Vândalos são eles | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
>>> Amor fati
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
Mais Recentes
>>> Civilização- Ocidente X Oriente de Niall Ferguson pela Planeta (2012)
>>> Presença do Vinho no Brasil de Carlos Cabral pela Cultura (2007)
>>> Psicossomática e pediatria: novas possibilidades de relacionamentos de Adolpho Menezes de Mello pela Health (1996)
>>> Emagreça & Aparece! de Wilson Rondó Jr. A11B4 2007 pela Gente (2007)
>>> Civilização- Ocidente X Oriente de Niall Ferguson pela Planeta (2023)
>>> Os Segredos de uma Encantadora de Bebês de Tracy Hogg pela Manole (2002)
>>> Grande história universal vol II de Leopoldo Collor Jobim, Dirceu Accioly Lindoso pela Bloch Editores
>>> Mulher de Trinta Anos de Honoré de Balzac pela Clube do Livro (1988)
>>> Limite Zero de Joe Vitale e Ihaleakala B9B1 pela Rocco
>>> Crítica da Razão Pura de Immanuel Kant pela Nova Cultural
>>> Grande história universal vol III de Leopoldo Collor Jobim, Dirceu Accioly Lindoso pela Bloch Editores
>>> Contos de Machado de Assis pela Objetivo / Cered
>>> O Maior Espetáculo da Terra de Richard Dawkins pela Companhia das Letras (2009)
>>> Os Melhores Contos de H. P Lovecraft de Howard Phillips Lovecraft pela Hedra (2015)
>>> Vinagre de Maçã Uma Receita de Vida de G. P. Boutard B10B4 2001 pela Claridade (2001)
>>> Nações do mundo: China de Time-Life Livros pela Cidade Cultural (1987)
>>> Vontade de Potência 1 e 2 de Nietzsche pela Escala
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela Tres
>>> As máscaras do destino de Florbela Espanca pela Livraria Bertrand (1981)
>>> A prenda a Fazert o Seu Biorritmo de Marco Natali pela Ouro (1978)
>>> A Mulher do Próximo: uma crônica da permissividade americana nas décadas de 1960 e 1970 de Gay Talese - Pedro Maia Soares (Trad.) pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1996)
>>> Como Pensar e viver melhor de Rolf Dobelli pela Objetiva (2019)
>>> O amante de Marguerite Duras pela Record (1984)
>>> Quando Ele Voltar de Ricky Medeiros pela Vida & Consciência (2004)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 19/6/2013
Vândalos são eles
+ de 2400 Acessos

Acompanhe a cobertura em tempo real no Twitter do Digestivo

Se dependesse das autoridades, protesto seria sempre ordeiro. Uma turminha bem comportada, carregando cartazes bem-feitinhos, dando voltas sem fim em algum lugar que não atrapalhe o trânsito ― num Sambódromo, ou quem sabe em um autódromo. Para participar, seria preciso se inscrever, apresentar RG, CPF, serviço militar quitado, Imposto de Renda, atestado de bom comportamento, e não ter antecedentes criminais. Vamos ser bem claros: protesto pacífico não serve pra muita coisa. A polícia não bate. A imprensa não dá espaço. Os governantes não dão bola. Protesto não é pra ser pacífico. Protesto é pra incomodar. Protesto é para questionar a ordem. Nada questiona tão bem quanto um soco, um incêndio, uma pedrada na vidraça.

Em protestos como vêm acontecendo no Brasil, uma minoria bem ínfima é que está quebrando, e agora saqueando. É essa minoria que ocupa muito espaço na cobertura televisiva. Por uma ótima razão: rende boa TV. Televisão é imagem, e imagem de gente brigando, correndo, botando fogo e enfrentando a polícia é mais emocionante que imagem de gente caminhando calmamente (por isso é que tem tanto seriado policial, e nenhum sobre gente que gosta de caminhar). E essa minoria aumenta muito o poder de fogo do conjunto dos manifestantes ― queiram os pacifistas do movimento ou não.

Vamos separar, por um minuto, as depredações dos saques. Vimos grupos, e não tão ínfimos assim, que se dedicaram a apedrejar, pichar, quebrar as frentes da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, o Palácio dos Bandeirantes e a prefeitura em São Paulo, e outros prédios públicos. São alvos absolutamente legítimos. A massa dos manifestantes, e praticamente todo mundo que acompanha o movimento, identifica governadores, prefeitos e a classe política como parte do problema, não da solução. São, nesse sentido, o inimigo. Estão sempre protegidos pela polícia, porque sabem que são alvos, e que merecem ser alvos. No limite, o governo sai matando de um lado, e os revoltosos saem matando do outro ― vide Síria.

Vamos seguir o mesmo raciocínio. Vimos outros alvos ontem, não-públicos. Quebraram agências de bancos. Os bancos são amigos ou inimigos da população? Quebraram McDonald's. De que lado você colocaria a rede de fast-food? Não deixaram Caco Barcellos trabalhar, botaram fogo em uma carro da reportagem da TV Record. De que lado você põe a mídia, a seu lado ou contra você? A decisão é de cada um, e de cada um que está nos protestos. Uns são muito radicais, outros muito moderados. Quem decidir ir pro pau, vai sabendo que pode levar porrada e talvez, ir para a cadeia.

Nos últimos dias, ficou mais complicado decidir a quem você se opõe. Agora toda a imprensa está simpática (se bem que cobrindo muitíssimo mal, em geral), a PM está bem contida, os políticos aplaudem, tá todo mundo vendo "beleza" nos protestos, como disse o governador do Rio. Da boca pra fora, claro ― ninguém se mexeu um milímetro para atender as reivindicações dos manifestantes, pelo menos nas grandes cidades. Mas o bloco do "a favor" está crescendo, inchando até. Virou obrigação aplaudir. Todos os famosos apóiam, e se os famosos apóiam deve ser boa coisa, né?

Mas todo esse a favor para quando começa o pau. Todos aplaudem os protestos, e todos são unânimes em satanizar os baderneiros, os infiltrados, os vândalos. E mais ainda os que roubam. Saquear lojas atravessa uma fronteira muito importante. Na linha acima, é fácil entender porque alguns manifestantes muito radicalizados veem esses grandes magazines como templos do consumo, símbolos do capitalismo, e portanto alvos válidos. Mas na hora que você sai correndo com uma TV, um celular ou um microondas, que vai levar pra sua casa e usufruir, passa a ser visto como um ladrão comum.

Em um contexto de desobediência civil, é estratégia sólida dar um chega-pra-lá nas regras cotidianas do consumo, e dar uma banana para a lei. Na época da ditadura militar, guerrilheiros roubavam bancos e ricaços e, com o dinheiro, financiavam ações contra o regime. Não era roubo, era "expropriação", diziam. A presidente da república, Dilma Rousseff, colaborou em ações do gênero. Vi um senador na televisão dizendo que manifestações violentas são incompatíveis com o regime democrático. Os militares também garantiam que vivíamos em uma democracia nos anos 70. Democracia não é o que senador diz, é o que o povo sente.

(...)O Brasil não vive um cenário de transformação radical. Mas nosso País é muito violento, o tempo todo, e particularmente com os mais pobres. Violência do crime, e violência do Estado, que nos leva o dinheiro e nos dá tão pouco em troca. Não se trata de defender quem depreda e saqueia. Se trata de ter consciência de que nossa paz é diariamente quebrada, que muitas empresas depredam o País cotidianamente, e que o poder público não nos protege. Donde que é ser muito ingênuo achar que todo protesto vai ser sempre pacífico e polido. É fácil pra classe média alta boazinha, que vive em condomínio, paga seguro saúde e escola, põe insulfilm no carro e depende muito menos do Estado, cobrar que todo mundo se comporte...

É preciso, também, descobrir outras maneiras de protestar. Não podemos ficar entre o quebra-quebra e esses passeios sem fim pela cidade, gritando palavras de ordem e "violência não". Desobediência civil ― e criativa ― é um dos melhores caminhos. Ainda mais se beneficiar diretamente a população que hoje não está nas ruas.

(...)Olha, eu sou o cara mais pacífico do mundo. Mas vamos botar a mão na consciência. O País atravessa uma turbulência que não tem precedentes na campanha pelo impeachment de Collor, ou pelas Diretas. É outro Brasil, outro mundo, são outros descontentamentos e anseios, são outros governantes e manifestantes. Quem protesta não enxerga hoje na tal sociedade civil quem o represente. Nem partidos, nem instituições. Os políticos que marcharam pelas diretas, e contra Collor, hoje estão no poder, e são amiguinhos dos herdeiros da ditadura, e do próprio Collor. É de se estranhar que tenha gente que quer quebrar tudo?

André Forastieri, em "Vândalos são eles"

Acompanhe a cobertura em tempo real no Twitter do Digestivo


Postado por Julio Daio Borges
Em 19/6/2013 às 12h44

Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historinhas Marupiaras
Elias Yaguakag
Mercuryo
(2011)



Na Minha Cadeira Ou na Tua?
Juliana Carvalho
Terceiro Nome
(2010)



A era da Turbulência - Aventuras Em um Novo Mundo
Alan Greenspan
Campus
(2008)



Jesus - A Vida Completa
Juanribe Pagliarin
Bless Press
(2010)



Ame o Que e Seu
Emily Giffin
Novo Conceito
(2008)



O Sonho da Baratinha
Regina Lasagno da Silva
Feesp
(1998)



Homens Nao Ouvem, Mulheres Falam Demais
Jane Sanders
Cultrix
(2008)



100 Segredos das Pessoas Felizes
David Niven
Sextante
(2001)



Minigramática
Jésus; Samira
Saraiva
(1998)



Inovação Com Resultado: o Olhar Além do Óbvio - Confira !!!
Thomas M. Koulopoulos
Senac São Paulo / Gente
(2011)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês