Desconstruindo o Russo | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
33839 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Boituva recebe cantor Jean William e grupo Jazz Trio em apresentação gratuita
>>> Exibição do documentário "ECO - Cantos da Terra" no Lab Mundo Pensante
>>> Sesc Birigui apresenta por+vir e A Mão do Meio - sinfonia lúdica com a Cia de Danças de Diadem
>>> "Orfãos de São Paulo" é tema de evento com entrada franca
>>> Sesc Ipiranga recebe Cris Narchi
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
>>> Lugar comum
>>> Chaleira
>>> O que sei do tempo III
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de formatura do Ensino Médio
>>> Arena sangrenta
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> The Accidental Billionaires, de Ben Mezrich
Mais Recentes
>>> Batuque é um Privilégio
>>> João Cabral de Melo Neto o artista inconfessável
>>> O Círio perfeito
>>> Gênesis Volume I
>>> A Origem do Universo
>>> Restaurando o lugar da Habitação de Deus
>>> Estudo Vida de Gênesis Volume dois
>>> A Ligação
>>> Cahiers du Brésil contemporain Nº75/76
>>> A aventura grega
>>> História da guerra do Paraguai
>>> Fazer e Compreender
>>> Historia de Egipto
>>> A guerra do Peloponeso
>>> Travessias dificeis
>>> História da América Latina - Vol.1 América Latina Colonial
>>> Pobre Nação
>>> O império imóvel ou o choque dos mundos
>>> Lendas e Tradições
>>> Guerreiros e Camponeses
>>> Evolução agrária e pressão demográfica
>>> Nugae - teoría de la traducción
>>> Passagens da antiguidade ao feudalismo
>>> Nazismo: política, cultura e holocausto
>>> O templo da Aurora - Volume 3
>>> Getulio Vargas (coleção Perfis brasileiros)
>>> Bairros rurais paulistas
>>> Breve história de Africa
>>> O hino homérico a Apolo
>>> Israel At The Pools - The Knesset Elections of 1977
>>> The Teaching of politics
>>> A Cidade Antiga
>>> O Médico e o Monstro
>>> Código Brasileiro de Defesa do Consumidor - Comentado Pelos Autores do Anteprojeto
>>> Fundamentos de Direito da Seguridade Social
>>> A Luz da Ioga
>>> Direito Constitucional
>>> O Retrato de Dorian Gray
>>> Lei Orgânica Do Município De São Paulo
>>> Constituição Do Estado De São Paulo
>>> Dos Crimes Contra os Costumes Aos Crimes Contra a Administração
>>> A. w. pink ( Deus é soberano )
>>> O Tempo dos Assassinos- Um Estudo sobre Rimbaud
>>> Pierre Teilhard de Chardin
>>> Legislação Penal Especial - Fundamentos Jurídicos
>>> A Defesa Dos Interesses Difusos em Juízo
>>> Yoga Para o Corpo, a Respiração e a Mente
>>> As Mais Belas Técnicas de Reiki
>>> Manual de Petições Cíveis - Criminais - Trabalhistas
>>> A Arte Da Estratégia
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Sexta-feira, 21/7/2006
Desconstruindo o Russo
Julio Daio Borges

+ de 20600 Acessos
+ 13 Comentário(s)


Renato Russo por William Medeiros

"Olha, o disco estava sendo planejado para ser um álbum duplo. Iam ser 25 músicas. Grande parte desse material teria base acústica. A gente estava pegando muita coisa feita entre Aborto Elétrico e a Legião, música que eu tocava no violão. Íamos fazer arranjos para o conjunto tocar. Não deu certo por causa de uma série de problemas. Então tivemos que fazer uma redefinição do trabalho. Agora será um disco com 12 músicas, que tem um fio condutor, uma idéia central.(...) Tem muita música de amor, mas tem, também, música que fala do social, do político, mas num contexto emocional, num contexto individual, algo mais ou menos como 'Baader-Meinhof Blues', só que sem aquela parte negativa. Eu acho que as idéias da gente estão bem gerais e não muito específicas. É um lance assim, ao invés de falar das pessoas que poluem os mares, ou das guerras, a gente prefere falar do universal, da experiência individual(...). Todo mundo respira, todo mundo sonha, todo mundo é confuso sexualmente(...), todo mundo tem medo da morte. Então a gente quer falar sobre isso: do ponto em comum que une todas as pessoas."
Renato Russo, sobre o Dois

Legião Urbana me marcou muito na adolescência. Na juventude, eu descobri a música brasileira, além do rock, e passei a admirar Cazuza muito mais que Renato Russo. Cazuza tem achados verbais que eu considero até hoje e poderia ter transposto o rock, como transpôs em "Faz parte do meu show" (uma letra genial que a novela, claro, estragou). Renato Russo, pouco antes de morrer, se aventurava em outros gêneros, como o sempre revisitado american songbook (The Stonewall Celebration Concert, 1994), e como o pop italiano contemporâneo (Equilíbrio Distante, 1995) - fora que planejava gravar os "mineiros" (do Clube da Esquina em diante). Não houve tempo. Ou houve, e ele não conseguiu se livrar da pecha de "roqueiro".

Embora minha admiração estética por Cazuza seja muito maior, e eu o entenda melhor como artista, porque ele era um todo - cênico, lírico, etc. -, o Renato Russo permanece um enigma. Analisando friamente agora, não acho tanta graça nas letras da Legião Urbana, mas, quando escuto as canções, sinto que algumas delas ainda podem me levar às lágrimas... Por quê? É o que tento responder neste texto.

O Renato Russo permanece enigmático porque, ao contrário do Cazuza (com toda a sua loucura), ele não tinha um projeto estético. O Cazuza escreveu sobre a sua geração, coisas que podem ser lidas até hoje (como um manifesto), sobre seu envolvimento com o rock etc. - e soa bastante coerente. Tanto é que puderam fazer um filme inteiro sobre ele.

Para escrever aqui, fui atrás de um livro de entrevistas que tenho sobre o Renato Russo - meio oportunista, é verdade, editado logo depois que ele morreu -, mas, em vez de esclarecer, me confundiu mais. Ao contrário do Cazuza que lidava muito bem com a mídia (até naquela capa polêmica da Veja), Renato Russo lidava muito mal com os jornalistas. Era introvertido e detestava a exposição. Cazuza era um ser de palco, que estreou no Circo Voador e que estourou a voz logo no primeiro show do Barão; já Renato Russo não gostava de turnês, era desengonçado quando dançava, tentava desfazer a aura messiânica (em vão) e arranjou, quase sem querer, brigas nos próprios shows. A Legião Urbana não tocava em festivais; o Barão Vermelho se consagrou no Rock in Rio I. Cazuza era, como escrevi, um "narciso"; Renato Russo era feio e queria ter nascido Alain Delon.

Então, as entrevistas de Renato Russo pouco me ajudaram a entender quem estava por trás das letras. Claro que poeta não é necessariamente "eu lírico", mas eu gostaria de encontrar as pistas para o que o letrista Renato Russo andou realizando. O que ele leu, por exemplo? Ele nunca respondia diretamente. Falava em "Shakespeare", apenas para ser genérico; citava "Drummond", naturalmente, como todo mundo cita. Penso que era mais sincero quando elencava Chico & Caetano - sobretudo o impacto que lhe causou Construção (impacto que não refresca muito, porque foi causado em praticamente todo mundo pós-1971...). De qualquer modo, confirmei uma hipótese: Renato Russo ouviu muito rock, e ponto final. Era um filho da "revolução" (de 64), morou fora em criança (nos EUA, seu pai era funcionário do Banco do Brasil), xingou mas consumiu os "enlatados" todos - e escreveu sobre esse "lixo" (comercial, industrial), que "cuspiu de volta", em forma de canções, "em cima de vocês" ("Geração Coca-Cola").

Se o background do "artista" Renato Russo não me deixou muitas pistas - ou trilhas profundas que justificassem minha inicial fascinação -, desisti do objeto e parti para o sujeito. Por que aquilo tudo, de repente, me disse tanto? O que era "aquilo tudo"? Eu conseguia "delimitar"? Uma vez "delimitado", eu conseguiria, por fim, explicar?

Descobri, nessa investigação, que a Legião Urbana que me interessava estava nos três primeiros álbuns. Mas não era tanto o punk rock do início, nem o começo de um papo cabeça, "adulto", que se consolidaria a partir de As Quatro Estações (1989). O epicentro, digamos assim, do meu interesse estava no Dois (1986). O segundo disco, aquele do lado acústico, do lirismo adolescente que o Renato compôs, cronologicamente, antes dos vinte anos.

Em seguida, fui ouvir os CDs - e detectei uma porção de temas que despertaram o interesse de uma verdadeira multidão (eu lá no meio...).

Musicalmente, os três primeiros discos são confusos porque misturam as composições da banda punk que precedeu a Legião Urbana, o Aborto Elétrico, com o tal do approach acústico, com uma temática pós-juventude que devagarzinho surge... Ouvindo com atenção - não com ouvido de fã -, as diferenças saltam aos olhos. E a produção fica meio estrambótica; tanto que a própria banda tentou explicar isso num texto introdutório, encartado em Que país é este? (1987, o terceiro). Para completar a salada, segundo as entrevistas do livro que eu li, o Dois e o "Três" eram um álbum duplo único, feito com o intuito de ser lançado assim no mercado. Ou seja, esmiuçar a coisa faixa a faixa dá um trabalho danado porque, embora haja três discos físicos, faltou unidade e, conceitualmente, amarração.

Se é, para mim, quase impossível falar de Legião Urbana (1985, o Um), Dois e Que país é este?, cada um como um projeto em separado, agrupei os assuntos "cantados" de acordo com as fases da vida, e cheguei, creio, a um resultado mais interessante.

Fora a adolescência, que pegou a mim e mais a tantos milhões, há também uma certa "juventude" e a já citada "idade adulta". (Sempre dentro da perspectiva do Renato Russo.) A juventude está meio misturada com a adolescência, então vou falar dela aqui também. Já a fase "adulta" vou jogar fora, porque acho meio batida. Nela, há a televisão, o consumo de massas, o golpe militar, Brasília, a burocracia, a violência da polícia, a violência urbana, o rock e o País do Futuro. Um vocabulário de que estamos já cansados - e um vocabulário que o Renato Russo mesmo não domina 100%. Quando ele tenta fazer sociologia, ele me soa ingênuo. Para mim, só quando ele é "adolescente" (e "jovem") é que ele é autêntico.

Concluí que a adolescência - para quem não lia e vivia aquela época no Brasil dos anos 80 -, está inteira em "Quase sem querer". A confusão, a indecisão, o "diferente". Ao mesmo tempo, a impaciência e a "tranqüilidade"; a distração e o contentamento. Renato Russo cantou tudo isso nos seis primeiros versos da música. (Quem sabe, lembra; quem não sabe, deveria ouvir.) Mais para frente, ele completava que "procurava explicação para o que sentia"; e, mais atrás, ele insinuava que toda essa metamorfose, psíquica, acontecia por causa de uma paixão (!). O "eu" de "Quase sem querer" afirmava não ser mais "criança" e descobria o amor através do pranto do ser amado... Eu não sei quanto a vocês, mas a marca da minha adolescência foi meu primeiro amor. Em 1985. Então, em 1986, "Quase sem querer" caiu como uma luva.

Além da adolescência em si, Renato Russo é muito hábil ao abordar o conceito de tempo, como ele "muda", como o percebemos quando "crescemos"... "Tempo Perdido", é óbvio. A angústia que eu senti, aos catorze anos, quando aventei a hipótese de minha morte, e o mundo simplesmente continuando sem mim...! Acordar, "todos os dias", e perceber que o ontem já foi - diz a canção. Ao mesmo tempo (ao notar isso), ser "tão jovem" e ter "todo o tempo do mundo". O jovem tem, em resumo, a ilusão da própria imortalidade mas tem, também, a consciência da sua finitude. Mas, e aí, qual a solução? "Sempre em frente", o vocalista responde. E a modernidade, e os tempos modernos, batem à porta: "Não temos tempo a perder". Quantos "tempos" até agora, você contou? Renato Russo, espertamente, não fecha a equação - descamba para a relatividade: "Temos nosso próprio tempo", define.

Fora "Quase sem querer" e "Tempo Perdido", a mais emblemática da adolescência, em Dois, é "Andrea Doria" - uma das poucas que Renato Russo admitia que se sustentava como "poesia", porque ainda fazia sentido sem a música. De novo, as mudanças e as inseguranças típicas dessa fase da vida: "Eu sei - é tudo sem sentido". A carência: "Quero tua força, como era antes". A descoberta e a busca, incessante, do outro (em suma): "Quero ter alguém, com quem conversar. Alguém que, depois, não use o que eu disse... contra mim". E o fechamento como a constatação da diferença, movida por uma forte rejeição (a homossexualidade, talvez?), ou por conta de uma individualidade que sempre se choca contra o grupo (no meu caso, também): "Nada mais vai me ferir... É que eu já me acostumei, com a estrada 'errada' que eu segui, como a minha própria lei" (aspas minhas).

É uma filosofia de vida que guarda muito sentido quando, já no primeiro disco, ele declara na primeira faixa: "Eu posso estar sozinho, mas eu sei muito bem (a)onde estou". O tipo de afirmação, ou de percepção, da solidão que me atraiu muito. E a outros tantos, também... E Renato Russo projetava a sua solidão nos "outros", que seguiam a turma, que adotavam os modismos (que eu também detestava), em "A Dança": "Você com suas drogas/ E as suas teorias/ E a sua rebeldia/ E a sua solidão!". Berrava a última palavra; e podia muito bem estar diante de si, no espelho. Uma solidão de abandono, não apenas sentimental, aparecia em "Ainda é cedo": "Eu só queria estar ali: sempre ao lado dela - eu não tinha (a)onde ir". Uma história ainda mais desalentadora quando revela o seguinte fato (um ponto de inflexão na narrativa): "Ela também estava perdida - e, por isso, se agarrava a mim também. Eu me agarrava a ela. Eu não tinha mais ninguém". (Agora, lendo, brota um aspecto maternal que antes me escapava, para enriquecer e, claro, complicar.)

E nos fisgaram - falo de mim e dos milhões de compradores de discos da Legião Urbana -, os amores (não só platônicos), as histórias, até as aventuras que ainda iríamos viver (ou gostaríamos de). É a ponte, no meu ponto de vista, entre a fase da "adolescência" e a da "juventude" - na "poética" do Renato Russo. "Ainda é cedo" (continuando...) guarda, evidentemente, isso: "Uma menina me ensinou, quase tudo que eu sei(...) Ela fazia muitos planos(...)". Um primeiro amor, fisicamente consumado, que acaba de maneira triste: "Ela me disse: 'Eu não sei mais... o que eu sinto por você. Vamos dar um tempo... Quem sabe, um dia, a gente se vê'". Depois de ofensas mútuas: "Falamos o que não devia nunca ser dito por ninguém". E Renato Russo, ou o "eu lírico", não se conformava no refrão: "E eu dizia: 'Ainda é cedo. Cedo, cedo, cedo...'". (Agora me ocorre a lembrança de um amigo que viveu exatamente essa história - e, anos depois, ainda escrevia cartas para a tal fulana, que lhe ensinou tudo.)

"Eduardo e Mônica", de tão bem construída, se tornou emblemática, mas eu prefiro pulá-la porque ficou muito marcada e porque eu vejo nela mais um aspecto de comédia, de crônica de costumes, do que uma profundidade mais presente nas letras genéricas e não-específicas. "Faroeste Caboclo", idem - complementando com o aspecto social, igualmente bem acabado, mas que não me convence 100%. (Será, por exemplo, que alguém tomou alguma medida - falo do poder público - depois de ouvir essa "denúncia"?) "Eduardo e Mônica" eram "amigos" de Renato Russo na realidade - uma amizade que dava saudade no verão - e eu destaco apenas o trecho em que eles descobrem o amor: meio, de repente, uma "vontade (louca) de se ver"; uma vontade que "crescia" - "como tinha de ser". E "Faroeste Caboclo", tirando o ataque de sociólogo do Russo, na minha ótica, é meio autobiográfica, pois o protagonista "sentia que aquilo ali não era o seu lugar" (Russo: de Brasília ao Rio) e "de escolha própria" (na sintaxe do Riobaldo) "escolheu" - adivinha o quê? - a "solidão" (!).

Eu fecharia o painel com "Eu sei". Não à toa, uma canção oficialmente do Dois que passou para o "Três" (Que país é este?). Pela décima vez, a incomunicabilidade, a incompreensão e, óbvio, a rejeição, o conflito: "Palavras são erros - e os erros são seus". Para, no momento subseqüente, sofrer um ataque de humildade e passar por uma expiação: "Não quero lembrar... que eu erro também". E o resultado da experiência acumulada no processo: "Um dia, pretendo tentar descobrir... porque é mais forte quem sabe mentir". E apenas para rimar e fechar outra estrofe: "Não quero lembrar... que eu minto, também". Estamos no primeiro minuto de "Eu sei" (ainda faltam dois) e ele poderia muito bem encerrar, mas continua. Adolescente, sem dúvida: "Fecha a porta do seu quarto. Porque, se toca o telefone, pode ser alguém... Com quem você quer falar... Por horas e horas e horas..." (Quem não fez isso vivendo na época pré-celular, pré-e-mail e pré-instant messaging?). A adolescência, como todo mundo sabe, finda com a juventude: "A noite acabou. Talvez tenhamos de fugir sem você" (grifo meu). E uma metáfora da situação: "Somos pássaro novo, longe do ninho".

Depois que eu cresci, que a adolescência - ou a "noite" - "acabou", eu nunca mais tive o mesmo interesse pela Legião Urbana. Dispensei-a, como a gente dispensa alguns mentores, algumas muletas. As Quatro Estações, hoje, eu considero até um bom álbum, mas, à época, devido ao bombardeio de "Pais e Filhos" nas FMs, me pareceu cafona ("É preciso amar...") e um pouco conformista (tipo "ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais"). Na seqüência, no V (1991), "Teatro dos Vampiros", com aquela autocomplacência tão classe média ("meus amigos todos estão procurando emprego") e "O mundo anda tão complicado", de uma simplicidade desconcertante ("vem cá, meu bem, que é bom viver"?). O que houve com o poeta? Havia se tornado, como temia Pessoa, "casado, cotidiano, fútil e tributável"? Que lástima! Que saudade do Aborto Elétrico...!

Felizmente, para o bem da estética, ele retornou em A Tempestade (1996), embora o desfecho, como todos sabemos, tenha sido trágico - com a morte do bardo. E eu adoro aquele refrão: "Mas você só quer algodão doce!". Ou então: "Quando eu penso em você, eu tenho febre". A autocomiseração também reaparecia, mas, naquele contexto, ela era honesta - ele estava pedindo ajuda, sim, mas nós, como sempre, não podíamos ajudá-lo. Escrevia, ainda, o último capítulo de suas eternas desilusões amorosas: "Longe do meu lado". "Dezesseis" era, como não poderia deixar de ser, o último suspiro na linha épica de "Eduardo e Mônica" e "Faroeste Caboclo". As sobras de estúdio, em Uma outra estação (1997), seguiam no embalo da autópsia psicológica (reveladora) - e é incrível que, com aquele fiapo de voz, Renato Russo, em sua agonia, tenha se aproximado, uma última vez, de Cazuza. A Tempestade e Uma outra estação seriam, num duplo, Burguesia (1989) reloaded. "Dado viciado" estava, finalmente, gravada. Mas eu escolheria como epitáfio, e para descer, aqui, o pano, "Comédia romântica":

"Acho que só agora eu começo a perceber
Tudo que você me disse
Pelo menos, (do) que lembro que aprendi...
Com você
Está realmente certo.

"Bem mais certo do que eu queria acreditar
Você gosta mesmo de mim
Se arriscando...
A me perder assim
Ao me explicar o que eu não quero ouvir.

"Ainda não estou pronto pra saber a verdade
Como eu estava até há uma estação atrás.
(Até uma estação atrás.)

"Acho que só agora eu começo a ver
Tudo que você me disse
É o que você gostaria que tivessem dito...
Pra você
Se o tempo pudesse voltar dessa vez.

"Sou eu mesmo e serei eu mesmo então
Não há nada de errado...
Comigo, não.
(Não, não, não.)

"Não preciso de modelos, não preciso de heróis.
Tenho meus amigos e, quando a vida dói,
Eu tento me concentrar... num caminho 'fácil'.

"Sou eu mesmo e serei eu mesmo então
E eu queria...
Que o tempo pudesse voltar desta vez.
(Oh, yeah!)"

Renato Russo

Nota do Editor
Leia também "Memórias de Dois".


Julio Daio Borges
São Paulo, 21/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
02. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
03. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
04. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
05. Terna e assustadora realidade de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
02. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/7/2006
08h53min
Maravilhosa a abordagem a respeito desse ícone da juventude, também sou fã de Cazuza e gosto mais dele, da poesia, do dinamismo, do escapismo, enfim, da coragem da poeta, mas me parece que Renato falou ao meu coração de criança, chegou mais facilmente à minha inocência, já Cazuza extrapolou, conseguiu falar ao meu eu adulto. Cada um a seu modo merece estar presente dentro do nosso coração.
[Leia outros Comentários de Rodolfo]
21/7/2006
09h24min
Julio, tenho que confessar que às vezes me dá uma raiva danada de algumas coisas que você escreve, porque soa cínico e pretensioso. Mas o contrário também é verdadeiro, e por isso eu continuo voltando pra te ler. Hoje, com essa análise à primeira vista solta e sem propósito, você surpreendeu pela lucidez e sensibilidade, e devo dizer que gostei muito do seu artigo. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Lívia Santana]
21/7/2006
21h20min
Salve, Julio! Como fã de Cazuza e Renato, fiquei feliz com sua abordagem sobre os dois. E sempre defendi que Cazuza tem letras fortes e maduras, uma presença de palco marcante. Suas letras que falam de amor têm maturidade, poesia. O Renato funciona no contexto geral, com a combinação letra/música, era um burguês punk de Brasília, rebelde adolescente, romântico, artista, apático, culpado. Cazuza era burguês, desgarrado, rebelde sem culpa e sem medo, acima de tudo, poeta. Sinceramente, Ayron de Melo.
[Leia outros Comentários de ayron de melo]
22/7/2006
02h28min
Uma vez o Fernando Sabino disse, numa entrevista, que ouvia música sem prestar muita atenção na letra, de uma forma geral. Depois é que ele ia analisar, se gostasse da música. Concordo que o Cazuza escreve um pouco melhor, mas a música da Legião fala mais alto. É boa balada de rock. Agora, o Renato, como letrista é... sincero, pelo menos. Pequenos bons momentos, às vezes em lugares inesperados, pra ele, principalmente. Concordo também: ele deve ter ouvido muito rock e, se existe alguma fonte em que ele bebeu, alguma canção que fosse um paradigma, aposto em Strawberry Fields Forever, dos Beatles. Aquele vai e vem de idéias semi-articuladas, o clima melancólico, dúbio, uma afirmação da ambiguidade. Penso também que a homossexualidade atormentada contribuiu para aquele estilo meio esquivo do Renato. Se fosse Umbanda, Cazuza era Exu; Renato, Oxalá. Mas não era, era só uma banda de rock, das melhores. E tinha algumas melodias realmente belas.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
22/7/2006
16h03min
Coincidentemente, também gosto do disco Dois em especial. Suas interpretações, como da presença do alter-ego do russo em faroeste caboclo, são bem interessantes.
[Leia outros Comentários de Carlos Bernardo]
28/7/2006
15h37min
O cazuza realmente foi o líder de sua geração. até pq falar sobre quem foi mais talentoso é no mínimo cômico... eu, na minha modesta opinião, achava o cazuza "o poeta", e renato "o grande letrista". a começar pq o cajú naum trabalhava letras e o renato trabalhava e muito, exigia a perfeição como por ex. em índios, que ele assumiu que a música demorou um ano para ficar pronta. mas foram dois gênios em uma só época. e hj nós sofremos sem gênios... só uma observação. sou capixaba e gostaría que vcs notassem um letrista chamado rodrigo, vocalista da banda dead fish. prá mim, o maior dessa geração.
[Leia outros Comentários de edson]
14/8/2006
23h13min
Acho que você foi parcial. Você fez um comentário sem tomar cuidado com seus dados: por exemplo, o que você cahmou de manifesto de Cazuza, em verdade, é uma compilação de entrevistas. O fato de você não ter gostado de algo não indica nada sobre sua qualidade: Cazuza, em Burguesia, não era nem sombra do compositor de anos anteriores... Menos complacência, por favor... Renato Russo não tinha projeto? Ou você que não tentou entender o projeto dele?
[Leia outros Comentários de Marcos Carvalho Lope]
10/9/2006
01h31min
Texto inteligente, que conseguiu despertar-me ira, pois admiro o trabalho do Cazuza, mas dizer que ele é melhor que o Renato, isso eu considero imperdoável. Renato foi e é ainda hoje o melhor que o Brasil já viu, com suas letras, melodia e voz. Letras que eu admito, as do Cazuza são dignas de serem comparadas, mas melodia e voz, aí virou palhaçada né, tenha dó. Mas gosto é gosto né, e eu espero que as pessoas não levem o seu tão à sério...
[Leia outros Comentários de Jordana]
6/4/2007
16h50min
Eu amo o Renato Russo, pois ele era e é até hoje um poeta, assim como o Cazuza.
[Leia outros Comentários de Karen ]
26/6/2007
19h01min
Tão bom descobrir esse texto. Aqui você foi fantástico, Julio, transparente, sensível, muito lindo o que escreveu. Um raro momento de sensibilidade derramada, em que se mostra mais ao tentar alcançar e saudar dois ídolos (seus e de muitos), Renato Russo e Cazuza, do que consegue revelá-los. Muito bom quando se entrega assim ao que faz, consegue ser fascinante, admirável e aplacar a ira que desperta em outros textos. Lê-lo é sempre uma boa descoberta. Beijos, Cristina
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
9/9/2008
02h40min
Acho que desvendar Renato Russo é quase que impossível. Como você mesmo afirmou, o compositor nem sempre é o eu-lírico. Porém, no caso do Renato, é quase que evidente tal junção. O Renato tirava suas letras, bombardeadas de sentimentos, das suas vísceras, o que é bem do rock. O Cazuza já se autodesvendava. Tinha uma racionalidade poética não tão rock, uma linguagem mais mpbista. Acho o Cazuza um artista completo, mas o Renato consegue tocar mais ao fundo. Talvez seja porque eu ainda estou na fase transitória adolescência-juventude, como bem enumerou você.
[Leia outros Comentários de Juarez Alencar]
11/2/2011
18h52min
Ambos poetas complexos, profundos, tocantes. Acho impossível e injusto declarar um melhor que o outro. Porém, o texto é perfeito na análise da obra de Renato.
[Leia outros Comentários de Carmen]
21/4/2013
19h51min
é isso mesmo, Cazuza é muito maior!
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE WALKING DEAD
ROBERT KIRKMAN E JAY BONANSINGA
RECORD
(2012)
R$ 18,00



DAVID COPPERFIELD
CHARLES DICKENS
W.M.JACKSON INC.
R$ 20,00



SOMOS TODOS RESPONSÁVEIS
ANTÔNIO ERMÍRIO DE MORAES.
GENTE
(2007)
R$ 13,50



EU CREIO EM MIM
EVALDO RIBEIRO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2010)
R$ 20,00



NÃO SOU FELIZ, POR QUÊ?
DR. FERNANDO LUCCHESE
L&PM
(2010)
R$ 15,00



CONTOS - ARTHUR AZEVEDO (LITERATURA BRASILEIRA)
ARTHUR AZEVEDO
TRÊS
(1973)
R$ 8,00



FACE @ FACE
PHILIP FINCH
OBJETIVA
(1997)
R$ 12,00



O TORMENTO DE DEUS: ESTUDOS SOBRE DOSTOIEVSKY E O ATEISMO MODERNO
FREI MATEUS ROCHA O. P.
VOZES
(1970)
R$ 86,00



LITERATURA COMENTADA
MÁRIO DE ANDRADE
NOVA CULTURAL
(1978)
R$ 7,80



MÃES DA BIBLIA
MARCOS VERÍSSIMO
ÁGAPE
(2014)
R$ 13,90





busca | avançada
33839 visitas/dia
1,0 milhão/mês