Ivan Angelo e a experiência da reescrita | Guilherme Tauil | Digestivo Cultural

busca | avançada
60272 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Villa-Lobos tinha dias de tirano
>>> Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo
>>> White Blues Boys
>>> 21º de Mozart: Pollini e Muti
>>> Mentiras diplomáticas 1: a Copa do Mundo é nossa
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Eu não uso brincos
>>> Sou diabético
Mais Recentes
>>> Guinness World Records 2017 de Vários Autores pela HarperCollins (2017)
>>> O Monge e o Executivo de James C. Hunter pela Sextante (1989)
>>> Bocage de Hernani Cidade pela Lello & Irmão (1936)
>>> Como passar em concursos juridicos compacto de Wander Garcia pela Foco Juridico (2014)
>>> A Abolição do Homem de C. S. Lewis pela Thomas Nelson Brasil (2017)
>>> Boitatás de Pedro Saturnino Vieira Magalhães pela Helios (1926)
>>> Brossard: 80 Anos na História Política do Brasil de Luiz Valls pela Artes e Ofícios (2004)
>>> O Maior Vendedor do Mundo de Og Mandino pela Record (1978)
>>> Farewell Summer de Ray Bradbury pela Harper (2007)
>>> Três Sombras de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos na Companhia (2011)
>>> Métodos Diagnósticos: Consulta Rápida de José Luiz Möller Flôres Soares; Outros pela Artmed (2002)
>>> O que vale a pena de Wendy Lustbader pela Alegro (2002)
>>> 2001 Uma Odisséia no Espçaço de Arthur C. Clarke pela Aleph (2013)
>>> Uma Breve História do Século XX de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Minimanual de pesquisa Biologia de Adelheid Chiaradia pela Claranto (2004)
>>> Manual de relaxamento e reduçao do stress de Martha Davis; Elizabeth R. Eshelman; Matthew Mckay pela Summus (1996)
>>> Hell Paris 75016 de Lolita Pille pela Intrinseca (2003)
>>> Ouro De Ofir - Codex Efeito Exillis II de Annabel Sampaio pela Geneve (2014)
>>> Caminho de Estrelas de Maria Braga Horta pela Massao Ohno Editor (1996)
>>> Existencialismo, filosofia y poesia de Juan Luis Segundo, S. J. pela Espasa (1948)
>>> Steve Jobs: A Biografia de Walter Isaacson pela Companhia de Letras (2011)
>>> O que Cristo pensa da Igreja de John Stott pela United press (1998)
>>> Ética a Nicômaco de Aristóteles pela Martin Claret (2013)
>>> As obras da carne e o fruto do Espírito de Willain Barclay pela Vida Nova (1985)
>>> A Conspiração Anunnaki - O Olho De Hórus de Annabel Sampaio pela Geneve (2015)
>>> Crime e Castigo de Dostoiévski pela Martin Claret (2008)
>>> O Mesmo Homem, No Amor e na Guerra de David Lebedoff pela Difel (2011)
>>> Biblia DeVocional da Mulher Nova Versão Internacional - Religiao de Vida pela Vida (2002)
>>> Evangélicos na política brasileira de Paul Freston pela Encontrão (1994)
>>> Teologia contemporânea de Stanley Gundry pela Mundo Cristão (1983)
>>> As Aventuras do Caça-Feitiço Volume 4: A Batalha de Joseph Delaney pela Bertrand Brasil (2010)
>>> On Zion: The History of an Idea (Inglês) de Martin Buber pela Schocken books (1986)
>>> Novamente Juntos de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (1999)
>>> Casa Velha de Machado de Assis pela Escala (2007)
>>> Contos de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2007)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Antonio de Paulo pela DP&A (2002)
>>> On the Bible: Eighteen Studies (Inglês) de Martin Buber pela Schocken books (1982)
>>> Histórias Verdadeiras de Giselda Laporta Nicolelis pela Scipione (2007)
>>> Américas uma introdução histórica de Luiz Koshiba; Denise Manzi pela Atual (1900)
>>> Drawing: A Complete Guide de Giovanni Civardi pela Search Press (2010)
>>> Paratii - Entre Dois Pólos de Amyr Klink pela Companhia das Letras (1992)
>>> A Paz de Todo o Dia 3 de Brigida Fries pela Brahma Kumaris (2014)
>>> A era dos direitos de Noberto Bobbio pela Campus (1992)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1984)
>>> Design de Interação: Além da Interação Homem-Computador de Jennifer Preece pela Bookman (2005)
>>> Como tirar a sorte pelas cartas de Madame Zenaira pela Tecnoprint (1980)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Programa de Responsabilidade Civil de Sergio Cavalieri Filho pela Malheiros (2004)
>>> Sistema Toyota de Desenvolvimento de Produto: Integrando Pessoas, Processo e Tecnologia de James M. Morgan; Jeffrey K. Liker pela Bookman (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Globo (1997)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/8/2013
Ivan Angelo e a experiência da reescrita
Guilherme Tauil

+ de 5500 Acessos

"A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer"

(Graciliano Ramos)

Não se sinta culpado se você nunca tiver lido Ivan Angelo, um de nossos maiores escritores em atividade. Mesmo sendo muito elogiado pela crítica - desde sua estreia em 1961 com o livro Duas faces, reunião de sete de seus contos e duas novelas de Silviano Santiago -, Ivan sempre foi meio recluso, sem muito gosto por entrevistas e avesso aos holofotes. Talvez porque ele seja, forçando o estereótipo, o mais mineiro dos mineiros que se mudaram para São Paulo na década de 60. Jornalista, Ivan participou de uma significativa experiência da moderna imprensa brasileira: "o então revolucionário Jornal da Tarde, criador de escola tanto na feição gráfica como no apuro do texto". Sua função de editor, porém, o afastava do contato direto com o leitor. Sem fazer desse silêncio um charme de personalidade inacessível, parece que Ivan Angelo gosta mesmo é de escrever, não de falar.

Isso é constatável se olharmos sua carreira, mesmo que panoramicamente. Ivan não decepcionou os críticos que o apontaram como promissor em sua estreia: em 1976, publicou um dos mais importantes (e o mais notável, sem dúvida) romances de seu tempo. A festa, premiado com um Jabuti, é um livro de fôlego político, ambientado na ditadura militar e bastante marcado pelo clima opressor e violento. Mas diferente de outros tantos romances da época que hoje têm valor apenas enquanto documento histórico, A festa é, de fato, uma obra de arte - dessas que são capazes de "provocar arrepios cívicos e estéticos", como escreveu Humberto Werneck, seu companheiro no Jornal da Tarde e nos cafés que tomam todas as quintas.

Um de seus aspectos mais chamativos é a estrutura, bastante experimental e recortada. Foi o crítico João Luiz Lafetá quem melhor a classificou: "romance-contos". Os capítulos que compõem a obra podem ser lidos separadamente, pois são dotados de unidade, mas também "extravasam uns nos outros, como se compusessem um sistema de vasos comunicantes" (a expressão é do Lafetá). Alguns personagens aparecem em mais de um capítulo, mas o que atua como fio unificador porém não condutor é a festa anunciada - que, vejam só, nunca acontece. Trata-se, enfim, de uma literatura que somente um autor muito maduro e habilidoso, buscando um novo modo de narrar, saberia compor.

Usei a palavra "maduro" não por acaso, pois quero me deter em um episódio curioso da obra de Ivan Angelo. Publicado em 1986, o livro de contos A face horrível se encerra com uma valiosa experiência de reescrita, da qual todo aspirante a escritor poderá (deverá!) tirar proveito. O conto Dènouement ("desfecho" em francês) foi publicado originalmente em seu já citado livro de estreia. Aqui, 25 anos depois, ele volta a aparecer para, nas mãos do escriba experiente, desdobrar-se em mais dois: Entrevero do autor com seu conto, em que dispõe, ao lado da ficção juvenil, comentários cruéis e jocosos de uma leitura autocrítica; e Final, o conto totalmente refeito.

Da leitura do original, vemos Libério, o narrador, angustiado com um impasse amoroso: sua esposa, Maria Lúcia, teve um caso com outro homem. No tormento psicológico do personagem principal, sua voz narrativa se divide em duas: uma se questiona e faz suposições; - ela me amava antes?, de quem é a culpa? - outra, ataca e refuta os questionamentos - ela é a culpada, seu idiota, claro. Basicamente, a primeira é emocional e ganha a simpatia do leitor, enquanto a segunda, expressando sua racionalidade num português excessivamente culto, o repele - um processo esquemático que nos remete ao anjo e ao demônio disputando o controle do homem. A junção das duas vozes retrata uma mente fervilhante que se prepara para um grande acontecimento.

Decidido, Libério convida Malu para um passeio em Congonhas, cidade que abriga os profetas esculpidos por Aleijadinho. Lá, surpreende sua esposa com a inscrição da estátua de Osaías: "Aceita a mulher adúltera e com ela tem novos filhos". Descoberta e envergonhada, ela acaba revelando a trama secreta, digna de uma novela televisiva, que envolve, entre outras coisas, um amor jurado mas impossível na juventude. Vocês sabem: eles se amam, mas a vida os separam; eles se casam com outros, mas a vida os une. A discussão do relacionamento segue-se intensa, porém bastante artificial, como demonstra o pensamento de Libério:

"Preciso compreendê-la para não desprezá-la. Estou de tal modo ligado a ela que é impossível desprezá-la sem desprezar-me".

O autor, aí, deixa escapar uma preocupação quanto à capacidade do leitor de compreender sua história, usando frases explicativas e francamente didáticas - como se isso suprisse uma lacuna técnica que não permitia o escritor inexperiente conduzir seus leitores somente através da ficção.

Nesse rodeio excessivamente interno, de muita pergunta e pouco gesto, é Libério quem sai perdendo, porque percebe que não poderia ter feito esse jogo humilhante com a esposa. Malu não quer voltar para casa e não pode continuar o relacionamento. Derrotado, Libério encontra a solução para o drama logo em seguida, na estrada: um caminhão enorme, contra o qual joga seu carro instintivamente. Dènouement tem, portanto, um desfecho dramático e excessivo, pois a morte pode ser sempre uma solução fácil.

O texto seguinte Entrevero do autor com seu conto é de pouca explicação mas de muito proveito. Trata-se do escritor mais velho apontando os defeitos - e alguns acertos - do mais novo. Das suas observações, a mais significativa me parece ser a seguinte:

"Bastaria dizer que o cara estava tranquilo e quando a mulher transou outro homem ele fundiu a cuca. Duas ou três frases, sem babaquices tipo 'como poderia ela ter certeza dos meus sentimentos?'. O parágrafo parece arrumado para contar o passado das personagens, é narrativo demais e não deveria ser. Tem de funcionar por justaposição, a soma é que deve narrar e dar sentido".

Está poupado o trabalho do crítico. Através de outros caminhos, Ivan chegou à mesma conclusão que o russo Joseph Brodsky quando disse que "O que torna uma narrativa boa não é a história em si, mas o que se segue a quê". Aprendida a lição, Ivan Angelo aponta a necessidade de alterar tanto a forma quanto o conteúdo de seu conto, sem poupar-se de puxões de orelha que sofrem os irmãos caçulas.

Final, o resultado desse exercício, é essencialmente diferente de sua matriz. A mudança mais notável é a linguagem, que abandona toda a pompa e os pronomes em segunda pessoa para tornar-se coloquial, fácil. Os devaneios de Libério recebem polimento: a dualidade das vozes internas desaparece, dando lugar a uma única, incerta, confusa, agressiva. As contradições do humano ficam claras e, por consequência, o homem fica exposto - não há espaço para a metafísica, o bem e o mal. O trecho que usei acima, para exemplificar o primeiro conto, se transforma no seguinte:

"Preciso é saber por quê. Conhecê-la melhor. Protegê-la".

A economia das palavras e as frases curtas dão ritmo à escrita, que agora se faz numa cadência propícia ao conflito interno. Tudo vira mais palpável, mais verossímil, próximo ao homem real - algo com o qual o leitor pode se identificar. Basta pensar que Dènouement vira, simplesmente, Final. Ou, então, que o casal que antes se suicidava tragicamente, agora volta para casa brigado, em silêncio. É o que geralmente acontece com os pares que brigam, não? O que antes era uma questão de morte, passa a ser "uma questão de tempo, como um castigo". Muito mais moderno, e profundo. E a inscrição do profeta, que funciona como síntese do conto, foi cortada pela metade: "Aceita a mulher adúltera", apenas. Não é preciso mais do que isso - pelo menos para um escritor do nível de Ivan Angelo.

Essa prosa enxuta, longe de ser esturricada, é uma valorosa qualidade para o ofício de cronista que Ivan pratica com mais dedicação desde 1999, quinzenalmente, nas páginas da revista Veja São Paulo. Sobre suas crônicas, prometo dedicar outro texto, pois seria injustiça de minha parte querer abordar um dos maiores cronistas contemporâneos nesse dènouement - ou melhor, nesse parágrafo final.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog Quarta Capa (siga também pelo Facebook).


Guilherme Tauil
São Paulo, 29/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. No Festival de Curitiba 2010 de Julio Daio Borges


Mais Guilherme Tauil
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NA TRILHA DA GRAMÁTICA
LUIZ CARLOS TRAVAGLIA
ED. CORTEZ
(2013)
R$ 60,72



VETERINARY ETHICS: ANIMAL WELFARE, CLIENT RELATIONS, COMPETITION & COLLEGIALITY, 2E
JERROLD TANNENBAUM
MOSBY
(1995)
R$ 145,00



A JORNADA
DANIELLE STEEL
RECORD
(2002)
R$ 9,80



MAVIGNIER MAX BILL WOLLNER - ARTES
JUAN MANUEL BONET
DAN GALERIA
R$ 60,00



A BELA VELHICE
MIRIAN GOLDENBERG
RECORD
(2013)
R$ 30,00
+ frete grátis



O BOTICÁRIO
MAILE MELOY
BERTRAND BRASIL
(2016)
R$ 38,00



AS TRÊS IRMÃS - CONTOS
TCHEKHOV
ABRIL CULTURAL
(1982)
R$ 7,00



HISTOIRE DU CINÉMA
PIERRE LEPROHON
CERF
(1961)
R$ 18,90



MINHAS TUDO
MARIO PRATA
PLANETA
(2012)
R$ 5,90



SUBORDINAÇÃO E COORDENAÇÃO CONFRONTOS E CONTRASTES
FLAVIA DE BARROS CARONE
ÁTICA
(1988)
R$ 24,87





busca | avançada
60272 visitas/dia
2,0 milhões/mês