Não queimem os jornais, ainda | Digestivo Cultural

busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 20/7/2007
Não queimem os jornais, ainda

+ de 2500 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Talvez por conta de um problema na vista, que cansa depois de algum tempo lendo no computador, talvez por pão-durismo, ao não querer ver a conta da energia nas alturas, ou talvez simplesmente pelo fetiche por papel, tendo a ficar com um pé atrás em relação às "novas mídias".

Mas vou defender a mídia tradicional criticando-a. Primeiro, aquele que já é um lugar comum: ou os jornais se reinventam ou morrem. Estão morrendo, mas ainda dá tempo de se reinventarem. Torço por sua vida eterna, mesmo não gostando de lê-los. E não gosto porque não trazem o tipo de texto que me interessa, as análises e as reportagens de fôlego. Por isso, prefiro as revistas.

Comovo-me ao ver quem acha que os sites e blogs, com milhares de textos disponíveis gratuitamente para leitura, farão com que os veículos tradicionais saiam do mapa. Comovo-me porque um pouco de utopia não faz mal a ninguém. Na pior das hipóteses, os jornais sairão do mapa, mas dinossauros como este escriba continuarão a fazer e a comprar revistas, nem que tenhamos de formar uma seita, secreta, se necessário.

Do lado dos jornais, essa pior hipótese se confirmará caso teimem em continuar sendo calhamaços de notícias e poços de mediocridade e hipocrisia, ao se anunciarem como imparciais. Se um dia desses eu fundar um jornal, o lema será "parcial e independente". Porque é primordial ter um lado, dizer que o tem, e, ao mesmo tempo, não estar vinculado diretamente a grupos políticos ou financeiros, vinculado a ponto de não poder discordar de seu partido, senão vai à bancarrota.

Uma das razões pelas quais mais e mais pessoas estão deixando os jornais de lado e passando para a internet é que, nesta, elas já encontram, com muito maior rapidez, as hard news, em quantidades infinitas. E encontram, também, opinião não travestida de informação, principalmente em blogs.

Como mencionei, é igualmente vital à mídia em papel lançar mão de e aprofundar aquele que ainda é seu diferencial - a grande reportagem, de preferência grande nos dois sentidos. E grandes reportagens, até onde se sabe, ainda só se consegue fazer com dinheiro, por mínimo que seja. Eu prefiro pagar para ter acesso a uma revista ou a um jornal com matérias esclarecedoras sobre meu país e o mundo feitas por repórteres que sabem escrever, do que abrir mão disso em nome de milhares de textos gratuitos na internet, sem profundidade alguma e lamentavelmente mal escritos.

Vamos aos Estados Unidos, país com o maior número de gente conectada à grande rede. Quantos sites, lá, substituem a leitura de uma The Nation, uma New York Review of Books, mesmo de um NY Times ou Washington Post? Aqui no Brasil, quantos sites têm textos melhores que uma Caros Amigos, uma Entre Livros, piauí ou Carta Capital? São todos veículos que, acredito eu, terão vida longa.

A mídia virtual veio, veio forte, e trouxe benefícios, um deles, o poder de dizer aos donos e editores de jornal "ou vocês criam um serviço diferenciado, ou nós vamos roubar todo o seu público, porque quem tem dinheiro para consumir jornal regularmente, tem computador em casa, e não vai pagar pelo que pode ter de graça". Se, por autismo, aqueles que fazem mídia tradicional não escutam o recado, é outro problema; se escutam e mesmo assim resolvem não fazer nada, é suicídio, e com suicidas não se deve argumentar. E, obviamente, simplesmente torcer para eles não terem sucesso numa provável tentativa de mudança de rumo, em nome de um luddismo às avessas, é ato infantil.


Postado por Daniel Lopes
Em 20/7/2007 às 10h53


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Steve Jobs em 1997 de Julio Daio Borges
02. Propaganda, Duel (1985) de Julio Daio Borges
03. 8 de Dezembro #digestivo10anos de Julio Daio Borges
04. De como ser um embuste de Julio Daio Borges


Mais Daniel Lopes no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/7/2007
22h30min
Comentando o texto, se depender de mim, a mídia impressa está acabada, prefiro mesmo a mídia virtual, se atualiza rápido e gera menos lixo. Quanto à profundidade, a própria Carta Capital pode ser lida on-line. Algumas matérias que as revistas deixam como privativas para assinantes acabam vazando para o mundo virtual... quanto ao fato de o texto ser bem escrito, encontrei uma reportagem na Veja sobre o ACM em que usam o termo AUTISMO no lugar de ALTISMO, esse é o erro que mais me aborrece, pois me dá trabalho quando vou pesquisar sobre autismo e me aparece um monte de notícias que nada tem a ver. Acho que não tem jeito, a mídia impressa está mesmo com os dias contados. Essa é minha opinião.
[Leia outros Comentários de Rita Louzeiro]
24/7/2007
12h46min
Não é o meio (impresso, vídeo, multimídia, que é o caso da web) que faz uma reportagem ser boa. É o talento do repórter, o entrosamento com o editor, a disponibilidade de uma equipe, a aposta de uma empresa jornalística. O jornalismo não é "pior" porque feito na web. É pior porque carece de investimentos, e investir é apostar em talentos. Desconheço casos de blogueiros que sejam grandes repórteres, ao estilo das grandes revistas, apenas por serem blogueiros. Há blogueiros (e há uma enorme confusão nisso) que se dizem jornalistas, mas não passam de meros "noticiadores". E notícia, hard news, lide, "aconteceu ontem" e link, para o que está acontecendo, qualquer pessoa alfabetizada pode dar. Agora, viajar, colher várias entrevistas, arriscar-se, realizar uma pesquisa complexa e saber transmitir isso (em QUALQUER meio) de forma acessível, contextualizada e bela, não é qualquer um que tem a paixão, capacidade e possibilidade de fazer. E isso pode ser feito na web também, basta investir.
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
24/7/2007
21h35min
Obrigado pela resposta e obrigado por linkar no teu blog, também linkarei no meu. Essa questão dos jornais realmente dá o que pensar. Pena que quem deveria (os jornalistas, as empresas jornalísticas, as instituições como sindicatos e sobretudo a universidade) está há anos-luz disto. Ao mesmo tempo, também tem muita gente que mal entende de jornalismo, que vai na onda do fim dos impressos, etc. Acho complicado. Para quem lida com Web, a gente entende que é marketing enfatizar isto, até por causa da receita publicitária. Por outro lado, há quem trabalhe com impressos nesse "interiorzão" afora, longe de uma São Paulo da vida, que só prosperou. O próprio Rádio, Brasil afora, dá um banho em qualquer rede de podcasts, videocasts, etc., porque rádio pega em qualquer lugar, rádio é só girar um botão e ouvir, entre outras facilidades. Definir alguma coisa, só depois de muita pesquisa e pouca conjetura isolada ou, pior, achismo...
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
24/7/2007
21h47min
Definir alguma coisa, só depois de muita pesquisa. E o que há é muita conjetura isolada e, pior, achismo. Até porque, se quisermos ser chatos de galocha, o fim de alguma coisa é ela deixar de existir completamente. Ou seja, diminuir não é deixar de existir, portanto, dizer "fim dos impressos" é um equívoco. Também tem a questão do localismo, que, nas grandes cidades, onde se pensa o Jornalismo, foi deixada de lado. Monte uma rede de jornais impressos em pequenas cidades do interior, mostre a cara da população, dos políticos e empresários locais (com um jornalismo sério, bem feito, etc.), e talvez a situação será animadora. Informações sobre Guerra do Iraque, mil e um blablablás sobre o Pan ou acidente da TAM nunca interessarão mais do que o que acontece de bom ou ruim com meu vizinho, na minha rua. Então, tem uma porção gigantesca de fatores a serem observados. E o que pode valer pra Nova Iorque pode não funcionar pra Pequim. Prefiro a duvida às declarações. Abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
30/7/2007
19h20min
Não existe nada melhor que acordar, pegar o jornal e se trancar no banheiro, é um prazer, que não tem Mastercard q pague. Vc pode até já ter lido a maioria das notícias ontem, on-line, mas o q importa, desde q vc tenha aqueles sagrados minutos de isolamento e comunhão com toda a humanidade. Mesmo com o wireless, não dá o mesmo prazer, navegar no banheiro. É Cultural e Físico. Bjs.
[Leia outros Comentários de Pedro Brasileiro]
24/8/2007
17h00min
As tábuas de barro onde a escrita uniforme era impressa já não existe mais, virou fato histórico e trabalho de arqueológo. Os jornais serão trabalho de arquivistas e receberão visitas frequentes de escolas ao museu.
[Leia outros Comentários de hdz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTANDARTES DAS TRIBOS DE ISRAEL
PLÍNIO MARTINS FILHO
ATILIÊ EDITORIAL
(2001)
R$ 15,42



DICIONÁRIO DOS LIVROS SENSÍVEIS
JULIETA MONGINHO
CAMPO DAS LETRAS
(2000)
R$ 48,00



SER E TEMPO - 10ª EDIÇÃO - VOLUME ÚNICO - COLEÇÃO PENSAMENTO HUMANO
MARTIN HEIDEGGER
VOZES
(2015)
R$ 107,95



VILA DOS CONFINS
MÁRIO PALMÉRIO
EDIOURO
(1994)
R$ 49,90
+ frete grátis



LIÇÕES DE GEOLOGIA
ANTONIO DE BARROS BARRETO
TYP DO DIÁRIO OFICIAL
(1922)
R$ 34,30



DESCARTES: OBRAS ESCOLHIDAS - 1ª EDIÇÃO
J. GUINSBURG & ROBERTO ROMANO & NEWTON CUNHA (ORG)
PERSPECTIVA
(2010)
R$ 100,80



MESTRES DO MODERNISMO
MARIA ALICE MILLIET
IMESP
(2005)
R$ 40,00



ARQUITETURA
W R DALZELL
MELHORAMENTOS
(1969)
R$ 8,64



DIABETES
DR. THIERRY BRUE
LAROUSSE
(2007)
R$ 16,85



REPRODUÇÃO ASSISTIDA - ATÉ ONDE PODEMOS CHEGAR?
DEBORAH ALVAREZ DE OLIVEIRA
GAIA
(2000)
R$ 8,49





busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês