3,2,1: O Amor está no ar | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Just in Time Mrp II Opt de Henrique L. Corrêa e Irineu G. N. Gianesi pela Atlas (1996)
>>> Economics de Michael Parkin pela Addison Wesley Longman (1999)
>>> Cold-Case Christianity - A Homicide Detective Investigates the claims of the gospels de J. Warner Wallace pela David Cook (2013)
>>> Operations and Supply Management The Core de F. Robert Jacobs e Richard Chase pela McGraw-Hill (2010)
>>> Orgulho e Preconceito de Jane Austen pela Pé da Letra (2021)
>>> The Wiki Way - Quick Collaboration on the Web de Bo Leuf - Ward Cunningham pela Addison Wesley (2004)
>>> Becky Bloom - Delírios De Consumo Na 5ª Avenida de Sophie Kinsella pela Record (2002)
>>> Gossip Girl Vol. 6- É Você que Eu Quero de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Contratos e Atos Unilaterais vol. 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2012)
>>> Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia de Murilo Bastos da Cunha- Cordélia Robalinho Cavalcanti pela Briquet de Lemos (2008)
>>> A Year of Being Single de Fiona Collins pela Hq (2016)
>>> The Brightest Star in the Sky de Marian Keyes pela Penguin Books (2011)
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 11/9/2002
3,2,1: O Amor está no ar
Rennata Airoldi

+ de 3000 Acessos
+ 8 Comentário(s)

O ser humano é engraçado. Dá mil voltas para chegar sempre ao mesmo ponto. Ninguém admite claramente, mas a verdade é que vivemos para amar. Só. É simples e ao mesmo tempo complicado. É o amor que nos move e nos faz levantar todos os dias e nos faz sonhar com aquilo que imaginamos ser ideal. E, na busca de um amor perfeito, de uma alma gêmea, nos frustramos, sofremos, nos apaixonamos e seguimos em frente. Parece que não existe nenhuma novidade aqui. Bingo! É isso mesmo. Não é nada novo, é apenas uma constatação. Nossa vida é um livro cheio de clichês!

O Teatro não deixa de ser um pouco disso, já que é reflexo da vida. É a voz de todos, o eco do ser humano, expressa através da voz dos atores, em alguns minutos de cena. É, não fugindo da frase feita, o espelho de nossa alma. Assim, devemos expressar através da arte um pouco de tudo e aquilo que nos faz sentir a vida. Muitas vezes as peças tratam de drogas, violência, tragédias ou dramas comoventes. Sofrer é bom, mas se comover com as coisas boas e singelas do cotidiano também se faz necessário. Ah, o amor... quem nunca sonhou com aquele que seria a tampa da sua panela, jogue a primeira pedra!

"3,2,1" é o título da peça de Márcio Araújo, que traz à cena os atores: Lavínia Pannunzio e César Gouvêa, sob sua direção. Marcelo e Luiza representam todos nós. Seres humanos a busca de seu grande amor. E como descobrir um grande amor? Onde procurar? O que fazer com ele? Será que somos capazes de reconhecê-lo? Luíza, jurava como todos, que por causa de decepções amorosas, não estava a fim de relacionamentos. Já Marcelo, queria encontrar alguém mas era ligeiramente tímido...Um dia, num certo carnaval, um grande encontro.

A loucura da vida é que eles, apesar de terem trocado alguns beijos, não trocaram telefone, nem nada. Se procuraram e num acaso do destino, se encontraram. Já pensou: você se deparar com seu grande amor e nunca mais vê-lo? Não, nem eu nem ninguém se perdoaria. Aliás, arrependimento é um dos piores sentimentos que alguém pode carregar. Portanto, como dizia meu saudoso avô, "eu só me arrependo daquilo que não fiz...", é preciso crer que todos as fantasias amorosas devem ser realizadas aqui e agora, já que é impossível prever o amanhã. Quanto tempo as pessoas se suportam convivendo debaixo de um mesmo teto?

A peça propõe um cenário simples mas bastante significativo, uma direção precisa e detalhista na coreografia cênica, o texto direto e de linguagem cotidiana faz da peça um leve e delicioso entretenimento. Entre o vermelho da paixão e o branco da paz e da ternura, o espectador é um cúmplice dos dois pontos de vista de uma mesma história de amor. Ele e ela comentam sua própria história e nós, tiramos nossas próprias conclusões. Entre beijos e brigas, discussões e descobertas, um relacionamento que se constrói e se consome. Ali, em cena, somos espectadores de uma história que muitas vezes já vivemos.

Mais uma vez me deparo com um texto inédito que é capaz de comunicar e dizer abertamente sobre nós mesmos e nos tocar. O irônico e o cômico estão presentes a todo momento e os atores estão muito à vontade em cena o que faz com que o espectador se identifique imediatamente com o "jogo cênico" proposto. Além disso, o texto não trata a história de maneira linear, são lembranças que vêm e vão de maneira desconexa, brincando com as próprias fantasias do casal. Assim, Marcelo é Jorge, Luíza é Isabel e as neuroses e loucuras do casal trazem o lúdico para a cena fazendo com que este quase "meta-teatro", monte aos poucos um pequeno quebra-cabeça deste relacionamento, que eu chamaria de universal.

Amar ou amar, esta é nossa função! Mente quem diz que nunca olhou para uma estrela e fez um pedido! Mente quem nunca fantasiou achar sua cara metade e dividir com ela o resto dos dias de sua vida. O melhor de tudo na peça é que, dá uma vontade imensa de amar! A sensação do casal em cena parece contaminar as pessoas que suspiram e torcem para o sucesso do relacionamento. E dá vontade de abraçar e beijar e sair gritando: Eu Te Amo!!!

É sem dúvida uma grande oportunidade para os apaixonados e não apaixonados rirem, se divertirem e refletirem sobre as escolhas que fazemos na vida. Sobre as chances que damos ou não aos outros que querem nos fazer feliz. Sobre a busca incansável de preencher o vazio de nossas camas. Sobre acordar, olhar ao lado e ver aquele que você deseja dormindo calmamente... É a sutileza da vida transposta para o palco. Claro que seria mais fácil se existisse um "kit" alma - gêmea nas prateleiras do supermercado. Tipo: dissolva em água quente e seja feliz! Mas de repente, se fosse assim, talvez não tivesse a menor graça!

Certa tarde, pensando sobre o amor, escrevi algumas linhas bregas:

AMOR

Como num dia de sol, céu azul e gaivotas que sobrevoam o mar...
É duro ser tudo tão perfeito, mas acontece.

Principalmente nos momentos mais díspares, em que o mundo parece perder o sentido e os pés sob o chão, parecem flutuar.

E a cabeça que busca as nuvens...

Todas as frases feitas, trocadilhos e ditos populares na mesma letra.

Como no pára-choque do caminhão!

Amor, vida, perdição, tesão, sexo, paixão, devoção, devaneio, loucura, perturbação, dominação, entrega, busca, recusa, desejo, prisão, liberdade e paz.

Como imagens desconexas de um sonho recorrente.

Como quando brota um sorriso sincero na face de um bebê.

Anote na agenda
"3,2,1" está em cartaz no Centro Cultural São Paulo, às terças, quartas e quintas-feiras, às 21 hrs., na sala Paulo Emílio, até o dia 3 de outubro. O Centro Cultural fica na R. Vergueiro, 1000. A todos, um bom espetáculo!

Boletim da Mostra
Atenção! Estamos no último mês da "II Mostra de Teatro 'Cemitério de Automóveis'". Até o dia 29 de setembro, 14 peças preenchem, de terça a domingo, o porão do Centro Cultural. Confira a programação através do site www.cemiteriodeautomoveis.hpg.ig.com.br.

Aliás, continuarei com a série de entrevistas sobre adaptação de textos na próxima semana. Ainda nesta coluna, entrevistas com Reinaldo Moraes e Mário Bortolotto. Aguardem!


Rennata Airoldi
São Paulo, 11/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. História da leitura (VI): o iPad aponta o futuro? de Marcelo Spalding


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Saudosismo - 10/7/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
05. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/9/2002
08h12min
Legal, pena que o amor e passageiro e a vida é a motorista...
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
11/9/2002
2.
19h27min
Love, love, love!!! ... our kisses and fights and fuckings Mad and wonderful Charles Bukowski
[Leia outros Comentários de Gui Dourados]
12/9/2002
3.
12h59min
Eu amo loucamente!!! Faz tao bem para a pele...beijos
[Leia outros Comentários de Carol]
13/9/2002
03h32min
Que pode uma criatura senao, entre criaturas, amar? Amar e esquecer, amar e malamar, amar, desamar, amar? Sempre, e ate de olhos vidrados, amar? Que pode, pergunto o ser amoroso, sozinho, em rotacao universal, senao, rodar tambem, e amar?... Alguem pode contrariar Drummond??? Acho que nao. Ame e seja feliz. Abracos. Fernando.
[Leia outros Comentários de Fernando]
13/9/2002
5.
13h05min
Eh muito engracado esse comportamento humano, sempre negando que ama ou que precisa amar. Acredito que para muitos assumir que ama ou que pode amar eh demonstracao de fragilidade. Hoje entramos em processe que ninguem pode se dar para ninguem. Mas esses esquecem que " a vida so se da para quem se deu, para quem amou, para quem chorou, para quem sobreu..." Marcia
[Leia outros Comentários de Marcia Lopes]
13/9/2002
6.
16h05min
Sim AMAR, verbo intransitivo, apenas como é passageiro, e nossa relação com os tempos atuais flui como energia rápida, que passa vummmmmm,passou. pena!!! quem amou amou, quam n amou, n ama mais...
[Leia outros Comentários de Elisabete39]
14/9/2002
12h10min
Nao importa qual eh a sua angulacao, se eh sob a visao de Reich com a sua proposta de prazer ou mesmo aquele tipo de amor piegas, ridiculamente sentimental, o que nao se pode eh deixar simplesmente passar em branco isso em nossas vidas. Amar sempre, seja la com que intensidade for. Fernanda.
[Leia outros Comentários de Fernanda]
20/9/2002
10h38min
Aí de mim se não existisse o amor. O mundo seria frio e sem graça, pois é o amor que dá a vida para o ser humano e sabios são aqueles que amam.
[Leia outros Comentários de Simone]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil
Laurentino Gomes
Planeta do Brasil
(2007)



A Historia Mais Longa Do Mundo - Infanto
Rosane Pamplona
Brinque book
(2009)



Fort of Apocalypse 2
Yu Kuraishi e Kazu Inabe
Jbc
(2017)



Paisagem Vista do Trem
Antonio Calloni
Papirus 7 Mares
(2008)



Como Sair Dessa
Márcia Prado Sartorelli e Outros
Ftd
(1999)



O Direito é Legal
Lamartino Franca de Oliveira
Ltr



Transformando Crise Em Oportunidade
João Paulo dos Reis Velloso
José Olympio
(2007)



Yakuza - Um levantamento explosivo do submundo japonês do crime
David Kaplan & Alec Dubro
Record
(1986)



Um Artista do Mundo Flutuante
Kazuo Ishiguro
Rocco
(1989)



Werner Herzog: o Cinema Como Realidade
Lúcia Nagib
Estação Liberdade
(1991)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês