O gênio, e alguns assuntos menos elevados | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> D. Pedro I (Perfis Brasileiros) de Isabel Lustosa pela Companhia das Letras (2006)
>>> Quatro Estações de Stephen King pela Objetiva (2001)
>>> Wicca Gardneriana de Mario Martinez pela Gaia (2005)
>>> O Feitiço do Cinema Ensaios de Griffe Sobre a Sétima Arte de Juan Guillermo D. Droguett e Flavio F. A. Andrade pela Saraiva (2009)
>>> Os Últimos Anos da Escravatura no Brasil de Robert Conrad pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Recursos Hidricos - Direito Brasileiro e Internacional de Paulo Affonso Leme Machado pela Malheiros (2002)
>>> Responsabilidade Fiscal - Autografado de Kiyoshi Harada - Autografado pela Juarez de Oliveira (2002)
>>> Lugar de Medico e na Cozinha - Cura e Saúde pela Alimentação Viva de Dr. Alberto Peribanez Gonzalez pela Alaúde (2008)
>>> Jung o Mapa da Alma de Murray Stein pela Cultrix (2006)
>>> Candido Mendes : a Aventura da Consciência de Maria Isabel Mendes de Almeida pela Educam (2008)
>>> Freakonomics - o Lado Oculto e Inesperado de Tudo Que nos Afeta de Elsevier pela Campus (2005)
>>> Transmissores Para Iniciantes - 30 projetos de Newton C Braga pela Saber (1994)
>>> A Astrologia e a Psique Moderna: Um astrólogo analisa a psicologia profunda de Dane Rudhyar pela Pensamento (1986)
>>> Sistemagia de Adriano Camargo Monteiro pela Madras (2006)
>>> O Legado da Deusa de Mirella Faur pela Rosa dos tempos (2003)
>>> Pensando a Física de Mário Schenberg pela Brasiliense (1984)
>>> Les Secrets de Florence Nightingale - bibliothèque blanche de Alice Wilburstone-Payne pela Blanche (2005)
>>> A Bíblia na Linguagem de Hoje - O Novo Testamento 3ª edição. de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (1975)
>>> Histologia Básica - texto/Atlas de Luiz C. Junqueira; José Carneiro pela Guanabara Koogan (2022)
>>> Quando eu Voltei, Tive uma Surpresa de Joel Rufino dos Santos pela Rocco (2000)
>>> O Atraso Econômico em Perspectiva Histórica de Alexander Gerschenkron pela Contraponto (2015)
>>> Pintando Sua Alma - método de desenvolvimento da personalidade criativa de Susan Bello pela Wak (2007)
>>> O Século XX - o tempo das crises - revoluções, fascismos e guerras volume 2 de Daniel Aarão Reis Filho; Jorge Ferreira; Celeste Zenha pela Civilização Brasileira (2000)
>>> O Massacre de Manguinhos de Herman Lent pela Edições Livres (2019)
>>> O Massacre de Manguinhos de Herman Lent pela Edições Livres (2019)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/3/2003
O gênio, e alguns assuntos menos elevados
Adrian Leverkuhn

+ de 3000 Acessos

É claro que, quando tal assunto é abordado, o é sempre com conotações éticas maiores - que não vou repetir aqui, por respeito à inteligência dos leitores - mas a verdade é que quanto mais uma pessoa se dedica a alguma coisa, quanto mais energia ela despende na busca por uma habilidade, menos humana ela parecerá aos outros. Quantos não foram, por exemplo, os músicos cujas habilidades foram atribuídas a pactos com o demônio, de Niccolo Paganini a Robert Johnson, e quantas lendas não correm sobre grandes cientistas e pesquisadores que, verídicas ou não, servem apenas para reiterar como eles eram pessoas "estranhas", anedoticamente assegurando que eles não eram, em essência, pessoas como nós? Ou a heteronímia de Pessoa, que, em anos recentes, vem sendo manchada com a acusação de que Pessoa sofria de transtorno dissociativo de personalidade, esquizofrenia ou seja lá o quê - que, verdade ou não, tem apelo imediato, dadas as dificuldades de se aceitar que um ser humano possa ter imaginado e construído tudo aquilo. E não se trata, também, apenas da exibição da força: a própria presença de tais pessoas, conversar levianamente com elas, já é o suficiente para que uma leve sensação de estranheza nos acometa, que virá apenas a ser confirmada mais adiante.

Como de costume, os orientais já tinham e expressaram uma consciência de tal fenômeno: entre os japoneses, a prática da poesia era um michi (ou um dô: o ideograma é lido de forma diferente dependendo da utilização), um caminho para a elevação espiritual; mas também o eram as artes marciais (bushidô), a arte da jardinagem (kadô) e mesmo a arte de preparar chás (sadô). Não se dá, obviamente, que o chá, ou as flores, ou a luta, e provavelmente não a poesia, que seriam responsáveis pelo enriquecimento espiritual, mas a dedicação em se entender algo por completo, de dominar uma arte, que faria o praticante diferente de todos os outros. É bom lembrar que as religiões eram também referidas como michi/dô, como o budismo (bustudô) e o shintoísmo (shintô), colocando a religião e a jardinagem no mesmo patamar!

Ou, por outro ângulo: Otto Weininger, em seu hoje injustamente desprezado Sexo e Caráter, delineia um entendimento do gênio (palavrinha que eu estava evitando até agora) como uma característica distinta e independente do talento: um matemático, por exemplo, pode ter um grande talento mas não ser um gênio, e com isso dominará todos os problemas de sua área; Novalis, por sua vez, teria sido um gênio sem nenhum grande talento em particular. A genialidade, para Weininger, consistiria em "originalidade, individualidade e um estado de produtividade geral". O gênio seria, ademais, uma pessoa que tivesse "todas as outras pessoas dentro de si", e ele cita o exemplo de Goethe, que certa vez disse que não havia um único crime, um único vício cuja tendência para qual ele não fosse capaz de reconhecer em si mesmo, e, em algum estágio de sua vida, de entender completamente. O gênio não é uma condição de saber as coisas, mas sabê-las intuitivamente, "sem as ter aprendido".

Nosso tempo, que não acredita em pactos com o demônio, precisou negligenciar também o mito do gênio. Há acadêmicos que respondem com agressividade descomunal, mesmo para acadêmicos, sempre que farejam alguma referência à genialidade - e o farejam de tal distância que o observador desatento não entenderá o rompante de ódio. Mas mais do que uma simples forma de lidar com a estranheza, a perseguição à própria idéia de gênio tem raízes mais profundas: o mito do gênio é o próprio mito do Indivíduo, da pessoa autônoma que se separa da massa para tornar-se melhor que ela (algumas vezes até por um fardo que não se deseja do que uma escolha), e que mantém uma relação distante, mesmo que respeitosa, com seus concidadãos. É, ademais, um indivíduo mais importante que a massa: capaz de, sozinho, causar impactos históricos mais significativos do que a lenta e fatalista luta de classes e conceitos parecidos, e que pode continuar estando certo mesmo quando a turba se volta contra ele. Não é de se estranhar que os românticos tenham se apaixonado por gênios, e que hoje se persiga o próprio conceito, não porque se o tenha descoberto inútil ou incorreto, mas por sua incompatibilidade com o coletivismo vigente.

O mito do gênio se espalha e ressoa em vários outros mitos: é o Fausto, em todas as suas versões, por mais distintas entre si; tem seu negativo irônico na figura teatral do Louco, que, diferente de todos os outros e incapaz de tocá-los (afinal, quem levará a sério a opinião do louco?), usa sua singularidade e isolamento para ver as coisas mais nitidamente que os demais, e dizer o que eles não ousam dizer; e, modernamente, o mito sobrevive no super-dotado, encontrando nele uma versão infantil de tudo aquilo que ele representava para o adulto (e a União Soviética, por muito tempo, desperdiçou muitos de seus melhores talentos por se recusar a admitir que tais crianças existiam). Mas aqui já se aprofunda mais, e se escorrega lentamente do tema para enraizamentos distantes.

Mélies
George Mélies foi um cineasta e ilusionista francês, apontado freqüentemente como o grande precursor do cinema de efeitos especiais que se tem hoje etc; sua produção alcança seu auge entre 1899 e 1905, e estiola-se a partir de então, sem assimilar as mudanças na utilização do meio que ocorriam no período. Quando se olha para Mélies hoje (quando eu olho, pelo menos) vê-se um trabalho ainda divertido, inventivo, mas que não é, rigorosamente, o que se chamaria de cinema. Delicia-se com a cabeça que infla e murcha - que na verdade, percebe-se de imediato, é apenas uma cabeça da qual a câmera se aproxima e afasta - com o rei na carta de baralho saindo do baralho, com criaturas aparecendo e desaparecendo em explosões de fumaça, a mobília de um quarto toda saindo de uma mala - e compreende-se que se está diante de um mágico, não de um cineasta, e que o que se assiste é mágica em rolos de filme, não cinema. O sonho de todo ilusionista: com técnicas simples, realizar efeitos antes apenas imagináveis, sem risco de erro, liberto das limitações não só do palco ou de suas próprias habilidades, mas das limitações do próprio mundo físico - fazer não apenas o assombroso, mas o rigorosamente impossível; não truques, mas verdadeira mágica. Em Mélies, os cenários e argumentos extravagantes são apenas pretextos para sua magia: o que mostra até onde é possível ir na criação em um novo meio sem entendê-lo, ou buscar entendê-lo, mas apenas estender os antigos para dentro deles. Há, claro, exceções, como a onicitada Uma Viagem à Lua, com sua rápida sucessão de eventos e imagens fantásticas, transcendendo o mágico por trás dela - ou, melhor dizendo, libertando completamente este mágico, levando sua fantasia à exaustão lógica, distante das convenções do palco e da apresentação. Além disso, acomete-me uma profunda e inexplicável tristeza diante da sociedade de astronomia incoerente: a mesma tristeza que me dá, nas cenas mais felizes, o Fausto de Murnau.

Cronenberg
"e quanto ao 'remodelamento do corpo humano pela tecnologia moderna', eu pensei que este era o seu plano?"
"Ah, isto é só um conceito tolo de ficção científica, que flutua na superfície e não ameaça ninguém. Eu uso para testar a capacidade de recuperação de meus parceiros em psicopatologia"
(em Crash)

O "remodelamento do corpo humano pela tecnologia moderna" parece tirado de uma crítica de um filme de Cronenberg (e capaz que tenha sido, mesmo) e saboreia-se a ironia de tal comentário saindo da boca de Vaughan, guia do protagonista em sua exploração e, com um pouco de ousadia, alter-ego do próprio diretor. Cronenberg nos deu a melhor representação cultural do que seja o "remodelamento do corpo humano pela tecnologia moderna", no conjunto de sua obra. Preste atenção, que ele está falando com você: seus filmes não são só sobre a relação entre corpos e tecnologia, tentem enxergar alguma outra coisa. Ele sabe que vocês conseguem.

Mais Cronenberg
Ah, sim, e A Mosca. A Mosca é o melhor teste que existe para determinar se alguém que diz gostar de cinema realmente sabe o que está dizendo. Porque há "filmes de arte" que já dizem de cara, e insistem em repetir a cada cena, seu status de filme de arte. Há filmes banais que também fazem isso, o que é bastante incômodo. A mosca de Cronenberg faz o contrário: ela tenta, a todo momento, te convencer que é um filme banal, superficial, vulgar, um atentado bobo ao estômago de modernetes impressionáveis. Não é. Por baixo de todos os trapos, esconde-se um dos filmes mais inteligentes, mais profundos, e com maior maestria técnica no cinema recente. Exponha seu amigo moderninho à mosca, ou pergunte o que ele acha dela - uma vez que é um filme que todo mundo já viu - e tens uma forma infalível de determinar se ele está lá pela experiência total e o conteúdo ou se ele prefere flutuar na superfície e na aparência.


Adrian Leverkuhn
Brasília, 5/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A revolução de saber das coisas de Marta Barcellos


Mais Adrian Leverkuhn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Horizontes da Vida
João Nunes Maia
fonte viva
(1989)



Como Aprendi a Pensar - os Filósofos Que Me Formaram
Luiz Felipe Pondé
Planeta
(2019)



Dia a Dia Com o Evangelho 2019: Ano C - São Lucas
Paulus Editora
Paulus
(2018)



Planejamento Estratégico Empresarial
Maurício Castelo Branco Valadares
Qualitymark
(2003)



Livro - O Primo Basílio
Eça de Queirós
Nova Cultural



Relatos de Uma Alma
Dorita Moraes Barros
lacerda
(1999)



Big Bang
Heather Couper e Nigel Henbest
Moderna
(1997)



Avalon e o Graal
H. Gerenstadt
madras
(2002)



Auto da Barca do Inferno
Gil Vivente
Ftd
(1997)



Psicossomática Hoje
Julio de Mello Filho / Miriam Burd
Artmed
(2010)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês