Literatura de entretenimento e leitura no Brasil | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
69439 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Gabriel García Márquez (1927-2014)
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
Temas
Mais Recentes
>>> O Público Contra Yayoi Kusama
>>> O africano e o taubateano
>>> Fake art e a pet humana
>>> O caso Luis Suárez
>>> Brasil brochou na Copa
>>> O Brasil não é a Seleção Brasileira
>>> Cidade-sinestesia
>>> A firma como ela é
>>> Mulheres fantásticas e futuristas
>>> O luto e o luto de Valter Hugo Mãe
Colunistas
Mais Recentes
>>> O Digestivo nas Copas
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
Últimos Posts
>>> Ascensão e queda:lançamento
>>> Bruna Beber no Sesc Palladium
>>> Ubaldo no Roda-Viva
>>> Ubaldo no Digestivo
>>> Beethoven, Perlman e Barenboim
>>> Alberto Dines sobre a Copa
>>> Imagina Depois da Copa
>>> Badzil vs. Germazing
>>> Ney Matogrosso sobre a Copa
>>> ¿Qué te pasa brazuca?
Mais Recentes
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
>>> 40 mil seguidores no Twitter
Mais Recentes
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Os Dentes do Dragão, de Oswald de Andrade
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> Almanaque das Confederações do Mundo Inteiro
>>> Mulheres fantásticas e futuristas
>>> 201 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama
>>> Ambientes Digitais - Reflexões Teóricas e Práticas
>>> 2007 e os meus shows
>>> Não Vou Blogar Mais
>>> Entre os novos autores, uma artista
LIVROS
Mais Recentes
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais
>>> Millôr 100 + 100 - Desenhos e Frases
>>> Medeias Latinas
>>> Poesia Completa de Raul Bopp
>>> O Guerreiro Pagão
>>> Introdução à Tragédia de Sófocles
>>> Tragédias
>>> Hamlet e o Filho do Padeiro
>>> Nigellissima - Inspiração Italiana Instantânea
>>> Caçando carneiros
>>> Brotos - Receitas da Culinária Viva
>>> Brincadeiras
>>> O Beijo
>>> Assassins's Creed - Barba Negra
>>> Anatomia radiológica aplicada
>>> O Amor Não É Para Mim
>>> Amizade Zumbi
>>> O 6º Continente
>>> 360 graus de influencia
>>> Caninos Brancos
>>> Fernando Pessoa - O Livro das Citações
>>> Máquina de Contar Histórias
>>> O Livro do Pão
>>> A Lista de Brett
>>> Lembranças de Lennon
>>> Ldb/1996 Contemporânea - Contradições, Tensões, Compromissos
>>> O Jogo Infinito
>>> Jararaca: Um Homem Com Nome de Cobra
>>> O Inverno de Frankie Machine
>>> Incendeia-me
>>> In My Shoes
>>> Idênticos
>>> Homero - Aventura mitologica
>>> Animais Selvagens - Minha Maletinha
>>> Animais Marinhos - Minha Maletinha
>>> Animais da Floresta - Minha Maletinha
>>> Minha maletinha - Animais da Fazenda
>>> A História das Copas
>>> Guia Para Donas de Casa Desesperadas
>>> Graça radical
>>> Glória roubada
>>> Lonely Planet - França
>>> Fique Onde Está e Então Corra
>>> Final do Jogo
>>> Filosofia no Ensino Médio
>>> Cidade do Fogo Celestial
>>> Felizes Para Sempre?
>>> Dead Kennedys: Fresh Fruit For Rotting Vegetables
>>> Felicidade roubada
COLUNAS

Terça-feira, 21/11/2006
Literatura de entretenimento e leitura no Brasil
Luis Eduardo Matta

+ de 15600 Acessos
+ 15 Comentário(s)

No dia 20 de novembro de 2003 – há três anos, portanto –, publiquei o meu artigo de estréia aqui no Digestivo Cultural, iniciando a minha gratificante trajetória como colunista desta notável revista eletrônica de cultura, da qual já era leitor regular desde os seus primeiros meses de existência. No artigo em questão, intitulado "A LPB e o thriller verde-amarelo", eu abordava um tema pouco debatido nos nossos círculos literários (ou debatido sem o aprofundamento e a objetividade necessários) e que eu considerava, e continuo considerando, de suma importância: a escassez de uma literatura de entretenimento produzida por escritores brasileiros. A defesa dessa vertente literária historicamente desvalorizada por aqui – a qual eu apelidei, na ocasião, de LPB ou Literatura Popular Brasileira –, acabou rendendo um segundo texto, "A LPB na novíssima Literatura", publicado nove meses mais tarde, em agosto de 2004, no site Paralelos e gerou uma ruidosa polêmica, que me rendeu centenas de mensagens de correio eletrônico e até algumas pequenas dores de cabeça.

O tema é inegavelmente delicado, pois, de certo modo, mexe com os fundamentos da literatura brasileira, contestando, ainda que apenas parcialmente, os rumos tomados pela produção literária nacional que, ao longo de décadas, privilegiou o livro como obra de arte, de denúncia ou espaço para experimentação, catarse ou reflexão e desvalorizou-o como um despretensioso objeto de lazer, capaz de preencher as horas livres do cidadão comum com momentos de diversão e distração. Ao longo do tempo fomos construindo, não sei se sem-querer ou intencionalmente, uma aura de deferência em torno do ato de ler, como se este fizesse parte de um verdadeiro ritual religioso de ode ao conhecimento e à grandeza da alma e da mente. Todo esse cerimonial sempre me incomodou por inúmeros motivos. O principal talvez tenha a ver com o fato de que eu, desde a infância, tenho com os livros uma forte relação de intimidade. O ato de ler sempre me foi natural. A leitura incorporou-se à minha vida de uma forma absolutamente tranqüila, sem sobressaltos de qualquer espécie, e nunca fui adepto dos discursos verbosos e cheios de pose, comuns no meio acadêmico e dos intelectuais de fachada, que enaltecem a leitura de maneira pomposa e artificial e referem-se a determinados escritores canônicos como se estes fossem deuses a serem adorados e não autores reconhecidamente talentosos e até mesmo geniais que, antes de tudo, merecem ser lidos do modo mais despojado e trivial possível. E é justamente este ato singelo e prosaico – o de ler – tão em desuso nos dias de hoje, que precisa ser resgatado e conduzido ao seu devido lugar no cotidiano simples do povo.

Quando se fala em literatura de entretenimento muita gente ligada ao mundo dos livros, automaticamente, se manifesta contra, antes mesmo de saber, ao certo, do que trata o assunto. Para essas pessoas, o simples fato de uma discussão a esse respeito estar sendo levantada constitui uma heresia e, em alguns casos, um verdadeiro atentado ao orgulho e à cultura nacionais. A seu juízo, o livro como mero entretenimento não possui nenhum valor. É subliteratura, não leva o leitor a crescer internamente e o aliena das grandes questões humanas, sociais e filosóficas; sua publicação, acreditam, deve-se, unicamente, ao desejo do autor e do editor de ganhar alguns cobres às custas de leitores ingênuos e despreparados intelectualmente, pessoas sem gosto estético, incapazes de dar valor à “verdadeira Literatura” e que não foram devidamente apresentadas ao que de melhor os grandes escritores produziram no decorrer da História. Essa mentalidade limitada e um tanto esnobe ajudou, e muito, a gerar a grande aberração que é a situação precária da leitura no Brasil contemporâneo. Pois, se por um lado, temos intelectuais encastelados em suas inexpugnáveis torres douradas de pretensa sabedoria dialogando entre si, para diminutas platéias de iguais ou para o espelho, por outro temos um imenso contingente de pessoas carentes de leitura e conhecimento, que nunca foram devidamente introduzidas no universo lúdico dos livros e permanecem distantes deles, muitas vezes por se sentirem incapazes de praticar a leitura com todo esse cerimonial amplamente apregoado pelos formadores de opinião.

Todos sabemos que ler é bom, que ler é importante, que ler abre positivamente a nossa cabeça, permitindo a entrada do conhecimento e o aprimoramento da nossa visão do mundo. De tanto essas máximas haverem sido repetidas, já se tornaram uma espécie de mantra, que todos repetem automaticamente. Acontece que não adianta dizer a uma pessoa pouco ou nada afeita à leitura que ler é importante, se na prática a sua relação com os livros for de repulsa. A única maneira desta pessoa se tornar uma leitora contumaz é sentir na prática que ler é, acima de tudo, um grande prazer, uma grande diversão, o meio mais interessante de entretenimento cultural jamais inventado pelo ser-humano. Só assim ela adquirirá o hábito da leitura. Mas como fazer isso num país como o nosso em que o hermetismo lingüístico é incensado à maneira dos intrincados textos jurídicos, onde a literatura é tratada como uma deusa e onde existe uma conexão reduzidíssima entre a elite intelectual e o “povão”?

Muitas das cartas desaforadas que recebi a propósito dos meus dois artigos anteriores sobre a necessidade de estabelecermos no Brasil uma tradição de literatura de entretenimento me acusavam de pregar o fim da excelência literária que sempre permeou a história cultural brasileira, substituindo grandes autores de inegável genialidade por best-sellers estupidificantes e de linguagem fácil e pobre, copiados do que de pior a literatura contemporânea norte-americana produziu. Outros afirmavam que esse debate era ridículo e inócuo, pois não seria uma literatura de entretenimento brasileira que faria as pessoas lerem mais. Em primeiro lugar, quem leu com atenção os artigos sabe que, em nenhum momento, eu propus que a literatura de entretenimento tomasse o lugar da literatura brasileira existente, ainda porque eu não seria maluco de pregar um absurdo desses, uma vez sendo um leitor entusiasmado de muitos escritores brasileiros clássicos e contemporâneos, consagrados ou não. A minha proposta era e continua sendo a de abrir um caminho a mais na literatura brasileira, conciliando estilos e tendências, já que há lugar para todos. Então, essa primeira acusação é improcedente e deve ser sumariamente posta de lado. Em segundo lugar, um livro de entretenimento não é necessariamente um livro de baixa qualidade e, tampouco, um livro que irá vender horrores. Essas são confusões bastante comuns, aliás. Há livros de entretenimento, como os de Alexandre Dumas, Frederick Forsyth e Georges Simenon, que possuem enormes méritos literários, ao passo que muita literatura dita de proposta padece da falta de qualidade. Por outro lado, nem toda literatura de entretenimento será um best-seller, do mesmo modo que nem todo best-seller é literatura de entretenimento. Na verdade, o que pude perceber, analisando as cartas em que o tema era atacado (foram pouco menos de cem num total de cerca de oitocentas), foi um evidente preconceito aliado a um total desconhecimento do que seja literatura de entretenimento e, sobretudo, sobre as conseqüências negativas que a sua quase ausência tem no ambiente literário brasileiro.

Também enganam-se aqueles que afirmam ter sido eu o responsável por levantar o debate sobre literatura de entretenimento no Brasil. Quem primeiro falou publicamente sobre o assunto, até onde eu tenho notícia, foi o célebre poeta e crítico literário José Paulo Paes que, nos final dos anos oitenta, escreveu um ensaio a respeito intitulado "Por uma literatura brasileira de entretenimento (ou: o mordomo não é o único culpado)", que integra o livro A Aventura Literária – ensaios sobre ficção e ficções. Foi inspirado neste texto de Paes que decidi refletir mais a respeito do assunto, visitei livrarias, conversei com inúmeros leitores e livreiros e passei a ter uma percepção mais ampla e precisa acerca da relação entre os leitores comuns e os livros. O termo LPB surgiu por acaso durante a redação do primeiro artigo, ao estabelecer um paralelo com a música popular brasileira (MPB) que, a despeito da sua declarada não-erudição conseguiu se firmar como paradigma de qualidade e excelência. O que seria da música brasileira atual, se não tivessem surgido o samba, a MPB e o BRock? Fatalmente seríamos grandes consumidores de música pop estrangeira. Pois é exatamente isso o que acontece com os livros. Na falta de uma literatura brasileira que atenda ao paladar de um público amplo, desejoso de uma ficção despretensiosa, digestiva, de leitura descomplicada e enredo criativo e atraente, onde uma história de começo, meio e fim bem definidos é contada, as traduções de títulos, principalmente os de língua inglesa, ocupam soberanamente esse espaço. Do mesmo modo, a escassez de uma literatura de entretenimento nacional dificulta a formação de leitores, principalmente nas escolas, pois as aulas de literatura brasileira acabam se concentrando nos autores canônicos ou regionalistas, cuja prosa sofisticada e de difícil assimilação para a maioria, acaba gerando toda sorte de preconceitos em relação ao ato de ler, que passa a ser visto como algo complicado e enfadonho. Sobretudo se o livro vier acompanhado daquele verdadeiro tiro de misericórdia no gosto pela leitura que é o famigerado teste de interpretação do livro, o maior inimigo da formação de leitores no Brasil.

No seu brilhante ensaio, o nosso saudoso José Paulo Paes afirma, em dado momento, que “Numa cultura de literatos como a nossa, todos (os escritores) sonham ser Gustave Flaubert ou James Joyce, ninguém se contentaria em ser Alexandre Dumas ou Agatha Christie. Trata-se obviamente de um erro de perspectiva: da massa de leitores destes últimos autores é que surge a elite dos leitores daqueles, e nenhuma cultura realmente integrada pode se dispensar de ter, ao lado de uma vigorosa literatura de proposta, uma não menos vigorosa literatura de entretenimento”. Creio que esse trecho resume de forma bastante elucidativa o que eu prego ao defender a LPB. Acompanhando o panorama da literatura no Brasil ao longo da última década e meia, verifico que muitos escritores e intelectuais se lançam em acaloradas discussões absolutamente supérfluas, para não dizer anódinas, sobre estética e excelência literárias. Criam atritos, fazem intrigas e muitos chegam a romper relações entre si para o resto da vida, jurando inimizade eterna. Enquanto isso, o povo brasileiro, alheio a tudo isso, continua refém da própria ignorância e alijado do mundo dos livros. Não há como negar que uma das grandes deficiências de muitos dos nossos escritores tem sido a sua baixa capacidade de se comunicar com um público mais amplo. Imagino que muitos, ao escrever seus livros, miram em si próprios ou num leitor mais sofisticado e se esquecem das massas. Isso não é absolutamente uma crítica minha e menos ainda um demérito deles, mas se pretendemos, de fato, construir um país de leitores, como sempre se sonhou, é preciso ter consciência de que a literatura – ou, ao menos, parte dela – terá de transpor as muralhas do castelo onde se mantém confinada e se misturar ao povo humilde nas ruas para tentar lhe mostrar que ler pode ser mais interessante e fascinante do que assistir à TV, jogar videogame ou sair para festas todas as noites. Se queremos que o povo leia, não adianta escrevermos apenas para o deleite da crítica acadêmica, pois caso um dia o Brasil se torne um país de grandes consumidores de livros, estes livros, infelizmente, não serão de Machado de Assis, Guimarães Rosa, Mário de Andrade ou Clarice Lispector. Seria ótimo se fossem, seria maravilhoso se todo mundo se sentisse atraído por essa grande literatura, mas precisamos enxergar e aceitar a realidade e não viver eternamente presos a utopias. A literatura brasileira tal qual a conhecemos, por mais extraordinária que seja – e ela é – não tem apelo popular, com raríssimas exceções, e suas chances de ser absorvida por um público amplo de milhões de potenciais leitores (o Brasil, afinal, tem 180 milhões de habitantes) são muito, mas muito pequenas.

No entanto, já há alguns tímidos sinais de que esse panorama começa a mudar. De uns anos para cá, noto que alguns escritores – poucos ainda – vêm se aventurando pela literatura de entretenimento e publicando seus trabalhos, sobretudo nos gêneros policial, ficção-científica e ficção sobrenatural. A maioria não conseguiu espaço nas grandes editoras e menos ainda na mídia literária e não goza ainda de qualquer prestígio (há exceções), mas verifico que já há uma consciência por parte de alguns dos novos autores para a necessidade de se fazer uma literatura mais voltada para o lazer do leitor médio, que é o leitor majoritário. Muitas dessas obras têm qualidade e talvez seja apenas uma questão de tempo para que alcancem a visibilidade que merecem. Quando isso acontecer, todos ganharão: os escritores de um modo geral, o mercado editorial como um todo e, principalmente, o país que, enfim, começará a dar passos concretos rumo a um futuro onde teremos uma grande população leitora (será preciso mudar, também, a metodologia de ensino de literatura nas nossas escolas, mas esse assunto rende outro artigo). E, aí sim, com muita leitura, o Brasil estará aparelhado para, enfim, ingressar no clube das nações desenvolvidas.

Nota do Editor
Hoje, coincidentemente, é também aniversário de Luis Eduardo Matta.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 21/11/2006

Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2006
01. Sim, é possível ser feliz sozinho - 19/9/2006
02. A favor do voto obrigatório - 24/10/2006
03. As novas estantes virtuais - 14/2/2006
04. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil - 21/11/2006
05. Copacabana e a cultura urbana carioca - 13/6/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/11/2006
18h16min
LEM, parabéns pelo seu texto excepcional. Fazia muito tempo que não lia um texto que com tanta precisão. Ataca um dos problemas mais sérios do Brasil: uma visão desequilibrada e distorcida da educação. Espero que este texto seja lido por muitos daqueles que foram eleitos na ultima eleição... Quem sabe eles não acionam os pedagogos que determinam o que deve ser lido na escola, para começar a mudar o país de verdade.
[Leia outros Comentários de Ram]
20/11/2006
18h39min
O artigo está bem escrito, esse tema da literatura de entretenimento é interessante e dá o que falar... Tive a honra de conhecer o escritor Luis Eduardo Matta dias atrás num evento literário no Rio. Matta é uma pessoa simpaticíssima, inteligente e com muito humor. É o tipo de pessoa com quem se pode passar horas falando de vários assuntos, sempre num nível bastante elevado. Mas o que me surpreende, de verdade, é que esse assunto de literatura de entretenimento, ou literatura popular, tenha partido justamente dele, que parece ser o mais aristocrático escritor dessa nova geração de autores... Por que nenhum dos outros novos escritores, que ficam espalhando por aí que são marginais, transgressores e em sintonia com a realidade das "massas", nunca abordam também esse tema da democratização da literatura e da criação de uma literatura para as massas? Matta, parabéns pela coragem em enfrentar um assunto tão sério e por se preocupar tanto com a triste realidade da leitura no Brasil.
[Leia outros Comentários de ana]
21/11/2006
15h32min
Eu sou um exemplo típico de quem começou a ler romances melosos quando adolescente, mais tarde passei a amar vários escritores da literatura mundial. Está na hora de "capturar" novos eleitores, se deu certo comigo. Luis Eduardo Matta está corretíssimo.
[Leia outros Comentários de ]
21/11/2006
23h26min
Matta, concordo plenamente com vc. Essa repulsa q o brasileiro (principalmente o menos favorecido) sente pela leitura me fez enxergar a q ponto chegamos atraves de uma situação q presenciei. Desde 2003 eu faço parte da equipe ação social do Rally dos Sertões e, em muitas oportunidades, ficamos descarregando os caminhões com caixas. Obviamente a população se aproxima, pergunta o q tem nelas e pede uma. Cansado de tanto explicar a eles q essas caixas sao doações destinadas às instituições cadastradas e q infelizmente não posso "desviá-las" a ninguem, pensei numa forma mais simples de "poupá-los" disso: comecei a falar "O q tem nessas caixas? LIVROS!". Pronto, era automático... a pessoa virava a cara e ia embora, desolada, sem nem questionar. Com isso, ao mesmo tempo em q eu ficava aliviado de me poupar do incomodo dessa recusa a uma pessoa humilde, eu ficava triste diante de mais um exemplo de q o brasileiro não gosta mesmo de livros e é isso q tem q mudar.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
22/11/2006
11h52min
Artigo perfeito! Parabéns!
[Leia outros Comentários de Mauro Mendes]
22/11/2006
13h34min
Matta, parabéns pelo texto. Os que criticam sua opinião talvez ofereçam Machado ou Rosa para um adolescente que não tenha o hábito da leitura; e como obrigação escolar! Experimente abordar numa livraria alguém que folheia um Harry Potter de 500 páginas ou um dos muitos Sherlock Holmes, e olhe para ele com aquele desprezo, acrescido de um “Você vai ler isso?”, e você terá incrementada a estatística dos que não têm o hábito da leitura. Marcos Rey, na época do ginásio, me despertou a paixão pelos livros. Será que teria me apaixonado assim se a leitura extra-classe tivesse sido um clássico? Hoje, leio prazerosamente Machado de Assis, Flaubert, Fernando Sabino, Gabriel Garcia Márquez; mas há de se esperar o momento certo para chegar a esse ponto. Contudo, é direito meu abandonar um clássico se o primeiro capítulo me decepcionar. Talvez daqui a alguns anos, eu os veja com outros olhos, ou não. É um direito meu; direito dos milhões de brasileiros de ler... aquilo que gostar.
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
23/11/2006
10h36min
Matta! Primeira vez por aqui por convite da Jornalista Carla Borges, de Goiânia. Muito pertinente teu texto e junto-me a ti na luta pela leitura, seja qual for. O importante é criar o hábito, o gosto, a necessidade. Os clássicos virão pela curiosidade e se tornarão importantes na formulação estrutural da mente do indivíduo enquanto leitor, que entenderá melhor os aspectos de elaboração de personagens e de introdução do cenário à epoca do livro. Um abraço, Sílvio Vasconcellos
[Leia outros Comentários de Sílvio]
23/11/2006
10h51min
Lúcido e pertinente, imperdível. Enviei por e-mail para todas as pessoas que me são caras. Parabéns! Viva a Literatura Popular Brasileira!
[Leia outros Comentários de Carla Borges]
23/11/2006
20h04min
Grande Matta, é isso mesmo. Já conversamos sobre esse tema. Para mim, o único objetivo da literatura é divertir. Abraço e parabéns!
[Leia outros Comentários de Alberto Mussa]
29/11/2006
20h14min
Luis, agradeço imensamente a sua coragem em debater um tema como este que já deveria estar em pauta há mais tempo e ter sido discutido pelos "deuses da sabedoria", e de fato, já discuti sobre essa questão com vários colegas e incrivelmente TODOS dizem a mesma coisa: eu até gostaria de ler mas os professores de sala de aula vêm com essa ditadura sobre o que devemos ou não ler, o que é ou não "inteligente" ler... e tenho certeza que se esse tema fosse levado às escolas, universidades, colégios, TVs, mídia, certamente os ditos "INTELECTUAIS" saberiam que essa postura de ZEUS NO ALTO DO OLIMPO, que eles têm, teria de ser deixada de lado, afinal, não pensam que para que as pessoas possam vir a ser "cabeças pensantes, intelectuais, cultos", elas têm de ter oportunidade e quem lhes ensine a pensar, a gostar de ler, a querer modificar o mundo, etc. Mas os "intelectuais" ficam apenas criticando as massas ignorantes ao invés de fazer alguma coisa para modificar essa realidade...
[Leia outros Comentários de Graça]
11/12/2006
21h54min
Acredito que antes de ler os grandes autores, devemos começar lendo o que nos agrada. E isso inclui a literatura infantil, juvenil e os ditos livros "de entretenimento", tão desprezados pelos intelectuais. Enquanto não houver acesso aos livros para a grande maioria da população, com bibliotecas nas escolas e bibliotecas públicas bem abastecidas, apenas uma minoria poderá comprar livros, e desenvolver o hábito da leitura. Isso também começa em casa, com o incentivo da família. A meu ver, não há nada de errado na literatura de entretenimento. Nem sempre queremos ler algo profundo, que exija nossa atenção e raciocínio. As vezes a leitura é só um modo agradável de relaxar, e por que não ler Agatha Christie? Em outro momento, leremos Guimarães Rosa. Como diz a Bíblia, há tempo para tudo em baixo do sol.
[Leia outros Comentários de Cristine]
23/1/2007
20h31min
Livros "chatos" não valem nada. Por isso, Tolstoi, Cervantes, Nabokov, Fernão Mendes Pinto, Joanot Martorell, Homero, Eça de Queirós, Jonathan Swift, Stendhal, verdadeiros escritores que são, serão sempre lidos com prazer, ao passo que Sartre, Mário de Andrade, José de Alencar, Saramago, beletristas que são, só encantam suas almas gêmeas, os metidos a escrevinhadores que só sabem perfilar palavras na ânsia desperada de fertilizar o inóspito deserto da imaginação.
[Leia outros Comentários de Rafael]
3/10/2007
16h34min
Li e concordo plenamente com o Matta. Estou escrevendo meu Trabalho de Conclusâo de Curso (TCC), defendendo justamente a literatura de entretenimento, pois acho apesar da linguagem simples, conseguem causar o mesmo efeito que a literatura erudita no que diz respeito a influenciar na vida social e pessoal do leitor de forma positiva e isto podemos conprovar ao ler o artigo "Leitoras com coração: Uso de leitura dos romances sentimentais de massa", que Simone Meirelles Rodriguez escreveu na Revista Letras. Curitiba, n. 65, p. 23-37. jan/abr. 2005. Editora UFPR.
[Leia outros Comentários de Angélica]
5/3/2008
13h31min
é isso mesmo, precisamos melhoras a leitura desse país, e concordo plenamente com o Matta. obrigada! =)
[Leia outros Comentários de leticia]
1/5/2008
12h06min
A análise do Luis Eduardo Matta era tudo o que eu queria ler na internet sobre literatura brasileira. Parabéns pela sua opinião, Matta. Também penso assim há muito tempo; e, com certeza, milhões de potenciais leitores. O livro "Lírios Vermelhos" é um exemplo do que o povo gostaria de ler, de um autor brasileiro: amor, suspense, ação, mistério e um final "hollywoodiano" (tomara que seja publicado um dia).
[Leia outros Comentários de Lalor Callado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> Observatório da Imprensa analisa a polêmica entre a Igreja e o cineasta José Padilha
>>> Para incentivar a leitura de crianças e adolescentes
>>> João Turin, Vida, Obra e Arte
>>> 'Arraiá do Pátio Alcântara' com muita diversão para a criançada
>>> Programa da TV Brasil visita Museu Oscar Niemeyer em Curitiba
>>> Espaço Público analisa o conflito no Oriente Médio
* clique para encaminhar

Cortez Editora
Hedra
Companhia das Letras
Bertrand Brasil
Madras Editora
Globo Livros
Primavera Editorial
Intrínseca
Editora Conteúdo
Arquipélago Editorial
Editora Perspectiva
WMF Martins Fontes
Civilização Brasileira
Editora Record
Best Seller
Nova Fronteira
José Olympio
LIVROS


DUAS VEZES AMOR
Por R$ 38,95
+ frete grátis



O 6º CONTINENTE
De R$ 24,00
Por R$ 20,00
Economize R$ 4,00



HOMERO - AVENTURA MITOLOGICA
De R$ 58,00
Por R$ 50,95
Economize R$ 7,05



AMIGOS SELVAGENS
De R$ 14,90
Por R$ 12,66
Economize R$ 2,24



REFLEXÕES OU SENTENÇAS E MÁXIMAS MORAIS
De R$ 14,90
Por R$ 11,60
Economize R$ 3,30



A MÚSICA POPULAR NO ROMANCE BRASILEIRO 1
De R$ 49,00
Por R$ 44,95
Economize R$ 4,05



CHINA E RÚSSIA NO PÓS-GUERRA FRIA
Por R$ 54,95
+ frete grátis



GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA
Por R$ 49,95
+ frete grátis



ENSAIO AUTOBIOGRÁFICO
Por R$ 28,95
+ frete grátis



PROTEÇÃO JURÍDICA À SAÚDE DO TRABALHADOR
Por R$ 99,95
+ frete grátis



busca | avançada
69439 visitas/dia
2,0 milhão/mês