Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Instituto Vox realiza debate aberto sobre o livro O Discurso da Estupidez'
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Tardes de um Pintor Ou as Intrigas de um Jesuíta de Teixeira e Sousa pela Foco Letras (2020)
>>> Comunique-se melhor e Desenvolva sua memória de Jorge Luiz Brand pela Berthier (1999)
>>> Súmulas e Orientações Jurisprudenciais do TST Comentadas e organizadas por assunto de Élison Miessa dos Santos/Henrique Corrfeia pela Juspodivm (2012)
>>> ABZ do Amor de Inge e Sten Heleger pela Artenova (1979)
>>> Escala reduzida do Autoconceito - E.R.A. - de Lúcia Cerne G. Corona pela Cepa
>>> 150 Ways to Play Solitaire de Alphonse Moyse pela U S Playing Card Company
>>> Você tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch (1968)
>>> Saiba porque os cristãos devem guardar o sábado! de Antonio E.Marcondes pela Bfi
>>> 101 Segredos de Medicina Natural de Peron Autret pela Europa America (1975)
>>> 10 Anos Con Mafalda de Quino pela Lumen (1973)
>>> Globo Rural--Ele faz a terra dar de tudo de Editora globo pela Globo (1989)
>>> Lady gaga de Brandon hurst pela Madras (2010)
>>> Orientaçoes curriculares para o ensino medio--1--linguagens,codigos e tecnologias. de Mec pela Mec
>>> Vida silvestre:o estreito limiar entre preservaçao e destruiçao. de Coordenadora angela maria branco pela Dupligrafica (2007)
>>> Grandes imperios e civilizaçoes--frança--volumes:1 e 2. de Delprado pela Delprado
>>> Cerrado e pantanal--areas e açoes prioritarias para conservaçao da biodiversidade. de Ministerio do meio ambiente pela Mma (2007)
>>> Contabilidade - Escola de Administração Fazendária - ESAF de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2014)
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
BLOG

Quinta-feira, 26/5/2005
Blog
Redação

 
All the rest is silence

(...) por que escrevi? Afinal de contas, o normal é ler. Minhas respostas favoritas são duas. Uma, que minha poesia consistiu - sem que eu soubesse - em uma tentativa de inventar uma identidade para mim; inventada, e assumida, já não tenho vontade de colocar-me inteiro em cada poema, que era o que me apaixonava quando os escrevia. Outra, que tudo foi um equívoco: eu pensava que queria ser poeta, mas no fundo queria ser poema.

Jaime Gil de Biedma, também no Villa-Lobos Vila-Matas.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
26/5/2005 às 16h26

 
Uma ferida iletrada

Se viesse,
se viesse um homem
se viesse um homem ao mundo, hoje, com
a barba brilhante dos
patriarcas; poderia somente,
se falasse deste
tempo, somente
poderia balbuciar, balbuciar
sempre sempre
somente sempre.

Paul Celan, no livro do Vila-Matas (da coleção "Notas que não Aproveitei no Texto Sobre").

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
26/5/2005 às 16h19

 
Meu Amor é Puro Sangue

Nasci em Belo Horizonte, na madrugada de 27 de agosto de 1975. Sou mineira convicta, mas também não tive muita opção. Todos os impostos absurdos que meu pai pagou foram convertidos em educação estadual, municipal e federal para os quatro filhos, inclusive eu, que me formei em Letras na UFMG, fiz mestrado em Lingüística e vou cursando, sacrificadamente, meu doutorado na mesma área. Mas a faculdade não me fez gostar de literatura mais do que eu já gostava, quando lia em média cem livros por ano durante a adolescência. E não eram infanto-juvenis paradidáticos. Eram aqueles nomes que a literatura conhece e dá aval. Chorei quando li Germinal e quando li Grande Sertão: Veredas, depois, nunca mais. Escrevo para mim desde que ganhei uma agenda do Garfield, em 1986. Em 1993, um namorado leitor me disse que o que eu escrevia não era muito ruim. Publiquei um poema, pela primeira vez, no maior jornal mineiro, em 1994. Gostei do sabor de ver minhas idéias devassadas. Publiquei um primeiro livro, o Poesinha, em 1997. O segundo livro veio pela Ciência do Acidente, Perversa, em 2002. Em 2003, produzi a obra-prima da minha vida, o Eduardo, em co-autoria com Jorge Rocha, escritor fluminense e sedutor de escritoras. Desde que o Edu nasceu, venho gestando uns contos, também sob influência da literatura irônica e fina da Ivana Arruda Leite. O próximo livro se chama Meu Amor é Puro Sangue, a sair pela editora Altana. Os poemas me fugiram, embora, às vezes, me dê uma sensação de formigamento nas mãos. Os minicontos têm sido mais parecidos com as convulsões que me acometem vez ou outra. No momento, estou lendo Ivana Arruda Leite, para refrescar minha memória de mulher.

Nossa Ana E, em entrevista a Marcelino Freire.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
25/5/2005 às 15h08

 
Receita de Crônica

Joaquim Ferreira dos Santos, o melhor cronista de nosso tempo, dá aos leitores sua receita para escrever uma. Vejamos:

"Escrever crônica é atividade como outra qualquer(...) Não tem mistério. Faça a sua. Primeiro refoga-se um assunto em azeite de filosofia balsâmica. Se ele não crescer, tente outro, e depois outro e quantos outros forem necessários. É a alma do negócio, o coração da alcachofra. Na panela que leva ao cerebelo direito, você deixa os verbos cozinhando em banho-maria. Na outra, a que conecta com os fios do coração, reviram-se vírgulas e salsinhas com uma colher de nervos de aço inoxidável. Salpique de adjuntos adverbiais, pimenta branca, craseie sem medo, amasse com faca os vícios de linguagem, retire mesóclises, preposições adversativas e aposte tudo no perfume do tomilho em pó. Leve ao fogo alto, essa meia dúzia de bocas azuladas por debaixo da sua caixa cefálica, e espere. Não tem tempo exato de cozimento. Pode durar horas. Vareia. Nada de pânico se a crosta da massa não ganhar consistência. Acontece. Às vezes não vem. Nessas horas, lembre-se de Drummond e peça dois dentes de alho emprestados. Deixe dourar."

Leia mais aqui.

[Comente este Post]

Postado por Fabio Silvestre Cardoso
25/5/2005 às 15h06

 
Parque de Diversões

A 1ª tragada num Hollywood, quando tinha lá seis anos, foi África no peito e garganta rindo do meu irmão menor, que também tossia, e chorava. Quase iniciação ao Tabaco, na festa das fumaças malentendidas. As primeiras florinhas sorriam me encabulavam só em sonho, o arranhão de uma gata, da vizinha, que gostava de mim. Já a 1ª mordida de um cão, foi jaguadarte na bundinha, e em raiva ri, atirei a 1ª pedra, no cachorro, e as outras numa flor que ria demais em cena. A priminha já me beijava de imitar novela, e com ela conheci o zôo, pouco antes daquela árvore doida varrida, que rindo aos ventos, presenciou a Queda Do Meu Terceiro Dente De Leite, na calçada. Chorava, mas ainda sabia ver o ar, que ria e me cumprimentava. Depois chuva, algodão, mercúrio, surra. Quedas. Quedas e quando, na primeira vez amor num fusca, já tinha pavor do dentista, e os policiais do Ibirapuera baixaram o cassetete no teto do carro, mas a jovem flor ria escandalosa de meus modos de segurar a mão dele, me dando bronca maior de idade, e injeção, a vingá-lo no motel da língua anestesiada. Depois flores, um navio, flores, um avião, flores, outros cigarros, flores, e a morte de meu pai, flores, alguns fantasmas, flores, uma união, flores, seis dentes já não nascem mais, flores, e o câncer no pulmão de minha mãe que não fumava, flores, um filho e uma filha, flores, briga de flores, canções, flores e flores, que nunca me deixam, e aqui se divertem, nos brinquedos mais radicais.

Mário Montaut, por e-mail, com imagem de Hélio Rola.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
25/5/2005 às 13h32

 
Das boas notícias

Do departamento das boas notícias. Será um show imperdível por vários motivos: música boa, lugar legal, gente bacana. Com renda revertida para a Casa do Amparo. Estaremos lá.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
24/5/2005 às 17h49

 
del.icio.us

del.icio.us is a social bookmarks manager. It allows you to easily add web pages you like to your personal collection of links, to categorize those sites with keywords, and to share your collection not only among your own browsers and machines, but also with others.

, a Dani Fazzio linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
24/5/2005 às 10h19

 
BF

Muito lúcidas observações de Julio Daio Borges sobre alguns dos melhores blogs do Brasil.

Idelber, no O Biscoito Fino e a Massa.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
24/5/2005 às 10h15

 
PPP

O Julio Daio Borges fez no Digestivo Cultural uma lista de "Melhores Blogs" e gentilmente incluiu este modesto Por um Punhado de Pixels. Thanks!

Nemo Nox, no PPP ('brigado eu).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
24/5/2005 às 10h07

 
A Demissão da Crítica

Para quem acompanha o mundo literário brasileiro, não é difícil identificar o acordo. Ele é mais ou menos generalizado, e se ergue em torno de um preceito que tem passado por regra de ética e polidez, embora seja mais propriamente o esteio do compadrio. Trata-se do princípio de que uma reação crítica deve ser publicada quando for, de modo geral, favorável à obra analisada, ou quando nela predominar o caráter de apresentação mais ou menos neutra. Caso contrário, o melhor procedimento é o silêncio público, que não será contraditório com a maledicência privada.

* * *
O crítico que escreve em jornal de grande circulação, hoje, no Brasil, ou é aluno, ou é professor, ou é aspirante a professor das universidades de primeira linha. Assim, ou como origem, ou como destino almejado, a universidade e o seu modus operandi, bem como as suas facções, acabam por reger também o ralo meio literário que sobrevive à sua margem ou à sua sombra.

Por isso é tão recorrente na imprensa a ânsia de glosar os lugares estabelecidos pelos discursos acadêmicos mais prestigiosos, ainda que disso resultem textos contraditórios ou incongruentes. E também por isso a imagem de respeitabilidade crítica se faz por meio de uma curiosa mistura: do olhar desdenhoso que a universidade ainda lança sobre o campo do presente com o esforço historizante, que busca substituir o debate sobre objetos pela proposição de linhas de filiação nas fontes canônicas eleitas e celebradas pelas versões hegemônicas do desenvolvimento da literatura nacional.

Não espanta, assim, nesse quadro de rarefação do embate crítico, no qual a regra é evitar o confronto, que a forma privilegiada do texto dedicado à produção literária moderna e contemporânea seja a glosa, tanto nos artigos elaborados para jornais, suplementos e revistas de grande circulação, quanto nos textos produzidos para circulação no meio universitário: monografias, dissertações, teses e relatórios de pesquisa.

O procedimento comum é a paráfrase ou a transcrição, em mosaico, das formulações metalingüísticas da própria obra ou do discurso do autor sobre si mesmo, presente em entrevistas, artigos e depoimentos. O que resulta, de regra, num discurso plano, levemente acadêmico e tedioso, cujo atrativo principal é servir de resumo ao que está presente na própria obra e nos seus paratextos; ou então de apanhado dos lugares-comuns da historiografia dominante, de modo a "explicar" o objeto pela filiação a um deles, como decorrência ou contraposição.

O resultado imediato é a anemia e o desinteresse que caracterizam a maior parte da produção brasileira que enfoca os textos literários do presente, incapaz de real enfrentamento com os objetos e problemas imediatos da cultura contemporânea e, principalmente, com a questão do valor.

* * *
O estado atual da crítica não é, portanto, resultado de algum fator subjetivo ou contingencial, como a ausência de bons talentos críticos depois do que teria sido o grande momento dos anos 50 e 60. É certo que a universidade, subordinando as questões intelectuais ao aparelhamento ideológico e fugindo ao embate crítico em nome dos interesses pequenos e imediatos da luta pelo poder local, contribui decisivamente para a eliminação da tensão crítica. Mas a persistente falta de tônus intelectual e a ausência ou omissão dos agentes conseqüentes, que, juntas, promovem a demissão da crítica da vida literária brasileira, não encontram explicação na vaidade dos criadores, na pouca inteligência ou na falta de coragem do articulista de jornal ou redator de ensaio universitário. Esses são apenas os epifenômenos. O movimento completo tem um desenho mais complexo, pois, embora todos os fatores já enunciados concorram para o caráter anódino da crítica literária brasileira contemporânea, o mais importante deles, em minha opinião, tem tido pouca visibilidade: o fortalecimento e a internacionalização da indústria do livro e do entretenimento literário no Brasil, e a conseqüente valorização do campo da literatura, que, pela primeira vez, se constitui em mercado importante do ponto de vista dos resultados de vendas.

Paulo Franchetti, em "A Demissão da Crítica", hoje na Germina Literatura, amanhã na Sibila.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
23/5/2005 às 11h39

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS GRANDES NAVEGANTES
CLAUDIA ROSA
EDIGRAF
R$ 5,00



PARTIDOS DE LA IZQUIERDA Y MOVIMIENTOS SOCIALES EN AMÉRICA LATINA (PARTIDOS POLÍTICOS)
CHRISTIANE SCHULTE Y CORNELLA HILDEBRANDT (ORG.)
EXPRESSÃO POPULAR
(2006)
R$ 15,00



A GRANJA DO SILÊNCIO
PAUL BODIER
FEB
(1995)
R$ 6,90



REMÉDIO AMARGO
ARTHUR HAILEY
RECORD
R$ 5,00



PESSOAS PROBLEMÁTICAS
JOSEPH DUNN
MADRAS
(2003)
R$ 21,99



OXFORD STUDENT´S DICTIONARY OF CURRENT ENGLISH
A S HORNBY
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(1978)
R$ 19,00



EMPREENDIMENTO DE EDIFICAÇÕES
PEDRO FRANCISCO DE A. FILHO
AUTOR
(1984)
R$ 17,82



FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO - A BUSCA DO ESSENCIAL
HÉLIO JANNY TEIXEIRA E OUTROS
CAMPUS
R$ 39,00



OS NOVOS DIREITOS DA MULHER
ROBERTO SALLES CUNHA
ATLAS
(1990)
R$ 15,00



ESTADISTICA MATEMATICA Y CALCULO NUMERICO-GRAFICO
JUAN MAJÓ TORRENT
VICENS-VIVES
(1964)
R$ 12,00





busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês