Caderno de Letras | Sérgio Augusto

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
Mais Recentes
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> A Filha da Noite de Marion Zimmer pela Imago/ Rio de Janeiro (1986)
>>> Família e Mudança: O Familismo Numa Sociedade Arcaica em Transformação de C. A. Medina pela Vozes/ Ceris (1974)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/9/2004
Caderno de Letras
Sérgio Augusto

+ de 3800 Acessos

Original de uma letra do Cole Porter, anotada pelo próprio (clique e confira)

Depois da bola de futebol, do time de botão e dos gibis, o objeto mais precioso da minha infância e adolescência era o caderno de letras. Letras de música. Ele era o nosso incunábulo musical, a nossa bíblia mnemônica. Nele registrávamos a nossa poesia básica, a nossa lírica do dia-a-dia: enfim os versos que nos davam mais prazer e tristeza e melhor nos evocavam momentos, lugares e pessoas. Por mais que admirássemos Drummond e Pessoa, traziam outras assinaturas os nossos versos de cabeceira: Noel Rosa, Lamartine Babo, Orestes Barbosa, Braguinha, Ary Barroso, Herivelto Martins, Dolores Duran, Newton Mendonça, Vinicius. Para não falar de bardos hoje pouco lembrados, como Denis Brian, e obscuros, como Elano de Paula, letrista de uma obra-prima composta por Chocolate e celebrizada por Elizeth Cardoso, “Canção de Amor”. Aquela que começa assim:

"Saudade, torrente de paixão/ emoção diferente/ que aniquila a vida da gente/ uma dor que eu não sei de onde vem..."

Que ninguém duvide: a melhor sabedoria do Brasil está nas letras de suas melhores canções.

Que ninguém se iluda: por mais que existam músicas ligadas a causas e mobilizações políticas (“Guantanamera”, “Caminhando”, “We Shall Overcome”) e outras tantas identificadas com determinado período histórico (“Brother, Can You Spare a Dime?” traz de imediato à lembrança a grande Depressão americana nos anos 30), a maioria das canções se destina, mesmo, a dramatizar dores, queixumes, anseios e alegrias que dizem mais respeito ao coração e aos hormônios das pessoas. Quem entendeu isso, deu-se muito bem.

Pena que não tenha guardado um só exemplar dos meus paleolíticos "song books", precariamente confeccionados com uma caneta Parker 51 e trazendo impressa na contracapa a nossa canção patriótica número um: o Hino Nacional. Ajudado pela memória, poderia reconstituir páginas e mais páginas de alguns deles; várias inesquecíveis pela trabalheira que me deu a obtenção de certas letras em inglês, gravadas por intérpretes sem a esmerada dicção de Frank Sinatra e Nat King Cole.

Ainda me lembro da primeira letra copiada (de uma revista), pois ela também foi a primeira canção norte-americana que aprendi a cantar foneticamente. Estamos no final dos anos 40 e “O Trevo de Quatro Folhas” ainda não ganhou a versão brasileira que João Gilberto tornaria famosa muitos anos depois. O trevo que girava na minha vitrola era um 78rpm com Russ Morgan. Que me desculpem os puristas, mas não aprendi a amar a música popular norte-americana através de seus letristas de proa. Creditem a falha à tenra idade e à temporária ignorância do idioma de Cole Porter, Lorenz Hart, Johnny Mercer, Irving Berlin, Dorothy Fields, E.Y. Harburg, Ira Gershwin e Howard Dietz.

Lester Lee por certo não jogava nesse time, mas eram dele os versos do meu primeiro coup de foudre musical – “Blue Gardenia” –, ao qual, diga-se, permaneço fiel até hoje. Mais do que qualquer outra canção “Blue Gardenia” opera misteriosas conexões químicas em meu cérebro e minha alma, despertando uma melancólica sensação de bem-estar que eu não sei de onde vem. Não consigo ligá-la a nenhum instante específico de minha infância; o que me leva a supor que o seu encanto deriva em grande parte de sua enigmática presença em minha memória afetiva. Outro fator que contribuiu para a sua consolidação como favorita de milhares de pessoas foi ter-se popularizado através de um só interprete, Nat King Cole, não contando, claro, a versão gravada por Cauby Peixoto, ainda na década de 50, salvo engano, anterior à de Dinah Washington.

Há tempos uma pesquisa financiada por uma agência nova-iorquina de publicidade revelou que as três canções favoritas dos norte-americanos não haviam sido compostas por nenhum dos três mais queridos compositores do país, Cole Porter, Irving Berlin e os irmãos Gershwin. A primeira era “Stardust” (de Hoagy Carmichael e Mitchell Parrish); a segunda, “Laura” (de David Raksin & Johnny Mercer); e a terceira, “Some Enchanted Evening” (de Richard Rodgers & Oscar Hammerstein 2º). Parrish era uma máquina de produzir baladas miúdas, que precisou da música maiúscula de Carmichael para tocar no nervo de milhões de sensibilidades. Hammerstein era um letrista quadradão, ao lado de quem Rodgers, antigo parceiro de Lorenz Hart, baixou de nível. Dos três letristas premiados, apenas Mercer pertencia ao Olimpo.

Mercer, que morreu em 1976, aos 66 anos, talvez tenha sido o mais completo letrista popular da América. Digo isso pensando não apenas em sua obra de primeira linha (“Blues in the Night”, “That Old Black Magic”, “Dream”, “I Remember You”, “One For My Baby”, “Early Autumn”, “Midnight Sun”, “Too Marvelous For Words”, “Come Rain or Come Shine”), mas também nos parceiros que teve, em seus sucessos arrasadores, como “Moonriver” e “Days of Wine and Roses”, em suas contribuições ao repertório jazzístico (“Tangerine”, “Day In, Day Out”) e até mesmo ao rock, que dele reaproveitou “You Must Have Been a Beautiful Baby” e “Fools Rush In” (regravado por Brenda Lee). Sem contar a balada “Bernardine”, que ele compôs especialmente para um dos primeiros ídolos do rock, Pat Boone.

Se bem que menos rebuscado que Porter, Mercer – que adorava enfatizar certas palavras, como "down, down, down", "fight, fight, fight" e "cool, cool, cool" – também se deleitava com rimas audaciosas ("Tijuana" com "honor", "Frasier" com "euthanasia", "bumble-bee" com "jubilee", "teepee" com "RSVP"); inventou expressões curiosas, como "jeepers creepers" e "huckleberry friend"; arrumou vaga para outras, aparentemente sem acesso a uma canção, como "aurora borealis", encaixada na letra de “Midnight Sun”, ela própria um prodígio de imagens e comparações insólitas (a certa altura, uma nuvem lembra um palácio de alabastro).

Não bastasse tudo isso, Mercer foi o primeiro grande letrista norte-americano a entrar nos meus cadernos. Com “Something's Gotta Give”.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo, a 13 de outubro de 1993.


Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 6/9/2004

Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MICHAELIS DICIONÁRIO ESCOLAR LÍNGUA PORTUGUESA
VÁRIOS AUTORES
MELHORAMENTOS
(2015)
R$ 14,00



UROLOGIA PRÁTICA
NELSON RODRIGUES NETTO JR.
ATHENEU
(1999)
R$ 38,85



ÁGUA CORRENTE
CLARA CARTA
CLUBE DO LIVRO
(1949)
R$ 6,00



AMOR DE DOM PERLIMPLIM/A SAPATEIRA PRODIGIOSA/RETÁBULO DE DOM CRISTÓVÃO - FEDERICO GARCÍA LORCA (TEATRO ESPANHOL)
FEDERICO GARCÍA LORCA
COMPANHIA JOSÉ AGUILAR
(1975)
R$ 18,00



TÁ TODO MUNDO MAL
JOUT JOUT
COMPANHIA DAS LETRAS
(2016)
R$ 20,00



NÓS E A VIDA
KARL VON FRISCH
GLOBO
(1942)
R$ 5,00



DICIONÁRIO DE VERBOS PORTUGUESES 12000 VERBOS - NOVA ORTOGRAFIA
N. A. FREIRE
PLÁTANO
(1993)
R$ 43,54



SÍMBOLO PERDIDO, O
DAN BROWN
ARQUEIRO - SEXTANTE
(2009)
R$ 43,81



IMPLEMENTAÇÃO SERVIÇO CONSULTE ESPECIALISTAS DA UNIVERSIDADE DO CAMPO
HUMBERTO BERNARDES JUNIOR
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CRONICAS ESCOLHIDAS
JOSÉ DE ALENCAR
ATICA
R$ 4,00





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês