Ao livreiro sem noção | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Minhas Férias (reloaded)
>>> Poema em Linha Reta - Pessoa
>>> Perturbador e cosmogônico
>>> O Fino da Fina
>>> Poesia, no tapa
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Um safra de documentários de poesia e poetas
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Leitura, curadoria e imbecilização
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> Contos de Machado de Assis pela Agir (1963)
>>> Contos de Machado de Assis pela L&PM Pocket (1999)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela L&PM Pocket (1998)
>>> Helena de Machado de Assis pela Tecno Print (1967)
>>> Uma mulher na escuridão de Charlie Donlea pela Faro Editorial (2017)
>>> Morte Súbita de J.K. Rowling pela Casa dos Livros (2012)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade (1962)
>>> Levando a Vida Numa Boa de Ernie J. Zelinski pela Sextante (2003)
>>> Corpos Inversos de Rodrigo Noval pela LP-Books (2017)
>>> Parábolas Eternas - Reflexões para enriquecer a vida com sabedoria, alegria e emoção de Legrand pela Soler (2004)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural / W. Bucb (2007)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Abril Cultural (1981)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Ática (1976)
>>> Fundamentos em Ecologia de Colin R. Townsend, Michael Begon e JohnL. Harper pela Artmed (2006)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Zero Hora / Click (1997)
>>> Folhas do Jardim de Morya Livro 2 de Mestre Morya pela Agna Yoga (1973)
>>> O banquete dos sentidos de Lúcia faria Nascimento e Edir Nascimento e Silva pela Bei (1998)
>>> Revista da Faculdade de Direito da FMP nº 06 de Fundação Escola Superior do Ministério Público (org) pela Fmp (2011)
>>> Repartição da renda - pobres e ricos sob o regime militar de Paulo Singer pela Zahar (1986)
>>> O código Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Tropical Sol da Liberdade de Ana Maria Machado pela Nova Fronteira (1988)
>>> Manuscritos do Mar Morto de Adam Blake pela Novo Conceito (2013)
>>> Estudios del Trabajo - nº 37/38 de Asociación Argentina de Especisalistas en Estudios del Trabajo (org) pela Aset (2009)
>>> Contos de amor rasgados de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> Quincas Borga de Machado de Assis pela Tecno Print
>>> Ciranda de pedra de Lygia Fagundes Telles pela José Olympio (1981)
>>> Amplitude 1- Você onde se põe -só para quem quer a verdade de Gasparetto pela Vida E Consciencia (1997)
>>> O que é psicologia de Richard H. Henneman pela José Olympio (1982)
>>> Amar, verbo intransitivo de Mário de Andrade pela Ime (1980)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2010)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Estudios del Trabajo - nº 34 de Asociación Argentina de Especisalistas en Estudios del Trabajo (org) pela Aset (2007)
>>> Magno de Maria Luiza de Queiroz pela José Olympio (2007)
>>> Filhotes de Cube Book pela Sextante (2010)
>>> A extinção do crédito tributário por decurso de prazo de José Hable pela Brasília Jurídica (2004)
>>> Procedimentos Básicos em Microbiologia Clínica de Vários pela Sarvier (2000)
>>> Canine - Feline Nutricion de Vários pela Mosby (2010)
>>> Você é Insubstituível - este livro revela a sua biografia de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Da ação cautelar fiscal de Carlos Henrique Abrão pela Universitária de direito (1992)
>>> Adão e Eva Voavam em Atlântida de José Francisco pela Futurama (2013)
>>> O mundo mudou ... bem na minha vez! de Dado Schneider pela Integrare (2013)
>>> Coreção monetária: concordata e créditos fiscais de Eros roberto Grau pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> O Lugar dos Inocentes - A Trilha levava até a entrada dessa clareira de Núbia Moura Ribeiro pela Pensamento (1999)
>>> Memorial de Aires / Ressurreição de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Iaiá Garcia / Helena de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> A aventura de Miguel Littin clandestino no Chile de Gabriel García Márquez pela Record (1986)
>>> A chave do tamanho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1950)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/2/2005
Ao livreiro sem noção
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Publicar livro, no Brasil e em qualquer lugar do globo terrestre, é um movimento difícil e contínuo. Também é o fetiche de muita gente, que sequer tem um projeto literário. Nada de mal nisso. As pessoas podem apenas ter vontade de publicar um livro para sua satisfação pessoal e para homenagear parentes e amigos. Assim como há muitas pessoas que acham que têm boas histórias para contar e pensam que livro se faz apenas disso.

Para tanto estão aí as gráficas, as rápidas, principalmente, e os programas de computador que podem ser instalados em casa e oferecem a possibilidade, real, de se fazer um livro sem sair de casa. Depois, paga-se uma gráfica para rodá-lo. Isso deve sair por mais ou menos 3 mil reais, dependendo do acabamento, do número de páginas, da gráfica, etc.

As editoras, no entanto, não deveriam funcionar como gráficas. A editora é o selo que garante ao autor (ou deveria garantir) sua entrada numa rede mais seletiva de leitores e autores. A casa editorial deveria ter a premissa da credibilidade, uma vez que deveria manter um conselho editorial de gente interessante, nem sempre um grupo de amigos. A editora também deveria garantir a distribuição da obra por livrarias de todo o país e a divulgação do lançamento, assim como resenhas interessantes, que ajudassem os nomes de autor e obra a circular.

Mas é demais falar nisso para editoras pequenas e médias. Grandes selos, conhecidos até internacionalmente, conseguem fazer tudo, mesmo a distribuição custando 45% do preço final do produto. Mas as editoras pequenas, que quase não têm o que investir, lançam o livro, conseguem divulgação e resenhas, graças ao mailing inteligente do editor, mas distribuir continua sendo um imenso obstáculo.

No Brasil, de uns anos para cá, as editoras pequenas ganharam destaque. Lançaram bons livros de autores escondidos pelas gretas do país, fizeram estardalhaço e ganharam páginas em grandes jornais e revistas. Ao ponto de continuarem pequenas em tamanho, mas grandes em influência. Os grandes selos, que não são bestas, aproveitaram a onda de gente boa (ou bem-divulgada) e passaram a comprar esses passes a preço de banana. O autor que saiu do anonimato e alcançou algum respeito fica satisfeito de entrar para o catálogo de uma notável editora grande e quase agradece de joelhos essa dádiva.

Isso não devia ser assim. Pensando bem, melhor seria se o autor já fosse respeitado pelo bom trabalho, estivesse ele numa pequena ou numa grande casa editorial. E nos catálogos das grandes também entram maus autores, mas bons de lábia, bons de garimpar matérias no caderno de adolescentes, afinal, a grande editora quer vender. Ela quer acertar nem sempre na qualidade, mas na quantidade. Se o autor virar roteiro de cinema, tiro certeiro. O livro pode ser encontrado até mesmo na vitrine de uma megastore.

Mas vejam: o autor que não é alçado para um catálogo mais estiloso e continua no staff da editora pequena mantém sua batalha quase corporal de fazer turnê pelo país com grana do próprio bolso, de ficar nas casas dos amigos nas cidades por onde passa, de morrer de alegria pela notinha no jornal e de vender livro até pelo e-mail pessoal.

Em geral, a pequena editora não dá conta de distribuir o livro por um espaço muito grande, então o próprio autor toma isso nas mãos (calejadas de escrever e de bater em porta de editora). Ele mesmo entrega a obra em livrarias que possam fingir de interessadas e recebe ali um papelzinho que garante que houve consignação. Compra, nem pensar, afinal aquele livro não garante nada. Muito menos lucro, mas ao menos estará escondido nas prateleiras de alguma loja. E passam-se os meses e ninguém telefona pra dizer se vendeu algum exemplar.

Caso o autor tenha bom raciocínio gerencial e queira atuar como secretário de si mesmo, ligará de 3 em 3 meses (prazo de praxe) para as livrarias e será informado: a) que o livro não entrou no banco de dados, por isso eles não podem informar; b) que o livro não vendeu exemplar nenhum; c) que o livro vendeu um exemplar e que o autor pode vir buscar os outros; d) que não sabem e vão ligar depois.

É claro que as livrarias não ligam e que o autor não recebe nem um centavo pelos livros vendidos. Em Belo Horizonte, por exemplo, vale a pena fazer um teste de eficiência, mesmo nas livrarias menores e nas que se dizem também editoras. Em apenas um caso, citável, o livreiro (também proprietário) soube, prontamente, informar o número de exemplares vendidos, os que sobraram e ainda acertou valores em conta bancária para o autor. A Crisálida, pequena livraria e editora no lendário Edifício Maletta, tem a exata noção do que seja respeito e cooperação com o trabalho alheio. Algo que nunca é demais, principalmente quando alguém faz disso a sua profissão.

Em outros lugares do país não deve ser diferente. São conhecidos os casos de descaso, digamos assim, em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Curitiba, em Porto Alegre e em lugares até bem menos metidos a besta.

Publicar um livro é uma aventura. Quando o autor tem projeto literário, é uma aventura cheia de surpresas e alegrias. O segundo livro é ainda mais apaixonado. O terceiro precisa ser bancado por uma editora de verdade, para que tudo deixe de parecer uma brincadeira cara. Mas publicar um livro tem desses pequenos fracassos que deixam o autor muito frustrado: depender de outros, porque publicar um livro, desde tempos imemoriais, é trabalho de equipe.

As equipes editoriais de antes de Cristo já trabalhavam de forma muito parecida com as equipes de hoje. Até mesmo os nomes técnicos e o jargão da área são herança de outros tempos (já ouviu falar em caixa-alta?). No entanto, se antes o autor dependia, absolutamente, de um editor, hoje ele entra num esquema de do it yourself, o que tornou tudo muito mais democrático (com algum exagero). Mas respeito independe disso, não é mesmo? Ou respeito também se compra junto com o selo da editora?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
03. O primeiro assédio, na literatura de Marta Barcellos
04. Kleztival: celebrando a música judaica de Heloisa Pait
05. Por que a discussão política tem de evoluir de Julio Daio Borges


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/3/2005
16h25min
Às vezes acho que publicar o segundo livro é mais difícil que o primeiro...
[Leia outros Comentários de Denny Yang]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FAMÍLIA MODERNA E A SOLUÇÃO DOS SEUS PROBLEMAS
SÉRGIO COLLINS
BRASILIENSE
(1968)
R$ 7,50



INSPEÇÃO AMBIENTAL IMOBILIÁRIA
FERNANDO COELHO DE CASTRO E ELOIZA LUTERO ALVES
LEUD
(2004)
R$ 30,00



PERIGO ENTRE ESPIÕES, OS MESTRES DA LITERATURA POLICIAL
PETER CHEYNEY
LIVROS DO BRASIL
(1999)
R$ 18,98



AMOR DE PERDIÇÃO
CAMILO CASTELO BRANCO
CIRANDA CULTURAL
(2017)
R$ 9,00



CLÁSSIICOS DA LITERATURA JUVENIL - O CAPITÃO TORMENTA
EMÍLIO SALGARI
ABRIL
(1972)
R$ 7,90



RUI BARBOSA E JOSÉ MARCELINO
MARIA MERCEDES LOPES DE SOUZA
CASA DE RUI BARBOSA
(1950)
R$ 70,00



A REVOLUÇÃO DA DIALETICA
SAMAEL AUN WEOR
AEF
(2015)
R$ 28,00



MACHADO DE ASSIS, MAS ESTE CAPÍTULO NÃO É SÉRIO
FOLHETO
NÃO INFORMADA
R$ 10,00



JULIA ESTRANHA FASCINAÇÃO
LAURA MARTIN
NOVA CULTURAL
R$ 9,00



A VIUVINHA ENCARNAÇAO
JOSE DE ALENCAR
MARTIN CLARET
(2001)
R$ 5,00





busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês