>> Einstein Apaixonado + Um romance científico
>>> Leonardo, o primeiro cientista
>>> Envie Meu Dicionário + Cartas e Alguma Crítica
>>> O Segredo de Guilherme Storitz
>>> A selva do dinheiro + Histórias clássicas do inferno econômico
>>> Oscarito Nosso Oscar de Ouro
>>> A Nudez da Verdade
>>> Emoções em Prosa e Verso
>>> A Telessaúde no Brasil e a Inovação Tcnológica na Atenção ...
>>> O Pagador de Promessas
>>> O Caçador das Bolachas Perdidas
>>> Juizado Especial: Criação Instalação, Funcionamento e a ...
>>> Meu Querido Canibal
>>> Anjo de Quatro Patas
>>> Vencendo Aflições, Alcançando Milagres
>>> Eles Pedem em Casamento, Elas Pedem o Divórcio
>>> Procurando Firme
>>> Ensino Holístico da Medicina
>>> Depressão e Autoconhecimento: Como Extrair Preciosas Lições ...
>>> Utopia?
>>> Resistência: a História de uma Mulher Que Desafiou Hitler
>>> Uma Herença Preciosa
>>> Prazer uma Abordagem Criativa da Vida
>>> O Retorno Financeiro de Programas de Promoção da Segurança, ...
>>> Confissão de uma Harpista
>>> Os Mestres de Gurdjieff
>>> Proposta para uma Graduação Médica Contemporânea
>>> O Tao da Física
>>> O Santeiro do Mangue e Outros Poemas
>>> Português para Concursos
>>> Bola na Rede: a Batalha do Bi
>>> Paulo Francis Polemista Profissional
>>> Fisiologia e Fisiopatologia do Hormônio de Crescimento
>>> Ser Médico no Brasil - o Presente no Passado
>>> Padre Severino da Pessoa ao Instituto
>>> Micropoderes Macroviolencias
>>> Educação e Tecnologias no Brasil
>>> Cultura e Tecnologias no Brasil
>>> Hupe - Série Rotinas Hospitalares Pediatria 2 Volumes
>>> A Exposição Oral nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - Vol. 3
>>> O Reverso da Logística e as Questões Ambientais no Brasil
>>> Gestão Financeira de Fundos de Pensão
>>> Águias Terrestres - uma Missão Planetária
>>> Homem de Montana
>>> Freud - Pensamento Vivo
>>> Manuelzão e Miguilim
>>> O Poder dos Pêndulos
>>> Confesso Que Vivi
>>> Em Cantos do Ser
COLUNAS

Quinta-feira, 29/8/2013
Ivan Angelo e a experiência da reescrita
Guilherme Tauil

+ de 4000 Acessos

"A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer"

(Graciliano Ramos)

Não se sinta culpado se você nunca tiver lido Ivan Angelo, um de nossos maiores escritores em atividade. Mesmo sendo muito elogiado pela crítica - desde sua estreia em 1961 com o livro Duas faces, reunião de sete de seus contos e duas novelas de Silviano Santiago -, Ivan sempre foi meio recluso, sem muito gosto por entrevistas e avesso aos holofotes. Talvez porque ele seja, forçando o estereótipo, o mais mineiro dos mineiros que se mudaram para São Paulo na década de 60. Jornalista, Ivan participou de uma significativa experiência da moderna imprensa brasileira: "o então revolucionário Jornal da Tarde, criador de escola tanto na feição gráfica como no apuro do texto". Sua função de editor, porém, o afastava do contato direto com o leitor. Sem fazer desse silêncio um charme de personalidade inacessível, parece que Ivan Angelo gosta mesmo é de escrever, não de falar.

Isso é constatável se olharmos sua carreira, mesmo que panoramicamente. Ivan não decepcionou os críticos que o apontaram como promissor em sua estreia: em 1976, publicou um dos mais importantes (e o mais notável, sem dúvida) romances de seu tempo. A festa, premiado com um Jabuti, é um livro de fôlego político, ambientado na ditadura militar e bastante marcado pelo clima opressor e violento. Mas diferente de outros tantos romances da época que hoje têm valor apenas enquanto documento histórico, A festa é, de fato, uma obra de arte - dessas que são capazes de "provocar arrepios cívicos e estéticos", como escreveu Humberto Werneck, seu companheiro no Jornal da Tarde e nos cafés que tomam todas as quintas.

Um de seus aspectos mais chamativos é a estrutura, bastante experimental e recortada. Foi o crítico João Luiz Lafetá quem melhor a classificou: "romance-contos". Os capítulos que compõem a obra podem ser lidos separadamente, pois são dotados de unidade, mas também "extravasam uns nos outros, como se compusessem um sistema de vasos comunicantes" (a expressão é do Lafetá). Alguns personagens aparecem em mais de um capítulo, mas o que atua como fio unificador porém não condutor é a festa anunciada - que, vejam só, nunca acontece. Trata-se, enfim, de uma literatura que somente um autor muito maduro e habilidoso, buscando um novo modo de narrar, saberia compor.

Usei a palavra "maduro" não por acaso, pois quero me deter em um episódio curioso da obra de Ivan Angelo. Publicado em 1986, o livro de contos A face horrível se encerra com uma valiosa experiência de reescrita, da qual todo aspirante a escritor poderá (deverá!) tirar proveito. O conto Dènouement ("desfecho" em francês) foi publicado originalmente em seu já citado livro de estreia. Aqui, 25 anos depois, ele volta a aparecer para, nas mãos do escriba experiente, desdobrar-se em mais dois: Entrevero do autor com seu conto, em que dispõe, ao lado da ficção juvenil, comentários cruéis e jocosos de uma leitura autocrítica; e Final, o conto totalmente refeito.

Da leitura do original, vemos Libério, o narrador, angustiado com um impasse amoroso: sua esposa, Maria Lúcia, teve um caso com outro homem. No tormento psicológico do personagem principal, sua voz narrativa se divide em duas: uma se questiona e faz suposições; - ela me amava antes?, de quem é a culpa? - outra, ataca e refuta os questionamentos - ela é a culpada, seu idiota, claro. Basicamente, a primeira é emocional e ganha a simpatia do leitor, enquanto a segunda, expressando sua racionalidade num português excessivamente culto, o repele - um processo esquemático que nos remete ao anjo e ao demônio disputando o controle do homem. A junção das duas vozes retrata uma mente fervilhante que se prepara para um grande acontecimento.

Decidido, Libério convida Malu para um passeio em Congonhas, cidade que abriga os profetas esculpidos por Aleijadinho. Lá, surpreende sua esposa com a inscrição da estátua de Osaías: "Aceita a mulher adúltera e com ela tem novos filhos". Descoberta e envergonhada, ela acaba revelando a trama secreta, digna de uma novela televisiva, que envolve, entre outras coisas, um amor jurado mas impossível na juventude. Vocês sabem: eles se amam, mas a vida os separam; eles se casam com outros, mas a vida os une. A discussão do relacionamento segue-se intensa, porém bastante artificial, como demonstra o pensamento de Libério:

"Preciso compreendê-la para não desprezá-la. Estou de tal modo ligado a ela que é impossível desprezá-la sem desprezar-me".

O autor, aí, deixa escapar uma preocupação quanto à capacidade do leitor de compreender sua história, usando frases explicativas e francamente didáticas - como se isso suprisse uma lacuna técnica que não permitia o escritor inexperiente conduzir seus leitores somente através da ficção.

Nesse rodeio excessivamente interno, de muita pergunta e pouco gesto, é Libério quem sai perdendo, porque percebe que não poderia ter feito esse jogo humilhante com a esposa. Malu não quer voltar para casa e não pode continuar o relacionamento. Derrotado, Libério encontra a solução para o drama logo em seguida, na estrada: um caminhão enorme, contra o qual joga seu carro instintivamente. Dènouement tem, portanto, um desfecho dramático e excessivo, pois a morte pode ser sempre uma solução fácil.

O texto seguinte Entrevero do autor com seu conto é de pouca explicação mas de muito proveito. Trata-se do escritor mais velho apontando os defeitos - e alguns acertos - do mais novo. Das suas observações, a mais significativa me parece ser a seguinte:

"Bastaria dizer que o cara estava tranquilo e quando a mulher transou outro homem ele fundiu a cuca. Duas ou três frases, sem babaquices tipo 'como poderia ela ter certeza dos meus sentimentos?'. O parágrafo parece arrumado para contar o passado das personagens, é narrativo demais e não deveria ser. Tem de funcionar por justaposição, a soma é que deve narrar e dar sentido".

Está poupado o trabalho do crítico. Através de outros caminhos, Ivan chegou à mesma conclusão que o russo Joseph Brodsky quando disse que "O que torna uma narrativa boa não é a história em si, mas o que se segue a quê". Aprendida a lição, Ivan Angelo aponta a necessidade de alterar tanto a forma quanto o conteúdo de seu conto, sem poupar-se de puxões de orelha que sofrem os irmãos caçulas.

Final, o resultado desse exercício, é essencialmente diferente de sua matriz. A mudança mais notável é a linguagem, que abandona toda a pompa e os pronomes em segunda pessoa para tornar-se coloquial, fácil. Os devaneios de Libério recebem polimento: a dualidade das vozes internas desaparece, dando lugar a uma única, incerta, confusa, agressiva. As contradições do humano ficam claras e, por consequência, o homem fica exposto - não há espaço para a metafísica, o bem e o mal. O trecho que usei acima, para exemplificar o primeiro conto, se transforma no seguinte:

"Preciso é saber por quê. Conhecê-la melhor. Protegê-la".

A economia das palavras e as frases curtas dão ritmo à escrita, que agora se faz numa cadência propícia ao conflito interno. Tudo vira mais palpável, mais verossímil, próximo ao homem real - algo com o qual o leitor pode se identificar. Basta pensar que Dènouement vira, simplesmente, Final. Ou, então, que o casal que antes se suicidava tragicamente, agora volta para casa brigado, em silêncio. É o que geralmente acontece com os pares que brigam, não? O que antes era uma questão de morte, passa a ser "uma questão de tempo, como um castigo". Muito mais moderno, e profundo. E a inscrição do profeta, que funciona como síntese do conto, foi cortada pela metade: "Aceita a mulher adúltera", apenas. Não é preciso mais do que isso - pelo menos para um escritor do nível de Ivan Angelo.

Essa prosa enxuta, longe de ser esturricada, é uma valorosa qualidade para o ofício de cronista que Ivan pratica com mais dedicação desde 1999, quinzenalmente, nas páginas da revista Veja São Paulo. Sobre suas crônicas, prometo dedicar outro texto, pois seria injustiça de minha parte querer abordar um dos maiores cronistas contemporâneos nesse dènouement - ou melhor, nesse parágrafo final.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog Quarta Capa (siga também pelo Facebook).


Guilherme Tauil
São Paulo, 29/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
04. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
05. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo


Mais Guilherme Tauil
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANTÔNIA - AUTOGRAFADO
ALEXANDRE SALEM SZKLO
SETTE LETRAS
(1996)
R$ 12,00



AMOR & CIA. LTDA. - PASCHOAL MELANTÔNIO (LITERATURA BRASILEIRA)
PASCHOAL MELANTÔNIO
PRVDENTIA
(1970)
R$ 8,00



TERRAS E POVOS MISTERIOSOS
JIM HICKS
ABRIL LIVROS
(1995)
R$ 10,00



INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA - VOLUME ÚNICO
MAURÍCIO KISCHNHEVSKY / OTTON TEIXEIRA
FAPERJCEDERJ
(2005)
R$ 15,90



UMA CURVA NO TEMPO
DANI ATKINS
ARQUEIRO
(2015)
R$ 8,30



O AMERICANO TRANQUILO
GRAHAM GREENE
ABRIL
(1981)
R$ 8,00



O ENFORCADO DE SAINT - PHOLIEN
SIMENON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2018)
R$ 10,00



THE NEW EIGHTEENTH-CENTURY STYLE HARDCOVER - DECEMBER 1, 2006
BY MICHELE LALANDE (AUTHOR),‎ GILLES TRILLARD (PHOTOGRAPHER),‎ LAUREL HIRSCH (TRANSLATOR) 4.0 OUT OF 5 STARS 16 CUSTOMER REVIEWS
EUROPA
(2018)
R$ 120,00



FARDA FARDÃO CAMISOLA DE DORMIR
JORGE AMADO
RECORD
(1979)
R$ 8,99



A PESQUISA EM ARTE
SILVIO ZAMBONI
AUTORES ASSOCIADOS
(2002)
R$ 21,00





busca | avançada
30036 visitas/dia
773 mil/mês