Geração abandonada | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Panelas & Panelas
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Sua Majestade, o Juiz de Jáder de Carvalho pela Forgrel
>>> História do Ceará de Airton de Farias pela Livro Técnico (2007)
>>> Fanáticos e Cangaceiros de Abelardo F. Montenegro pela Do Autor
>>> Uma História das Copas do Mundo Futebol e Sociedade 2 Volumes de Airton de Farias pela Armazém da Cultura (2014)
>>> A Rainha da Moda - Como Maria Antonieta se vestiu para a Revolução de Caroline Weber pela Zahar (2008)
>>> A Historia da Ciência para Quem Tem Pressa de Nicola Chalton / Meredith Mac Ardle pela Valentina (2017)
>>> Manual Prático do Horóscopo Chinês de Minami Keizi pela Traço (1988)
>>> Caos: a Criação de uma Nova Ciência de James Gleick pela Campus (1990)
>>> As Noites das Grandes Fogueiras - Uma História da coluna Prestes de Domingos Meirelles pela Record (1995)
>>> O aguilhao--abrindo picadas na densa mata. de Carlos de maio pela Virtualbooks (2014)
>>> A essencia dos anjos de Martin claret pela Martin claret
>>> Desobsessao pelo espírito andre luiz de Francisco candido xavier e waldo vieira pela Feb
>>> Os 100 segredos das pessoas felizes--descobertas simples e uteis dos estudos cientificos sobre a felicidade. de David niven pela Sextante (2001)
>>> Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas de Dale Canergie pela Companhia Nacional (2012)
>>> O desafio de amar de Stephen & alex kendrick pela Bv books (2009)
>>> A Mulher Lagarto E Outras Histórias de Fernando Luiz Cipriano pela Annablume (2011)
>>> Sem padecer no paraiso--em defesa dos pais ou sobre a tirania dos filhos. de Tania zagury pela Record (1992)
>>> Planeta--41--como desenvolver nosso sexto sentido. de Editora tres pela Tres (1976)
>>> Planeta especial--o povo eleito--uma interpretaçao revolucionaria da origem dos judeus. de John allegro pela Tres (2020)
>>> Os caminhos de Mandela de Richard Stengel pela Principium (2013)
>>> Vencer a Crise - Lições para superar as dificuldades financeiras de Herbert Kimura pela Do Autor (2019)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das Letras (2009)
>>> Resistência de Agnes Humbert pela Nova fronteira (2008)
>>> Questões do Coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> Elimine a Sua Energia Negativa - Com Fé ou sem Fé, acreditando ou Não de Kika Miranda pela Corus (2006)
>>> O Mar de John Banville pela Nova Fronteira (2007)
>>> The golden of morocco--english edition--160 colour illustrations. de Bonechi pela Bonechi (1998)
>>> Pedraria e bijurerias extra--mais de 260 fotos. de Escala pela Escala
>>> Marley e Eu A vida e o amor ao lado do pior cão do mundo de John Grogan pela Prestígio (2006)
>>> Maria na terra de meus olhos de Oscar Araripe pela Rocco (1975)
>>> A Bruxa de Portobello de Paulo Coelho pela Planeta (2006)
>>> Descartes - Biblioteca de Filosofia de Pierre Guenancia pela Zahar (1991)
>>> A Fada e o Bruxo As Crônicas de Ivi de F Medina pela Hamelin (2012)
>>> Para Sempre Contigo de Evanice Maria Pereira pela Petit (2012)
>>> Globo Rural--Ele faz a terra dar de tudo de Editora globo pela Globo (1989)
>>> O Milagre da Manhã com Deus de Padre Reginaldo Manzotti pela Petra (2018)
>>> Globo rural--107--flores/especial--explosao no ar. de Editora globo pela Globo (1994)
>>> Cuidar & ser Cuidado de Lluis Segarra pela Cultor de Livros (2019)
>>> O Poder da Mulher que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2003)
>>> Pesquisa Princípio Científico e Educativo de Pedro Demo pela Cortez (1996)
>>> O Maravilhoso Mágico de Oz de L Frank Baum pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de James M Barrie pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Pinóquio de Carlo Collodi pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Globo rural--39--descoberto um tesouro:a mandioca. de Editora globo pela Globo (1989)
>>> Galerie des offices--guide officiel toutes les ceuvres. de Gloria fossi pela Giunti (2004)
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/11/2003
Geração abandonada
Eduardo Carvalho

+ de 7700 Acessos
+ 15 Comentário(s)

Uma geração quase abandonada

Existe - mas conserva-se em compreensível silêncio - um estilo de gente, que tem hoje mais ou menos entre 18 e 25 anos, no qual deposito minhas esperanças de que o mundo, se continuar por esse caminho, um dia será melhor. E emprego esse clichê despreocupado, porque, se a frase é batida, o conteúdo não é. Não me refiro a uma espécie de jovem universitário engajado em movimentos sociais, que, com a confiança de quem já tudo sabe, pretende distribuir "consciência" ao resto da população - e que, depois, veste a camiseta anunciando: "eu faço", "eu participo", "eu aconteço", etc., "e você?". O silêncio desses seria, em muitos casos, compreensível; mas eles preferem gritar. Escrevi "estilo de gente", na verdade, por falta de expressão melhor. Essas pessoas não se encaixam num simples modelo de personalidade. Não compõem um grupo específico, nem participam de outros isoladamente. Por isso - por não haver unidade entre os seus membros -, eles não esperneiam em conjunto. Conservam-se em compreensível - e compreensivo - silêncio.

Depois dos hippies dos anos 70 e dos yupes nos 80, a tendência foi, nesta virada de século, a da divisão da juventude - escrevo assim, "juventude", insisto, involuntariamente - em tribos: dos skatistas, dos surfistas, dos clubers, dos esportistas, dos nerds, etc. Essa superficial segmentação do mercado potencializa a eficiência da estratégia mercadológica das grandes empresas, garantindo, ao mesmo tempo, a ilusão de pesonalidade de quem adere a esses clubes, ou, se quiser, segmentos. Mas o que os separa é, na maioria dos casos, apenas o estilo que assumem. Muda a embalagem: o conteúdo, porém, continua igual. Não é, entretanto, repito, sobre mais um desses grupos que escrevo. Não é possível distingui-los pela roupa que usam - nem mesmo pelas opiniões que emitem, ou pelos gostos que cultivam. Porque nunca são iguais. Se precisasse definir, com um único adjetivo, esse estilo que pretendo explicar, eu ficaria quase sem opção, mas depois soltaria: são pessoas civilizadas. E entre 18 e 25 anos, o que, convenhamos, não parece fácil.

E menos fácil ainda: não são vovôs com espinha na cara, usando bengala antes de aprenderem a andar. Mas também não são universitários de barbicha e lenço no cabelo, amarelos e secos, que estufam a barriga com a cerveja da "facu". É mesmo difícil reconhecer essas pessoas exclusivamente pela aparência - talvez porque elas estejam menos preocupadas com ela do que nerds fechados e universitários típicos. Evito esse tipo de adjetivo, mas continuemos: os nerds marginalizam-se socialmente, procurando segurança, por exemplo, em jogos de cartas ou eletrônicos, praticados quase que exclusivamente pelos companheiros de turma. O político de faculdade, ainda organizando passeatas e movimentos, alegando lutar contra misteriosas forças do Mal, está, por sua vez, deslocado do tempo: e discursa como se o mundo estivesse congelado desde os anos 70. A imensa maioria de quem nasceu aproximadamente 20 anos atrás está, então, digamos, ou perdida no espaço - se isolando dos assuntos comuns -, ou perdida no tempo - vivendo, em 2003, um saudosismo ingênuo, que empaca o pensamento atualizado.

Não gosto também de dizer "jovens" - como se estivesse distante dessa fase -, mas sou obrigado a escrever assim. E, de fato, o assunto é este: reparei que existe, na minha geração, pessoas que, por mais diferentes que sejam, reúnem certas características em comum, combinando qualidades impossíveis nas gerações anteriores. Nossos pais não viveram uma época tão interessante e estimulante: que, de um lado, pela sua complexidade, provoca a inteligência atenta, e de outro controla a ansiedade com inúmeras possibilidades de diversão. Há uma minoria lúcida que, informada e educada, foge das tribos promovidas pela MTV, e descobre estimulantes idéias para pensar e aproveitar a vida.

Minha geração - essa mesma, entre 18 e 25 anos - tem uma exclusiva oportunidade nas mãos, que pode ser aproveitada se reconhecida. Não precisamos, em muitos casos, começar a trabalhar cedo, porque o mercado não exige, as faculdades não estimulam e os pais não obrigam. A ciência aplicada à tecnologia ainda revolucionou a telecomunicação, ampliou as opções de entretenimento, encurtou e barateou viagens. Os debates atuais são, depois da Guerra Fria, mais complexos, e há também disponível, para acompanhá-los, mais informações úteis - se bem escolhidas e articuladas. Edições de livros de qualidade, clássicos e contemporâneos, saem constantemente, e pode-se também comprá-los de casa, no idioma que interessar. Assim como as melhores publicações estrangeiras estão cada vez mais presentes nas bancas brasileiras - e todas oferecem assinaturas a países distantes, como o Brasil. Escola e universidades de outros países são também cada dia mais acessíveis, o que promove, mesmo que casualmente, um intercâmbio cultural direto, para quem estuda em outro país. Eu poderia aqui, se achasse necessário, me estender indefinidamente, listando novidades impressionantes mas às vezes esquecidas, por quem prefere sempre resmungar da vida contemporânea e idealizar décadas anteriores.

Às vezes esquecidas, porém: e às vezes, ainda que raramente, lembradas. O que distancia o estilo de jovem - oh, de novo - que elogio do resto que se desperdiça é, em primeiro lugar, a curiosidade pelo mundo; a excitação em descobri-lo e entendê-lo, revirando o tapete e fuçando em buracos; sempre, porém, com uma capacidade crítica ligada, que lhe permite pensar com uma cabeça própria e aberta sobre o que vêem e aprendem. E em segundo lugar: essas pessoas percebem o que de positivo as novidades tecnológicas agregaram, e divertem-se com o que elas oferecem de bom. A novidade, então, desse estilo de jovem que descrevo não é apenas a sua relação de permanente deslumbre com o mundo, nem a sua rara capacidade de descobri-lo e aproveitá-lo. Isso, de certa forma, sempre existiu. O que é novo é a combinação desse espírito vigoroso e atento com um mundo em plena fase de transformação, apresentando características únicas e oportunidades inéditas.

Posso citar inúmeras pessoas com quem convivo, ou a quem fui apresentado, ou de quem assisti aulas, como exemplo desse tipo de pessoa. Não são, claro, a maioria. Mas existe. E não são poucas, considerando o barulho que fazem - quase nulo. São casos que as novelas ignoram. Os seriados não retratam. De gente que não faz tipinho. Que cursa Economia na faculdade e lê sobre a história da música erudita. Que joga tênis, squash, pedala - e conhece todos os filmes de Bergman. Que trabalha num banco de investimento em Nova York e lê Thomas Mann - em alemão. Que sabe quais são as diferenças, geográficas e econômicas, entre Botsuana e Congo. Que pode indicar os melhores restaurantes de Corumbá a Berlim. Que acompanha os avanços da biologia molecular na Nature e os assuntos internacionais na Foreign Affairs. Que estuda Finanças e Astronomia. Que conhece os porões do Brasil - e o centro do mundo. E circula por eles com natural desenvoltura. Sem cometer generalizações como "o mundo lá fora" - como se só houvesse um. E sem admirar absolutamente o Brasil, com aquele sutil e arrogante argumento de quem acha que conhece o resto do mundo - dizendo que "lá fora", mais uma vez, nada é tão bom assim.

Assisti recentemente, por exemplo, ao curso A História da Música Ocidental, lecionado dentro de uma Escola de Administração de Empresas. O professor não tem ainda trinta anos. Não é comunista nem usa óculos. Usa tênis - e fala com propriedade sobre Brahms, Chopin, Mozart, etc., passando por Teoria da Composição e Filosofia da Estética. Sem ser gozadinho - como professores de cursinho - ou pedante - como são vários na universidade. Estou agora freqüentando um curso intitulado A Filosofia do Belo: e o professor poderia ser confundido facilmente, pela aparência, com um analista de mercado do Credit Suisse. Quer dizer: pela imagem, apenas, não se discrimina esse estilo, de gente interessada em arte sem óculos de aros grossos, e em cultura sem ser necessariamente "de esquerda". Conheci, como outro exemplo, em Varsóvia, uma elegante polonesa que havia dedicado sua tese de Mestrado, na cidade do Porto, em Portugal, a Machado de Assis, por quem é fascinada. E que agora, de volta à Polônia, pretende se inscrever num curso de Economia e Finanças. No seu comentário sobre o meu último artigo, enviou a maravilhosa introdução de Proust a O prazer da leitura. Outra amiga canadense, por exemplo, loira e alta, linda, é capaz de recitar Byron e Shakespeare, e conhece detalhadamente Koestler e Dosteievsky. Os exemplos são inúmeros - mas pontuais, porque, como disse, não se trata de um fenômeno generalizado, nem no Brasil nem no mundo.

Reforçam, contudo, a idéia de que essa dicotomia que ainda existe, e começa nessa idade, entre "artistas" e "economistas", "cientistas" e "literatos", etc., precisa acabar. Não se pode mais haver espaço para essas separações forçadas, grosseiras, de tribos, de grupos. E o que essas pessoas às quais me refiro perceberam é que não compensa, por mais forte que seja a pressão da turma, espremer sua personalidade em tribos da moda, assumindo as opiniões do momento. Melhor procurar alternativas a esses estilos tribais: e alternativa é o que, hoje em dia, não falta - se procurada nos lugares certos.

É o que eu precisava, há algum tempo, dizer, já que ninguém dizia: estou positivamente impressionado com certas pessoas da minha geração. Não com a geração em si, claro, separada em guetos e afogada num discurso comum. Com seus membros, na maioria das vezes, alheios aos assuntos atuais, seja porque isolados no espaço ou desencontrados no tempo. Mas tenho convivido, ultimamente, com pessoas da mais fina categoria, antenadas em tecnologia e cultivadas pela literatura, com quem se pode manter uma conversa longa e variada. Passando pela nova safra de contistas brasileiros e pelas publicações de Steven Pinker. Por distantes viagens internacionais a cantões perdidos pelo Brasil. Por fundos de private equity à expansão da fronteira agrícola brasileira. Pela política monetária americana aos lançamentos da música contemporânea. Por comparações de estilos entre tenistas a comparações entre a prosa de escritores russos e franceses. Etc. Mas se o mundo, mesmo assim, ao contrário do que afirmei no início, não melhorar, então pelo menos a conversa - e a vida -, de certas pessoas, já melhorou. O que, como consolo, já é um começo.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 14/11/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De quantos modos um menino queima? de Duanne Ribeiro
02. Mais espetáculo que arte de Guilherme Carvalhal
03. Abdominal terceirizado - a fronteira de Marta Barcellos
04. O Anvil e o amor à música de Rafael Fernandes
05. Minha cartomante não curte o Facebook de Ana Elisa Ribeiro


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/11/2003
1. !
17h31min
Excelente!
[Leia outros Comentários de Fabio Danesi]
14/11/2003
20h51min
Caro Eduardo, nunca imaginei ler algo assim... Um escritor puxa-saco de seus leitores. Com certeza é supreendente encontrar pessoas com essa idade que ainda o utilizam o cerébro para construir idéias próprias. Também impressiona saber que muitos desses grandes homens estão mais próximos do que imaginamos. Ia me esquecendo: obrigado pelos elogíos a nós, leitores do digestivo cultural e de sua coluna.
[Leia outros Comentários de Otavio ]
14/11/2003
23h13min
Nada. Perfeito!
[Leia outros Comentários de Cláudio]
15/11/2003
01h29min
Eduardo, embora eu já tenha 27 anos, me identifico com o grupo de 'jovens civilizados' que você tão bem descreveu. É bom saber que não estou sozinha. Aproveito a oportunidade para lhe dizer que não li em vão o seu "Não li em vão." Parabéns pelos artigos!
[Leia outros Comentários de Geraldine]
17/11/2003
08h45min
Mesmo já tendo passado dos 25 e não tendo tanta densidade intelectual, me identifico com este "estilo de gente". Este texto me conforta. Me ajuda desatar alguns de meus nós existenciais. Obrigado xará.
[Leia outros Comentários de Eduardo Barros]
18/11/2003
10h53min
Eduardo, tô contigo e não abro. No terceiro milênio não existe espaço para especialistas. Ou voce tem uma mente pluralista ou voce vai ter dificuldade em compreender o que vem por aí. A galera dos 18 aos 25 já percebeu isto há muito tempo. É a lei da sobrevîvencia. Jovens de 65 anos, como eu, com mais razões para sobreviver, já percebeu que a sala de trabalho ou de lazer faz parte de um conjunto maior que é o planeta com tudo que tem direito.
[Leia outros Comentários de helio araujo]
18/11/2003
11h17min
Eduardo, depois de ler seu texto a gente tem certeza de que é o fim da entressafra da inteligência! Afinal, você já deve saber, 90% da humanidade é incapaz de cometer um pensamento original, esta é que é a verdade. Vivam vocês, moços lúcidos e transformadores! Vou pedir a meus filhos ( de 17 e 19 anos) para lerem esta coluna. Deliciosa e esperançosa.
[Leia outros Comentários de mirian macedo]
18/11/2003
8. !!!
19h12min
Muito bom Dudu!!!
[Leia outros Comentários de diogo]
19/11/2003
16h42min
Edu, Muito interessante a sua abordagem. As tribos existem - é fato -, e os guetos estão aí, escancarados. Contudo, somente participa dessa geração salvadora quem possui no seu jeito de ser um quê de : vamos ser ecléticos pô ! Mas faço uma ressalva : tudo há que ser natural e espontâneo, pois corre-se o risco de colocar no mesmo bolo um "privilegiado" junto de um caga-regras de ocasião. Oportunista pentelho. A sensibilidade aponta quem é quem. Sou amigo de caga-regras e de pessoas antenadas e com visão crítica dos assuntos mais variados. Você, caro Edu, está inserido na segunda opção. Sabe conversar sobre pornografia barata e Machado de Assis sem ser pedante, ou metido a especialista - ou seja, um exemplar da hilariante e tradicional categoria dos caga-regras. Um grande abraço, Palha
[Leia outros Comentários de Palhinha]
19/11/2003
23h16min
Carvalho, vc é demais! Parabéns pelo seu talento. Agora tenho várias outras colunas suas para ler... Depois quero saber como isso tudo começou. Um grande abraço
[Leia outros Comentários de Alexandre Cutait]
20/11/2003
10h45min
Ótimo! Acredito que muita gente, assim como eu, tenha se sentido mais confortável ao ler seu artigo. O mundo não é feito só de pessoas padronizadas. Tenho 28 anos, e sei que sou mais jovem do que muitos por ai. Fica até difícil encontrar uma "cara metade" e até mesmo um emprego quando se tem um perfil que foge à regra. Quem quiser conversar comigo pode me escrever. Parabéns! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Virgílio Lamaignere ]
20/11/2003
11h54min
é, o problema é que vivemos num mundo de semi-analfabetos metidos a eruditos. por óbvio que as pessoas gostariam de ser cultas, viajar pelo mundo, ter grandes conhecimentos, empíricos e teoréticos (até nesse "teorético" vemos o pecado da vaidade do bundão que o escreve, pois teórico soaria menos pretensioso - a arma dos pseudoalgumacoisa), realizações em grandes feitos e tudo o mais. mas não consigo vislumbrar com clareza a linha que separa a nobreza de intento de um eventual exercício de auto-afirmação. todo mundo quer ser melhor do que é, mas, por ironia de uma natureza indiferente ou de um deus bem pouco paternalista, não é. e fica assim, não sendo e aspirando a sê-lo. poderia terminar o comentário com algum lugar comum, mas prefiro poupar as pessoas disso. senão por respeito, ao menos por economia, tão prestigiada pelo nobre colunista.
[Leia outros Comentários de Carlos]
1/12/2003
16h31min
é bom ver que existem pessoas "ligadas" no que se passa (ou poderia dizer, não se passa), porque enquanto pessoas o mundo caminha para uma zumbização sem tamanho e talvez até sem saída.
[Leia outros Comentários de poly...]
10/12/2003
02h33min
Seu texto me fez refletir um pouco. De fato, reconheço essa camada de jovens que não se enquadram em "tribos" e que detêm uma personalidade bem forte. De certa forma me enquadro nesse grupo, pois tenho um grande apreço por literatura, cinema, história, economia, música, política etc. Enfim, sou ávido por conhecimento. O que me preocupa em seu texto é o louvor exacerbado ocm que descreve esses novos jovens, pois me parece que estes representam um grupo - privilegiado, diga-se de passagem - da sociedade globalizada que se preocupa muito em aprimorar suas qualidades individuais e não liga muito para os problemas do mundo. Nutrem um sentimento arrivista e se mantém distante dos outros de forma soberba e arrogante ( sei que generalizações são perigosas, mas é esta a sensação que tenho de todos estes jovens). Praticam uma forma de hedonismo, curtem a vida de forma desinteressada - o que aliás sempre foi um traço marcante de elites privilegiadas -, enfim representam o desengajamento, desinteresse e conformismo tão típicos da era pós-moderna. Todavia, também vejo uma nova onda de jovens surgindo: são aqueles que ainda acreditam em mobilizações - e não estou falando daqueles barbudos que se acham herdeiros de Che Guevara -, manifestações e ainda fazem política - no sentido amplo do termo,isto é, a prática da cidadania - através de trabalhos voluntários e ONGs e em partidos. Portanto, entre um intelectual desinteressado e um jovem recém-saído da escola pública, mas que se preocupa com os problemas da sociedade ao seu redor e, consequentemente, procura buscar soluções e superar obstáculos,fico com o segundo.
[Leia outros Comentários de Henrique]
21/5/2007
19h58min
Seu texto me fez refletir um pouco. De fato, reconheço essa camada de jovens que não se enquadram em "tribos" e que detêm uma personalidade bem forte. De certa forma me enquadro nesse grupo, pois tenho um grande apreço por literatura, cinema, história, economia, música, política etc. Enfim, sou ávido por conhecimento. O que me preocupa em seu texto é o louvor exacerbado com que descreve esses novos jovens, pois me parece que estes representam um grupo - privilegiado, diga-se de passagem - da sociedade globalizada que se preocupa muito em aprimorar suas qualidades individuais e não liga muito para os problemas do mundo. Nutrem um sentimento arrivista e se mantêm distantes dos outros de forma soberba e arrogante (sei que generalizações são perigosas, mas é esta a sensação que tenho de todos estes jovens). Praticam uma forma de hedonismo, curtem a vida de forma desinteressada - o que aliás sempre foi um traço marcante de elites privilegiadas -, enfim representam o desengajamento.
[Leia outros Comentários de Henrique ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MORTE SÚBITA
J. K. ROWLING; MARIA HELENA ROUANET; IZABEL ALEIXO
HARPER COLLINS BR
(2012)
R$ 9,90



ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO E LÓGICA PARA CRIANÇAS - VOLUME 2
FABIO KATAOKA
GEEK
(2015)
R$ 7,33



A NATUREZA, O HOMEM E A ECONOMIA: CONSIDERAÇÕES, LEIS
HELANO MAIA DE SOUZA
UNB
(2009)
R$ 23,82



CHICO XAVIER EM GOIÂNIA
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
GEEM
(1978)
R$ 5,00



PELOS CAMINHOS DA BORDA
JAIR PALMA ARANJO
GRAFICA LITERARIA
R$ 19,90



A MANDALA E O CALEIDOSCÓPIO
CÍNTIA SCHWANTES
UFPEL
(1999)
R$ 29,90



TÍTULOS DE CRÉDITO DE ACORDO COM O NOVO CÓDIGO CIVIL
ACLIBES BURGARELLI
JURÍDICA BRASILEIRA
(2002)
R$ 12,50



MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL A. DE ALMEIDA
MARTIN CLARET
(2013)
R$ 10,00



CRÍTICA DE LA GLOBALIDAD
VÍCTOR FLORES OLEA
FONDO DE CULTURA ECONOMICA
(2001)
R$ 24,93



DIRETRIZES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA 2009-2014
SBC
SBC
(2014)
R$ 20,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês