Caderno de Letras | Sérgio Augusto

busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/9/2004
Caderno de Letras
Sérgio Augusto

+ de 3900 Acessos

Original de uma letra do Cole Porter, anotada pelo próprio (clique e confira)

Depois da bola de futebol, do time de botão e dos gibis, o objeto mais precioso da minha infância e adolescência era o caderno de letras. Letras de música. Ele era o nosso incunábulo musical, a nossa bíblia mnemônica. Nele registrávamos a nossa poesia básica, a nossa lírica do dia-a-dia: enfim os versos que nos davam mais prazer e tristeza e melhor nos evocavam momentos, lugares e pessoas. Por mais que admirássemos Drummond e Pessoa, traziam outras assinaturas os nossos versos de cabeceira: Noel Rosa, Lamartine Babo, Orestes Barbosa, Braguinha, Ary Barroso, Herivelto Martins, Dolores Duran, Newton Mendonça, Vinicius. Para não falar de bardos hoje pouco lembrados, como Denis Brian, e obscuros, como Elano de Paula, letrista de uma obra-prima composta por Chocolate e celebrizada por Elizeth Cardoso, “Canção de Amor”. Aquela que começa assim:

"Saudade, torrente de paixão/ emoção diferente/ que aniquila a vida da gente/ uma dor que eu não sei de onde vem..."

Que ninguém duvide: a melhor sabedoria do Brasil está nas letras de suas melhores canções.

Que ninguém se iluda: por mais que existam músicas ligadas a causas e mobilizações políticas (“Guantanamera”, “Caminhando”, “We Shall Overcome”) e outras tantas identificadas com determinado período histórico (“Brother, Can You Spare a Dime?” traz de imediato à lembrança a grande Depressão americana nos anos 30), a maioria das canções se destina, mesmo, a dramatizar dores, queixumes, anseios e alegrias que dizem mais respeito ao coração e aos hormônios das pessoas. Quem entendeu isso, deu-se muito bem.

Pena que não tenha guardado um só exemplar dos meus paleolíticos "song books", precariamente confeccionados com uma caneta Parker 51 e trazendo impressa na contracapa a nossa canção patriótica número um: o Hino Nacional. Ajudado pela memória, poderia reconstituir páginas e mais páginas de alguns deles; várias inesquecíveis pela trabalheira que me deu a obtenção de certas letras em inglês, gravadas por intérpretes sem a esmerada dicção de Frank Sinatra e Nat King Cole.

Ainda me lembro da primeira letra copiada (de uma revista), pois ela também foi a primeira canção norte-americana que aprendi a cantar foneticamente. Estamos no final dos anos 40 e “O Trevo de Quatro Folhas” ainda não ganhou a versão brasileira que João Gilberto tornaria famosa muitos anos depois. O trevo que girava na minha vitrola era um 78rpm com Russ Morgan. Que me desculpem os puristas, mas não aprendi a amar a música popular norte-americana através de seus letristas de proa. Creditem a falha à tenra idade e à temporária ignorância do idioma de Cole Porter, Lorenz Hart, Johnny Mercer, Irving Berlin, Dorothy Fields, E.Y. Harburg, Ira Gershwin e Howard Dietz.

Lester Lee por certo não jogava nesse time, mas eram dele os versos do meu primeiro coup de foudre musical – “Blue Gardenia” –, ao qual, diga-se, permaneço fiel até hoje. Mais do que qualquer outra canção “Blue Gardenia” opera misteriosas conexões químicas em meu cérebro e minha alma, despertando uma melancólica sensação de bem-estar que eu não sei de onde vem. Não consigo ligá-la a nenhum instante específico de minha infância; o que me leva a supor que o seu encanto deriva em grande parte de sua enigmática presença em minha memória afetiva. Outro fator que contribuiu para a sua consolidação como favorita de milhares de pessoas foi ter-se popularizado através de um só interprete, Nat King Cole, não contando, claro, a versão gravada por Cauby Peixoto, ainda na década de 50, salvo engano, anterior à de Dinah Washington.

Há tempos uma pesquisa financiada por uma agência nova-iorquina de publicidade revelou que as três canções favoritas dos norte-americanos não haviam sido compostas por nenhum dos três mais queridos compositores do país, Cole Porter, Irving Berlin e os irmãos Gershwin. A primeira era “Stardust” (de Hoagy Carmichael e Mitchell Parrish); a segunda, “Laura” (de David Raksin & Johnny Mercer); e a terceira, “Some Enchanted Evening” (de Richard Rodgers & Oscar Hammerstein 2º). Parrish era uma máquina de produzir baladas miúdas, que precisou da música maiúscula de Carmichael para tocar no nervo de milhões de sensibilidades. Hammerstein era um letrista quadradão, ao lado de quem Rodgers, antigo parceiro de Lorenz Hart, baixou de nível. Dos três letristas premiados, apenas Mercer pertencia ao Olimpo.

Mercer, que morreu em 1976, aos 66 anos, talvez tenha sido o mais completo letrista popular da América. Digo isso pensando não apenas em sua obra de primeira linha (“Blues in the Night”, “That Old Black Magic”, “Dream”, “I Remember You”, “One For My Baby”, “Early Autumn”, “Midnight Sun”, “Too Marvelous For Words”, “Come Rain or Come Shine”), mas também nos parceiros que teve, em seus sucessos arrasadores, como “Moonriver” e “Days of Wine and Roses”, em suas contribuições ao repertório jazzístico (“Tangerine”, “Day In, Day Out”) e até mesmo ao rock, que dele reaproveitou “You Must Have Been a Beautiful Baby” e “Fools Rush In” (regravado por Brenda Lee). Sem contar a balada “Bernardine”, que ele compôs especialmente para um dos primeiros ídolos do rock, Pat Boone.

Se bem que menos rebuscado que Porter, Mercer – que adorava enfatizar certas palavras, como "down, down, down", "fight, fight, fight" e "cool, cool, cool" – também se deleitava com rimas audaciosas ("Tijuana" com "honor", "Frasier" com "euthanasia", "bumble-bee" com "jubilee", "teepee" com "RSVP"); inventou expressões curiosas, como "jeepers creepers" e "huckleberry friend"; arrumou vaga para outras, aparentemente sem acesso a uma canção, como "aurora borealis", encaixada na letra de “Midnight Sun”, ela própria um prodígio de imagens e comparações insólitas (a certa altura, uma nuvem lembra um palácio de alabastro).

Não bastasse tudo isso, Mercer foi o primeiro grande letrista norte-americano a entrar nos meus cadernos. Com “Something's Gotta Give”.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo, a 13 de outubro de 1993.


Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 6/9/2004

Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS GRANDES LÍDERES - GANDHI
CATHERINE BUSH
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 5,00



O MERCADO DA ARTE: MUNDIALIZAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS
RAYMONDE MOULIN
ZOUK
(2007)
R$ 29,90



PALO ALTO: STORIES
JAMES FRANCO
SCRIBNER
(2010)
R$ 40,00
+ frete grátis



QUASE TUDO
DANUZA LEÃO
CIA DAS LETRAS
(2005)
R$ 14,46



RÉVOLUTION PSYCHANALYTIQUE
MARTHE ROBERT
PAYOT
(1964)
R$ 15,00



ESTADO E CAPITAL FERROVIÁRIO EM SÃO PAULO
GUILHERME GRANDI
ALAMEDA
(2013)
R$ 59,00



ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA
SCOTT TUROW
RECORD
(1987)
R$ 13,00



BACALL FENOMENAL
LAUREN BACALL
NORDICA
(1981)
R$ 26,91
+ frete grátis



O ADEUS A GLORYTOWN
EDUARDO F. CALCINES
NOSSA CULTURA
(2011)
R$ 8,49



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE SETEMBRO DE 1957
TITO LEITE REDATOR CHEFE
YPIRANGA
(1957)
R$ 7,00





busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês