O homem que comia demais | Sérgio Augusto

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 27/1/2003
O homem que comia demais
Sérgio Augusto

+ de 4200 Acessos

"O homem não necessita apenas de um assassinato. Ele também necessita de uma sólida refeição."

Esta frase é de Alfred Hitchcock. Que também disse esta: "Certos filmes são pedaços de vida. Os meus são pedaços de bolo."

Sempre que a ocasião permitia, ele arrumava um jeito de enfiar metáforas culinárias em suas conversas e entrevistas. Glutão e gourmet, para Hitchcock, comer era tão prazeroso quanto matar alguém diante das câmeras e oferecer à platéia os mais deliciosos bolos deste mundo, envenenados de charme, malícia e perversidade. Prazeroso e calmante. Quando seus pais o deixavam sozinho em casa, o pequeno Alfred aplacava o medo do escuro e eventuais fantasmas atacando a geladeira e devorando fatias de carne assada. "Só aquilo me acalmava", revelou no prefácio de uma coletânea de contos de terror de Edgar Allan Poe. Bulimia e frisson não freqüentam o mesmo capítulo apenas nos compêndios de psicanálise. Na vida e na obra de Hitchcock também sempre andaram juntos.

Os maiores fãs de Hitchcock, François Truffaut e Claude Chabrol, admiravam tanto essa faceta do cineasta que tentaram imitá-lo. Truffaut submeteu-se a uma superalimentação, para ver se engordava. Chabrol preferiu transformar-se em gourmet e, a exemplo do mestre, encher seus filmes de cenas de refeições e referências a acepipes.

O epicurista número um da tela era de tal modo ligado em comidas e bebidas que, segundo as más línguas, não conseguia filmar direito quando submetido a uma dieta. Mas nem em seus filmes ruins deixou de encaixar pelo menos uma tomada com alguma conotação culinária. Em Cortina rasgada, por exemplo, que ele deve ter rodado sob a mais rigorosa dieta, o bandidaço encarnado por Wolfgang Kieling era agredido, numa única cena, com um caldeirão de sopa e uma faca de cozinha, recebendo o seu golpe de misericórdia no forno de um fogão a gás.

Hitchcock adorava um velho desenho de Sennep em que aparecia sentado a uma mesa, preparando-se para cortar uma bobina de filme como se fosse uma pizza, tendo ao lado alguém que lhe serve um prato de salada onde as verduras são fitas de celulóide. "É o mais fiel retrato que fizeram de mim", ironizava. Foi por isso que resolvi prestar minha homenagem ao mestre lembrando exclusivamente de suas cenas com garfo e faca, drinques e restaurantes, piqueniques (havia dois em Rebeca e Ladrão de casaca) e alimentos em geral. Para não falar em referências indiretas, como a fábrica de chocolate onde os espiões de O agente secreto se escondiam.

Um de seus primeiros filmes, rodado em 1928, intitulava-se Champagne, bebida que, 18 anos depois, teria fundamental importância na estruturação dramática de Interlúdio (Notorious). Havia também nele um restaurante, como, aliás, em duas outras preciosidades de sua fase inglesa, Rich and Stranger e Waltzes from Vienna. Perdi a conta de quantos restaurantes Hitchcock usou em seus filmes. Os bandidos de O homem que sabia demais aproximavam-se de James Stewart e Doris Day num restaurante de Marrakesh. Era no Oak Room no Hotel Plaza, em Nova York, que Cary Grant caía nas malhas de James Mason em Intriga internacional. O epicentro do clímax de Os pássaros era a lanchonete de Bodega Bay. Em Topázio, algo de muito importante acontecia no restaurante Chez Pierre, em Paris, onde, aliás, o cineasta tinha mesa reservada para o ano inteiro.

Por também ser louco por trens, Hitchcock volta e meia arrastava seus personagens até o vagão-restaurante. À mesa de um deles, esboçavam-se as tramas de Pacto sinistro e Intriga internacional. Um jantar ao redor de um cadáver oculto - assim poderíamos resumir o plot de Festim diabólico. Várias cenas de Sombra de uma dúvida articulam-se em torno de refeições domésticas, durante as quais fica claro que o apetite de tio Charles (Joseph Cotten) sempre se aguça à simples menção dos assassinatos por ele cometidos na Costa Leste. O alívio cômico de Frenesi são as cenas em que Vivien Merchant prepara e serve exóticos pratos franceses ao seu enojado marido. Por falar em Frenesi, seu serial killer é um verdureiro - como o disfarçado detetive de O marido era o culpado (Sabotage) -, que além do mais esconde o cadáver de Anna Massey dentro de um saco de batatas.

E ainda nem tocamos nos copos de leite de Suspeita e Quando fala o coração. Nem no café com arsênico de Interlúdio. Nem no hadoque de Os 39 degraus. Nem nas costeletas de carneiro (um pouco cozidas demais) que Robert Walker comia em Pacto sinistro, bem antes de estrangular Laura Elliot num parque de diversões, enquanto ela saboreava um sorvete com a voluptuosidade de uma Messalina. Nem na ratatouille que Oscar Homolka devorava quando Sylvia Sidney o esfaqueou mortalmente em O marido era o culpado. Nem no garfo que precipita a cura de Gregory Peck em Quando fala o coração. Nem nas facas de Chantagem e confissão (Blackmail), O homem que sabia demais, Intriga internacional, O homem errado e Psicose. Nem nos ovos de Ladrão de casaca.

E que ovos! Um deles lambuzava uma vidraça, atrás da qual Cary Grant se protegia. O outro, bem, o outro estava bonitinho, fritinho, com a gema no ponto (sunny side up, como dizem os americanos), quando Jessie Royce Landis, a mãe de Grace Kelly no filme, apagava nele um cigarro. Foi um dos mais belos e surpreendentes planos que Hitchcock nos legou. E um dos mais sugestivos do ponto de vista simbólico. O homem que comia demais também sugeria demais. Os lacanianos que o digam.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bundas, em sua edição de 24 de agosto de 1999, por ocasião do centenário de Alfred Hitchcock.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 27/1/2003

Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PÂNICO NO ACAMPAMENTO (GOOSEBUMPS 10 - HISTÓRIAS DE ARREPIAR)
R. L. STINE
ABRIL
(1992)
R$ 22,28



A DOENÇA COMO LINGUAGEM DA ALMA
RÜDIGER DAHLKE
CULTRIX
(2004)
R$ 42,00



VIVER, PERDER, GANHAR
JANET GREESON
BEST SELLER
(1993)
R$ 7,80



A CIDADE DOS BEBÊS
JANE GREEN
RECORD
(2003)
R$ 18,00



OS SIGNOS E AS MULHERES
JUDITH BENNETT
NOVA ERA
(2002)
R$ 39,00



ROBERTO SCHUMANN SU ARTE Y SU VIDA
WILLI REICH
RICORD AMERICANA
(1957)
R$ 20,00



ORE DEPOSITES AND MANTLE PLUMES
FRANCO PIRAJNO
KLUWER ACADEMIC
(2000)
R$ 300,00



COPOS QUE ANDAM
ANTONIO CARLOS E VERA LÚCIA
PETIT
(1994)
R$ 15,00



O DESENHO DE LASAR SEGALL
NÃO DEFINIDO
MUSEU LASAR SEGALL
(1991)
R$ 35,00



HOMICÍDIO CONJUGAL EM PORTUGAL
ELZA MARIA HENRIQUES DEUS PAIS
HUGIN
(1998)
R$ 83,74





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês