White Stripes: porque o rock não começa no punk | Mario Marques | Digestivo Cultural

busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/1/2004
White Stripes: porque o rock não começa no punk
Mario Marques

+ de 5500 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Há pelo menos dois meses ando calado sobre um determinado assunto. Talvez seja uma espécie de trauma de 2003, o ano que demorei a entender. Ano em que Marcelo Camelo virou Chico Buarque, que Maria Rita virou Elis Regina, que o VJ Rafa da MTV virou poeta-gênio, que o Metallica virou mulherzinha, que o Ozzy virou arroz-de-festa.

E, principalmente, que o White Stripes, essa frase eu ouvi quase traumatizado, complexado, burro, fora de órbita, "se multiplica no palco".

Eu estava lá no show do Tim Festival, em novembro do ano passado, e assisti à constrangedora apresentanção de Jack e Megan White. Para os fãs da banda, e são muitos, o mérito da dupla é atitude e, acho eu, eles a consideram uma espécie de revolução, já que o formato adotado é inédito, Jack na guitarra, Megan na bateria. Já tive discussões homéricas com colegas da praia de jornalismo da área sobre se tocar bem ou não tocar bem importa. Sou defensor de harmonia, melodia e arranjo de primeira. Porque sou da escola do rock progressivo, gênero que pegou a música erudita, tacou num prato cheio de jazz e rock e foi engolido pelo punk, sua antítese. O rock progressivo (que o Radiohead de hoje se inspira escancaradamente) virou som datado e o punk, antologizado pelo Nirvana, virou o golpe de mestre do rock.

É exatamente aí que entra o White Stripes. Jack toca mal, Megan, pior ainda. Não tem harmonia, não tem melodia, é tudo na base do riff e da bateção de panela. Ela com um andamento x, ele com um y. Ela com uma dinâmica, ele com outra. Ela repetindo levadas, ele repetindo acordes de forma intermitente. Ele cantando - ou grasnando - ela tentando, ou se suportando ao monitor.

Então fui aos discos. Ultimamente tenho deixado minha opinião vazar após alguns dias, semanas e até meses de análise porque voltar atrás tem efeito derrotista, confesso. Daí prefiro esperar a poeira baixar, ouvir, reouvir, pesquisar. Com os Strokes aconteceu assim. Os caras são patéticos tocando e são tão amadores que fica claro que cada um deles não tem mais de quatro anos como instrumentista na Terra. Revoltava-me - e ainda me revolta - pôr a banda de Julian Casablancas no olimpo dos Deuses do Rock. Isso nunca vai acontecer, a não ser que Julian se mate, como os mitos do rock. Afora essa possibilidade, na próxima década os Strokes vão virar um Sonic Youth, banda que nunca chegou ao primeiro escalão, como queria a mesma turma que hoje faz preces pelos Strokes. Mas, ouvindo, ouvindo e ouvindo, passei a gostar de algumas das músicas dos Strokes. Bobinhas, cheias de clichê do punk rock, letras pobrinhas e com solos de guitarra indigentes, ainda assim eu mudei de idéia porque eles se preocupam em fazer canções, não em dar vazão a idéias.

Como faz o White Stripes.

A história pode até não ser essa, mas deve ser. Jack e Megan não são uma dupla de rock porque isso é uma estética. Mas sim porque ganham mais dinheiro, não têm que ficar dividindo palco com músicos de verdade (e pagando-os por isso) e são entediados com turmas em volta.

Recentemente vi o show de novo, pelo Canal Multishow, da Globosat. Fiquei muito preocupado com o futuro da música pop. Porque é verdade que lá fora a dupla é um sucesso, é verdade que hoje eles são o hype e, acima de tudo, é verdade que os críticos acham que Jack é um guitar hero.

É tudo verdade.

Mas é uma verdade que eu não entendo, não. Existe uma ridícula e ultrapassada mentalidade de que a atitude em rock conta mais do que a própria música. É uma tese que contamina com mais força os jovens desde o advento do punk e que faz com que artistas como Peter Gabriel, Joe Jackson, John Mayer e Dave Matthews virem inimigos públicos. Gente que passa a vida procurando um acorde, aquele acorde. O Radiohed pós-Kid A entende que sua evolução e transformação passaram pelos anos 70 e certamente não foi por Clash, mas por King Crimson, Genesis. mas ninguém fala isso. Ou não sabe. Porque nunca ouviu nem Genesis, nem King Crimson, nem nada que denotasse qualidade harmônica.

No Free Jazz em que o Sigur Rós virou estrela num mar de apagados, lembro-me que Gabriel Thomaz, dos Autoramas, dizia que o som dos islandeses era lindo. Ele próprio um egresso do punk, entendi ali que tal declaração poderia levá-lo ao plácido mundo da música mais apurada, do jazz, do acid jazz, ou quem sabe aos nomes já citados no parágrafo anterior. É essa a minha esperança. Que um hype do pop-rock leve a um passado que não comece nos Sex Pistols, nem nos Ramones, mas nos Beatles ou no Doors. Que a nova cara musical do Red Hot Chili Peppers seja vista como uma busca de qualidade harmônica, em vez de ser tratada como "apelo comercial" ou "prostitutos do rock". Que o Elbow seja visto como a salvação do rock e não o White Stripes.

Tá bom, a minha esperança já morreu. Mas não me entrego. Eu não engulo o White Stripes.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no recém-inaugurado site Laboratório Pop. (Reproduzido aqui com a devida autorização do autor.)


Mario Marques
Rio de Janeiro, 29/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
03. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
04. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo
05. 80 anos de Alfredo Zitarrosa de Celso A. Uequed Pitol


Mais Mario Marques
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/1/2004
14h55min
prá ser sincero, ouvi 3 músicas do White Stripes e... não gostei; realmente não dá pra engolir...
[Leia outros Comentários de José Aparecido]
9/2/2004
08h05min
Sua coluna foi um desabafo. Você tocou em verdades dolorosas pra muitos ouvidos que se julgam "especiais". Não acho que é culpa do Punk, este tipo de movimento teve sua razão de ser e funcionou. O problema são as reedições... E a culpa é do sistema, dos valores que ele prega, da necessidade de construir mitos e heróis que vendam valores que lhes interessem... Acabamos por supervalorizar alguns talentos razoáveis que surgem por aí e assistir a enganação de bandas bem maquiadas como White Stripes. Radiohead é o melhorzinho, mas a turma Brit já cansou. O POP de tanto se reciclar sobre futilidade, está secando...
[Leia outros Comentários de Patricia Rocha]
9/2/2004
08h19min
Vou encaminhar seu artigo a amigos. O que posso dizer é que não é que o punk é um lixo (porque é mesmo). Essa é a proposta. Quebrar com os pré-conceitos que viram populares e 'mitificam-se' como a verdade dos livros sagrados). Eu, como amante da musica (e instrumentista), tendo a gostar do maior nº de estilos musicais que puder ter contato, respeitando o gosto alheio. Assim como respeito sua opinião, acrescento que, se se diz que White Stripes e Strokes são o que se tem de novo no rock e vc acredita nisso, meu velho, estais perdendo seu tempo pois isso vai passar e tem muita coisa muito melhor por aí, perdida nos bares, esperando ser descoberta. Strokes, sabemos que é banda de filho de produtor, de estilista. Tem um fim, que é ser popular. O Sonic Youth nunca quis ser pop. Eles viram o Nirvana crescer, se repruduzir e morrer. Eles já estavam lá há muito tempo e não se deixam levar pela promessa de céu que o mercado extremamente capitalista da musica se tornou, depois da descoberta dos Beatles. O Sonic Youth é o melhor exemplo de banda que faz o que quer, quando quer e ainda bebe do mercado quando lança 'Dirt' e 'Goo' (dois discos -e os unicos- com musicas pra tocar no radio). Enfim, se o WS está lá é porque quer. Se ouvem e consomem, é porque querem. Tem musica para todos os gostos. Se não te satisfaz isso que é mostrado pela grande midia, olhe para o lado.
[Leia outros Comentários de Eduardo]
13/3/2004
14h13min
É de lamentar, mas já faz tempo que tudo o que é feito no mundo da música tem de vir acompanhado de uma propaganda maciça. O público em geral só conhece aquilo que lhes empurram goela abaixo. O mundo é muito maior do que pensamos, algumas pessoas sabem disso, a grande maioria não. E para falar a verdade, não é todo mundo que realmente se interessa ou sabe identificar uma música de boa qualidade. No geral, o que todos querem é consumir a última "novidade" para "ficar por dentro", "ter atitude" e "se sentir alguém".
[Leia outros Comentários de Virgílio Lamaignere ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS INCAS - COLEÇÃO POVOS DO PASSADO
C. A. BURLAND
MELHORAMENTOS
(1988)
R$ 7,90



AMAPÁ UM NORTE PARA O BRASIL DIÁLOGO COM O GOVERNADOR JOÃO ALBERTO CAPIBERIBE
ELSON MARTINS, RUI XAVIER, ZUENIR VENTURA J. P. CAPOBIANCO
CORTEZ
(2000)
R$ 12,00



A ERA DO CÉREBRO ELETRÔNICO
GILBERT BURCK
RECORD
(1967)
R$ 11,60



LOBOS
RUBEM MAURO MACHADO
RECORD
(1997)
R$ 12,00



O CAPITAL - EDIÇÃO CONDENSADA
KARL MARX
EDIPRO
(2017)
R$ 37,90



OS RESTOS MORTAIS - SERIE ROSA DOS VENTOS - COM SUPLEMENTO DE LEITURA
FERNANDO SABINO
ÁTICA
(1997)
R$ 5,00



LE MAL FRANÇAIS
ALAIN PEYREFITTE
PLON
(1976)
R$ 10,82



O GATO SOU EU
FERNANDO SABINO
RECORD
R$ 15,00



CABEÇA DE PAPEL
PAULO FRANCIS
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 5,50



ESCRITOS SOBRE UM QORPO (QORPO SANTO)
MARIA VALQUÍRIA ALVES MARQUES
ANNABLUME
(1993)
R$ 12,00





busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês