Nota Bene | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/10/2003
Nota Bene
Alessandro Silva

+ de 4900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A exposição de arte do artista eslavo Samson Flexor também prova que os níveis de aceitação do termo “arte” caíram muito.

Não se trata de questionar o cunho geométrico de sua arte. Mas sabemos que debaixo de cada tela ali presente, seja sua representação abstrata ou figurativa, há um laivo de amadorismo, de uma arte simpática, de um tipo de arte que, portanto, busca granjear-nos para ser aceita.

Picasso: o belo é para os amadores.

Acredito que essa degeneração dos padrões referenciais da arte deva-se a dois fatos:

a) A palavra é muito ambígua; b) Há desconhecimento da natureza da arte.

Exalta-se demasiado o artista pelo conjunto de sua obra ( e a tal ponto que depois de vinte anos de prática, você pode ter praticado a arte mais deslavada e cara de pau em honra de sua época ou de teu país cujo governo sequer te deu oportunidade de aprender uma língua estrangeira que terá o bom senso e o reconhecimento público a seu lado ).

E tudo que arte autêntica não é é bom senso e reconhecimento público.

Não é à toa que Alfred Jarry ( de quem Picasso herdou um dos revólveres ) ao menor riscado mandava bala pro alto; não é destituído do fardo que Breton, o líder da vanguarda surrealista, alardeava aos quatro ventos que o ato mais livre era simplesmente mandar bala sobre os pedestres.

Arte não é flor que se cheire.

Por isso mesmo que a primeira pessoa de quem desconfiaremos quando formos chamados a separar o joio do trigo, os autênticos dos falsos, identificaremos estes aos artistas que não zombam de seus mestres — por que não compreenderam sua natureza malévola e gatuna.

Depois de passar por Paris e por Genebra, o senhor Samson concluiu que sua arte devia honrar o racional. E a honrou em seu mais alto grau praticando-a como um instrumento religiosamente matemático, ou seja, em sua forma geométrica.

A sua assepsia deriva do seguinte: ele está preocupado em organizar o mundo; enquanto quem entende a verdadeira natureza da arte, entende que o artista tem a obrigação de desorganizar o mundo e destruir a beleza que o cerca. Por quê?

Por que a vida é assim. Porque, en passant lembrando Nietzsche, o racionalismo e a ordem nos torna medrosos.

Não há teoria que racionalize a espiral de um búzio e no entanto este contém a força inteira das ondas.

A arte ruim não tem força; a arte ruim organiza; o senhor Samson Flexor é um artista ruim.

A arte autêntica explica-se por si: é de nervos e tensão.

A tal ponto que nos perguntamos: seria a identificação de caras como Picasso, Pound ou Hemingway com as touradas e com o boxe apenas coincidência?

Urinóis, peças de madeira, vídeos, instalações, acessórios e bugigangas: efemerités.

A arte conceitual, que é a forma paroxística do racionalismo, da domesticação dos sentidos, da racionalização frente a coisas que não se deixam racionalizar, que é a forma violenta do medo acuado é um tipo de arte que não pode se sustentar senão por alguns anos, porque é uma arte que se explica, é uma arte sem coragem ( a tragédia grega passou ao controle sutil do Estado assim que os coros em sua expressão mais poderosamente dionisíaca, em sua voz profética e titânica, decaiu em “tentativas de explicar” a sorte feroz dos mortais.)

A verdadeira arte é aquela que não tenta justificar o mau, que não encontra catarse na prisão dos assassinos: a arte autêntica é terrível.

Arte de circunstância?

Beat generation. O que puderam fazer de mais nobre que não descartar a cartilha crítica de T.S. Eliot, portanto agindo sob a sombra de um mestre?

Quem são hoje Allen Ginsberg, Bukowski ou Jack Kerouac diante de Wallace Stevens ou diante de Hart Crane? Abortos degenerados.

Até mesmo um poeta moralista como W.H. Auden irá perdurar e isso porque nunca se preocupou com efemérites: do interior de seus sonetos ecoa a voz de Shakespeare.

Os artistas não deveriam ser divididos entre os que fazem sua obra e deixam que elas falem por si mesmas e os que fazem algo e tentam justificá-lo por meio de teorias; deveriam ser divididos entre homens e ratos.

É extremamente salutar para a humanidade que os artistas retornem a Cézanne. Porque — e essa é uma qualidade de todos os grandes talentos franceses — sua sinceridade no infortúnio é assombrosa. Em a “Dúvida de Cézanne” Merleau-Ponty torna patente a vida de um homem excessivamente tímido e atormentado. Ser atormentado e tímido era condição sine qua nom para se ser Cézanne. Intempestividade e timidez são características de seu estilo, sem os quais, sem sua sinceridade no estilo, não há autenticidade, não existe Cezanné.

As dúvidas e a natureza violenta do ser humano são exploradas ad nauseam por Francis Bacon; sua patogenia o levava a aceitar a destruição e a natureza de cupim do ser humano no seguinte grau: “gostaria de ter uma relação com um outro pintor como a de T.S. Eliot com Ezra Pound; que houvesse crítica e até mesmo destrutiva à minha arte”.

Mas o que acontece com esses nossos insetos metidos a artistas? Porque não podem se desgarrar para uma arte autêntica e sincera?

E nos vêem com esse papo de que brasileiro é criativo? Só se for para pedir esmola no farol. Criatividade sem nobreza, sem sinceridade, é como bunda de prostituta; beleza sem substância.

É uma pena que ao artista caiba passar fome e manter-se sob o chicote de um certo gosto oficial que é uma espécie de opinião democrática: a democracia faz mal ao caráter; a democracia aniquila o individual e, por extensão, o “genial”.

O bom gosto diz a que veio: tudo muito bem asseado, tudo muito bem decorativo e brilhante, com uma visibilidade quase angelical da matéria, permeado pela influência de todas as micro-idéias possíveis e aceitáveis e, é claro, pela política.

W.B. Yeats solicitado em época de guerra não deu sequer três versos à política; somente um imbecil para acreditar que um artista que se proclama filiado a um certo partido não está usando essa condição para se promover; somente uma crassa ingenuidade para acreditar que a arte de Brecht fosse mais do que mote para discussões, que sua pessoa tinha reais intenções éticas.

Outrora visitei a exposição Francis Bacon e saí com vontade de vomitar. A mostra foi em São Paulo, mas em São Paulo nós temos medo de dizer que nossa vida é cheia de tédio. Em São Paulo, na “Casa das Rosas”, onde outrora se deu uma mostra dos “nossos” artistas em homenagem ao povo mexicano, uma homenagem tão rasteira que saí envergonhado.

Lá estavam obras de gente como Siron franco e, chegando ao extremo, Belchior! ( Aquele que, até ontem, sabe-se ou imagina-se, que limitava-se a sua viola ) cuja chef d’ouvre jazia sob este título verborrágico: “porque os colecionadores pagam tão caro por isso?”.

Belchior, você quer se divertir? Então vá se divertir no inferno.

Artista é quem tem ataque epiléptico no meio da calçada e depois zomba de suas convulsões, porque devemos dormir com essa: arte é tudo aquilo que não quer ser arte, que não quer, portanto, ter um nome, que não quer ser reconhecida, tudo que é estranho e destituído de sentido, tudo aquilo que é o contrário do que é hoje.

Marcel Duchamp? Aquele que tem um nome? Marcel Duchamp está morto.


Alessandro Silva
São Paulo, 29/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
03. Sobre e-books e caipiras de Yuri Vieira
04. A cidade do improvável de Elisa Andrade Buzzo
05. Um alucinante encontro com Lula de Elisa Andrade Buzzo


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/10/2003
10h47min
Penso que a música começa no silêncio, que o movimento começa na quietude e o caos só existe se existir uma ordem preestabelecida. A obra de Samson Flexor é obra de arte de qualidade, tanto é que gerou vários contrapontos de argumentos contrários à arte. Não apenas por isso, mas não se esqueça que a arte indigêna é baseada na geometria. A geometria não é uma cópia da natureza, e o homem não copiando a natureza começou a criar e dar novos significados à vida. Não se esqueça que Mondrian e Malevitch reformularam os conceitos artísticos com obras totalmente geometricas e racionais. A emoção não existe sem a razão e vice-versa. O Tao já ensinou isso há muito tempo.
[Leia outros Comentários de Diuk Mourao]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BESOURO E PRATA
ANA MARIA MACHADO
ÁTICA
(1994)
R$ 12,00



BRASIL ANO 2000 O FUTURO SEM FANTASIA
JOSÉ ITAMAR DE FREITAS
ED. MONTERREY
(1969)
R$ 5,00



A SELEÇÃO BRASILEIRA DE TODOS OS TEMPOS
REALIDADE
ABRIL
(1970)
R$ 25,00
+ frete grátis



INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
A GUILHERME GALLIANO
HARBRA
(1981)
R$ 23,92



EXPEDIÇÕES GEOGRÁFICAS 8
MELHEM ADAS, SÉRGIO ADAS
MODERNA
(2011)
R$ 25,00



ENCICLOPÉDIA FAÇA VOCÊ SOZINHO ENCANAMENTOS E ALVENARIA
SANTIAGO PEY ESTRANY
HEMUS
(1979)
R$ 7,90



CURSO DE FÍSICA BÁSICA VOLUME 4 - ÓTICA, RELATIVIDADE E FÍSICA QUÂNTICA
H. MOYSES NUSSENZVEIG
EDGARD BLÜCHER
(2004)
R$ 45,00



LA GALLINA, EL INFINITO Y EL LIBRE ALBEDRIO
MARCELO A. CROTTI
EDITORIAL DUNKEN
(2009)
R$ 39,90



SINCERAMENTE CARTER
WHITNEY GRACIA
UNIVERSO DOS LIVROS
(2017)
R$ 29,23



VIDAS MARCADAS
RACHEL LEE
BEST SELLER
(2002)
R$ 15,00





busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês