Ao Portal Galego da Língua | Digestivo Cultural

busca | avançada
25643 visitas/dia
757 mil/mês
Mais Recentes
>>> Marmita saudável está na moda!
>>> Editora Alaúde publica versão atualizada da prestigiada obra Palavras de Poder - vol. 2
>>> Tragédia em Mariana inspira livro infanto-juvenil
>>> Teatro do Incêndio realiza encontro com Os Favoritos da Catira e Samba de Umbigada
>>> Cozinha prática: Miyoko Schinner lança guia para preparar e armazenar ingredientes básicos veganos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
>>> Thoreau, Mariátegui e a experiência americana
>>> Meu querido aeroporto #sqn
>>> Essas moças de mil bocas
>>> Como uma Resenha de 'Como um Romance'
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> O vôo e a queda
>>> Anil
>>> Aquarela do desejo
>>> Trilha dos séculos (série: Sonetos)
>>> Convite para as coisas que não aconteceram
>>> Faca de estrelas
>>> Estalactites
>>> A economia que a politicagem comeu
>>> "Duas Ninfas", processo de criação da pintura
>>> Se correr o bicho pega. Se ficar o bicho come...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa
>>> O Presidente Negro, de Monteiro Lobato
>>> Jornalismo literário: a arte do fato?
>>> Crônica, um gênero brasileiro
>>> Muitos amores
>>> O espectro de Paulo Francis
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> Teatro no interior
>>> A Poética do Chá
>>> ¡Qué mala es la gente!
Mais Recentes
>>> Diálogos
>>> O Filósofo e a Teologia
>>> Alimento Diário- 1º Samuel - volumes 1,2 e 3
>>> Pântano De Sangue
>>> Psicologia Aplicada à Administração
>>> Nosso Lar
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração
>>> A Revelação de Deus
>>> Guerra contra os Santos- Tomo 2- versão integral
>>> Evolução e Temporalidade em Teilhard, Vocabulário Teilhard ( 2 volumes)
>>> O Equilíbrio do Ser- Aristóteles
>>> Jogos Vorazes em Chamas
>>> Zona de Perigo
>>> Jogos Vorazes
>>> Davi, um Homem Segundo o Coração de Deus
>>> Moisés, um Homem Dedicado e Generoso
>>> José, Um Homem Íntegro e indulgente
>>> Espirito de Sabedoria e de Revelação-A Chave para conhecer as profundezas de Deus
>>> Teologia Sistemática- Três Volumes em UM
>>> Você na telinha - Como usar a mídia a seu favor
>>> Educação Financeira - Como educar seu filho
>>> O clube das segundas esposas
>>> O Amor do Espírito
>>> Pretinha, Eu?
>>> O Vale das Utopias
>>> História de Mulheres na Bíblia
>>> O Poder da Oração no Casamento
>>> Para entender a versificação espanhola e gostar dela
>>> Comédias Para se Ler na Escola
>>> Municipalização do ensino no Brasil (novo)
>>> A Chama Viva do Amor- A Festa do Espírito Santo
>>> Os princípios de liderança de Jack Welch
>>> O manual do novo gerente
>>> Bórgia: o poder e o incesto
>>> Bórgia: tudo é vaidade
>>> Bórgia: as chamas da fogueira
>>> Bórgia: sangue para o Papa
>>> The walking dead
>>> Como fazer amgos e influenciar pessoas na era digital
>>> Os milionários do Gênesis
>>> Brasil: 100 comentários
>>> Era uma vez uma empresa
>>> Como se tornar um lider servidor
>>> O homem mais rico da Babilônia
>>> A arte de ganhar dinheiro
>>> Um bom professor faz toda a diferença
>>> Os segredos da mente milionária
>>> Casais inteligentes enriquecem juntos
>>> Sonho Grande
>>> Os cães nunca deixam de amar
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 7/8/2009
Ao Portal Galego da Língua

+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

1. O embrião do Digestivo Cultural surgiu no ano 2000 com uma newsletter e hoje é um dos principais sites de cultura do Brasil [Histórico]. Qual é o grande diferencial do Digestivo?

É difícil resumir tudo numa resposta só, mas vou tentar... Acho que, em primeiro lugar, as pessoas, os colaboradores, que eu tive a sorte de encontrar e trazer para dentro do projeto. Desde os primeiros colunistas até os últimos, passando pelos jornalistas que simpatizaram (e simpatizam) com a nossa causa, passando pelos parceiros (e anunciantes) e passando pelos editores-assistentes e eventuais freelancers [Expediente].

Em segundo lugar, eu acho que houve uma questão de timing, porque hoje, quase uma década mais tarde, seria praticamente impossível causar o mesmo impacto. O Digestivo pegou o intervalo entre a última geração de importantes jornalistas culturais (formados pela grande imprensa) — como Daniel Piza e Luís Antônio Giron — e a consolidação da blogosfera na internet brasileira. Muita gente boa, que não tinha onde publicar (porque os veículos impressos não absorviam e as ferramentas de publicação, na internet, eram complicadas), veio para o Digestivo.

Em terceiro lugar, eu pude empreender ainda morando na casa dos meus pais e contando com a compreensão da minha namorada. Porque foram anos de consolidação. Pode parecer contraditório, em se tratando de um projeto na internet, mas eu acredito que qualquer empreendimento toma tempo, não importa em que plataforma você esteja trabalhando. Porque envolve criação de marca, desenvolvimento de produto e maturação de mercado consumidor. Depois da bolha, ninguém queria saber da internet — ela só voltou a interessar com a Web 2.0...

2. Em que momento você decidiu "viver do Digestivo"?

Eu decidi muito cedo, porque os feedbacks apareceram muito rápido. Lembro bastante dos e-mails do Millôr Fernandes e do Mino Carta. Depois a citação na Carta Capital ao lado do No Mínimo, através do Sérgio Augusto [Editorial "Por aí"]; em seguida, a citação do Daniel Piza, na coluna dele, no Estadão [Editorial "Mídia"]. Mais para frente, a menção no Manhattan Connection e a chegada da Sonia Nolasco, produzindo ensaios inéditos e dizendo que, se o Paulo Francis fosse vivo, faria o mesmo... Tudo bem que eu já tinha obtido algum reconhecimento (na minha fase de colunista independente), mas isso tudo foi praticamente uma consagração — e eu mal tinha 30 anos... Claro que saí do emprego e fui viver do Digestivo — mas só fui viver dele, efetivamente, muito tempo depois, com a empresa aberta etc.

3. O que a internet adicionou à cultura?

Também é difícil resumir numa única resposta... Eu diria que em termos de fruição (ou consumo) de cultura, foi uma revolução, embora nem todo mundo tenha se dado conta. Eu sei que existe a questão dos direitos autorais, eu sei que muita gente perdeu o emprego por causa disso, e muitas indústrias continuam virando pó, mas o benefício, para a média das pessoas, foi enorme.

Com o advento da internet, você tem muito mais que uma biblioteca ao alcance do mouse, você tem uma capacidade de produzir, distribuir e viver da sua produção que não existia antes. Eu, por exemplo, até montei um jornalzinho no tempo da faculdade, mas que não gerou nenhum feedback. Se não fosse a internet, minha experiência de publisher teria fica só nisso. Assim como a minha vida, eu sei que a internet transformou a vida de muitas outras pessoas. É um renascimento; mas como a velha indústria cultural está morrendo junto, fica parecendo que a internet é o "anticristo"; não é — é a salvação.

4. O Digestivo Cultural entrevistou diferentes personalidades como Lúcia Guimarães, Miguel Sanches Neto e Douglas Diegues. É uma diversidade sem tamanho, você lê as obras de todos os seus entrevistados?

Gostei da pergunta. Porque as entrevistas me dão um trabalho enorme...! Em geral, entrevisto pessoas de quem já acompanho a produção. Logo, na maioria das vezes, já li quase tudo; então, procuro ler o que falta. Primeiro, peço a autorização do possível entrevistado. Depois, faço uma pesquisa, sobre a sua produção, para não me esquecer de nada. Monto uma pauta e redijo as perguntas. Envio para a pessoa. Passa-se um tempo... (Às vezes, um tempo que não tem fim.) Voltam as respostas. Reviso, "formato" (HTML) e coloco os links. Levo ao ar. Dias depois, releio e escrevo a introdução (ou o "abre", como dizem).

Como é por escrito, muitos entrevistados se assustam e literalmente não conseguem terminar de responder. Em algumas épocas, sou obrigado a disparar até três entrevistas (listas de perguntas), para diferentes entrevistados, a fim receber uma única coleção de respostas. Para você ver como não estou mentindo, o Alexandre Inagaki, no seu último aniversário, sinalizou, no Twitter, quando o cumprimentei: "Um dia ainda hei de responder àquela entrevista!". Se o resultado não fosse tão espetacular (quando vêm as respostas), eu já teria parado ou mudado a fórmula...

5. A cultura no Brasil é um bom negócio?

No curto e no médio prazos, raramente é bom negócio. Porque, a não ser que você seja o Chico Buarque (que estourou aos 20), vai ter de esperar por uma consagração que só chega na meia-idade (Milton Hatoum, por exemplo). Os poetas, e os verdadeiros artistas, são "antenas da raça" (Pound). E estar na vanguarda tem o seu preço: você pode até ser compreendido em vida, mas também pode morrer na incompreensão (Franz Kafka, Edgar Allan Poe, Fernando Pessoa).

No longo prazo, é um excelente negócio. É como um poço de petróleo, que continua jorrando por tempo indeterminado. É um bom negócio para os herdeiros, se quisermos pensar em termos de gerações. Durante décadas, essas pessoas vão usufruir do espólio do "artista da família", sem ter de criar nada novo, apenas negociando melhores contratos de distribuição. O artista é um "criador de valor" como poucos, porque, se não for cineasta ou artista plástico, consume pouca matéria-prima — e devolve algo inestimável para a sociedade.

6. E a internet cultural, é bom negócio?

Como todo mundo sabe, estamos numa fase de transição. Quem está tentando vender alguma coisa pela qual as pessoas não querem mais pagar, está tendo problemas. As pessoas não querem mais pagar por conteúdo que possam encontrar de graça, por exemplo. Música, alguns tipos de texto, imagens, alguns vídeos... No início do Digestivo, nós imaginávamos que poderíamos construir um business em cima de "produção de conteúdo" — mas, como ideia, não frutificou. Quer dizer, eu até escrevo para algumas publicações — mas é não algo "escalável" (como se diz em inglês). É uma coisa que o Julio faz, mas não é algo que o Digestivo possa fazer (porque não existe demanda para tanto).

Eu acho que, depois da chegada da internet, a cultura tem de ser pensada como serviço, e não mais como produto. As pessoas não compram mais CDs ou discos (como compravam antes); mas elas continuam comprando ingressos para shows. Economicamente, penso no Digestivo como um "agente facilitador" — por ter criado uma comunidade em torno do site, que pode se interessar pelas mensagens dos parceiros (e anunciantes). Não adianta resolver o meu problema de publisher (ou de autor), eu tenho de provar, para os meus clientes, por que estar com o Digestivo é importante (para eles).

7. Em sua opinião e fazendo um exercício de "achologia futuróloga", o que podemos esperar de novidades para 2010 (o Twitter já está ai, as redes sociais também, e agora?)

Eu espero a consolidação do Twitter, e do Facebook, no Brasil. Em termos de mais novidades, eu não saberia prever. Nem me arriscaria...!

Espero a consolidação do Twitter, porque ele é mais fácil de atualizar do que um blog. Quem não fez mídia até agora, com os blogs, vai fazer com os microblogs (e com o celular). Pode ser que surjam concorrentes do Twitter; ou, então, que o Twitter não seja a única "central de microposts". Certamente, aparecerão inúmeros "Twitter-alguma coisa", derivando ferramentas ou propondo novos usos.

E do Facebook espero consolidação, porque muita gente está cansada do Orkut. As pessoas se sentem muito expostas, há muitos crimes lá — e o Google não tem interesse em desenvolver o Orkut, porque ele só é relevante no Brasil. O Facebook, como site, é mais sofisticado, permite maior controle da exposição e tem interesse em crescer no Brasil. O Orkut foi importante; mas, por não ser "a menina dos olhos" do Google, ficou meio abandonado. O Facebook é o novo capítulo dessa história.

8. Diz a máxima (antiga e) popular "O brasileiro não lê". O Digestivo Cultural atinge mais de 1 milhão de acessos/mês. Comparando esses dois números a primeira afirmação não é incoerente? O brasileiro acessa e lê ou são sempre os mesmos usuários conectados?

Aqui vale uma explicação. São 1 milhão de páginas navegadas por mês no Digestivo Cultural, mas não são 1 milhão de leitores (!). São mais ou menos 300 mil visitantes-únicos mensais [Audiência]. Logo, fazendo a conta, chegamos a 10 mil "leitores"/dia, no Digestivo. É razoável, se você pensar na tiragem de algumas revistas culturais no Brasil (de dezenas de milhares de exemplares).

E, claro, há os "paraquedistas"... A porcentagem de visitas que o Google traz é significativa para o Digestivo. E deve ser assim, se você está na internet. Todo mundo quer estar "bem no Google". A vantagem, para nós, é que uma busca às vezes traz um leitor que originalmente não se interessaria por uma "revista cultural de banca", mas que desembarca no Digestivo Cultural e, de repente, vira nosso leitor.

9. Utilizando a mesma expressão "acessa e lê", como você analisa a imprensa atual (jornais, TV, rádio)?

Com o advento dos feeds (RSS), em meados dos anos 2000, eu fui lendo cada vez menos mídia impressa, ou consumindo cada vez menos mídia tradicional. Porque você pode "assinar" desde o TechCrunch até as atualizações de um "microblogueiro" no Twitter. Indiretamente, acabo "lendo" a velha imprensa, claro, mas não é a minha primeira opção. Hoje, mais que os "leitores de feeds", tenho usado o próprio Twitter (como fonte de informação) — o princípio é simples: minha "rede de contatos" é mais relevante, para encontrar informação (do meu interesse), do que a grande mídia (que produz para um leitor mais "impessoal").

Quando me cai um jornal ou uma revistas nas mãos, eu vejo muita dependência das assessorias de imprensa, da "agenda" e dos press releases. Quem edita os cadernos culturais, das principais revistas e jornais, não são os editores, são as assessorias de imprensa, sempre a serviço da indústria. Antes mesmo da internet, já se havia eliminado a necessidade de anunciar, bastando, para isso, contratar um bom assessor de imprensa, que "divulga" o produto (ou serviço) editorialmente. É um círculo vicioso...

A internet tem a chance de quebrar esse círculo. Os colaboradores do Digestivo, por exemplo, escrevem por paixão. Eles não vão se deixar seduzir, facilmente, pelas assessorias de imprensa (que fornecem CDs, DVDs, ingressos, convites, refeições, tudo de graça, para que os jornalistas escrevam favoravelmente sobre seus clientes). Tanto que a Piauí e a Serrote, as melhores revistas impressas do Brasil de hoje, mandam uma banana para as assessorias de imprensa...

10. Quais são os sites que você acessa?

Prefiro responder indicando as pessoas (ou até "entidades") que mais sigo no Twitter: @crisdias, @inagaki, @malvados, @jampa, @bluebusbr, @techcrunch, @steverubel, @tweetmeme, @scottkarp e @timoreilly.

11. E quais foram os últimos livros que você leu?

Estou sempre tentando ler: a obra completa de algum autor (agora, do Nélson Rodrigues; faltam algumas peças...); um clássico (atualmente, Dom Quixote, na edição do quarto centenário da Real Academia Española); um clássico contemporâneo (estou acabando Genealogia da Moral, de Nietzsche; vou começar O Mundo é Plano, de Thomas Friedman); um "contemporâneo" (acabei Caio F., da Paula Dip; vou começar O Crash de 2008, de Charles Morris).

12. E o fim da obrigatoriedade do diploma de jornalismo? É o fim de uma reserva de mercado ou é o último suspiro de uma profissão em extinção?

Tem gente hoje que diz: "Os jornais acabam; o jornalismo, não". Eu já digo, para polemizar um pouco: "O jornalismo não acaba; mas os jornalistas, não sei, não...".

Nunca se fez tanto jornalismo (mesmo que amadoristicamente) e nunca se pagou tão pouco pelo trabalho jornalístico. Parece fazer sentido, em termos econômicos: há muita oferta de "jornalismo" (bom ou ruim) na internet; as pessoas, os leitores, querem "pagar" cada vez menos pelo jornalismo (há uma pequena demanda por trabalho especializado).

Eu mesmo faço jornalismo quase por amor à arte, porque ganho muito mais como empreendedor do que como "escritor". Ou seja: se você não for o Paulo Coelho (ou coisa que o valha), escrever não é um crime que costuma compensar. Claro que responder a esta entrevista, receber os feedbacks que recebo e conhecer as pessoas (e as obras) que conheço, não tem preço, mas não sei se aconselharia alguém a "se formar" jornalista...

Nota
Entrevista concecida a ZeCarlos, para o Portal Galego da Língua.


Postado por Julio Daio Borges
Em 7/8/2009 à 00h45


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Queen no Live Aid (1985) de Julio Daio Borges
02. Poesia em Xadrez, BH de Ana Elisa Ribeiro
03. Cind Canuto de Julio Daio Borges
04. Rodolfo Felipe Neder de Julio Daio Borges
05. O recado de Maradona de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/8/2009
19h15min
Gosto da parte de entrevista do Blog, passo horas no Digestivo e até tenho meus colunistas favoritos. Me assusta saber que se paga cada vez menos para um jornalista, é triste.
[Leia outros Comentários de Silvia Caroline ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DEMÔNIO E A SRTA. PRYM - PAULO COELHO
PAULO COELHO
GOLD
R$ 10,00



CHAMADOS PARA PROMOVER A FÉ
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(2011)
R$ 7,00



ILUSÕES PERDIDAS (2 VOLUMES)
HONORÉ DE BALZAC
ABRIL COLEÇÕES
(2010)
R$ 35,00



TEX Nº 216 - A AMEAÇA INVISÍVEL 
SERGIO BONELLI
GLOBO
(1987)
R$ 5,00



O ESPÍRITO DENTRO DE NÓS E O ESPÍRITO SOBRE NÓS -A DUPLA OBRA DO ESPÍRITO SANTO NO CRISTÃO
KENNETH E HAGIN
RHEMA
(2010)
R$ 34,30



SEGREDO DAS FADAS - A CHAVE MÁGICA
EMILY RODDA
FUNDAMENTO
(2008)
R$ 12,93



PACTO SINISTRO
NERO BLANC
EDIOURO
(2005)
R$ 15,90



DE LA TRADICION TEATRAL - JEAN VILAR
JEAN VILAR
LA PLÉYADE
(1972)
R$ 45,00



WILOCATS COVERT ACTION TEAMS EM 16 VOLUMES SENDO QUE TEM DOIS Nº 2
JIM LEE E OUTROS
GLOBO
(1996)
R$ 100,00



THE TWILIGHT COMPANION THE UNAUTHORIZED GUIDE TO THE SERIES
LOIS H. GRESH
ST. MARTINS'S GRIFFIN
(2008)
R$ 10,00
+ frete grátis





busca | avançada
25643 visitas/dia
757 mil/mês