Cultura do remix | Alexandre Matias

busca | avançada
32790 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A morte do professor de literatura
>>> Centenário de Noel Rosa, por Francisco Bosco, na Rádio Batuta
>>> A trilogia Qatsi
>>> Graça Foster também sabia
>>> Um gadget de veludo
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
Mais Recentes
>>> Instalações Elétricas de Hélio Creder pela LTC (2002)
>>> Não é a Mamãe de Guilherme Fiuza pela Record (2014)
>>> O Que É Ideologia de Marilena Chauí pela Brasiliense (1995)
>>> Minigramática de Ernani Terra pela Scipione (2002)
>>> O Seminarista de Bernardo Guimarães pela Martin Claret (2015)
>>> Do-In: Livro dos Primeiros Socorros - Vol. 1 de Juracy Campos L. Cançado pela Ground (1985)
>>> Das Wunschhaus und Andere Geschichten de Leonhard Thoma pela Hueber Verlag (2018)
>>> Caçando e Pescando Por Todo o Brasil - 1ª Série de Francisco de Barros Júnior pela Melhoramentos (1955)
>>> La France J'Aime! de Gilbert Quénelle pela Hatier International (1985)
>>> Como Conquistar Clientes e Mantê-los Para Sempre de Michael LeBoeuf pela Harbra (1996)
>>> Sozinha no Mundo de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record (1996)
>>> O Maior Segredo do Mundo de Og Mandino pela Record (1979)
>>> Cálculo com Geometria Analítica de Earl W. Swokowski pela Makron Books (1994)
>>> Amor de Leo Buscaglia pela Record (1972)
>>> Fundamentos de Física - Eletromagnetismo de David Halliday pela LTC (1996)
>>> Microeletrônica de Sedra, Adel S., Smith, Kenneth C. pela Makron Books (2019)
>>> O Fim do Brasil de Felipe Miranda pela Escrituras (2014)
>>> Manifesto do Nada na Terra do Nunca de Lobão pela Nova Fronteira (2013)
>>> Contra a Maré Vermelha de Rodrigo Constantino pela Record (2015)
>>> O País dos Petralhas II de Reinaldo Azevedo pela Record (2012)
>>> O País dos Petralhas de Reinaldo Azeved pela Record (2008)
>>> Privatize Já de Rodrigo Constantino pela Leya (2012)
>>> Assassinato de reputações: um crime de estado de Romeu Tuma Junior pela Topbooks (2013)
>>> Por que virei à direita de Denis Rosenfield, João Pereira Coutinho, Luiz Felipe Pondé pela Três Estrelas (2012)
>>> A Terra de Deus de Taylor Caldwell pela Record
>>> The Secret Garden de Frances Hodgson Burnett pela Hub (2011)
>>> The Lung: Physiologic Basis of Pulmonary Function Tests de Robert E. Forster II pela Year Book Medical Publishers (1986)
>>> Star Wars Darth Vader. Vader de Panini pela Panini (2019)
>>> Treinamento em Informática: Windows 95 de Tba Informática pela Tds Distribuidora (1999)
>>> Access 97 Passo a Passo Lite de Núcleo Técnico e Editorial Makron Books pela Makron Books (1997)
>>> PowerPoint 97 Passo a Passo Lite de Núcleo Técnico e Editorial Makron Books pela Makron Books (1998)
>>> De Agora Em Diante, Uma Pessoa Diferente de Lama Surya Das pela Rocco (2007)
>>> Veda: Segredo do Oriente. Uma Antologia de Artigos e Ensaios de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela The Bhaktivendanta Book Trust (2013)
>>> O Livro Da Transformação de Osho pela Sextante (2003)
>>> O Futuro Chegou  de Domenico de Masi pela Casa da Palavra (2014)
>>> Você é Inteligente o Bastante para Trabalhar no Google?  de William Poundstone pela Zahar (2012)
>>> A Prosperidade do Vicio - uma Viagem (inquieta) pela Economia  de Daniel Cohen; Wandyr Hagge pela Zahar (2010)
>>> Mitos Sobre a Fundação dos Estados Unidos  de Ray Raphael pela Civilização Brasileira (2006)
>>> A Startup Enxuta - Inovação Contínua para Criar Empresas Bem-sucedidas  de Eric Ries; Carlos Szlak pela Leya (2012)
>>> O Estilo Startup-empresas Modernas Usam o Empreendedorismo para Cresce  de Eric Ries pela Leya (2018)
>>> Como Se Tornar Inesquecível  de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2012)
>>> O Naturalista da Economia  de Robert H. Frank pela Best Business (2009)
>>> A Prisão da Fé  de Lawrence Wright; Denise Bottmann; Laura Motta pela Companhia das Letras (2013)
>>> A Escola da Liderança - Ensaios Sobre a Política Externa  de Sérgio Danese pela Record (2009)
>>> A Força da Convicção - Em Que Podemos Crer?  de Jean Claude Guillebaud; Maria Helena Kühner pela Bertrand Brasil (2007)
>>> A Beira do Abismo Financeiro - a Corrida para Salvar a Economia Global  de Henry M. Paulson Junior pela Elsevier (2010)
>>> O Fim da Vantagem Competitiva - Novo Modelo de Competição  de Rita Mcgrath pela Elsevier (2013)
>>> Risco Digital na Web 3. 0  de Leonardo Scudere; Scudere Soluções pela Elsevier (2014)
>>> A Disneyzação da Sociedade  de Alan Bryman pela Ideias e Letras (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 13/4/2009
Cultura do remix
Alexandre Matias

+ de 11600 Acessos

O termo remix surgiu nos anos 70, quando produtores e DJs descobriram que era possível mexer na música depois que ela havia sido gravada. Um conceito de certa maneira novo, a pós-produção ajudou a maturidade do rock nos anos 60, quando, liderada pelos Beatles, toda uma geração se dispôs a alterar a própria obra com efeitos, superposições e modulações que podiam mudar sutil ou completamente o que havia sido registrado em estúdio. Mas o que o produtor americano Tom Mould descobriu quase sem querer foi que era possível aproveitar este novo recurso e aplicá-lo em um mercado ainda mais recente, o da disco music. Ele quem começou a explorar as possibilidades de uma mesma música ser esticada, às vezes por mais de dez minutos, caso fosse necessário. Ciente da novíssima habilidade dos DJs de Nova York no final dos anos 70 (que, sozinhos, começaram a grudar as músicas umas nas outras, juntando batidas semelhantes e encaixando as músicas umas nas outras), Mould percebeu que poderia ajudar a movimentação da pista de dança se fizesse discos que ajudassem o DJ ― afinal, discos eram seus instrumentos. E assim foi inventando novidades como o breque instrumental no meio da música ― que poderia ser usado ou para prolongar a duração da música, usando-se dois discos, ou permitir que uma nova música entrasse ―, o single de 12 polegadas (com sulcos mais largos, em vez do compacto de sete) e, finalmente, o remix.

O conceito de remix, no entanto, não podia ficar limitado à pista de dança. Afinal, ele trata de um processo que começa a reverter o detalhismo cartesiano que categorizou o mundo em compartimentos tão diferentes que parece não ter conexões entre si. Aos poucos redescobrimos pontos em comum em áreas que antes julgávamos completamente alheias umas às outras ― intersecções entre arte e dinheiro, ciência e religião, paixão e lucro ― que nos fazem repensar completamente o cenário em que habitamos. Estamos, como Mould no final dos anos 70, descobrindo que existem formas de facilitar a vida de cada um dos DJs do mundo ― e todo mundo é um DJ em potencial. Como tal, todo ser humano edita sua própria realidade a partir de sentimentos, conceitos, princípios e valores que são, voltando à metáfora, as canções que ele quer que o resto do mundo ouça. Com os recentes avanços tecnológicos que tivemos ao final do século passado, começamos a remixar a realidade de forma mais drástica e consciente, seja no controle remoto, no uso da internet e em tudo que consumimos.

Mais do que na música, que ainda mantém alguns setores completamente alheios ao remix, a realidade atual é completamente remixada. Entre as roupas customizadas e os carros tunados, há um sem-fim de produtos que estão sendo reinventados por seus consumidores ― além de tantos outros produtos que foram feitos para ajudar as pessoas a criar, mais do que a simplesmente remixar. Se antes temíamos que a sociedade do consumo nos padronizasse e uniformizasse, estamos vendo um movimento bem diferente acontecendo hoje em dia ― e, a cada dia que passa, mais temos possibilidades disponíveis para alterar a nossa rotina.

Esse processo de remisturação é o oposto do que aconteceu, voltamos à música, quando o áudio começou a ser gravado. Artistas que nunca haviam aspirado o sucesso além de sua própria comunidade aos poucos se viram transformados em pequenas celebridades, vendendo um novo tipo de som novíssimo para o público em geral pelo único fato de ser gravado. Se antes a música popular era um processo coletivo, sem duração, gênero musical ou autoria definidos, à medida que o século XX amanhecia, surgiram novos astros de uma música que, devido a limitações técnicas (só era possível gravar três ou quatro minutos), passava a ter um tema só e começo, meio e fim. Assim surgiu o jazz, o blues, o tango, a moda de viola, o samba, o baião, a rumba, o country e o frevo, por exemplo, gêneros musicais que eram praticados na rua por todos que, quando um Robert Johnson ou Luiz Gonzaga chegava ao estúdio, era personalizado em um músico, quase sempre "o rei do tipo de música tal".

Estabelecida com o advento da mesma inovação tecnológica que deu origem aos idiomas modernos, aos países, aos livros e ao jornalismo (a palavra impressa), a autoria, como todos estes conceitos anteriores, vem, no entanto, sofrendo uma drástica derrocada que acompanha os primeiros passos de uma nova consciência planetária. O meio ambiente, o capitalismo moderno e a cultura pop funcionaram como agentes cruciais no despertar dessa sensação de que todos nós somos responsáveis por todo o planeta. A internet só nos conectou. Encontrou um ambiente propício para acelerar a troca de ideias e de informação a ponto de tornar-se, em pouquíssimo tempo, no sistema nervoso da humanidade.

Do mesmo jeito que o gênio não é alguém que veio do nada e venceu por conta de seus próprios esforços (sempre procure o contexto de onde o sujeito veio antes de comemorar a vitória da individualidade), a criatividade também não pertence a um só indivíduo. E se o século XX consolidou o conceito de autoria graças a várias revoluções tecnológicas do fim do século anterior (a fotografia, a rotativa, o gravador de som e de imagens ― basicamente invenções ligadas ao processo de registro), a revolução tecnológica que assistimos hoje é baseada em exposição, distribuição e troca. Estamos dispostos a fazer o conhecimento planetário possa se tornar acessível a todos os seres humanos e temos cada vez mais consciência disso ― como do nosso papel de agente desta distribuição, atuando como um DJ que, de acordo com as "músicas" (sentimentos, conceitos, princípios e valores) que escolhe, atinge um determinado tipo de público.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no livro Para entender a internet, organizado por Juliano Spyer. Leia também Entrevista com Alexandre Matias.


Alexandre Matias
São Paulo, 13/4/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Cultura do Consenso de André Forastieri
02. Delírios da baixa gastronomia de Ruy Castro
03. Crítica literária ainda existe? de José Castello
04. Aquarela de um Brasil sem cor de Túlio Henrique Pereira
05. A Empulhação Esportiva de André Forastieri


Mais Alexandre Matias
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MECÂNICA DAS ÁGUAS
E. L. DOCTOROW
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 13,50



SEXOCHISTE
NELLY BRITO UND SIMONE PERELSON
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



VIVA BEM COM VOCE MESMO
VALERIE MOOLMAN
EDIOURO
R$ 6,00



MANUAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
FERNANDO DE OLIVEIRA MOTA
FUNDO DE CULTURA
(1964)
R$ 8,90



COMO EU ERA ANTES
JOJO MOYES
INTRÍSECA
(2013)
R$ 11,00



MAN E O BROTHER, O
DILAN CAMARGO
8INVERSO - BESOURO
(2012)
R$ 27,13



AS DIFERENÇAS RACIAIS - 9444
OTTO KLINEBERG
CIA ED. NACIONAL
(1966)
R$ 10,00



5º CAVALEIRO
JAMES PATTERSON
ARQUEIRO
(2011)
R$ 27,50



O CASAMENTO - ANTES, DURANTE, DEPOIS
PAULO LINS E SILVA
EDIÇOES DE JANEIRO
(2016)
R$ 30,00



A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA PESSOA COM DEFICIÊNCIA
IZAURA MARIA DE ANDRADE DA SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00





busca | avançada
32790 visitas/dia
1,0 milhão/mês