Cultura do remix | Alexandre Matias

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
>>> Acervo digital documenta a história da Cantina da Lua - símbolo de resistência cultural
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIP 2006 IV
>>> Como você vê a internet?
>>> Inimigos da política
>>> God save the newspapers!
>>> O homem visto do alto
>>> O homem visto do alto
>>> A quinta temporada de Lost
>>> Os primeiros volumes da Penguin Companhia
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Princípio ativo
Mais Recentes
>>> Quatro-olhos e um Sorriso Metálico de Thomas Brezina pela Ática (2006)
>>> O Destino de Perseu - Série Aventuras Mitológicas de Luiz Galdino pela Ftd (1999)
>>> A Perseguição de Sidney Sheldon pela Record (1994)
>>> Muito Barulho por Nada - Série Reencontro de William Shakespeare Adap Leonardo Chianca pela Scipione (2006)
>>> The Picture of Dorian Gray - Level 4 de Oscar Wilde pela Penguin (2008)
>>> The Diary of a Young Girl - Level 4 de Anne Frank pela Penguin (2008)
>>> O Mundo de Crestomanci Vida Encantada de Diana Wynnejones pela Geração (2001)
>>> Três Mistérios: Série Clássicos Juvenis Três por Três de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2008)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E L James; Adalgisa Campos da Silva pela Intrinseca (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas - Texto Integral de Machado de Assis pela Ftd (2010)
>>> Healing Grief de James Van Praagh pela New American Library (2000)
>>> Enquanto o Papa Silenciava de Alexander Ramati pela Clube do Livro (1985)
>>> Onde Andara Dulce Veiga? de Caio Fernando Abreu pela Cia das Letras (1990)
>>> Arte e Manhas da Seducão de Marion V Penteado pela Saraiva (1993)
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Cia das Letras (1988)
>>> A Revolução do Silêncio de Mario Benevides pela Design (2007)
>>> Persian Painting de Sheila R. Canby pela British Museum Press (2008)
>>> Edmund Dulac de Colin White pela Cassel & Collier Macmillian Publishers (1976)
>>> Dominando a Técnica do Esboço - Curso completo em 40 lições de Judy Martin pela Martin Fontes (2014)
>>> The Mysterious Affair At Styles (Poirot's First Case) c/CD de Agatha Christie pela Collins (2012)
>>> Marvellous to Behold: Miracles in Illuminated Manuscripts de Deirdre Jackson pela The British Library (2007)
>>> Muder in Mesopotamia (em inglês) de Agatha Christie pela Harper Collins (2016)
>>> The Fine Art of Chinese Brush Painting de Walter Chen pela Sterling Publishing (2006)
>>> Comunicação em Prosa Moderna de Othon Moacyr Garcia pela fundação Getúlio Vargas (1988)
ENSAIOS

Segunda-feira, 13/4/2009
Cultura do remix
Alexandre Matias

+ de 13000 Acessos

O termo remix surgiu nos anos 70, quando produtores e DJs descobriram que era possível mexer na música depois que ela havia sido gravada. Um conceito de certa maneira novo, a pós-produção ajudou a maturidade do rock nos anos 60, quando, liderada pelos Beatles, toda uma geração se dispôs a alterar a própria obra com efeitos, superposições e modulações que podiam mudar sutil ou completamente o que havia sido registrado em estúdio. Mas o que o produtor americano Tom Mould descobriu quase sem querer foi que era possível aproveitar este novo recurso e aplicá-lo em um mercado ainda mais recente, o da disco music. Ele quem começou a explorar as possibilidades de uma mesma música ser esticada, às vezes por mais de dez minutos, caso fosse necessário. Ciente da novíssima habilidade dos DJs de Nova York no final dos anos 70 (que, sozinhos, começaram a grudar as músicas umas nas outras, juntando batidas semelhantes e encaixando as músicas umas nas outras), Mould percebeu que poderia ajudar a movimentação da pista de dança se fizesse discos que ajudassem o DJ ― afinal, discos eram seus instrumentos. E assim foi inventando novidades como o breque instrumental no meio da música ― que poderia ser usado ou para prolongar a duração da música, usando-se dois discos, ou permitir que uma nova música entrasse ―, o single de 12 polegadas (com sulcos mais largos, em vez do compacto de sete) e, finalmente, o remix.

O conceito de remix, no entanto, não podia ficar limitado à pista de dança. Afinal, ele trata de um processo que começa a reverter o detalhismo cartesiano que categorizou o mundo em compartimentos tão diferentes que parece não ter conexões entre si. Aos poucos redescobrimos pontos em comum em áreas que antes julgávamos completamente alheias umas às outras ― intersecções entre arte e dinheiro, ciência e religião, paixão e lucro ― que nos fazem repensar completamente o cenário em que habitamos. Estamos, como Mould no final dos anos 70, descobrindo que existem formas de facilitar a vida de cada um dos DJs do mundo ― e todo mundo é um DJ em potencial. Como tal, todo ser humano edita sua própria realidade a partir de sentimentos, conceitos, princípios e valores que são, voltando à metáfora, as canções que ele quer que o resto do mundo ouça. Com os recentes avanços tecnológicos que tivemos ao final do século passado, começamos a remixar a realidade de forma mais drástica e consciente, seja no controle remoto, no uso da internet e em tudo que consumimos.

Mais do que na música, que ainda mantém alguns setores completamente alheios ao remix, a realidade atual é completamente remixada. Entre as roupas customizadas e os carros tunados, há um sem-fim de produtos que estão sendo reinventados por seus consumidores ― além de tantos outros produtos que foram feitos para ajudar as pessoas a criar, mais do que a simplesmente remixar. Se antes temíamos que a sociedade do consumo nos padronizasse e uniformizasse, estamos vendo um movimento bem diferente acontecendo hoje em dia ― e, a cada dia que passa, mais temos possibilidades disponíveis para alterar a nossa rotina.

Esse processo de remisturação é o oposto do que aconteceu, voltamos à música, quando o áudio começou a ser gravado. Artistas que nunca haviam aspirado o sucesso além de sua própria comunidade aos poucos se viram transformados em pequenas celebridades, vendendo um novo tipo de som novíssimo para o público em geral pelo único fato de ser gravado. Se antes a música popular era um processo coletivo, sem duração, gênero musical ou autoria definidos, à medida que o século XX amanhecia, surgiram novos astros de uma música que, devido a limitações técnicas (só era possível gravar três ou quatro minutos), passava a ter um tema só e começo, meio e fim. Assim surgiu o jazz, o blues, o tango, a moda de viola, o samba, o baião, a rumba, o country e o frevo, por exemplo, gêneros musicais que eram praticados na rua por todos que, quando um Robert Johnson ou Luiz Gonzaga chegava ao estúdio, era personalizado em um músico, quase sempre "o rei do tipo de música tal".

Estabelecida com o advento da mesma inovação tecnológica que deu origem aos idiomas modernos, aos países, aos livros e ao jornalismo (a palavra impressa), a autoria, como todos estes conceitos anteriores, vem, no entanto, sofrendo uma drástica derrocada que acompanha os primeiros passos de uma nova consciência planetária. O meio ambiente, o capitalismo moderno e a cultura pop funcionaram como agentes cruciais no despertar dessa sensação de que todos nós somos responsáveis por todo o planeta. A internet só nos conectou. Encontrou um ambiente propício para acelerar a troca de ideias e de informação a ponto de tornar-se, em pouquíssimo tempo, no sistema nervoso da humanidade.

Do mesmo jeito que o gênio não é alguém que veio do nada e venceu por conta de seus próprios esforços (sempre procure o contexto de onde o sujeito veio antes de comemorar a vitória da individualidade), a criatividade também não pertence a um só indivíduo. E se o século XX consolidou o conceito de autoria graças a várias revoluções tecnológicas do fim do século anterior (a fotografia, a rotativa, o gravador de som e de imagens ― basicamente invenções ligadas ao processo de registro), a revolução tecnológica que assistimos hoje é baseada em exposição, distribuição e troca. Estamos dispostos a fazer o conhecimento planetário possa se tornar acessível a todos os seres humanos e temos cada vez mais consciência disso ― como do nosso papel de agente desta distribuição, atuando como um DJ que, de acordo com as "músicas" (sentimentos, conceitos, princípios e valores) que escolhe, atinge um determinado tipo de público.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no livro Para entender a internet, organizado por Juliano Spyer. Leia também Entrevista com Alexandre Matias.


Alexandre Matias
São Paulo, 13/4/2009

Mais Alexandre Matias
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fotos do Espelho
Ana Salvagni
Do Autor
(2013)



Eu Fui a Espiã Que Amou o Comandante
Marita Lorenz
Planeta
(2015)



Pensamentos
Zibia Gasparetto
Vida e Consciência
(2010)



Aléxia uma História de Dor, Coragem e Alegria
Miguel A. Monge
Quadrante
(1993)



O Mamífero Articulado
Jean Aitchison
Inst Piaget
(2002)



Livro o Melhor do Folclore Brasileiro
Editora on Line
On Line
(2016)



Recordando Paris
Ritta D Fontoura Cruz Friedrich
Age Ltda
(1999)



Gorbatchóv por Ele Mesmo
Editora Martin Claret
Martin Claret
(1991)



A Coragem de Decidir
Kathryn Jason - J. J. McMahon
Nova Fronteira
(1980)



Na Terra do Nhen-nhen-nhén
Reis de Souza (dedicatória)
Não Identificada (brasília)
(1997)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês