Geração abandonada | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/11/2003
Geração abandonada
Eduardo Carvalho

+ de 7500 Acessos
+ 15 Comentário(s)

Uma geração quase abandonada

Existe - mas conserva-se em compreensível silêncio - um estilo de gente, que tem hoje mais ou menos entre 18 e 25 anos, no qual deposito minhas esperanças de que o mundo, se continuar por esse caminho, um dia será melhor. E emprego esse clichê despreocupado, porque, se a frase é batida, o conteúdo não é. Não me refiro a uma espécie de jovem universitário engajado em movimentos sociais, que, com a confiança de quem já tudo sabe, pretende distribuir "consciência" ao resto da população - e que, depois, veste a camiseta anunciando: "eu faço", "eu participo", "eu aconteço", etc., "e você?". O silêncio desses seria, em muitos casos, compreensível; mas eles preferem gritar. Escrevi "estilo de gente", na verdade, por falta de expressão melhor. Essas pessoas não se encaixam num simples modelo de personalidade. Não compõem um grupo específico, nem participam de outros isoladamente. Por isso - por não haver unidade entre os seus membros -, eles não esperneiam em conjunto. Conservam-se em compreensível - e compreensivo - silêncio.

Depois dos hippies dos anos 70 e dos yupes nos 80, a tendência foi, nesta virada de século, a da divisão da juventude - escrevo assim, "juventude", insisto, involuntariamente - em tribos: dos skatistas, dos surfistas, dos clubers, dos esportistas, dos nerds, etc. Essa superficial segmentação do mercado potencializa a eficiência da estratégia mercadológica das grandes empresas, garantindo, ao mesmo tempo, a ilusão de pesonalidade de quem adere a esses clubes, ou, se quiser, segmentos. Mas o que os separa é, na maioria dos casos, apenas o estilo que assumem. Muda a embalagem: o conteúdo, porém, continua igual. Não é, entretanto, repito, sobre mais um desses grupos que escrevo. Não é possível distingui-los pela roupa que usam - nem mesmo pelas opiniões que emitem, ou pelos gostos que cultivam. Porque nunca são iguais. Se precisasse definir, com um único adjetivo, esse estilo que pretendo explicar, eu ficaria quase sem opção, mas depois soltaria: são pessoas civilizadas. E entre 18 e 25 anos, o que, convenhamos, não parece fácil.

E menos fácil ainda: não são vovôs com espinha na cara, usando bengala antes de aprenderem a andar. Mas também não são universitários de barbicha e lenço no cabelo, amarelos e secos, que estufam a barriga com a cerveja da "facu". É mesmo difícil reconhecer essas pessoas exclusivamente pela aparência - talvez porque elas estejam menos preocupadas com ela do que nerds fechados e universitários típicos. Evito esse tipo de adjetivo, mas continuemos: os nerds marginalizam-se socialmente, procurando segurança, por exemplo, em jogos de cartas ou eletrônicos, praticados quase que exclusivamente pelos companheiros de turma. O político de faculdade, ainda organizando passeatas e movimentos, alegando lutar contra misteriosas forças do Mal, está, por sua vez, deslocado do tempo: e discursa como se o mundo estivesse congelado desde os anos 70. A imensa maioria de quem nasceu aproximadamente 20 anos atrás está, então, digamos, ou perdida no espaço - se isolando dos assuntos comuns -, ou perdida no tempo - vivendo, em 2003, um saudosismo ingênuo, que empaca o pensamento atualizado.

Não gosto também de dizer "jovens" - como se estivesse distante dessa fase -, mas sou obrigado a escrever assim. E, de fato, o assunto é este: reparei que existe, na minha geração, pessoas que, por mais diferentes que sejam, reúnem certas características em comum, combinando qualidades impossíveis nas gerações anteriores. Nossos pais não viveram uma época tão interessante e estimulante: que, de um lado, pela sua complexidade, provoca a inteligência atenta, e de outro controla a ansiedade com inúmeras possibilidades de diversão. Há uma minoria lúcida que, informada e educada, foge das tribos promovidas pela MTV, e descobre estimulantes idéias para pensar e aproveitar a vida.

Minha geração - essa mesma, entre 18 e 25 anos - tem uma exclusiva oportunidade nas mãos, que pode ser aproveitada se reconhecida. Não precisamos, em muitos casos, começar a trabalhar cedo, porque o mercado não exige, as faculdades não estimulam e os pais não obrigam. A ciência aplicada à tecnologia ainda revolucionou a telecomunicação, ampliou as opções de entretenimento, encurtou e barateou viagens. Os debates atuais são, depois da Guerra Fria, mais complexos, e há também disponível, para acompanhá-los, mais informações úteis - se bem escolhidas e articuladas. Edições de livros de qualidade, clássicos e contemporâneos, saem constantemente, e pode-se também comprá-los de casa, no idioma que interessar. Assim como as melhores publicações estrangeiras estão cada vez mais presentes nas bancas brasileiras - e todas oferecem assinaturas a países distantes, como o Brasil. Escola e universidades de outros países são também cada dia mais acessíveis, o que promove, mesmo que casualmente, um intercâmbio cultural direto, para quem estuda em outro país. Eu poderia aqui, se achasse necessário, me estender indefinidamente, listando novidades impressionantes mas às vezes esquecidas, por quem prefere sempre resmungar da vida contemporânea e idealizar décadas anteriores.

Às vezes esquecidas, porém: e às vezes, ainda que raramente, lembradas. O que distancia o estilo de jovem - oh, de novo - que elogio do resto que se desperdiça é, em primeiro lugar, a curiosidade pelo mundo; a excitação em descobri-lo e entendê-lo, revirando o tapete e fuçando em buracos; sempre, porém, com uma capacidade crítica ligada, que lhe permite pensar com uma cabeça própria e aberta sobre o que vêem e aprendem. E em segundo lugar: essas pessoas percebem o que de positivo as novidades tecnológicas agregaram, e divertem-se com o que elas oferecem de bom. A novidade, então, desse estilo de jovem que descrevo não é apenas a sua relação de permanente deslumbre com o mundo, nem a sua rara capacidade de descobri-lo e aproveitá-lo. Isso, de certa forma, sempre existiu. O que é novo é a combinação desse espírito vigoroso e atento com um mundo em plena fase de transformação, apresentando características únicas e oportunidades inéditas.

Posso citar inúmeras pessoas com quem convivo, ou a quem fui apresentado, ou de quem assisti aulas, como exemplo desse tipo de pessoa. Não são, claro, a maioria. Mas existe. E não são poucas, considerando o barulho que fazem - quase nulo. São casos que as novelas ignoram. Os seriados não retratam. De gente que não faz tipinho. Que cursa Economia na faculdade e lê sobre a história da música erudita. Que joga tênis, squash, pedala - e conhece todos os filmes de Bergman. Que trabalha num banco de investimento em Nova York e lê Thomas Mann - em alemão. Que sabe quais são as diferenças, geográficas e econômicas, entre Botsuana e Congo. Que pode indicar os melhores restaurantes de Corumbá a Berlim. Que acompanha os avanços da biologia molecular na Nature e os assuntos internacionais na Foreign Affairs. Que estuda Finanças e Astronomia. Que conhece os porões do Brasil - e o centro do mundo. E circula por eles com natural desenvoltura. Sem cometer generalizações como "o mundo lá fora" - como se só houvesse um. E sem admirar absolutamente o Brasil, com aquele sutil e arrogante argumento de quem acha que conhece o resto do mundo - dizendo que "lá fora", mais uma vez, nada é tão bom assim.

Assisti recentemente, por exemplo, ao curso A História da Música Ocidental, lecionado dentro de uma Escola de Administração de Empresas. O professor não tem ainda trinta anos. Não é comunista nem usa óculos. Usa tênis - e fala com propriedade sobre Brahms, Chopin, Mozart, etc., passando por Teoria da Composição e Filosofia da Estética. Sem ser gozadinho - como professores de cursinho - ou pedante - como são vários na universidade. Estou agora freqüentando um curso intitulado A Filosofia do Belo: e o professor poderia ser confundido facilmente, pela aparência, com um analista de mercado do Credit Suisse. Quer dizer: pela imagem, apenas, não se discrimina esse estilo, de gente interessada em arte sem óculos de aros grossos, e em cultura sem ser necessariamente "de esquerda". Conheci, como outro exemplo, em Varsóvia, uma elegante polonesa que havia dedicado sua tese de Mestrado, na cidade do Porto, em Portugal, a Machado de Assis, por quem é fascinada. E que agora, de volta à Polônia, pretende se inscrever num curso de Economia e Finanças. No seu comentário sobre o meu último artigo, enviou a maravilhosa introdução de Proust a O prazer da leitura. Outra amiga canadense, por exemplo, loira e alta, linda, é capaz de recitar Byron e Shakespeare, e conhece detalhadamente Koestler e Dosteievsky. Os exemplos são inúmeros - mas pontuais, porque, como disse, não se trata de um fenômeno generalizado, nem no Brasil nem no mundo.

Reforçam, contudo, a idéia de que essa dicotomia que ainda existe, e começa nessa idade, entre "artistas" e "economistas", "cientistas" e "literatos", etc., precisa acabar. Não se pode mais haver espaço para essas separações forçadas, grosseiras, de tribos, de grupos. E o que essas pessoas às quais me refiro perceberam é que não compensa, por mais forte que seja a pressão da turma, espremer sua personalidade em tribos da moda, assumindo as opiniões do momento. Melhor procurar alternativas a esses estilos tribais: e alternativa é o que, hoje em dia, não falta - se procurada nos lugares certos.

É o que eu precisava, há algum tempo, dizer, já que ninguém dizia: estou positivamente impressionado com certas pessoas da minha geração. Não com a geração em si, claro, separada em guetos e afogada num discurso comum. Com seus membros, na maioria das vezes, alheios aos assuntos atuais, seja porque isolados no espaço ou desencontrados no tempo. Mas tenho convivido, ultimamente, com pessoas da mais fina categoria, antenadas em tecnologia e cultivadas pela literatura, com quem se pode manter uma conversa longa e variada. Passando pela nova safra de contistas brasileiros e pelas publicações de Steven Pinker. Por distantes viagens internacionais a cantões perdidos pelo Brasil. Por fundos de private equity à expansão da fronteira agrícola brasileira. Pela política monetária americana aos lançamentos da música contemporânea. Por comparações de estilos entre tenistas a comparações entre a prosa de escritores russos e franceses. Etc. Mas se o mundo, mesmo assim, ao contrário do que afirmei no início, não melhorar, então pelo menos a conversa - e a vida -, de certas pessoas, já melhorou. O que, como consolo, já é um começo.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 14/11/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
02. Uma entrevista literária de Marta Barcellos
03. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas de Elisa Andrade Buzzo
04. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro
05. Imagina se fosse o contrário de Julio Daio Borges


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/11/2003
1. !
17h31min
Excelente!
[Leia outros Comentários de Fabio Danesi]
14/11/2003
20h51min
Caro Eduardo, nunca imaginei ler algo assim... Um escritor puxa-saco de seus leitores. Com certeza é supreendente encontrar pessoas com essa idade que ainda o utilizam o cerébro para construir idéias próprias. Também impressiona saber que muitos desses grandes homens estão mais próximos do que imaginamos. Ia me esquecendo: obrigado pelos elogíos a nós, leitores do digestivo cultural e de sua coluna.
[Leia outros Comentários de Otavio ]
14/11/2003
23h13min
Nada. Perfeito!
[Leia outros Comentários de Cláudio]
15/11/2003
01h29min
Eduardo, embora eu já tenha 27 anos, me identifico com o grupo de 'jovens civilizados' que você tão bem descreveu. É bom saber que não estou sozinha. Aproveito a oportunidade para lhe dizer que não li em vão o seu "Não li em vão." Parabéns pelos artigos!
[Leia outros Comentários de Geraldine]
17/11/2003
08h45min
Mesmo já tendo passado dos 25 e não tendo tanta densidade intelectual, me identifico com este "estilo de gente". Este texto me conforta. Me ajuda desatar alguns de meus nós existenciais. Obrigado xará.
[Leia outros Comentários de Eduardo Barros]
18/11/2003
10h53min
Eduardo, tô contigo e não abro. No terceiro milênio não existe espaço para especialistas. Ou voce tem uma mente pluralista ou voce vai ter dificuldade em compreender o que vem por aí. A galera dos 18 aos 25 já percebeu isto há muito tempo. É a lei da sobrevîvencia. Jovens de 65 anos, como eu, com mais razões para sobreviver, já percebeu que a sala de trabalho ou de lazer faz parte de um conjunto maior que é o planeta com tudo que tem direito.
[Leia outros Comentários de helio araujo]
18/11/2003
11h17min
Eduardo, depois de ler seu texto a gente tem certeza de que é o fim da entressafra da inteligência! Afinal, você já deve saber, 90% da humanidade é incapaz de cometer um pensamento original, esta é que é a verdade. Vivam vocês, moços lúcidos e transformadores! Vou pedir a meus filhos ( de 17 e 19 anos) para lerem esta coluna. Deliciosa e esperançosa.
[Leia outros Comentários de mirian macedo]
18/11/2003
8. !!!
19h12min
Muito bom Dudu!!!
[Leia outros Comentários de diogo]
19/11/2003
16h42min
Edu, Muito interessante a sua abordagem. As tribos existem - é fato -, e os guetos estão aí, escancarados. Contudo, somente participa dessa geração salvadora quem possui no seu jeito de ser um quê de : vamos ser ecléticos pô ! Mas faço uma ressalva : tudo há que ser natural e espontâneo, pois corre-se o risco de colocar no mesmo bolo um "privilegiado" junto de um caga-regras de ocasião. Oportunista pentelho. A sensibilidade aponta quem é quem. Sou amigo de caga-regras e de pessoas antenadas e com visão crítica dos assuntos mais variados. Você, caro Edu, está inserido na segunda opção. Sabe conversar sobre pornografia barata e Machado de Assis sem ser pedante, ou metido a especialista - ou seja, um exemplar da hilariante e tradicional categoria dos caga-regras. Um grande abraço, Palha
[Leia outros Comentários de Palhinha]
19/11/2003
23h16min
Carvalho, vc é demais! Parabéns pelo seu talento. Agora tenho várias outras colunas suas para ler... Depois quero saber como isso tudo começou. Um grande abraço
[Leia outros Comentários de Alexandre Cutait]
20/11/2003
10h45min
Ótimo! Acredito que muita gente, assim como eu, tenha se sentido mais confortável ao ler seu artigo. O mundo não é feito só de pessoas padronizadas. Tenho 28 anos, e sei que sou mais jovem do que muitos por ai. Fica até difícil encontrar uma "cara metade" e até mesmo um emprego quando se tem um perfil que foge à regra. Quem quiser conversar comigo pode me escrever. Parabéns! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Virgílio Lamaignere ]
20/11/2003
11h54min
é, o problema é que vivemos num mundo de semi-analfabetos metidos a eruditos. por óbvio que as pessoas gostariam de ser cultas, viajar pelo mundo, ter grandes conhecimentos, empíricos e teoréticos (até nesse "teorético" vemos o pecado da vaidade do bundão que o escreve, pois teórico soaria menos pretensioso - a arma dos pseudoalgumacoisa), realizações em grandes feitos e tudo o mais. mas não consigo vislumbrar com clareza a linha que separa a nobreza de intento de um eventual exercício de auto-afirmação. todo mundo quer ser melhor do que é, mas, por ironia de uma natureza indiferente ou de um deus bem pouco paternalista, não é. e fica assim, não sendo e aspirando a sê-lo. poderia terminar o comentário com algum lugar comum, mas prefiro poupar as pessoas disso. senão por respeito, ao menos por economia, tão prestigiada pelo nobre colunista.
[Leia outros Comentários de Carlos]
1/12/2003
16h31min
é bom ver que existem pessoas "ligadas" no que se passa (ou poderia dizer, não se passa), porque enquanto pessoas o mundo caminha para uma zumbização sem tamanho e talvez até sem saída.
[Leia outros Comentários de poly...]
10/12/2003
02h33min
Seu texto me fez refletir um pouco. De fato, reconheço essa camada de jovens que não se enquadram em "tribos" e que detêm uma personalidade bem forte. De certa forma me enquadro nesse grupo, pois tenho um grande apreço por literatura, cinema, história, economia, música, política etc. Enfim, sou ávido por conhecimento. O que me preocupa em seu texto é o louvor exacerbado ocm que descreve esses novos jovens, pois me parece que estes representam um grupo - privilegiado, diga-se de passagem - da sociedade globalizada que se preocupa muito em aprimorar suas qualidades individuais e não liga muito para os problemas do mundo. Nutrem um sentimento arrivista e se mantém distante dos outros de forma soberba e arrogante ( sei que generalizações são perigosas, mas é esta a sensação que tenho de todos estes jovens). Praticam uma forma de hedonismo, curtem a vida de forma desinteressada - o que aliás sempre foi um traço marcante de elites privilegiadas -, enfim representam o desengajamento, desinteresse e conformismo tão típicos da era pós-moderna. Todavia, também vejo uma nova onda de jovens surgindo: são aqueles que ainda acreditam em mobilizações - e não estou falando daqueles barbudos que se acham herdeiros de Che Guevara -, manifestações e ainda fazem política - no sentido amplo do termo,isto é, a prática da cidadania - através de trabalhos voluntários e ONGs e em partidos. Portanto, entre um intelectual desinteressado e um jovem recém-saído da escola pública, mas que se preocupa com os problemas da sociedade ao seu redor e, consequentemente, procura buscar soluções e superar obstáculos,fico com o segundo.
[Leia outros Comentários de Henrique]
21/5/2007
19h58min
Seu texto me fez refletir um pouco. De fato, reconheço essa camada de jovens que não se enquadram em "tribos" e que detêm uma personalidade bem forte. De certa forma me enquadro nesse grupo, pois tenho um grande apreço por literatura, cinema, história, economia, música, política etc. Enfim, sou ávido por conhecimento. O que me preocupa em seu texto é o louvor exacerbado com que descreve esses novos jovens, pois me parece que estes representam um grupo - privilegiado, diga-se de passagem - da sociedade globalizada que se preocupa muito em aprimorar suas qualidades individuais e não liga muito para os problemas do mundo. Nutrem um sentimento arrivista e se mantêm distantes dos outros de forma soberba e arrogante (sei que generalizações são perigosas, mas é esta a sensação que tenho de todos estes jovens). Praticam uma forma de hedonismo, curtem a vida de forma desinteressada - o que aliás sempre foi um traço marcante de elites privilegiadas -, enfim representam o desengajamento.
[Leia outros Comentários de Henrique ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GONZAGINHA E GONZAGÃO: UMA HISTÓRIA BRASILEIRA
REGINA ECHEVERRIA
LEYA
(2012)
R$ 10,00



HORÓSCOPO SEXUAL PARA PRATICANTES
MÁRCIO PASCHOAL
RECORD
(2003)
R$ 10,00



REVISTA PESQUISA FAPESP - FEVEREIRO Nº 204 ERA DOS GENOMAS COMPARÁVEIS
FAPESP
FAPESP
(2013)
R$ 6,00



O DIÁRIO DE DÉBORA: CONFIDENCIAL (SÉRIE CAPRICHO)
LILIANE PRATA
ABRIL/ CAPRICHO
(2003)
R$ 38,90



A SAGA DO COLORADO
JAMES MICHENER
RECORD
R$ 10,00



TECHNISCHE MECHANIK STATIK - DINAMIK - FESTIGKEIT
HORST HERR
EUROPA LEHRMITTEL
(1992)
R$ 89,00



RELAÇÕES REAIS E PRÁTICAS ENTRE A PSICOLOGIA E A SOCIOLOGIA
MAUSS, MARCEL
EDUSP
R$ 49,00



A ASSOMBROSA VIAGEM DE POMPÔNIO FLATO
EDUARDO MENDOZA
PLANETA LITERÁRIO
(2010)
R$ 8,90



A CAÇA AO TESOURO
ANDREA CAMILLERI
RECORD
(2014)
R$ 30,00



O JOGO DA CORAGEM
CLAUDIO LEMBO
CULTURA
(1979)
R$ 7,00





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês